segunda-feira, 1 de abril de 2013

Galeão poderá ser o 1º aeroporto do país com três pistas

31/03/2013 - O Globo

Concessão deverá ter prazo de 30 anos. Ministro diz que grandes operadores estão de olho no aeroporto

GERALDA DOCA
geralda@bsb.oglobo.com.br

GENILSON ARAÚJO

Do alto. Vista aérea do Galeão: segundo o ministro Moreira Franco, há uma visão unânime de que o serviço é ruim

-BRASÍLIA- O governo quer transformar o Galeão em um dos principais aeroportos do país, ampliando a capacidade de 15 milhões para 70 milhões de passageiros por ano. Para atender a esse público, será preciso ampliar substancialmente a infraestrutura, e o terminal poderá ser o primeiro do país a operar com três pistas de pouso e decolagem. Esta é uma das novidades previstas em estudos que vão servir de base ao edital de licitação. O leilão está previsto para setembro e a expectativa é que a concessão tenha prazo de 30 anos.

Segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, que assumiu o cargo este mês, o governo está determinado a entregar o aeroporto a um grande operador estrangeiro, que possa reproduzir no Galeão sistemas sofisticados de tecnologia, ainda que nas operações mais simples, e que tenha experiência, produtividade e qualidade no serviço prestado. Na visão dele, há uma avaliação unânime de que o serviço no Galeão é ruim.

— Há uma unanimidade: o aeroporto precisa mudar para garantir qualidade e segurança ao usuário. O usuário paga e não tem qualidade nem segurança — destacou Moreira Franco.

POUCA MUDANÇA ANTES DA COPA
Segundo Moreira Franco, a ampliação da infraestrutura será feita em etapas, pois não haverá tempo suficiente para que o novo concessionário faça intervenções significativas antes da Copa de 2014 e mesmo para as Olimpíadas, em 2016. A Infraero, que terá 49% da concessão, está orientada a tocar as obras de reforma do terminal 1 de passageiros e a concluir o terminal 2, além de executar as obras de revitalização no sistema de pátio e pista. Assim que esses investimentos forem concluídos, o que está previsto para 2014, a capacidade do aeroporto vai subir para 43 milhões de passageiros. Mas a estimativa da estatal é que nessa data a demanda do terminal já seja de 20,3 milhões.

— O esforço que o governo faz nesse momento é buscar um dos melhores operadores do mundo e um plano que faça do aeroporto uma referência importante para a economia brasileira. O Rio de Janeiro é uma porta de entrada e o aeroporto é o primeiro impacto que o turista tem. Você precisa garantir ao usuário do sistema qualidade e preço. Tem que ter segurança, agilidade, rapidez em atendimento, na circulação, no acesso à bagagem — destacou o ministro.

Moreira Franco disse ainda que, embora os estudos ainda não tenham sido concluídos, o que deve ocorrer em abril, todos os grandes operadores estrangeiros estão se movimentando, de olho no Galeão. Ele destacou que, nesta segunda rodada de privatizações dos terminais, os operadores terão que ter participação mínima de 25% nos consórcios. Na primeira fase, a exigência era de 10%.

— Isso é muito importante, porque a parte do corpo que mais dói é o bolso — disse.

Ele também defende que os fundos de pensão sejam autorizados a participar da disputa, mas com uma modelagem diferente do consórcio vencedor de Guarulhos, em que a Invepar (formada pelos maiores fundos de pensão das estatais) se associou à africana ACSA. O objetivo é permitir a entrada desses investidores, mas sem prejudicar a concorrência. Os fundos poderiam entrar de forma neutra, se juntando ao vencedor, por exemplo, sugere. Outra sugestão é atrair as empresas de seguro.

— Temos que discutir essa questão. O mercado tem mecanismos sofisticados para montar modelagens de investimento. Os investimentos em infraestrutura são adequados aos fundos de pensão, pela solidez, pelo prazo de maturação, baixo risco e retorno garantido — disse o ministro, que fez uma ressalva: — A Invepar ganhou como empresa e você não pode entregar aeroportos que competem entre si a essa empresa, porque você inibe a competição e provoca deformação na qualidade do serviço prestado.

Segundo o ministro, não é possível pensar no futuro do Santos Dumont sem resolver os problemas da cabeça do sistema, que é o Galeão. Ele lembrou que, há até pouco tempo, só operavam no Santos Dumont os voos da ponte aérea e todos os demais destinos foram transferidos para o Galeão. Mas o aeroporto não suportou a pressão e teve que devolver os voos para o Santos Dumont, disse o ministro.

O governo estima que Galeão e Confins vão demandar investimentos iniciais de R$ 11,4 bilhões, sendo R$ 6,6 bilhões no Galeão e R$ 4,8 bilhões em Confins. l

Números

25% DE PARTICIPAÇÃO
É a fatia mínima que os operadores precisarão ter nos consórcios que participarão da segunda rodada de privatização dos aeroportos brasileiros

US$ 6,6 BILHÕES
É o volume de investimentos iniciais necessários no Galeão, segundo estimativas do governo. O aeroporto de Confins demandará R$ 4,8 bilhões

43 MILHÕES DE PASSAGEIROS
É a capacidade anual que o Galeão terá após os investimentos em infraestrutura forem concluídos em 2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário