quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Obras embargadas do aeroporto de Goiânia serão retomadas em 2012

24/11/2011 - G1 GO, com informações da TV Anhanguera


Novo cronograma define para 2014 a entrega da primeira etapa do projeto. Tribunal de Contas da União embargou a reforma em 2007.

Embargadas em 2007 pelo Tribunal de Contas da União (TCU), as obras do novo Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, serão retomadas em abril de 2012.

A data para a retomada do projeto, assim como um novo cronograma, ficou estabelecida em uma reunião na sede do TCU em Brasília, na quarta-feira (24).

Participaram do encontro, conduzido pelo ministro do TCU Raimundo Carreiro, o governador de Goiás, Marconi Perillo, representantes do consórcio responsável pela execução das obras e diretores da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Apesar do anúncio, o Tribunal só vai assinar o acordo no dia 20 de dezembro.

O contrato continua o mesmo de 2007, mas com algumas mudanças. “Faremos a retomada desse contrato, em outras bases renegociadas de preços e condições de execução”, disse o diretor de engenharia da Infraero, Jaime Barreira.

O custo ainda não está definido. Na primeira fase, o consórcio terá de concluir as áreas de embarque e desembarque, com previsão para terminar em 2014. A etapa final deve ser entregue em 2020.

Apesar da demora, o governador Marconi Perillo se mostrou contente com o avanço nas negociações. “Eu estou otimista, porque percebo boa vontade das duas partes. E também do Tribunal de Contas, que é o juiz dessa demanda”, explicou.
Histórico

As obras do aeroporto de Goiânia se tornaram uma verdadeira novela. Em 2002, o governo anunciou a licitação para a construção do novo terminal.
Dois anos depois, em setembro de 2004, a Justiça Federal em Goiás suspendeu o processo licitatório e as obras paralisaram.

Em 2005, outra decisão, também da Justiça Federal, autorizou o reinício da construção, contrariando o pedido do Ministério Publico Federal. Na época, houve a liberação de R$ 30 milhões para o projeto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário