segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Guilherme Paulus vai investir no Santos Dumont

09/01/2013 - Valor Econômico, André Borges e Alberto Komatsu

A empresa GJP Investimentos venceu a licitação da Infraero para implantação e exploração de um complexo que envolve a construção de um hotel e de um centro de negócios no aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. O valor global do contrato, que tem prazo de 25 anos, foi firmado em R$ 270 milhões, um ágio de 17,79% sobre o inicialmente previsto pela Infraero, de R$ 229,23 milhões.
A concessão envolve uma área de 4.785 metros quadrados e vai ocupar o espaço dos antigos prédios da Varig e da Vasp, onde serão erguidos o hotel e o centro de negócios. A licitação incluiu também um espaço livre de 8.432 metros quadrados, além de um balcão para reservas localizado no terminal de passageiros do Santos Dumont, totalizando uma área de 13.223 metros quadrados.
A GJP Investimentos já havia arrematado, em fevereiro de 2011, a concessão para construção e exploração comercial de um hotel no aeroporto do Galeão, o qual deverá ser concluído até maio deste ano.
O novo contrato envolve a construção de um hotel de categoria quatro estrelas, com serviço de traslado para o aeroporto e internet sem fio gratuita, entre outros serviços. O centro de negócios funcionará sete dias por semana e contará, por exemplo, com recepcionistas bilíngues, serviços de tradução, concièrge, restaurante, papelaria e loja de conveniência, entre outros.
Nos próximos dois anos, a GJP investirá R$ 96,5 milhões para erguer o complexo. A GJP Investimentos integra a GJP Participações, holding do empresário Guilherme Paulus, fundador e presidente do conselho de administração da maior operadora de turismo do país, a CVC. GJP são as iniciais do nome completo dele, Guilherme Jesus Paulus.
Depois que vendeu 63,6% da CVC para o fundo de private equity Carlyle, por R$ 750 milhões, em janeiro de 2010, Paulus iniciou uma investida no setor de hotéis. Com a GJP Hotéis & Resorts, braço do setor hoteleiro, tem um plano de investir R$ 1 bilhão, até o fim de 2014, para ter 25 hotéis. Atualmente, a GJP conta com 15 hotéis em operação. Do plano total de investimento, metade deverão ser recursos próprios da GJP e o restante de parceiros e investidores. Paulus também vendeu a Webjet para a Gol Linhas Aéreas, por R$ 43 milhões, em julho de 2011. Com a negociação da CVC e da Webjet levantou em torno de R$ 800 milhões.
O plano de expansão da GJP Hotéis & Resorts contempla várias frentes. A empresa investe em hotéis próprios, tem participado de concorrências e tem feito parcerias nas quais administra o empreendimento de redes internacionais como a Starwood, dona da marca Sheraton.
Em 2012, a estimativa da GJP é de ter alcançado um faturamento de R$ 100 milhões, o que representaria um crescimento de 17% em relação ao ano anterior
A oferta de hotéis e centros de convenção em aeroportos tende a se tornar uma fonte importante de receita para a Infraero. Hoje a estatal só tem dois hotéis concedidos, mas uma nova leva de projetos sairá no papel neste ano.
Hoje, a estatal deve abrir os envelopes para a construção de uma estrutura hoteleira ligada ao aeroporto de Confins, em Belo Horizonte. Em breve, a Infraero abrirá as proposta do aeroporto de Vitória. Mais seis propostas estão a caminho. Até o fim de julho, estarão na praça os editais de concessões de hotéis para os aeroportos de Congonhas, Salvador, Porto Alegre, Foz do Iguaçu, Manaus e Curitiba.
"Temos buscado novas fontes de recursos e isso é uma prática mundial no setor aeroportuário. Hoje só temos dois hotéis que funcionam em ambiente aeroportuário (Caesar Park de Guarulhos, que foi concedido; e outro hotel no Galeão). Vamos ampliar essas operações, tudo em regime de concessão", disse Claiton Resende, superintendente de negócios comerciais da Infraero.
Apesar de 14 empresas terem avaliado a concessão do complexo hoteleiro no Santos Dumont e oito terem sinalizado interesse no negócio, apenas a GJP apresentou proposta. Durante os 25 anos de concessão, a empresa vai pagar R$ 900 mil por mês à Infraero e deverá concluir a obra em até 16 meses. A concessão não prevê prorrogação.
Mesmo com um único interessado na concessão, a Infraero considerou positivo o resultado da licitação. "Acreditamos que é um investimento extremamente atrativo. A localização no Rio é fantástica. Demos prazo para que todos pudessem se preparar, apresentamos o negócio para o mercado. O edital foi publicado em 24 de outubro. Ms investimento é uma escolha individual", disse Claiton Resende.

Nenhum comentário:

Postar um comentário