sábado, 23 de março de 2013

Avianca prevê crescer no mínimo 30% no país

21/03/2013 - Valor Econômico

Bruno Peres

Efromovich, da Avianca, negou que busque apoio do
governo brasileiro para avançar nas negociações para comprar a TAP

O presidente da Avianca Brasil, José Efromovich, disse ontem que a companhia espera um crescimento "de no mínimo" 30% para 2013, após ter transportado, em 2012, mais de 5 milhões de passageiros, o que representa, segundo ele, crescimento de 84% ante 2011. Em 2013, a expectativa alcança mais de 6 milhões de passageiros.

A declaração foi dada ontem por Efromovich na chegada ao Palácio do Planalto para uma reunião na Casa Civil, segundo ele, de caráter institucional.

Na avaliação do executivo, "se o mercado explodir", a companhia tem "uma grande vantagem", que é a possibilidade de deslocar para o Brasil aviões que estejam designados para atendimento em outros países da América do Sul, como Equador, Peru e Colômbia. A Avianca Brasil faz parte do grupo Avianca-Taca, com operações em diversos países da América Latina.

"O mercado brasileiro é importante e se tiver oportunidade, não temos nenhum receio", disse Efromovich. Ele negou que a companhia busque apoio do governo brasileiro para avançar nas negociações para a compra da portuguesa TAP. O governo português adiou o processo de privatização da TAP em dezembro, após ter negado oferta do grupo Synergy, controlador da Avianca.

Reportagem publicada pelo jornal "Folha de S.Paulo" no dia 9 de março informou que a Avianca teria decidido pedir ajuda ao governo brasileiro para uma nova investida na TAP e não estaria descartada uma ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"Está zerado isso, o processo de aquisição. Não por nós, mas pelo governo português. Lamentavelmente, mas está zerado", disse Efromovich. Ele negou a possibilidade de ajuda do BNDES. "Não é o nosso objetivo, não precisamos do BNDES. Não estou nem sendo arrogante, porque nós equacionamos o financiamento com uma estrutura no exterior", disse. "Temos outros financiamentos com o BNDES, mas zero TAP, zero aviação".

Segundo ele, "mais que interesse", a companhia tem "curiosidade" em saber a decisão do lado português. "Não sabemos se eles querem vender", disse.

"Hoje, não sei [quando o edital será publicado]. Naquela ocasião tinha total interesse. Vínhamos em um processo firme, investimos bastante. Hoje temos um interesse, mas, mais que interesse, curiosidade em saber o que eles querem fazer, porque não sabemos se eles querem vender", disse Efromovich.

Nenhum comentário:

Postar um comentário