sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Leilão de “sucatões” cobrirá menos de 1% da dívida da Vasp

19/08/2011 - Portal iG

Empresa tem 27 aeronaves abandonadas, avaliadas em, no máximo, R$ 50 mil cada uma; dívida trabalhista é de cerca de R$ 1,5 bilhão

Marina Gazzoni, iG São Paulo

A venda das aeronaves da Vasp que estão abandonadas nos aeroportos brasileiros terá um impacto pequeno no bolso dos credores. Sem condições de voar e em péssimo estado de conservação, os 27 aviões da empresa viraram sucata e valem hoje entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, segundo laudo do avaliador judicial. Assim, na melhor das hipóteses, o leilão de todos os equipamentos renderá R$ 1,35 milhão.

O valor é pequeno se comparado à dívida da companhia aérea falida. Na época da falência, em 2008, o passivo foi estimado em R$ 3,5 bilhões. Até hoje, a questão está na Justiça e ninguém recebeu um tostão.

Cerca de 8.000 ex-funcionários entraram na Justiça para tentar receber sua parte de uma dívida trabalhista estimada em R$ 1,5 bilhão, de acordo com Vera Salgado, presidente da Associação dos Ex-empregados da Vasp.

As aeronaves da Vasp estão paradas em dez aeroportos brasileiros desde 2005, quando a companhia interrompeu os voos. Uma perícia feita em 2006 pelo escritório Jharbas Barsanti avaliava os aviões da empresa em R$ 16,8 milhões. De lá para cá, uma batalha na Justiça impediu que os equipamentos fossem vendidos. A falência da companhia foi decretada em setembro de 2008.

Falta de espaço nos aeroportos

A realização da Copa e da Olimpíada no Brasil deu à reforma dos aeroportos um caráter de urgência no Brasil. E a remoção dos chamados aviões-sucatas se tornou um pré-requisito para a realização das obras e o melhor aproveitamento da infraestrutura aeroportuária.

Hoje, existem 118 aeronaves paradas – de empresas falidas, particulares e até um modelo da Funai, de acordo com um levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Em fevereiro deste ano, o CNJ lançou o programa Espaço Livre, que visa viabilizar a retirada das aeronaves paradas dos aeroportos brasileiros. A primeira remoção será na próxima terça-feira, no aeroporto de Congonhas. Há nove aeronaves da Vasp no local, mas só há autorização judicial para remover parte da frota. O número exato ainda não foi confirmado.

“A ação é benvinda, mas chegou tarde”, diz a ex-funcionária Vera Salgado. Para ela, se a iniciativa tivesse ocorrido anos antes, os credores poderiam conseguir valores maiores com o leilão. “Essas aeronaves estavam em operação quando a Vasp parou de voar. Agora, foram depenadas e só restou a sucata”, diz.

Além das aeronaves, os credores tentam confiscar outros bens do empresário Wagner Canhedo, dono da Vasp. A fazenda Piratininga, em Goiás, foi vendida por R$ 310 milhões em dezembro do ano passado, mas o empresário tenta recuperar o bem. A questão ainda está na Justiça.

Veja o número de aeronaves paradas por aeroporto

Aeroporto Quantidade

Manaus 19
Porto Alegre 11
São Paulo (Congonhas) 10
Rio de Janeiro (Santos Dumont) 10
Rio de Janeiro (Galeão) 10
Brasília 10
São Paulo (Guarulhos) 8
Boa Vista 8
Campinas (Viracopos) 7
Salvador 4
Fortaleza 3
São Luís 2
Recife 2
Belém (Internacional) 1
Belém (Julio Cesar) 1
Belo Horizonte (Pampulha) 1
Belo Horizonte (Confins) 1
Campo Grande 1
Cuiabá 1
Curitiba 1
Foz do Iguaçu 1
Goiânia 1
Santarém 1
São José dos Campos 1
São Paulo (Campo de Marte) 1
Tefé 1
Uberlândia 1
Total 118

Nenhum comentário:

Postar um comentário