terça-feira, 10 de setembro de 2013

Movimento de passageiros no Aeroporto Petrônio Portela: ampliação aumentará capacidade de atendimento

10/09/2013 - Diário do Povo do Piauí


Firmino discute intervenções no aeroporto com moradores

Francisco Gilásio (foto)

Movimento de passageiros no Aeroporto Petrônio Portela: ampliação aumentará capacidade de atendimento

Firmino é contra as desapropriações,
já Infraero diz que são necessárias

O prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), se reuniu ontem (9) com moradores que residem no entorno do Aeroporto Petrônio Portela para mostrar as propostas de ampliação do local. Firmino quer discutir o projeto com a participação da população, já que seriam necessárias desapropriações nas proximidades. Na última quinta-feira (5), o ministro-chefe da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco, em reunião com o governador Wilson Martins e o prefeito, garantiu recursos na ordem R$ 619 milhões para as intervenções.

Firmino, que defende a construção de um novo aeroporto e a reforma do atual, sem que haja desapropriações, disse que, por questões de segurança, a Infraero afirmou que não seria possível uma reforma na atual estrutura do aeroporto sem que houvesse desapropriações. Nesse sentido, três cenários foram apresentados pelos técnicos da Infraero à Prefeitura de Teresina e ao Governo do Estado.

No primeiro projeto, a capacidade do aeroporto seria ampliada para 3 milhões de passageiros por ano, até 2029. A casa de passageiros ficaria com 55 mil metros quadrados, com 12 pontes para aeronaves e 18 mil metros quadrados de estacionamento. Para isso, seriam necessárias desapropriações em uma área equivalente a 30 mil metros quadrados e um investimento de R$ 614 milhões. O segundo projeto prevê uma área de estacionamento com 22 mil metros quadrados de estacionamento. A área de desapropriação aumentaria para 64 mil metros quadrados, devendo ser investidos R$ 619 milhões. Na terceira proposta, a capacidade de passageiros passaria para 5 milhões por ano, o que daria uma sobrevida ao aeroporto até 2040. A casa de passageiros teria 65 mil metros quadrados, 14 pontes para aeronaves, 23 mil metros quadrados de estacionamento. A desapropriação, nesse caso, seria de 343 mil metros quadrados e um investimento de R$ 750 milhões.

"Queremos ouvir a comunidade antes de tomarmos qualquer decisão", ressaltou o prefeito, que já se mostrou contra o terceiro projeto. A Prefeitura terá dez dias para passar o posicionamento para a Infraero e para a Secretaria Nacional de Aviação Civil. A comunidade deverá se reunir até quinta-feira para definir seu posicionamento e apresentar o resultado a Firmino em uma nova reunião.

"A gente fica muito agradecida pela forma que o prefeito Firmino Filho tem conduzindo esse diálogo, de forma respeitosa com a comunidade. O prefeito não trouxe ultimato, mas sim alternativas

Nenhum comentário:

Postar um comentário