sexta-feira, 15 de julho de 2011

Azul pode optar por A320 com indefinição de novo jato da Embraer

15/07/2011 - Valor

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras, criada pelo fundador da JetBlue Airways Corp., pode optar pela compra de aviões A320neo da Airbus SAS caso a Embraer SA não desenvolva uma aeronave maior. A Azul, lançada por David Neeleman há três anos, é hoje a terceira maior companhia aérea do Brasil e tem entregas de aviões da Embraer programadas até 2015. Ela foi a primeira empresa nacional a utilizar no País os aviões da família E-Jet da fabricante brasileira.Antes disso, a Embraer terá de começar a desenvolver um avião com tamanho similar aos da família CSeries, da Bombardier Inc., com motores mais econômicos caso queria manter a Azul como cliente, disse Neeleman. Esse avião teria de ser capaz de transportar mais passageiros a um custo menor, disse o presidente do conselho de administração e controlador da Azul.“Prefiro ficar com a Embraer, mas eles têm que ter uma solução, pois outros como o neo têm custo menor”, disse ele em entrevista na sede da Bloomberg em São Paulo no dia 12 de julho.Companhias aéreas em todo o mundo têm pressionado por aviões mais econômicos à medida que os preços dos combustíveis aeronáuticos sobem. A Airbus, subsidiária da European Aeronautic Defence and Space Company, respondeu com o A320neo, que ela alega ser 15 por cento mais econômico.“O custo por viagem no E-195 é muito menor que o do A320, mas com a redução de 15 por cento no custo do A320neo, a diferença fica menor”, disse Neeleman. “E o neo tem bem mais assentos.”O E-195, que pode transportar de 108 a 122 passageiros, dependendo da configuração da cabine, tem preço de tabela de US$ 45 milhões. O A320neo, com capacidade entre 150 e 180 pessoas, é listado a US$ 91 milhões e compete diretamente com o 737 da Boeing Co., o avião comercial mais utilizado no mundo.Cinco anosA Azul deve encerrar o ano com 48 ou 49 aviões em sua frota, 8 deles bimotores a hélice fabricados pela ATR Aircraft, disse Neeleman.“Para nós, hoje, os melhores aviões são os E-195 e os ATR, mas, daqui a cinco anos, podemos precisar de um maior”, disse Neeleman.A Embraer está esperando para ver se a Boeing substituirá os motores do 737 por outros mais eficientes ou se vai desenvolver um avião completamente novo antes de decidir qual estratégia adotará, disse o presidente da companhia, Frederico Curado, em entrevista durante o Paris Air Show, em 21 de junho.“A Airbus está na frente com o neo, pois a Boeing não decidiu ainda”, disse Neeleman. “Precisamos estudar o CSeries, mas a Airbus está na frente.”No Brasil, a legislação impede estrangeiros de controlar mais de 20 por cento do capital votante de companhias aéreas. Como Neeleman nasceu no País e tem cidadania brasileira, a regra não se aplica a ele.A Azul tinha 8 por cento de participação no mercado doméstico brasileiro em maio, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil. A empresa pretende chegar a 10 por cento no fim do ano e a 25 por cento dentro de 10 anos, disse Neeleman.(Bloomberg)

Nenhum comentário:

Postar um comentário