quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Meio caminho

01/08/2011 - Diario de Marilia

Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) negou pedido da Trip para operar na cidade com aeronaves maiores, o que poderia estimular o já crescente mercado aéreo após anos de estagnação devido ao monopólio exercido pela Pantanal desde que os voos diários foram estabelecidos.

Inicialmente a decisão é banho de água fria na possibilidade de expansão do serviço, que já é bem melhor que antigamente. Assim causa decepção a expectativa frustrada, porém pode ser revertida.

Em tese, o pedido foi rejeitado porque falta estrutura aeroportuária. Coincidentemente, a resposta negativa sai três dias depois de o governo do estado anunciar que vai investir R$ 6,2 milhões no aeroporto da cidade.

O que pode garantir que a Trip reverta essa situação e consiga operar com aeronaves maiores, além da reforma que o aeroporto vai receber, são os números das últimas operações.

Somente em junho 2.080 passageiros voaram utilizando o serviço da Trip. De acordo com a própria empresa o volume transportado é superior ao planejado no início das atividades.

Além disso há a concorrência das empresas, que agora são duas. Além da Trip a Azul Linhas Aéreas também opera em Marília e tem tido 80% da ocupação dos vôos preenchida. Ontem completou um mês de atividade e segundo a assessoria também estuda expansão.

Assim, diante dos fatos, talvez o que falte para a cidade ampliar o transporte aéreo oferecendo mais qualidade aos passageiros seja representação em Brasília, onde fica a Anac. Quem sabe com alguém negociando e pressionando politicamente a resposta não seria outra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário