quarta-feira, 8 de maio de 2013

Congonhas: nova torre começa a funcionar


08/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Após 6 anos de obras, estrutura passou a ser usada na semana passada; expectativa é de acabar com pontos cegos e melhorar visibilidade da pista

Nataly Costa

WERTHER SANTANA/ESTADÃO–14/6/2012

Decolagem. Estrutura antiga ainda será utilizada por um mês, como forma de ‘backup’

Seis anos depois de ser anunciada, a nova torre de controle do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, finalmente entrou em funcionamento. Com 40 metros de altura – o dobro da estrutura atual –, a torre deverá acabar com os pontos cegos e oferecer melhor visibilidade das pistas e do pátio de aeronaves para os controladores que ficam no local.

A mudança aconteceu na semana passada e ainda não foi anunciada oficialmente pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). A torre antiga ainda está servindo como uma espécie de “backup” da nova e continuará assim pelo menos por mais um mês, enquanto todos os ajustes de aparelhagem e sistema são feitos.

Além da altura, a localização da nova torre também vai facilitar o trabalho dos controladores. Ela ficará em uma posição mais central, permitindo uma visão ampla de todo o sítio aeroportuário. A antiga era considerada adequada, mas ficou obsoleta com o aumento do tráfego aéreo – Congonhas é o único aeroporto do mundo a ter um controlador específico para monitorar pousos e decolagens de helicópteros, por exemplo.

Mais aviões. A modernização do controle de tráfego de Congonhas também se torna mais urgente à medida que o governo federal estuda uma reformulação geral no uso do aeroporto.

Tanto a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) quanto a Secretaria de Aviação Civil (SAC) querem tirar slots (horários para pouso e decolagens) das companhias que utilizam mal o espaço, ou seja, atrasam ou cancelam determinados voos de maneira recorrente.

SAC e Decea também estudam dar à aviação comercial os 4 slots da aviação geral, que são usados hoje por jatos e helicópteros. Assim, todas as 34 movimentações (pousos ou decolagens) por hora ficariam com os aviões comerciais. Às aeronaves particulares restariam apenas os chamados “slots de oportunidade” – horários vagos do aeroporto.

Fontes ouvidas pelo Estado veem com ressalva o aumento do tráfego em Congonhas, já que faltariam estrutura e segurança para mais passageiros. “Se você coloca mais voos e o aeroporto fecha por causa de uma chuva, o transtorno passa a ser muito maior do que já é”, disse uma pessoa do setor.

Atrasos. Prometida pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) desde o acidente com o Airbus da TAM que matou 199 pessoas, em 2007, a obra da nova torre de controle só teve início dois anos depois. O orçamento inicial, de R$ 11 milhões, saltou para R$ 14,5 milhões.

A promessa era de que ficasse pronta em 2010, mas a Infraero só comprou os equipamentos necessários em 2011 e eles levaram mais um ano para ser instalados. Mesmo com o projeto da nova torre, a antiga chegou a passar por reformas. Quando for desativada, não será demolida nem transformada porque o aeroporto é tombado pelo patrimônio histórico.

● Movimento
3,6 milhões de passageiros passaram por Congonhas em março, quase a mesma quantidade (3,8 milhões)
do mesmo mês em 2012

PARA LEMBRAR
1ª estrutura é dos anos 1950

Em dezembro de 2007, no auge da crise aérea, o Aeroporto de Congonhas chegou a operar com uma torre provisória. Ficava ao lado da antiga e tinha o mesmo tamanho. A mudança aconteceu enquanto a torre então em uso era reformada por completo. A obra durou quatro meses e a estrutura antiga foi reinaugurada em maio de 2008. Construída na década de 1950, a torre começou a ficar obsoleta no início dos anos 2000, quando o aeroporto ampliou a área de embarque, construiu um estacionamento e, consequentemente, ganhou mais passageiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário