sexta-feira, 7 de junho de 2013

Azul investe em centro de manutenção

07/06/2013 - Valor Econômico,  Guilherme Serodio

A Azul ainda não definiu se pretende recorrer da multa de R$ 3,5 milhões aplicada
pelo Cade esta semana, referente ao processo de fusão com a Trip

A Azul vai investir cerca de R$ 70 milhões na construção de um centro de manutenção de aeronaves especializado nos aviões Embraer operados pela empresa. O centro será construído em Viracopos até meados de 2014.

A companhia aérea assinou ontem um financiamento no valor de RS 100 milhões com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), com contrapartida de mais R$ 19, 9 milhões da empresa para investimentos em projetos de inovação nos próximos três anos.

Além do centro de manutenção, os recursos da Finep também vão financiar investimentos na Universidade Azul, um centro de treinamento para comissários e pilotos com simuladores de voo inaugurado em Campinas em maio. Atualmente formado por três simuladores, até o fim do ano o centro deve receber um quarto equipamento.

"Este será o maior centro de treinamento de voo de uma empresa aérea da América do Sul", afirmou ao Valor o vice-presidente financeiro da Azul, John Rodgerson.

De acordo com Rodgerson, a Azul ainda não definiu se pretende recorrer da multa de R$ 3,5 milhões aplicada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre a companhia por omitir informações durante o processo de fusão com a Trip, acerca do compartilhamento de voos desta última com a TAM.

"Eu acho que foi uma falta de entendimento dos dois lados", disse. "Nós não concordamos com a multa mas ainda não definimos [se vamos recorrer]".

O financiamento da Finep foi tomado com juros de 5% ao ano e 24 meses de carência. O valor deve ser pago em até nove anos.

A construção dos centros de treinamento e de manutenção trazem um benefício indireto para a Embraer, afirmou o presidente da Embraer, Frederico Fleury Curado. Para ele, as duas estruturas especializadas nas aeronaves da companhia vão trazer uma vantagem competitiva para a fabricante para atrair potenciais clientes no país ou na América do Sul.

"Este será um diferencial no processo decisório das companhias pois é muito mais barato alguém mandar treinar pilotos ou fazer manutenção no Brasil do que mandar para os Estados Unidos ou Europa", afirmou Curado. "Quanto mais a Azul de expandir no Brasil, maior será o "footprint" [a presença] dos nossos produtos no Brasil".

Atualmente, 68 das 118 aeronaves da Azul são Embraer. A companhia aérea ainda deve receber este ano mais sete aeronaves da fabricante brasileira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário