quarta-feira, 21 de agosto de 2013

TAM cortará oferta de voos domésticos em até 9%

21/08/2013 - O Globo

Galeão perde espaço para Guarulhos na malha internacional da companhia

RIO E BUENOS AIRES - A TAM reduzirá de 7% a 9% sua oferta de voos domésticos em 2013 e também cortará a oferta nos voos internacionais, dentro da estratégia de diminuir custos e elevar a taxa de ocupação dos aviões, informou ontem a Latam, empresa criada a partir da fusão da aérea brasileira e da chilena LAN. Na área internacional, o corte será possível principalmente por meio de suspensão de voos a partir do Galeão para a Europa, o que fará com que o aeroporto carioca perca espaço na malha aérea da companhia. A TAM optou pelo aeroporto paulista de Guarulhos para ser seu hub (centro de distribuição de voos) na América do Sul.

A estratégia de reduzir a oferta de voos domésticos elevou a taxa de ocupação dos voos em nove pontos percentuais no segundo trimestre deste ano (para 77,9%), ante igual período do ano passado. Nos países de língua espanhola onde a Latam atua, a expectativa é de crescimento de oferta de 12% a 14% em 2013.

Na área internacional, a TAM cancelou os voos diretos do Rio para Frankfurt e Paris a partir deste mês, o que lhe permitirá atingir a meta de corte de 10% nos voos internacionais este ano do grupo Latam. As duas cidades serão atendidas por São Paulo.
Os cortes na oferta levaram a Latam a reduzir também o tamanho da frota para o triênio 2013-2015. A companhia suspendeu a entrega de 22 aeronaves nesse período. Com isso, encerrará este ano com 327 aeronaves (menos que a frota atual, de 336 aviões) e fechará 2015 com 334 unidades. O redesenho da frota permitirá economia de US$ 1,1 bilhão no período.

A Latam teve prejuízo de US$ 329,8 milhões no segundo trimestre de 2013, queda de 26,5% em relação a igual período de 2012. A desvalorização do real de 10,4% no período foi uma das razões para as perdas.

Briga com governo argentino

Os governos de Argentina e Chile mergulharam na quarta-feira num delicado conflito provocado pela decisão das autoridades aeroportuárias argentinas de anularem unilateralmente um contrato da LAN que permitia o uso de um hangar no aeroporto metropolitano de Buenos Aires, até 2023. A aérea anunciou que recorrerá à Justiça e assegurou que sem o hangar, onde é feita a manutenção das aeronaves, suas operações no mercado doméstico se tornarão inviáveis.

De acordo com o jornal "La Nación", o presidente chileno pediu ao chanceler Alfredo Moreno que entre em contato com seu colega de pasta argentino, Héctor Timerman, para tentar contornar a crise da LAN, que há muito tempo enfrenta dificuldades para operar na Argentina e acusa (em conversas informais) a Casa Rosada de prejudicá-la, principalmente, para favorecer a estatal Aerolíneas Argentinas.

— Vamos defender nossos direitos, as operações internas da LAN são inviáveis sem o hangar — disse Agustin Agraz, diretor de Assuntos Corporativos da LAN na Argentina.

O conflito se estende a outras empresas. Mais de 30, entre elas TAM e Gol, denunciaram problemas para operar com a estatal Intercargo, encarregada de serviços terrestres como traslado de bagagens.


Nenhum comentário:

Postar um comentário