terça-feira, 27 de abril de 2010

Com tarifas mais baratas e pagamento em até 60 vezes, companhias menores ampliam a participação no mercado




Karla Mendes - Correio Braziliense
Publicação: 27/04/2010 07:00
As companhia aéreas “nanicas” estão revolucionando o mercado de aviação no Brasil. Ao focar nas classes C e D, com bilhetes de baixo custo e parcelamento de passagens em até 60 meses, começaram a roubar clientes das gigantes do setor. Quem ganhou foi o consumidor, que tem conseguido viajar de avião pagando menos, resultado da guerra constante de preços travada entre as empresas. Tanto que, em 2009, a tarifa média dos bilhetes vendidos foi de R$ 322, bem abaixo dos R$ 444 contabilizados em 2008, conforme levantamento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Na visão de Felipe Queiroz, consultor de aviação da Austin Rating, está havendo uma mudança estrutural no mercado, consequência não só da entrada de novos concorrentes no setor aéreo, mas também da ascensão social. “Além de novos atores na aviação comercial, a classe C está entrando com tudo no mercado, beneficiada pela maior oferta de crédito e pelo controle da inflação, fatores que mantêm o poder de compra em alta”, disse. Ele ressaltou que essa nova realidade fez com que as empresas deixassem de olhar apenas para as classes A e B, até então as suas tradicionais clientes.

“As classes C e D, que antes viajavam de ônibus para o Nordeste vão hoje de avião, pagando tarifas menores”, afirmou Queiroz. O parcelamento dos bilhetes em diversas vezes é outro forte atrativo. “Como a inflação está controlada, os consumidores dividem os valores com segurança, pois sabem que não correm risco de aumento de preços nem do desemprego”, acrescentou.

Para ele, a companhia que mais tem aproveitado essa conjuntura é a Azul, que estreou em dezembro de 2008 e, ao fim do ano passado, já havia conquistado 3,82% de participação no mercado doméstico. A Webjet, por sua vez, ampliou a sua fatia de 2,46% para 4,46% no mesmo período, e a Avianca (ex-OceanAir), de German Efromovich, pretende elevar a sua parcela de 2,5% para 4% até o fim deste ano (leia matéria abaixo). “O foco (dessas empresas) é reduzir o preço das passagens e aumentar a ocupação do avião”, assinalou o analista. Já a TAM, atual líder, viu seus índices caírem de 50,4% para 45,6% ao fim de 2009. E a Gol encolheu de 42,38% para 41,37%.

A perspectiva é de que, daqui para frente, ocorram mais mudanças no ranking de mercado, em decorrência da realização, no Brasil, da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016. “Cada cliente será disputado com unhas e dentes”, ressaltou Queiroz. A tendência é não só o aquecimento do mercado doméstico, mas também que um maior número de turistas estrangeiros venham para o Brasil.

Apesar da perda de participação no mercado, as gigantes mantiveram elevados índices de rentabilidade. Levantamento da consultoria Economática mostra que a TAM registrou, no ano passado, o maior lucro líquido entre as companhias aéreas das Américas: US$ 771,04 milhões, seguida pela Gol, com US$ 529,36 milhões.

Azul chega em agosto
As linhas aéreas Azul devem começar suas operações em Brasília a partir de 1º de agosto, disse ao Correio o diretor de marketing da empresa, Gianfranco Beting. Segundo ele, a companhia espera começar a venda de passagens em meados de julho, mas não tem como estabelecer uma data, pois ainda depende da aprovação dos voos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Inicialmente, a Azul fará voos de Brasília para Campinas, em quatro horários: 7h, 11h16, 15h44 e 20h21. De Campinas para a capital federal, as decolagens serão às 8h42, 13h25, 17h55 e 21h50. (Mariana Ceratti)

» OceanAir vira Avianca
Deco Bancillon


São Paulo — Dentro de sua estratégia de aumentar a participação no mercado doméstico de 2,5% para 4% até o fim deste ano, a OceanAir, quinta maior companhia aérea do país, adotou uma postura radical. Abandonou o seu nome e assumiu a marca da companhia aérea mais antiga em operação nas Américas, a colombiana Avianca. Fundada há 90 anos, a Avianca é controlada pelo grupo Synergy, pertencente à família Efromovich. A empresa também anunciou investimentos de US$ 250 milhões até dezembro próximo, dos quais US$ 200 milhões serão usados na compra de quatro aeronaves Airbus A319. A primeira delas fará os trajetos entre Brasília, Porto Alegre, Guarulhos e Salvador.

Segundo o presidente da Avianca, José Efromovich, irmão de German, o controlador do grupo Synergy, as novas aeronaves ampliarão em 30% a oferta de assentos pela empresa. “Em Brasília, particularmente, o número de lugares disponíveis nos voos aumentará 10%, pois, no mês passado, a oferta já havia sido ampliada em 30% por dia”, disse. Ele lembrou que a frota atual da companhia é de 14 Fokker MK28.

Ao Correio, Renato Pascowitch, diretor-executivo da Avianca, disse que a ideia do grupo Synergy é investir até US$ 1 bilhão no Brasil nos próximo três anos. “Vai depender do mercado. Mas estamos dispostos a avançar no país”, assinalou. O dinheiro virá da financeira americana Sky e, muito provavelmente, do lançamento de ações (IPO, na sigla em inglês), operação que vem sendo estudada desde 2008, mas que não se concretizou devido à crise mundial.

A Avianca também planeja atuar em rotas internacionais partindo do Brasil. “Temos a intenção de fazer, mas não nos próximos 60 ou 90 dias. Compramos os aviões e temos condições para nos ajustar à demanda”, afirmou José Efromovich.

O repórter viajou a convite da Avianca

Nenhum comentário:

Postar um comentário