terça-feira, 30 de abril de 2013

Azul estreia hoje operações em Campina Grande (PB)


29/04/2013 - Panrotas

A Azul iniciou hoje operações em Campinas Grande, na Paraíba. As rotas que serão operadas a partir da cidade paraibana ligarão Campina Grande a Recife e Salvador.

As operações serão realizadas três vezes ao dia, sendo um voo para Salvador e dois para Recife.

As frequências serão realizadas com os turboélices ATR 72 da Trip, com capacidade para 70 assentos.

Danilo Teixeira Alves

Dilma confirma subsídio para passagens aéreas em voos regionais


29/04/2013 - Diário Catarinense

A medida faz parte do pacote para aviação regional, lançado em dezembro do ano passado pelo governo

Além do subsídio nos bilhetes, terminais terão isenção de tarifas aeroportuárias
e aeronáuticas para aumentar a competitividade Foto: Emerson Souza / Agencia RBS

A presidente Dilma Rousseff reafirmou nesta segunda-feira que o governo vai subsidiar passagens aéreas em voos regionais para que os preços se tornem competitivos e estimulem a movimentação de passageiros nessa modalidade. A medida faz parte do pacote para aviação regional, lançado em dezembro do ano passado pelo governo.

— Vamos subsidiar assentos nos aviões para que eles se tornem competitivos, ou seja, nós pagamos a diferença entre a passagem de ônibus e o preço médio da passagem de aviação. Para aviões regionais, nós vamos bancar — disse a presidente em discurso em Campo Grande, onde participou da entrega das chaves de 300 ônibus escolares a 78 municípios sul-mato-grossenses.

Além do subsídio nos bilhetes, os terminais com movimentação anual inferior a 1 milhão de passageiros terão isenção de tarifas aeroportuárias e aeronáuticas para aumentar a competitividade. O subsídio nas passagens será aplicado aplicado no caso de aeronaves com pelo menos 50% dos assentos efetivamente ocupados e será limitado a 60 assentos, conforme informações dadas pela Secretaria de Aviação Civil na época do lançamento do pacote.

A presidente disse que os aeroportos regionais do país serão "melhorados, modernizados e reequipados", com melhoria e ampliação da infraestrutura atual.

— Vamos padronizar o aeroporto regional no Brasil: ele vai ter um terminal de passageiros, uma pista e pátio, vai ter uma característica com equipamentos para permitir pousos e decolagem de jatos em alguns — detalhou.

Em Mato Grosso do Sul, oito terminais serão beneficiados com recursos do pacote de aviação regional, nos municípios de Bonito, Coxim, Corumbá, Costa Rica, Dourados, Três Lagos e Nova Andradina, num toral de R$ 201 milhões de investimentos.

AGÊNCIA BRASIL

Embraer fecha venda de até 70 jatos E-175 para United Airlines


30/04/2013 - Valor Econômico

Por Virginia Silveira

Para o Valor, de São José dos Campos

A Embraer anunciou ontem a segunda maior venda de jatos do modelo E-175 do ano para a americana United Airlines, contrato que tem potencial para 70 aviões e pode chegar a US$ 2,9 bilhões. As encomendas firmes, que somam 30 aeronaves, estão avaliadas em US$ 1,2 bilhão, informou o presidente da Embraer Aviação Comercial, Paulo Cesar Silva.

A notícia foi divulgada algumas horas antes dos resultados do primeiro trimestre, que não foram tão positivos. O lucro da companhia recuou 67% ante ao mesmo período de 2012, e somou R$ 61,7 milhões. A receita registrou alta de 5,6% e fechou em R$ 2,16 bilhões.

O resultado foi impactado pela queda no volume de entregas. Foram 29 aeronaves entregues nos três primeiros meses do ano, cinco a menos em relação ao mesmo período de 2012. As receitas, por sua vez, foram impulsionadas pela desvalorização do real, já que seus custos fixos são em reais e a receita é calculada em dólar. A área de defesa e segurança ajudou a incrementar a receita, com faturamento de R$ 498 milhões, cerca de 23,1% do faturamento total.

O contrato com a United só foi superado pela venda de 47 jatos E 175 para a companhia americana Republic Airways, no valor estimado de US$ 2 bilhões. Com as opções de compra o negócio pode envolver 94 jatos, alcançando o valor total de aproximadamente US$ 4 bilhões, segundo o preço de lista das aeronaves.

"O contrato com a United demonstra o reconhecimento do mercado de que estamos bem posicionados no nosso segmento, com um produto extremamente competitivo e atualizado para suprir as necessidades dos clientes americanos", afirmou Silva.

A Embraer tem a expectativa de que nos próximos 18 a 24 meses o mercado americano absorva entre 200 e 400 jatos no segmento de 70 a 75 assentos e aguarda, ainda para este ano, a decisão de compra de mais unidades por outras três companhias americanas. Esse mercado, segundo o executivo da Embraer, deverá movimentar negócios da ordem de US$ 6 bilhões e US$ 9 bilhões nos próximos 18 meses.

Em dezembro, a Delta Airlines comprou 40 jatos CRJ 900, de 76 lugares, da concorrente Bombardier, um contrato avaliado em US$ 1,5 bilhão, mas que pode chegar a US$ 3,2 bilhões se forem incluídas as opções de compra.

A Republic Airways será a primeira a receber a versão melhorada do jato E175, que estará disponível para o mercado entre abril e maio do próximo ano. Os jatos serão operados pela Republic Airlines, subsidiária da Republic Airways, mas nas cores da American Eagle, braço regional da American Airlines.

O jato terá novas pontas de asa (wingtips), otimização de sistemas e refinamentos aerodinâmicos, que permitirão uma redução de combustível da ordem de 5%, informou Silva. "Este será o jato com o menor custo operacional da categoria no mundo", ressaltou.

Os jatos E-175 adquiridos pela United serão operados com a marca United Express. A primeira entrega está prevista para o primeiro trimestre de 2014. O vice-presidente da United, Jim Compton, disse que os aviões da Embraer vão substituir os jatos de 50 lugares da companhia, com mais eficiência de combustível.

A carteira de pedidos firmes de jatos comerciais da Embraer conta com 211 aeronaves. O valor total do backlog da companhia é de US$ 13,3 bilhões, mas o montante também inclui aeronaves da área de defesa, como os 20 Super Tucano vendidos para a Força Aérea dos Estados Unidos e os contratos de serviços e apoio logístico fechados com a Força Aérea Brasileira (FAB). Segundo Silva, a venda para a United deverá ser incluída na carteira de pedidos que será divulgada em junho.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Aeroporto é pequeno para movimento de passageiros


26/04/2013 - Diário do Pará

Salta aos olhos de qualquer visitante e usuário que a estrutura do aeroporto de Marabá, João Correa da Rocha, está defasada para o público atual. No próprio site da Infraero a informação é de que a estrutura comportaria um atendimento para 11.250 passageiros/mês. No entanto, dados da própria estatal, encaminhados à reportagem via assessoria de comunicação, apontam que o fluxo mensal é de 31,7 mil passageiros.

No terceiro maior aeroporto administrado pela Infraero no Pará (Marabá está atrás apenas de Santarém e Belém), diariamente são 22 voos, de segunda a sexta-feira; e 10 voos aos sábados e domingos. A última taxa de crescimento anual, de acordo com a Infraero, é de 11,82%, se comparado, maior que o crescimento nacional, de 7,27 % - segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

José Carlos Gervásio estava voltando de São Félix do Xingu e pela primeira vez estava na cidade a trabalho.“Achei bem precário.. Acho que aqui merecia um aeroporto bem mais completo”, criticou. A Infraero informou que já iniciou as obras de reforma e ampliação das salas de embarque, que terá 348m², e a de desembarque, com 336,50m² e novos equipamentos.

(Diário do Pará)

Nova companhia aérea brasileira só começa a operar em maio, mas já recebe advertência da Anac


25/04/2013 - Bahia Notícias

 
Foto: Reprodução

Uma nova companhia aérea começa a atuar no Brasil a partir do próximo mês, mas a empresa de capital totalmente nacional já dá os primeiros passos com o pé esquerdo. Segundo reportagem do jornal Valor Econômico desta quinta-feira (25), a Pop Brasil nem bem se aprontou para estrear no mercado e já foi notificada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Isso porque a companhia estaria vendendo passagens para destinos que ainda não foram autorizados pelo órgão. Ainda de acordo com a publicação, caso a Pop não suspenda as vendas, poderá ser autuada e impedida de iniciar as operações.

A empresa pertence ao empresário Paulo Alamada. Ao Valor, ele afirmou que a venda de passagens pode ser simulada, mas não concluída pela internet. Para a Anac, no entanto, a alegação não exime a companhia de infração.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Aeroporto terá voos em abril de 2014


24/04/2013 - Tribuna do Norte - RN

Andrielle Mendes - repórter

*COLABOROU RENATA MOURA

O consórcio Inframérica, responsável pela construção e administração do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, vai antecipar em dois meses a conclusão da obra. A expectativa é concluir as instalações físicas dos terminais de passageiros e de carga em dezembro deste ano e iniciar a operação comercial em 1º de abril de 2014. A data foi definida em reunião realizada pelo consórcio no dia 11. Antes, a previsão era que a operação começasse em junho de 2014, mês de início da Copa do Mundo no Brasil.


Magnus Nascimento

Com a antecipação, o consórcio quer ganhar tempo para realizar possíveis ajustes e evitar problemas de operação durante o Mundial de Futebol.

O superintendente do aeroporto, Ibernon Martins, recebeu a imprensa ontem no canteiro de obras e explicou que a construção segue dentro do ritmo. Ele descartou a possibilidade de outros terminais no RN, como o Augusto Severo, operarem voos comerciais durante a Copa. “A porta de entrada para os turistas será o aeroporto de São Gonçalo do Amarante. Se soubéssemos que o Augusto Severo também operaria voos comerciais, durante o Mundial, não estaríamos nesse desespero (para dar velocidade à construção) “, disse.

A possibilidade dos voos serem captados por mais de um terminal foi levantada pela Secretaria de Aviação Civil meses atrás. Procurada pela reportagem, a Infraero voltou a afirmar que o Augusto Severo deixará de operar voos comerciais tão logo o aeroporto de São Gonçalo seja concluído. “É isso o que diz nosso contrato”, ressaltou Ibernon.

Para garantir a conclusão dentro do novo prazo, o consórcio reforçou a equipe. O número de trabalhadores, que atuam em fases diferentes da construção, aumentou em 57,1% com relação ao registrado em fevereiro deste ano. Hoje, são 1,1 mil - número que pode chegar a 1,2 mil ainda este ano. A fundação dos terminais, central de utilidades e torre de controle, já foram concluídas. As instalações elétrica, hidráulica e mecânica têm início previsto para o início de 2014. Os trabalhos chegaram a ser interrompidos por cinco dias, na semana passada, devido a uma greve dos funcionários. Mas o atraso, segundo Ibernon, já foi compensado.

Os acessos ao aeroporto - de responsabilidade do governo do estado - serão concluídos até maio - um mês depois da inauguração do aeroporto, segundo o secretário para Assuntos Relativos à Copa do Mundo 2014, Demétrio Torres. A obra já foi iniciada, segundo o secretário. O descompasso entre o ritmo de construção dos terminais e dos acessos parece não preocupar Ibernon. Os turistas, segundo ele, podem entrar e sair do aeroporto mesmo sem os acessos concluídos até lá. Procurada ontem, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) não confirmou até o fechamento da edição as datas de encerramento das operações do Augusto Severo e de início do funcionamento em São Gonçalo.

Desapropriações não preocupam

Para o Inframérica, uma pendência envolvendo o pagamento de indenizações pela desapropriação da área onde o aeroporto está sendo erguido não é empecilho às obras. “A indenização está nas mãos do governo do estado”, justificou Ibernon Martins.

Segundo o procurador-geral do Estado, Miguel Josino, o governo pretende pagar aos ex-proprietários da área o valor determinado pela Justiça. O pagamento foi recomendando pela Procuradoria ainda em 2011, mas o governo não teria repassado o valor por enfrentar dificuldades financeiras.

Pagamento

“O processo (que envolve as desapropriações e tramitava no Tribunal de Justiça do RN) já acabou. Já foi até o Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Está encerrado. O que falta é pagar. O governo tem que pagar e vai pagar”, garantiu Josino, sem fixar data para o pagamento.

Os ex-proprietários de 50% da área, clientes do escritório de advocacia Diógenes da Cunha Lima, alegam que o governo não tem interesse em cumprir a determinação e ameaçam procurar a Justiça novamente.

O escritório, afirma Igor Steinbach, advogado de alguns dos ex-proprietários, pretende ingressar também com uma ‘ação popular’ esta semana junto a Justiça Federal do Rio Grande do Norte contra o consórcio, a Anac e o governo federal para tentar suspender as obras. Para Miguel Josino, procurador geral do Estado, não há riscos das obras serem suspensas.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Azul estreia para três destinos a partir de Campinas


23/04/2013 - Panrotas

A Azul está ampliando suas operações no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). A companhia aérea servirá três novos destinos a partir do aeroporto campineiro: Passo Fundo - que receberá dois voos diários da Azul a partir de 20 de junho -, Belém e Cabo Frio/Búzios, que hoje são servidos pela empresa com voos a partir de Belo Horizonte e, agora, passam a receber voos diretos também de Campinas. Os voos para Belém tiveram início em 20 de abril e as operações em Cabo Frio terão início em 12 de maio.

Outra novidade é a inclusão de novas frequências diárias em algumas rotas a partir de Viracopos. A partir 20 de abril, companhia inicia a segunda frequência diária para Foz do Iguaçu. Já em 1º de maio, entra em operação a oitava frequência para o Rio de Janeiro (Galeão) e a sexta para Brasília. Por fim, em 20 de junho, Chapecó ganhará a segunda opção.

Com a ampliação a Azul alcança a marca de mais de 50 destinos servidos a partir do aeroporto de Viracopos. Hoje, são mais de 300 voos diários no local.

Artur Luiz Andrade

Aeroporto de Juazeiro terá dois novos voos para Recife


24/04/2013 - Diário do Nordeste

A partir do próximo mês, será o total de oito voos com destinos para a Capital cearense e outras cidades

Juazeiro do Norte. A obra tão esperada dos Módulos Operacionais Provisórios (MOPs), do Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, deverão ter ordem de serviço assinada no próximo dia 29, com a presença da superintendência regional Nordeste da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), em Juazeiro do Norte. A obra, que deveria estar pronta desde abril do ano passado, irá ampliar a área de embarque e desembarque. Durante a solenidade, em que estarão presentes os representantes da empresa vencedora da licitação, a Life Construtora, de Salvador (BA), também devem ser anunciados mais dois voos diários que passam a operar a partir do começo do mês, das empresas Trip e Gol, com destinos para Recife.


No primeiro trimestre do ano,
houve redução de embarques.
FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS

O investimento nos novos espaços, com apenas 20% da obra executada, em virtude da primeira empresa contratada ter desistido dos serviços, será de R$ 2,1 milhões, até menor do que a primeira licitação de R$ 2,8 milhões. A obra dos módulos deveria estar pronta em 150 dias. No local, foi feito apenas parte do piso e montada a estrutura metálica. A Infraero ultimou a rescisão do contrato com a Eurobravin para lançar o novo edital. Uma das justificativas da empresa anterior, foi a falta de material no mercado para o revestimento das paredes dos módulos.

Com a reforma do aeroporto, a capacidade diária aumenta de 60 para 187 pessoas. Anualmente, segundo o superintendente do local, Roberto Germano, passa a ser de 800 mil pessoas. A atual capacidade é de 150 mil. Para o superintendente, o aeroporto não apenas receberá uma nova área dos módulos, mas o salão do aeroporto será ampliado, além da melhoria de infraestrutura dos banheiros, restaurantes e lanchonete. O espaço será ampliado de 950m² para 1.040m² de área construída.

A licitação para a nova empresa ocorreu depois de oito delas fracassadas e com desistência, para escolha da nova responsável pela continuidade e conclusão dos serviços dos MOPs. A perspectiva é iniciar a construção com prazo para ser concluída em 90 dias, conforme edital. Um dos maiores problemas, conforme a superintendência regional da Infraero, esteve relacionado aos insumos a serem adquiridos para os serviço. Para facilitar o andamento dos trabalhos, foi realizada uma avaliação técnica da disponibilidade do material no mercado, o que irá facilitar a conclusão da obra.

Desde o início do ano, houve a redução de três voos diários no Cariri, permanecendo seis. Serão oito a partir do próximo mês. Com isso, também foi reduzida a quantidade de usuários no primeiro trimestre do ano, em 20,03%. Foram 91 mil embarques e desembarques no local. Em 2012, 115 mil. Mas, o superintendente afirma que essa queda na quantidade de usuários se deve a uma realidade nacional. Segundo ele, nos últimos anos foi registrado um crescimento muito grande em relação aos voos e a tendência, de agora por diante, é que haja uma estabilização. O ano passado fechou com uma demanda de usuários de 447 mil passageiros, surpreendendo a própria administração do equipamento.

Os novos voos serão provenientes de Recife e chegarão às 11 horas e 18h30. Com isso, conforme Roberto Germano, o aeroporto se insere dentro do projeto nacional de regionalização, para praças maiores onde há destinos nacionais e internacionais.

Desapropriação

A atual área do aeroporto é de 1.288,740m². Um espaço de 486 mil m² se encontra em processo de desapropriação e o equipamento ficará com 1.774,740m². Com essa área a mais, o superintendente da regional Nordeste da Infraero, Fernando Nicácio da Cunha Filho, que fez a apresentação do relatório recentemente em Juazeiro, afirma que haverá condições de melhorias relacionadas à segurança, área de manobra, pista de táxi, entre outras alternativas, proporcionando melhor infraestrtura aeroportuária.

No ano de 2011, a demanda foi de 334 mil. Ou seja, mais de 100 mil passageiros embarcaram e desembarcaram na cidade com uma diferença de apenas um ano.

FIQUE POR DENTRO
Empresas e horários dos voos
As empresas que atuam no aeroporto de Juazeiro do Norte são: Azul, Avianca e Gol. Os horários dos voos são os seguintes:
Azul - São Paulo (Viracopos) - Chegada às 2h25 e saída às 3h20;
Avianca - Guarulhos - Chegada 8 horas e saída às 8h30;
Gol - Rio de Janeiro/Fortaleza - Chegada às 12h30 e saída às 13 horas (aos domingos);
Avianca - Brasília - Chegada às 13h55 e saída às 16h20;
Gol - Brasília/Recife - Chegada às 15h05 e saída às 15h40;
Avianca - Guarulhos/Fortaleza - Chegada às 19h55 e saída Às 20h25.

Mais informações
Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes, Avenida Virgílio Távora, 4000, Bairro Aeroporto
Juazeiro do Norte - Cariri
Telefone: (88) 3311.6524

ELIZÂNGELA SANTOS
REPÓRTER

Azul começa a operar voos em Bonito a partir de domingo


23/04/2013 - A Crítica de Campo Grande - MS

Azul começa a operar voos em Bonito a partir de domingo

A companhia aérea Azul foi autorizada pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) a operar voos comerciais entre Bonito, a 300 quilômetros de Campo Grande, São Paulo e Campinas.

O primeiro voo acontece no próximo domingo (28) e a compra e reserva de passagens foi liberada ontem.

Três itinerários estão previstos ao longo da semana – aos domingos, um voo sai de Campinas com destino a Bonito. No mesmo dia, outros dois voos (ambos com origem em Bonito) partem para São Paulo e outro para Campinas.

Além da Azul, a companhia aérea TRIP também já opera voos em Bonito, que partem do município às quintas-feiras, com destino a Corumbá (MS), e aos domingos com destino a Campinas e São Paulo.

A Anac destaca que apenas as duas companhias estão autorizadas a operar no aeroporto de Bonito.

Gol terá aérea na República Dominicana


24/04/2013 - Valor Econômico, Alberto Komatsu

Governo dominicano está mudando a legislação para que a empresa da
Gol no país seja reconhecida como "nacional"

A Gol Linhas Aéreas planeja abrir uma companhia aérea na República Dominicana, a Gol Dominicana, no segundo semestre, apurou o Valor. O plano é montar uma frota de sete aeronaves da Boeing, modelo 737-800, com voos para a América Central e para os Estados Unidos. A Gol não confirmou a informação. Informou que "está sempre atenta a oportunidades no mercado internacional".

O passo definitivo para a Gol implementar esse plano foi dado na semana passada, no dia 17 de abril. Foi quando a Câmara de Deputados da República Dominicana aprovou alterações na legislação aeronáutica daquele país, com o objetivo de reconhecer a Gol como empresa aérea nacional, apesar de ter o seu capital controlado por estrangeiros.

Atualmente, 62,74% do capital total da Gol é do fundo Volluto, integrado pelo presidente do conselho de administração da companhia, Constantino de Oliveira Junior e seus irmãos. O fundo Wellington Management Company tem 5,08% das ações e o Fidelity tem 2,52%. Mais 25,19% dos papéis estão pulverizados no mercado. A Delta Air Lines tem 2,98% do capital. Uma fatia de 1,49% está dividida entre o conselho de administração, diretoria e tesouraria.

Segundo a imprensa da República Dominicana, a modificação na lei para beneficiar a Gol foi aprovada em regime de urgência, a pedido do presidente dominicano, Danilo Medina. A Câmara de Deputados transformou em lei esse projeto, que precisa agora da sanção presidencial. As alterações já têm o aval do Senado local.

A nova lei aeronáutica da República Dominicana diz que serão reconhecidas como companhias dominicanas "empresas aéreas constituídas com capital até 100% de investidores estrangeiros sempre e quando tais investimentos pertençam a uma companhia aérea internacional reconhecida internacionalmente ou a uma subsidiária controlada por elas e que seja autorizada pelo Poder Executivo".

Essa alteração foi feita porque o objetivo da República Dominicana é ter uma empresa aérea de bandeira (que representa o país), a exemplo do que o Panamá fez com a Copa Airlines, que montou um centro de distribuição de voos ("hub", no jargão do setor aéreo) na Cidade do Panamá.

Segundo fontes que acompanham as negociações entre a Gol e o governo da República Dominicana, outros benefícios poderão ser concedidos à nova companhia aérea, como incentivos fiscais na compra de querosene de aviação e redução de taxas aeroportuárias.

Com prejuízo líquido de R$ 1,5 bilhão no ano passado, o pior resultado em 12 anos de operação, a Gol não pretende fazer investimentos adicionais para montar a frota da Gol Dominicana.

Como parte da sua estratégia de reduzir a oferta de assentos em voos no Brasil, em vez de incorporar sete aviões novos para o mercado brasileiro, cuja entrega já estava programada, a Gol planeja transferi-los para a Gol Dominicana. Com isso, evitaria o cancelamento de encomendas já realizadas com a fabricante americana Boeing.

Em outubro do ano passado, o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, contou ao Valor que a companhia tem planos de montar um "hub" em Santo Domingo, na República Dominicana. Segundo o executivo, a ideia é oferecer voos aos Estados Unidos. A Gol já iniciou as vendas de passagens para Orlando e Miami a partir da cidade dominicana.

A Gol tem planos de ampliar as conexões aos Estados Unidos, para cidades como Nova York, Las Vegas e Los Angeles, com decolagens da capital dominicana. Por meio de sua sócia minoritária Delta Air Lines, que também opera em Santo Domingo, a Gol pretende oferecer aos seus passageiros conexões para a Ásia e Europa de Atlanta, onde a Delta estabeleceu o seu "hub".

Em dezembro de 2011, a Delta comprou quase 3% do capital da Gol por US$ 100 milhões. As duas companhias têm um acordo de compartilhamento de voos (do inglês "code-share") desde 2005.

O mercado internacional responde por 8% da receita da Gol. Com os planos na República Dominicana, a intenção é aumentar a sua receita em dólares, já que em torno de 55% dos custos são dolarizados, sendo 40% de querosene de aviação e 15% de arrendamento de aeronaves ("leasing").

Congonhas poderá ter mais voos comerciais


23/04/2013 - Folha de São Paulo

Governo quer transferir espaços de jatos executivos para empresas da aviação regular, que ganharia 4 voos a mais por hora

Crescimento de 13% em pousos e decolagens de grandes companhias tende a aumentar o número de passageiros

NATUZA NERY
DIMMI AMORA

O governo quer ampliar a quantidade de voos comerciais regulares no aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, em até 13% --ou até quatro a mais por hora. A proposta deve elevar o número de passageiros do aeroporto.

Hoje há autorização em Congonhas para 30 voos por hora da chamada aviação comercial (de grandes empresas como TAM e Gol) e quatro para a aviação geral (como jatos executivos e táxis aéreos).

O Executivo estuda como passar esses quatro "slots" (espaços para pousos e decolagens) dos jatinhos para grandes companhias aéreas.

A mudança, segundo interlocutores da presidente Dilma Rousseff, permitiria que Congonhas atendesse mais usuários. Isso não significa vetar os jatinhos de pousar, mas só eliminar os horários programados para eles.

O governo avalia, porém, que a quantidade de voos por hora, considerando todos os tipos, não deve subir.

O ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, encomendou estudo detalhado ao Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo).

Terceiro mais movimentado aeroporto do país, Congonhas só fica atrás de Cumbica (Guarulhos) e Galeão (Rio).

Se todos os voos forem ocupados pela aviação regular, a medida pode levar 1,5 milhão de passageiros a mais por ano a Congonhas (cálculo a partir da ocupação média e do tamanho da menor das aeronaves).

Caso a medida seja implantada, Azul e Avianca tendem a ser mais beneficiadas devido à estratégia do governo de aumentar a competição. Hoje, TAM e Gol detêm mais de 80% dos voos em Congonhas.

A Secretaria de Aviação Civil pretende estimular a concorrência, reduzir preços e promover a aviação regional.

A proposta de redução do fluxo de jatinhos foi apresentada pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas em resposta a um projeto da Anac de tornar mais duras as regras de pontualidade em Congonhas, que prevê redistribuir as autorizações quando houver descumprimento.

A restrição de 34 operações por hora em Congonhas foi imposta após um Airbus da TAM atravessar a pista em 2007, matando 199 pessoas. A justificativa do governo era melhorar a segurança.

Além de mais passageiros, com reflexo em serviços como a fila do táxi, vizinhos questionam a possível piora do barulho devido à troca de jatinhos por aviões maiores.

"Será um terror", diz Rosângela Lurbe, presidente da associação de moradores de Moema, que já tentou na Justiça, sem sucesso, restringir voos em Congonhas.

Colaborou RICARDO GALLO

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Desembarques domésticos crescem 70% em cinco anos


16/4/2013 - Panrotas

Um estudo realizado pelo Ministério do Turismo, com base em dados da Infraero, Polícia Federal e Banco Central, aponta que, em 2012, os aeroportos brasileiros registraram 85.471.710 desembarques em voos domésticos. O número representa um crescimento de 70,94% se comparado a 2007, quando foram registrados 50.002.469. “O brasileiro nunca viajou tanto quanto em 2012”, observa o ministro do Turismo, Gastão Vieira. “O desafio é transformar esses deslocamentos na ampliação de consumo de serviços de turismo.”

De acordo com a pasta, o aumento dos últimos anos foi impulsionado pelo crescimento do poder de compra da classe C, pela queda dos preços das passagens aéreas, junto com a facilidade de financiamento dos bilhetes aéreos e aperfeiçoamento dos programas de milhagem. De 2011 a 2012, o crescimento no número de desembarques foi de 79.244.256 para 85.471.710, um aumento de 7,86%.

O período de maior fluxo de viagens é o de férias, nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e julho. As principais regiões receptoras de turistas são o Sudeste, com 36,5%, seguido do Nordeste, com 30% e o Sul, com 18,5%. “São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro são os Estados mais receptores de viajantes, ao mesmo tempo em que também são os maiores emissores”, explicou o diretor do Departamento de Estudos e Pesquisas do MTur, José Francisco Salles Lopes.

José Francisco acrescenta que o número de turistas enviados do Sudeste ao Nordeste é o dobro do enviado do Nordeste ao Sudeste. Ainda segundo Lopes, o turista do Sudeste gasta, no Nordeste, três vezes mais do que o nordestino no Sudeste. “Dentro da economia, o turista doméstico tem uma expressiva contribuição na renda regional”, afirma.

TURISMO INTERNACIONAL
O estudo também mostra que os desembarques e gastos de turistas internacionais, no Brasil, tiveram considerável aumento, de 2007 a 2012. A receita cambial turística registrou US$ 4,9 bilhões em 2007, contra US$ 6,6 bilhões, em 2012, aumento de 34,18%. O ministro do Turismo, Gastão Vieira, avalia que, apesar das limitações enfrentadas pelos principais países emissores de turistas, o Brasil teve um bom desempenho na receita do turismo internacional. “É uma demonstração da força do turismo brasileiro, uma atividade que tem evidenciado capacidade de crescimento”, disse Vieira.

Biaphra Galeno

Rota aérea Rio-SP foi a 3ª mais movimentada do mundo em 2012


16/04/2013 - G1

Estudo mostra que trecho teve mais de 7,7 milhões de passageiros.

Ranking dos dez primeiros tem sete representantes asiáticos.

Aviões em aeroporto brasileiro
(SP) (Foto: Lana Torres/ G1 Campinas)

Com mais de 7,7 milhões de passageiros, a rota aérea entre o Rio de Janeiro e São Paulo foi a terceira mais movimentada do mundo em 2012.

É o que mostra um estudo divulgado nesta terça-feira (16) pela divisão de Inteligência de Tráfego Aéreo da Amadeus, empresa que cria ferramentas tecnológicas para o mercado global de turismo.

A rota Jeju-Seul, na Coreia do Sul, ficou em primeiro lugar no ranking, com 10,1 milhões de passageiros no ano. Em seguida vem o trecho Sapporo-Tóquio, no Japão.

De 2011 para 2012, a ponte aérea entre Rio de São Paulo decaiu 1% em número de passageiros e desceu uma posição no ranking.

Entre as dez rotas mais movimentadas do mundo, sete ficam na Ásia. A rota Pequim-Xangai foi um dos destaques, pois subiu de sétima mais movimentada para o quarto lugar em apenas um ano.

Segundo o Amadeus, globalmente as viagens aéreas estão fortemente concentradas em “super rotas”, com apenas 3% das rotas de todo o mundo representando 85% do tráfego aéreo mundial.

Em termos globais, o tráfego aéreo mundial cresceu 5% entre 2011 e 2012.

A Ásia foi o maior destaque, com um crescimento de 9%, seguida pela América Latina, com 6%.

Confira abaixo o ranking com os dez primeiros lugares:

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Embraer anuncia venda de jato Lineage 1000 na China


15/04/2013 - Yahoo! Notícias

Por AE

A Embraer anunciou, nesta segunda-feira, durante a Asian Business Aviation Conference & Exhibition (Abace), a venda de mais um Lineage 1000, jato executivo da categoria ultra-large, na China. O cliente chinês, não revelado, deve receber a aeronave em maio deste ano. O evento acontece em Xangai.

Conforme o comunicado, com mais este negócio, sobe para 29 a carteira de pedidos de jatos executivos da Embraer na China, sendo seis Lineage 1000, desde que a empresa entregou seu primeiro jato executivo para este mercado em 2004. O Lineage 1000, o maior entre os sete jatos executivos da Embraer, entrou em operação em 2009.

Governo do Pará vai investir na construção de 11 aeródromos


12/04/2013 - G1

Licitação para elaborar os projetos já foi aberta.

Obras devem ser concluídas até o final de 2014.

Do G1 PA

O Governo do Pará anunciou, nesta sexta-feira (12), que vai investir R$ 60 milhões para melhorar a infraestrutura de transportes aeroviários no estado. Entre as obras previstas estão a construção de aeródromos em 11 municípios, e a preparação de pistas de pouso e decolagem, áreas de manobras para aeronaves e estações de passageiros em 24 cidades paraenses. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), aeródromos são espaços destinados a pouso, decolagem e movimentação de aeronaves.

De acordo com a Secretaria de Transportes do Estado (Setran), a melhoria nestes espaços vai facilitar a mobilidade interestadual, especialmente nos casos em que seja necessário um meio de transporte mais rápido. “Fizemos estudos para atender principalmente as populações que estão em áreas que dependem basicamente do transporte hidroviário, que dificulta, por exemplo, o deslocamento de pessoas que precisam de atendimento médico com urgência”, afirma o secretário Eduardo Carneiro.


O estado do Pará tem, atualmente, 65 aeródromos públicos, incluindo o
Aeroporto Internacional de Belém (Foto: Oswaldo Forte/O Liberal)

As estruturas de aeródromos de 13 municípios também serão recuperadas. “Alguns aeroportos foram abandonados e se encontram em péssimo estado. Nesses locais não é possível mais pousar e decolar”, diz Carneiro.

Os novos aeródromos vão ser implantados nos municípios de Cumaru do Norte, Floresta do Araguaia, São Geraldo do Araguaia, Curuá, Bom Jesus do Tocantins, Oeiras do Pará, Senador José Porfírio, Bagre, Muaná, São Sebastião da Boa Vista e Anajás.

Já os municípios de Santa Maria das Barreiras, Tomé-Açú, Cametá, Anapu, Medicilândia, Pacajá, Afuá, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Ponta de Pedras, Portel e Santa Cruz do Arari terão seus aeródromos revitalizados.

A licitação para elaboração dos projetos já foi aberta, e a previsão é que as obras comecem no segundo semestre deste ano.

Embraer entrega 29 jatos no 1o tri e eleva carteira de pedidos

11/04/2013 - O Estado de São Paulo

Reuters

A fabricante brasileira de aviões Embraer entregou um total de 29 aeronaves no primeiro trimestre deste ano, sendo 17 comerciais e 12 executivos.

A carteira de pedidos (backlog) no fim de março totalizava 13,3 bilhões de dólares, com aumento de 800 milhões de dólares ante dezembro de 2012, segundo comunicado nesta quinta-feira.

(Por Roberta Vilas Boas)

domingo, 14 de abril de 2013

Azul quer ampliar operação para 110 aeroportos este ano

11/04/2013 - O Estado de S.Paulo

LUCIANA COLLET E WLADIMIR D'ANDRADE

Agencia Estado

SÃO PAULO - A Azul pretende ampliar sua operação para 110 aeroportos até o final do ano, reiterou nesta quinta-feira o gerente geral de Infraestrutura da companhia, Paulo de Campos Brochini. Atualmente a companhia aérea opera 103 aeroportos, "enquanto nossos concorrentes operam para cerca de 50 aeroportos", disse, em evento sobre infraestrutura em São Paulo. Ele ponderou que suas principais concorrentes, como TAM, Gol e Avianca, têm como estratégia operar preponderantemente para capitais, enquanto a estratégia da Azul são os voos regionais.

Brochini destacou o uso de aeronave menores como um dos principais diferenciais da companhia. "A maioria dos aviões são para entre 60 e 119 passageiros, o que resulta em uma maior taxa de ocupação", comentou. Ele citou, particularmente, os aviões turboélices, que consomem menos combustível. "Esse é outro diferencial, já que combustível é um dos principais custos das companhias aéreas.".

O gerente da Azul avaliou como oportunidade o plano de investimentos em aeroportos anunciado no ano passado pelo governo. "Todos os aeroportos precisam de algum investimento em infraestrutura", avaliou.

Ele citou com entusiasmo a concessão à iniciativa privada de Viracopos, hub da companhia. "É uma boa oportunidade para nós, já sentimos uma melhoria muito forte", disse.

A companhia aguarda, no entanto, as principais melhorias, como o novo pátio de aeronaves. Segundo Brochini, atualmente a Azul utiliza o terminal de carga como apoio para a operação de passageiro.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Obras no aeroporto de Noronha (PE) começam esse mês

12/04/2013 - Panrotas

A Secretaria de Aviação Civil (SAC) autorizou o início das obras do Aeroporto Governador Carlos Wilson, em Fernando de Noronha, em Pernambuco. Esse é o primeiro aeroporto a receber investimentos no Plano de Aviação Regional anunciado pelo governo federal no final do ano passado. Reforma do sistema de pistas e pátios de aeronaves estão entre as obras previstas.

Os serviços, que já haviam sido licitados, devem durar cinco meses. Os investimentos são do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC). Ao todo serão aplicados R$ 14.829.718,49, sendo R$ 13.340.385,91 do governo federal e R$ 1.489.332,58 de contrapartida do governo de Pernambuco.

Danilo Teixeira Alves

Aeroporto de Cacoal, RO passa a operar com 13 voos semanais

11/04/2013 - G1

Dos 19 voos apenas 13 serão mantidos a partir de segunda-feira, 15.
Preços de passagens poderão aumentar, diz administração do aeroporto.
Paula Casagrande
Do G1 RO


Aeroporto Capital do Café, em Cacoal (Foto: Paula Casagrande)

A partir de segunda-feira (15) o Aeroporto Capital do Café, em Cacoal (RO), vai operar com apenas 13 voos semanais. Atualmente 19 são realizados. Os seis voos suspensos serão direcionados para Ji-Paraná (RO) com destino à capital Porto Velho (RO). O aeroporto municipal foi inaugurado em março de 2010 após 10 anos de obras. Mais de R$ 20 milhões foram investidos e apenas uma companhia aérea opera.

Nas segundas, quartas e sextas-feiras, apenas o voo vespertino com destino à Cuiabá (MT) continuará em operação. Os outros dois, um pela manhã e outro no período noturno, com destino à Porto Velho, deixarão de ser oferecidos.

De acordo com a administradora local do aeroporto, Shirley de Oliveira Borges, o prejuízo é grande para o município. "Em um estudo foi verificado que as pessoas utilizam esses voos para cursos, mestrados, doutorados ou a trabalho na capital. Quem perde é quem precisa do serviço", argumenta. Em média três mil passageiros usam os serviços do aeroporto durante a semana, entre embarques e desembarques.

Sobre os valores das passagens Shirley diz que ainda não foi vista uma mudança significativa nos preços, mas a redução no número de voos pode acarretar aumento, uma vez que a demanda continua. "Como a oferta vai diminuir e a demanda continua a mesma, a expectativa é que os preços subam", conclui.
Os passageiros que anteciparam a compra das passagens, a partir de segunda, serão remanejados para outros voos ou terão o valor ressarcido, segundo Shirley.

A empresária Susana Magalhães, de 26 anos, conta que viaja com frequência para capital por motivos familiares. Para a empresária, a diminuição dos voos oferecidos significa um retrocesso para o município. "O aeroporto que custou R$ 20 milhões e só faz um voo por dia é inadmissível. Ao invés de trazerem mais voos estão tirando os que temos", disse Susana.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Embraer quer assinar 1.º contrato de novo avião em 2014

09/04/2013 - O Estado de S.Paulo

VINICIUS NEDER - Agencia Estado

RIO - A Embraer espera assinar o primeiro contrato comercial de venda do avião de carga militar KC-390 no primeiro trimestre de 2014, anunciou nesta terça-feira o presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar. De acordo com Aguiar, a Força Aérea Brasileira (FAB) já certificou dois protótipos do avião, que deverá fazer o primeiro voo no fim de 2014. O projeto de desenvolvimento recebeu US$ 2 bilhões em investimentos.

"Esse processo, a partir de agora, faz com que tenhamos condição de ir ao mercado e oferecer essa aeronave. Somos capazes de começar a fechar contratos", afirmou, durante a Laad, feira de negócios do setor de segurança e defesa realizada no Rio. Aguiar não confirmou preços para o aparelho, pois os valores dependem das necessidades dos clientes em potencial. Mas disse que o preço será competitivo em relação à concorrência. Segundo Aguiar, no mercado, os preços variam de US$ 90 milhões a US$ 120 milhões por aeronave. A Embraer cobrará menos que isso, garantiu Aguiar.

Segundo Paulo Gastão, vice-presidente da Embraer Defesa e Segurança responsável pelo projeto, o estudo que balizou a proposta aponta, com dados atualizados, para um mercado de US$ 50 bilhões, considerando apenas o potencial de reposição de 728 aeronaves, em 77 países. Gastão destacou que as atividades de desenvolvimento do projeto começaram há quatro anos. De acordo com o executivo, na Laad de 2007, a companhia anunciou estudos sobre o KC-390 e, na edição de 2009 da feira, assinou do contrato de desenvolvimento da aeronave com a FAB. O comandante da FAB, brigadeiro Juniti Saito, estava presente , ao lado de executivos da Embraer Defesa e Segurança, mas não deu declarações. A Embraer fará mais anúncios nesta quarta-feira (10) , com a possível presença do ministro da Defesa, Celso Amorim.

Pará deve ganhar mais 11 aeroportos até outubro de 2014

10/04/2013 - O Liberal - PA

Setran informa que já abriu licitação para os projetos executivos

Até o mês de outubro de 2014 o governo do Estado do Pará pretende construir 11 novos aeroportos de pequeno porte nos municípios do interior. A Secretaria de Estado de Transportes (Setran) está com as licitações abertas para a elaboração dos projetos executivos dos aeródromos e a expectativa é de que, até o início do segundo semestre, todos os projetos estejam prontos, para que em setembro as obras se iniciem. Os novos aeroportos serão implantados em Cumaru do Norte, Floresta do Araguaia, São Geraldo do Araguaia, Curuá, Bom Jesus do Tocantins, Oeiras do Pará, Senador José Porfírio, Bagre, Muaná, São Sebastião da Boa Vista e Anajás. A secretaria também reformará mais 13 aeródromos no interior. No total, os investimentos chegarão até 60 milhões de reais.

Segundo o titular da Setran, Eduardo Carneiro da Silva, os aeroportos integrarão os municípios ao Estado. 'É muito importante a construção e o melhoramento dos aeródromos, porque são municípios isolados, principalmente no Marajó, que não possuem rodovias e dependem basicamente do transporte hidroviário, que é lento. Foi feito um estudo para decidir onde seriam construídos esses aeroportos, que durou cerca de um ano', relatou. Para o secretário, a nova possibilidade de transporte poderá ajudar também no tratamento de pacientes com risco de vida. 'Por exemplo, em Anajás, que tem um índice altíssimo de malária. Tendo aeródromo é possível transportar esse paciente mais rapidamente', explicou.

Em outros municípios serão feitas reformas nos aeródromos existentes, como em Santa Maria das Barreiras, Tomé-Açu, Cametá, Anapu, Medicilândia, Pacajá, Afuá, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Ponta de Pedras, Portel e Santa Cruz do Arari. 'Há nesses municípios aeroportos tão precários que não se pousa ou se decola mais. Essas pistas têm aproximadamente mil metros', informou Carneiro. 'Serão obras rápidas, com a reforma das pistas e construção de estações de passageiros, apenas para acomodar as pessoas', disse. Atualmente, o Pará possui 65 aeródromos públicos, incluindo o aeroporto Internacional de Val-de-Cans, em Belém.

Fonte: O Liberal

Aeromexico amplia voos GRU-MEX a partir de maio

09/04/2013 - Panrotas

Boeing 777 é utilizado no voo diário da Aeromexico para São Paulo;
mesmo equipamento fará as duas frequências adicionais

Com sete voos semanais entre São Paulo e a Cidade do México, a Aeromexico vai ampliar essa oferta a partir do próximo mês. Serão nove frequências por semana, com a inclusão de um voo adicional às quintas-feiras e outro aos domingos. As novas operações começam em 2 de maio, com partida do Aeroporto de Guarulhos às 12h45 (AM 17) e chegada na Cidade do México às 20h30.

Além das duas novas frequências, a Aeromexico mantém seu voo diário noturno, que sai de Guarulhos às 22h55 (AM 15) e chega à Cidade do México às 6h45. Todas as operações são realizadas com o Boeing 777. Mais informações no www.aeromexico.com/br ou pelo telefone 0800-77-16-535.

Maria Izabel Reigada

terça-feira, 9 de abril de 2013

Embraer vende dois jatos jatos E190 para Austral Líneas Aéreas

09/04/2013 - Aviação Brasil

A Embraer assinou com a Austral Líneas Aéreas, empresa pertencente ao Grupo Aerolíneas Argentinas, um contrato para a venda de dois jatos Embraer 190. A empresa aérea da Argentina opera atualmente 20 aeronaves deste mesmo modelo.
Assim como as aeronaves que já estão em operação, os novos E190 da Austral são do modelo AR (Advanced Range), que permitem à empresa aérea voar qualquer rota dentro do território argentino e atingir importantes capitais do Brasil, como Rio de Janeiro e São Paulo, sem escalas. Os jatos estão configurados com 96 assentos em duas classes de serviço: oito na executiva e 88 na econômica, contando com um moderno sistema de entretenimento a bordo equipado com monitores individuais.
"Desde que incorporamos os jatos da Embraer à frota, conseguimos, além de oferecer um serviço diferenciado, ampliar nossa atuação doméstica, para a qual se destinam estas duas novas aeronaves", disse Mariano Recalde, Presidente do Grupo Aerolíneas Argentinas, controlador da Austral Líneas Aéreas. "Além de contar com aviões de última geração, o que reduz os custos operacionais, temos de destacar o apoio que recebemos da Embraer por meio do Programa Pool de peças de reposição, uma grande ferramenta no gerenciamento da frota."

Terminal em Vitória parou em 2008 e continua à espera de uma solução

08/04/2013 - Valor Econômico

Em praticamente todas as suas complicações, o novo aeroporto de Vitória é um irmão siamês das obras em Goiânia, com a mesma sequência interminável de dramas e vaivéns. Na história capixaba, os canteiros foram abandonados em julho de 2008, com um agravante: o contrato entre a Infraero e o consórcio construtor - formado pelas empreiteiras Camargo Corrêa, Mendes Júnior e Estacon - acabou rescindido.

Era um conjunto de obras que, à diferença de Goiânia, também incluía a construção de uma nova pista de pouso e decolagem no mesmo terreno do atual aeroporto. Somando-se as demais intervenções, como o terminal de passageiros e pátio de aeronaves, o contrato original alcançava R$ 337,4 milhões e depois subiu para R$ 370,7 milhões. Ele foi firmado em dezembro de 2004 e previa a entrega das obras depois de três anos, mas os trabalhos pararam com aproximadamente 36% de execução. Do novo aeroporto, há apenas a terraplenagem da segunda pista e as fundações do terminal de passageiros, além dos serviços de macrodrenagem.

Houve um extenso leque de irregularidades, segundo diversos órgãos de controle e fiscalização, enquanto as obras ainda andaram. O Tribunal de Contas da União (TCU) apontou sobrepreço de R$ 44 milhões no contrato e determinou o bloqueio dos repasses ao consórcio construtor pela Infraero. Depois, a Polícia Federal também disse que havia indícios de superfaturamento, nas investigações da Operação Caixa Preta. O Ministério Público Federal ajuizou ação civil por ato de improbidade administrativa.

Quatro ações tramitam na 9ª Vara Federal de Brasília. As empreiteiras, que paralisaram completamente as obras em julho de 2008, alegam rompimento do equilíbrio econômico-financeiro do contrato e pedem indenização. Em 2011, o juiz responsável pelo celebrou um trégua entre as partes, autorizando a atualização do projeto executivo e a eventual retomada do contrato.

Depois de tanto tempo, no entanto, as dimensões originalmente planejadas para o terminal ficaram pequenas diante da explosão da demanda. De 2006 a 2012, a movimentação subiu de 1,6 milhões para 3,6 milhões de passageiros por ano, o que deixou o terminal existente saturado - mesmo com um "puxadinho" construído pela Infraero.

Depois de quatro anos e meio sem avanços concretos, o consórcio construtor trabalha nos projetos executivos do novo aeroporto, com duas etapas de construção (2015 e 2020). Na primeira fase, a previsão é de um terminal com capacidade para 5,5 milhões de passageiros, seis pontes de embarque e estacionamento para 2.154 veículos. Na segunda fase, a estrutura aumenta para 7,5 milhões de passageiros.

A Infraero tem a intenção de retomar o contrato para também concluir as obras. O TCU ficou de examinar o assunto apenas com o projeto executivo pronto, mas já deu sinais de que pode não concordar com isso. "Entendo que a solução adequada e menos traumática para a conclusão do empreendimento, além da mais eficaz e efetiva, seria a realização de nova licitação a fim de que se tenha uma retomada das obras dentro de parâmetros minimamente morais", disse o ministro Raimundo Carreiro, em voto no TCU, em novembro, última vez que o tribunal analisou o caso. (DR)

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Cuba terá voo regular para Brasil a partir de julho

04/04/2013 - Panrotas

A empresa aérea Cubana de Aviación começa a operar em 9 de julho rota regular para São Paulo. O voo será semanal e operado sempre às terça-feiras, segundo informou o presidente da Sanchat, Roberto Silva, que participa do 6º Encontro Nacional Braztoa. De acordo com ele, o voo terá 7h20 de duração. "É um voo rápido e direto, sem precisar de conexão em outros aeroportos no Caribe".

Além desta novidade, a Sanchat está apresentando no evento sua temporada 2013. O destaque é a inclusão de cruzeiros em seu portfólio. Pela primeira a vez a empresa trabalha com este segmento:

"Estamos trabalhando com o roteiro da Pullmantur que passará por cinco pontos no Caribe: Colômbia, Panamá, Curacao, Aruba e Venezuela. "A característica mais importante deste pacote é que o roteiro é circular, então o passageiro pode pegar o navio em qualquer um dos pontos de parada", destacou Silva. A primeira saída será no mês de abril e os pacotes incluem aéreo e terrestre.

Diego Verticchio

Operadores criticam falta de voo direto

04/04/2013 - Folha de São Paulo

O voo entre São Paulo e Auckland não é simples e atrapalha a promoção do destino entre os turistas brasileiros.

Pelo menos é essa a opinião de operadores de luxo que se reuniram, na capital paulista, no mês passado, com o primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, e o diretor da Tourism New Zealand, Gregg Anderson.
O objetivo do encontro era estabelecer estratégias de divulgação do destino no mercado brasileiro, e a rota de viagem entre os dois países foi o assunto mais discutido.

Hoje, a melhor maneira para chegar à Nova Zelândia é fazendo uma conexão em Santiago. "O voo até Santiago dura quatro horas, e de lá a Auckland são 13 horas", explica Custódio Alves, gerente do setor aéreo da operadora Kangaroo. Há ainda o tempo de espera entre os voos.

A reportagem pesquisou opções de voos no site da LAN, que opera o trecho em "codeshare"
(compartilhamento de voos) com a Qantas, e encontrou viagens (as mais curtas) com durações previstas de 19 horas e 30 minutos (ida) e 19 horas e dez minutos (retorno).
Para Olga Arima, diretora da Designer Tours, um voo direto aumentaria o número de brasileiros na Nova Zelândia.

"Os voos estão sempre lotados e é muito difícil vender o destino. É logico que o passageiro prefere um lugar que tenha voo direto, como Istambul e Dubai, por exemplo", afirma Olga.
Ela diz ainda que, "para o operador, comercialmente e operacionalmente, não é estimulante [trabalhar o destino Nova Zelândia]".

"Os voos são mais baratos desde que você esteja preparado pra uma viagem bem longa. Turista, que quer passar uma semana [no destino], não quer conexão", diz Thiago Ayroza, gerente de restaurante, que mora há três anos na Nova Zelândia e já fez a rota cinco vezes. (RAFAEL MOSNA)

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Governo repassa R$ 6,2 milhões para ampliação do Aeroporto de Londrina

03/04/2013 - Documento Reservado

O Secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, e o prefeito de Londrina, Alexandre Lopes Kireeff, assinam nesta quinta-feira (04) convênio para o repasse de R$ 6,2 milhões para ampliação do aeroporto de Londrina Governador José Richa. Com este convênio, o Estado repassa o dinheiro necessário para que o município de Londrina faça a desapropriação de terrenos na parte sul do aeroporto, permitindo as obras de ampliação da pista, construção de saguão e terminal. A assinatura do convênio será no palco da 53ª ExpoLondrina.

"O Governo do Estado entende o seu papel de indutor de melhoria da infraestrutura do Paraná. Por isto, o Estado assume a responsabilidade de viabilizar investimentos, seja privado ou federal, que tragam benefícios aos paranaenses", disse José Richa Filho.

O repasse completa os investimentos do governo estadual para a desapropriação de terrenos, necessária para a melhoria do aeroporto. No ano passado, o Governo já tinha repassado R$ 9,7 milhões para o início das desapropriações. O restante do repasse – os atuais R$ 6,2 milhões – não pode ser feito porque havia restrições do Tribunal de Conta do Estado, que impediam o recebimento do dinheiro pela Prefeitura de Londrina.

Com o repasse de R$ 6,2 milhões, a Prefeitura poderá desapropriar 29.199,41 metros quadrados. Com isto, poderão ser construídos mais 3.271,96 metros quadrados de área. Ao todo, serão desapropriados 49.828,09 metros quadrados.

O projeto de ampliação, que deve ser concluído em 2015, prevê mais 600 metros, instalação do Sistema de Pouso por Instrumento (ILS CAT I), Estação Metereológica de Superfície Classe I (EMS – I), Sistema de Luzes de Aproximação (ALS I) e novo DVOR (equipamento de proteção ao voo).

Iguaçu e Infraero construirão nova pista em aeroporto

03/04/2013 - Panrotas

O Fundo de Desenvolvimento e Promoção Turística do Iguaçu, o Fundo Iguaçu, entregará à Infraero amanhã o projeto final do novo Plano Diretor do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, durante o evento de inauguração da nova sala de embarque e do novo estacionamento de veículos do aeroporto.

Na ocasião, as entidades assinarão um novo Acordo de Cooperação Técnica para o desenvolvimento dos projetos de construção de uma nova pista de pouso e decolagem. A nova pista será paralela à atual e deverá ter três mil metros de extensão por 45 metros de largura, permitindo, futuramente, voos diretos, sem escala, para Estados Unidos, Europa e Caribe.

O Fundo Iguaçu se compromete a entregar à Infraero, em 18 meses, os estudos técnicos, levantamentos topográficos, sondagens, projetos básicos e executivos para a construção do novo sistema de pistas do aeroporto. O investimento será de aproximadamente R$ 2 milhões.

Participam do ato o presidente da Infraero, Gustavo do Vale, o presidente do Fundo Iguaçu, Gilmar Piolla, o diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Jorge Samek, o prefeito Reni Pereira e representante do secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, além dos superintendentes local e regional da Infraero e lideranças do setor turístico.

Savia Reis

Aeroporto de ´Jeri´ terá pista concluída em abril

04/04/2013 - Diário do Nordeste

A construção da pista de pouso está 99% concluída, segundo a Setur, que se prepara para começar as obras do terminal de passageiros. Foto: Jessyca Rodrigues

Atualmente, a empresa responsável pela
obra aguarda repasse de recursos por
parte do governo do Estado

Paralisada desde o mês passado, a construção da pista de pouso do Aeroporto de Jericoacoara deverá ser concluída até o fim deste mês. Atualmente, a empresa responsável pela obra aguarda repasse de R$ 8 milhões, por parte do governo do Estado, para voltar a executar o serviço.

Segundo o titular da Secretaria de Turismo do Ceará (Setur), Bismarck Maia, o atraso no repasse se deu porque o governo do Estado mudou a fonte dos recursos destinados à obra. Anteriormente, explica Bismarck, os R$ 8 milhões seriam pagos pelo tesouro estadual.

Agora, complementa, o montante será pago a partir de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), através do Proinvest - programa lançado, no ano passado, pelo governo federal, que prevê R$ 20 bilhões para investimentos em infraestrutura no País.

Economia de recursos

Segundo o secretário, a mudança da fonte de recursos representará economia ao governo cearense, já que o valor destinado à construção da ponte de pouso não sairá mais inteiramente do tesouro estadual. Contudo, afirma, o Estado terá de pagar o financiamento, mas a longo prazo. A construção da pista de pouso, informa, está orçada em R$ 46 milhões, dos quais R$ 38 milhões já foram pagos com verbas do Estado.

A expectativa do secretário é que o repasse à empresa que executa a obra - a SBS Engenharia - aconteça em até dez dias, sendo o serviço retomado logo em seguida e finalizado ainda neste mês. "Esse processo (a mudança da fonte de recursos) é natural. A empresa foi muito compreensível", afirma Bismarck, acrescentando que a pista de pouso está "99% pronta".

Após a conclusão da pista de pouso, o local será visitado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a quem cabe liberar o início das operações na pista. Conforme Bismarck, a liberação deve ocorrer por volta de julho deste ano, quando o espaço já poderá começar a ser utilizado. Antes disso, a Secretaria de Turismo pretende iniciar a construção do terminal de passageiros do Aeroporto de Jericoacoara, cuja obra deverá durar dez meses. O terminal de passageiros está orçado em R$ 12 milhões - os quais também serão pagos através do Proinvest.

TAM tem prejuízo de R$ 1,2 bilhão em 2012

TAM tem prejuízo de R$ 1,2 bilhão em 2012

01/04/2013 - Folha de São Paulo

Na semana passada, Gol também anunciou perdas, de aproximadamente R$ 1,5 bilhão
MARIANA BARBOSA
DE SÃO PAULO

A TAM encerrou 2012 com prejuízo de R$ 1,2 bilhão, crescimento de 272% em relação ao ano anterior, quando obteve perda de R$ 335 milhões.

O prejuízo da TAM se soma ao da Gol no setor de aviação: na semana passada, a rival divulgou perda líquida de R$ 1,5 bilhão em 2012 -praticamente o dobro da de 2011.

Os dados da TAM foram publicados nas demonstrações financeiras da companhia na quinta-feira passada, véspera do feriado de Páscoa, no jornal "Valor Econômico".

Desde a criação da Latam, holding resultante da associação com a chilena LAN, a TAM saiu da Bolsa paulista e parou de divulgar resultados trimestrais no país.

Os dados da brasileira passaram a ser consolidados no balanço da Latam, que tem suas ações negociadas na Bolsa de Valores de Santiago, no Chile.

No entanto, pela lei das Sociedades Anônimas e pelo seu porte, a TAM é obrigada a dar publicidade a alguns dados financeiros, como balanço patrimonial e lucros ou prejuízos acumulados.

A empresa afirmou que o prejuízo é resultado da valorização do dólar e do combustível e também do aumento das tarifas aeroportuárias. O real se desvalorizou em 17% ante o dólar no ano passado e o combustível subiu 18%.

A receita da TAM aumentou 5,39%, para R$ 13,695 bilhões, mas os custos e as despesas cresceram ainda mais: 19,3%. Saltaram de R$ 12 bilhões para R$ 14,3 bilhões.

Em termos operacionais, a TAM saiu de um lucro de R$ 977 milhões em 2011 para um prejuízo de R$ 640,6 milhões.

Diante do prejuízo, as empresas estão reduzindo voos e cortando serviços. A TAM enxugou a oferta em 8,4% em janeiro e fevereiro, e a Gol, em 5,5%. Essa redução da oferta levou o mercado doméstico a encolher 4% em fevereiro.

CARGA

A TAM Cargo, divisão de carga da TAM, aguarda a aprovação da Anac para integralizar 100% das ações da Absa, maior empresa aérea cargueira do país e que pertence à chilena LAN.

Apesar de a lei brasileira restringir o capital estrangeiro no setor, a Absa é controlada na prática pela LAN - ainda que no papel os chilenos detenham apenas 20% das ações com direito a voto. Somando ações ordinárias e não ordinárias, a LAN detém 76% da Absa.

A Absa ainda mantém uma pessoa jurídica ativa, mas a Folha apurou que a empresa já opera de forma integrada à TAM Cargo há mais de seis meses. O site da Absa saiu do ar e as empresas trabalham com um organograma conjunto.

Aeroporto de Varginha volta a realizar voos diários nesta segunda-feira (1º)

01/04/2013 - G1

Destino será apenas o aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).
Unidade ainda não está habilitada a realizar outros voos, segundo Anac.

Do G1 Sul de Minas

Após 40 dias de paralisação alguns voos voltaram a acontecer no aeroporto de Varginha (MG). Conforme previsto, nesta segunda-feira (1º), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) liberou voos saindo da cidade para o município de Campinas (SP) em dois horários.

Os voos serão realizados pela empresa Azul e segundo a assessoria de imprensa da empresa, ainda não há previsão da criação de novas rotas saindo do aeroporto de Varginha, entretanto, a empresa esclarece que por meio de conexões com o aeroporto de Campinas é possível viajar para várias cidades brasileiras.

Contudo, a nova rota exclui voos para as capitais Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP) como acontecia anteriormente. Os voos previstos para Resende (MG) também não vão acontecer.

Segundo a assessoria do aeroporto de Resende, o problema deve-se a falta de certificação do Corpo de Bombeiros do aeroporto de Varginha na sessão contra incêndio.

Ainda segundo a assessoria, os equipamentos como caminhão contra incêndio já existem em Varginha e os bombeiros civis de Resende farão uma visita no aeroporto local para realizar treinamento com os bombeiros.

De acordo com informações da Anac na última semana, o aeroporto de Varginha ainda apresenta pendências de infraestrutura e a agência solicita comprovação de soluções.


Aeroporto de Varginha volta a realizar voos diários nesta segunda-feira (1º)
(Foto: Reprodução EPTV)

Avianca transporta 3,9 milhões de pax no 1º bimestre

02/04/2013 - Panrotas

Crescimento no número de paxs foi de 9,7% (foto: divulgação)

Nos dois primeiros meses do ano, a Avianca Taca transportou 3,9 milhões de passageiros – crescimento de 9,7% em relação a igual período do ano passado.

Em fevereiro, a capacidade (assento por quilômetro disponível) teve incremento de 1,6% e o tráfego de passageiro (passageiros pagos por quilômetro rodado) cresceu 5,5%, o que representa 1,8 milhão de paxs. A ocupação foi de 80,7%.

Mercado doméstico (Colômbia, Peru e Equador)
Durante janeiro e fevereiro de 2013, o número de passageiros nos mercados da Colômbia, Peru e Equador foi de 2,2 milhões (+11,4%), com uma ocupação de 79,5% no período.

Mercado internacional
A companhia aérea transportou 1,7 milhão de passageiros (7,4%) em rotas internacionais durante os dois primeiros meses do ano. A capacidade teve aumento de 1,9% e a ocupação foi de 82,9%.

Savia Reis

Gol bate recorde de paxs transportados em um dia

03/04/2013 - Panrotas

Na última quinta-feira (28), véspera de feriado prolongado, a Gol bateu o recorde de passageiros transportados em um único dia. A companhia embarcou, na data, 132.897 clientes nos 970 voos diários em que opera para 65 destinos.

Ministério das Cidades dá sinal verde a BRT de Campinas

03/04/2013 - Embarq

Maria Fernanda Cavalcanti

Ônibus articulados já circulam em algumas regiões, mas sem os corredores exclusivos. (Foto: EMDEC)

Em março, a prefeitura de Campinas recebeu a autorização do Ministério das Cidades para abrir o edital de licitação de obras do BRT (Bus Rapid Transit) – sistema de transporte coletivo que vai beneficiar 300 mil moradores das regiões do Campo Grande e Ouro Verde. O anúncio do Ministério foi feito pessoalmente ao prefeito Jonas Donizette pelo secretário nacional de Transportes e Mobilidade Urbana, Júlio Eduardo dos Santos.

"O processo de licitação deve começar o mais breve possível", disse o prefeito. Os recursos para a implantação do BRT, de R$ 338 milhões, são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2 Mobilidade Urbana, sendo que R$ 197 milhões vem por meio de financiamento, com mais R$ 97 milhões de fundo perdido e contrapartida da prefeitura de R$ 44 milhões.

O projeto do BRT prevê estações de transferência e infraestrutura adequada; veículos articulados ou biarticulados; corredores exclusivos com espaços para ultrapassagens; embarque / desembarque pela esquerda (junto ao canteiro central das avenidas); embarque em nível; pagamento desembarcado; sistema mais seguro, rápido, eficiente e confiável.

Na região do Ouro Verde são 14,4km de extensão, saindo do Terminal Central (Viaduto Miguel Vicente Cury), seguindo pela João Jorge, Amoreiras, Ruy Rodriguez, Camucim e Terminal Vida Nova. No Campo Grande, o BRT terá 17,8km de extensão, saindo do Terminal Multimodal Ramos de Azevedo, seguindo pelo leito desativado do antigo VLT, John Boyd Dunlop e chegando ao Terminal Itajaí.

Saiba mais sobre os sistemas BRT e corredores de ônibus no mundo.

Primeira ligação de celular faz aniversário de 40 anos

03/04/2013 - O Estado de São Paulo

Mariana Congo

Em 3 de abril de 1973, há exatamente 40 anos, foi realizada a primeira chamada de celular em público.

IMAGEM RECENTE DE MARTIN COOPER E O MOTOROLA DYNATAC
(Foto: Eloy Alonso/Reuters)

Martin Cooper, engenheiro norte-americano da Motorola, hoje com 84 anos, fez uma demonstração da tecnologia móvel usando um protótipo do aparelho Motorola DynaTAC, que pesava cerca de 1 kg. O "tijolo" tinha quase 23 cm de altura.
Na ocasião, Cooper caminhou pela 6ª Avenida de Nova York, nos Estados Unidos, e ligou para um engenheiro rival do Bell Labs (centro de pesquisas da AT&T, uma das maiores companhias de telecomunicações dos Estados Unidos). Cooper teria dito: "Estou ligando para você apenas para saber se minha ligação soa bem".
A ligação também não poderia demorar muito tempo, pois a bateria do aparelho durava apenas 20 minutos.
O modelo usado por Cooper foi – 10 anos depois – o primeiro a chegar ao mercado, com o nome Motorola DynaTAC 8000x. O aparelho custava mais de US$ 3 mil.
Celular hoje

Enquanto o Motorola DynaTAC 8000x era um "tijolo" que pesava mais de 1kg, hoje um iPhone 5 pesa 112 gramas e um Galaxy S4, 130 gramas.
No Brasil, o primeiro celular chegou ao mercado em 1990 – era o Motorola PT-550. Atualmente, o País tem 263 milhões de linhas de celulares, segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
v

Boa Vista vai contar com cinco voos diários a partir de sexta-feira

02/04/2013 - Folha de Boa Vista

ALEXSANDRA SAMPAIO
alexsandra.sampaio@gmail.com

Foto: Antonio Diniz
O voo inaugural da Azul/Trip será na noite de
quinta-feira (04). Na sexta, começa a funcionar
também o voo das 10h30 da manhã

A partir de sexta-feira (05) os boa-vistenses passarão a contar com cinco voos diários partindo da capital do estado. O aumento na oferta de voos para Roraima vai acontecer com a chegada da empresa aérea Azul/Trip que fará seu voo inaugural nesta quinta-feira (04), às 21h20. A novidade tem deixado agências de viagens e os passageiros com grandes expectativas.

O presidente da Abav Roraima (Associação Brasileira de Agência de Viagens), Ricardo Peixoto, afirma que o início da operação dessa nova companhia é uma conquista que a população do estado aguarda há muitos anos.

"E agora só depende de nós para continuarmos crescendo. Se a empresa conseguir manter uma taxa de ocupação boa, com certeza teremos mais novidade para os próximos seis meses", adiantou o empresário.

Segundo ele, a procura de passagens pela companhia Azul/Trip está superando as expectativas dos empresários do setor. O único receio dos clientes tem sido quanto à aeronave que vai operar nos voos para Roraima, que é um turboélice ATR 72, com capacidade de 68 assentos.

Mas Peixoto garante que em breve a empresa poderá enviar uma aeronave maior, caso a demanda seja boa. "A população pode ficar despreocupada quanto à aeronave, que apesar de ser menor que os aviões das demais companhias, ela é moderna e muito mais confortável. E tenho certeza que se o mercado passar confiança para a Azul, ela fará um upgrade para outras aeronaves como a Embraer 175 ou 190 com capacidade de mais de 100 assentos", analisa.

Aeronaves ATR
As características das aeronaves ATR fazem desses modelos opções mais adequadas para voos regionais, ideais para operar rotas de curta distância e baixa densidade de passageiros. Além disso, são apropriadas para pousos em pistas mais curtas, como as encontradas em aeroportos de médias e pequenas cidades.

Mais sustentáveis, as aeronaves ATR emitem menor quantidade de CO2 por passageiro, 20 % menos do que outros modelos. São mais econômicos, com menor utilização de combustível e importante redução nos níveis de poluição e ruído. A aeronave não possui poltrona do meio.

As aeronaves ATR são equipamentos turbo-hélices, fabricados pelas empresas Aeroespatiale (França) e a Alenia (Itália), que fazem parte do consórcio AIRBUS. A família ATR apresenta índices de regularidade e pontualidade de 99% e é utilizada em mais de 60 empresas aéreas em todo o mundo.




Um diferencial nas aeronaves da Azul é que elas não possuem a poltrona do meio

Nova companhia força queda no preço das passagens

Ele informou que um total de 25 agências de turismo da capital está cadastrada para efetuar a venda de passagens aéreas pela Azul/Trip. Uma das vantagens da entrada de mais uma companhia para o estado, além do aumento na opção de voos, é também o preço atrativo que a empresa está oferecendo.

"O preço promocional de inauguração - dependendo da data, alguns passageiros chegam a conseguir o trecho "Boa Vista – Manaus" por até R$ 90,00", informou. Outra vantagem de mais uma companhia aérea com voos para a capital roraimense são as opções de horários diferenciados das demais empresas.

O boa-vistense teve que se acostumar com as viagens sempre pela madrugada, que o é bastante cansativo. Agora passará a contar com mais duas opções de saída daqui para Manaus, sendo um voo pela manhã, com partida prevista para às 10h30, e outro à noite, partindo às 21h20.

Os clientes terão ainda a opção de comprar as passagens
na loja da empresa, no Aeroporto (Foto: Diniz)

Loja e balcão de check in da Azul já estão montados no aeroporto

As vendas das passagens aéreas da mais nova companhia que passa a operar para Boa Vista também poderão ser feitas na loja da empresa, localizada no Aeroporto Atlas Cantanhede. Ontem os balcões de atendimento de check in e da loja já estavam montados no aeroporto.

A entrada da companhia no estado vai gerar em torno de 10 empregos diretos em Boa Vista. O gerente regional de vendas da Azul, Lucas Frade, informou ontem à FolhaWeb que as expectativas da empresa para Roraima são as mais positivas possíveis.

"O voo inaugural será no dia 04 de abril, às 21h20 e a nossa expectativa é no sentido de termos resultados positivos, pois estamos apostando em horários diferenciados das outras empresas que já operam para o estado", comentou.

Além disso, os novos voos vão proporcionar aos passageiros um maior leque de opções para conexões que poderão ser feitas, a partir de Manaus, para outros estados do país. De lá, é possível realizar conexões para: Porto Velho, Campinas (São Paulo), Confins (Belo Horizonte), Parintins, Tabatinga, Santarém, Belém, Coari, Tefé, Eirunepé, Santa Isabel Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira e Barcelos.

O passageiro pode ainda optar por comprar o restante da passagem em outra companhia aérea a partir de Manaus, como observa o empresário de agencia de viagens, Odemir Júnior.

Como o primeiro voo chega ainda meio dia em Manaus, o passageiro pode comprar o restante da passagem para sair a tarde de lá. "Ou até mesmo na noite do mesmo dia, podendo curtir o dia em Manaus", explicou um agente de viagem. Analise abaixo os horários de voo partindo de Boa Vista e Manaus, com os horários de chegada.

Horários:

ATRs de aérea de Manaus já estão prontos na França

02/04/2013 - Panrotas

Página do site da Map, que fala da chegada dos ATRs (reprodução)

Já estão praticamente prontos os dois ATR 42 que a Map Linhas Aéreas, de Manaus, comprou junto à fabricante de aeronaves regionais europeia Avions de Transport Regional (ATR) – uma joint venture formada entre a EADS (também dona da Airbus) e a Alenia Aermacchi.

Os operadores de turismo e agentes de viagens brasileiros que participaram da feira Rendez-Vous en France, realizado na semana passada em Toulouse, cidade sede da ATR no sul da França, observaram esses aviões no pátio do Aeroporto Toulouse Francazal.

A aeronave ATR 42 tem capacidade para transportar 46 passageiros, e a cerimônia oficial de entrega dos aviões está maracá para o próximo dia 19, em Toulouse. Mais informações: www.voemap.com.br.

Claudio Schapochnik

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Passaredo retoma operações diárias em duas rotas

01/04/2013 - Panrotas

A partir de quarta-feira, dia 3, a Passaredo retoma seus voos diários nos trechos Brasília-Sinop (MT) e Palmas-Araguaína(TO). Na data, a companhia passa a oferecer novos horários na rota Vitória da Conquista(BA)-Salvador. Os voos serão operados com aerovane ATR 72-600, com capacidade para 72 passageiros.

O trecho Brasília-Sinop passa a ser diário e fica assim: saída de Sinop às 13h33 e chegada em Brasília às 16h50. O voo direto de Brasília a Sinop sairá às 11h36, com chegada às 13h10. No trecho Palmas-Araguaína, passa a ter voos diários com saída às 13h34 e chegada em Araguaína às 14h33 e a volta para Palmas às 14h53 com chegada prevista para as 15h52.

"Acreditamos que essas mudanças irão melhorar os serviços prestados pela Passaredo nessas cidades, já que, com as alterações de nossos voos, os passageiros terão mais opções de usufruir da companhia", explica o diretor de planejamento da empresa, Ricardo Merende.

Ainda a partir da data, a Passaredo passa a oferecer novos horários ligando Vitória da Conquista a Salvador. O voo tem saída às segundas e sábados às 6h de Vitória da Conquista com chegada à capital baiana às 6h58.

No sentido contrário, a opção de decolagem será aos domingos e sextas às 21h20 e pouso às 22h20. A companhia, no entanto, permanece com os voos diários saindo às 7h30 de Salvador rumo a Vitória da Conquista, com retorno às 19h40.

Aviões experimentais construídos em SC voam até os EUA para feira

29/03/2013 - G1

Viagem até Flórida serão de 8 mil quilômetros e terá oito escalas.
Empresários comparam desempenho de nave a carro da marca Ferrari.
Do G1 SC com informações da RBS TV

Veja vídeo no site do G1
Dois exemplares do modelo Wega 180, primeiro avião experimental construído em Palhoça, decolam no próximo domingo (31) em direção aos Estados Unidos, para participar de uma feira de aviação. A viagem até a Florida terá cerca de 8 mil quilômetros de voo e oito escalas.

O idealizador do projeto, o mecânico e técnico em robótica, Jocelito Wildner, explica: "eu tenho uma visão um pouco diferenciada de aerodinâmica, e juntei vários fatores da aerodinâmica para ter o desempenho esperado. O avião faz 350 km/h, o acabamento é um dos melhores do mundo. Pode ser comparado com um carro esporte, como Ferrari".

O avião também foi testado pelo presidente da Fiesc, Glauco José Corte. "O avião tem estabilidade, conforto, segurança. Estamos animados com as perspectivas nesta área, para dar um novo impulso ao desenvolvimento do estado", comenta.

Cesar Olsen, presidente do Comitê da FIESC para o Desenvolvimento da Indústria Aeronáutica, também aprova o projeto. "Inovação é fazer aquilo que ninguém fez. Apesar dos componentes importados, o projeto é 'made in Palhoça'. A feira nos Estados Unidos será uma vitrine para mostramos o que se faz aqui em Santa Catarina e, principalmente, do potencial que o estado tem para atrair investidores", explica o empresário.

As naves serão expostas na Sun & Fun, considerada a segunda maior feira da aviação do mundo em tamanho e a mais expressiva em termos de negócios. Confira o roteiro previsto:

1º dia:
São José (SC) - Três Lagoas (MG)
Três Lagoas - Sinop (MT)
Sinop - Manaus (AM) ou Alta Floresta (MT)

2º dia:
Alta Floresta/Manaus - Boa Vista (RR)
Boa Vista (RR) - Georgetown (Guianas)
Georgetown - Granada

3º dia:
Granada - Saint Marteen
Saint Marteen - Providenciales, Bahamas
Providenciales - Fort Pearce (EUA)
Fort Pearce (EUA) - Lakeland (EUA).
Total: cerca de 8 mil km (4.200 milhas náuticas)

TAP festeja 14º aniversário da rota entre Natal e Lisboa/Europa

29/03/2013 - Jornal de Turismo

A TAP festeja amanhã, dia 29 de março, com os potiguares, com muito sol, praias de areias brancas, dunas e coqueiros, 14 anos de ligação direta entre Natal e Lisboa/Europa.

"Estamos honrados e felizes em completarmos 14 anos de ligação direta entre Natal e a Europa. Temos convicção que Natal e todo o Nordeste brasileiro despertam crescente interesse dos turistas. E os europeus que conhecem esta região ficam encantados e sempre retornam, em função das belezas naturais da região e da conhecida hospitalidade do povo nordestino," afirma Mario Carvalho diretor geral da TAP para América do Sul.

Hoje os voos partem de Natal três vezes por semana, nos equipamentos A330. As terças-feiras e domingos às 20h55 e aterrissam às 8h em Lisboa. E aos sábados às 00h45 e pousam às 11h50 no aeroporto de Lisboa.

Esses 14 anos de voos ininterruptos mostram que a TAP está no caminho certo e que ao longo desse período vem contribuindo de forma efetiva e mensurável para o desenvolvimento socioeconômico e turístico de Natal e de toda região.

Por lucro, Infraero vai despejar o Aeroclube do Brasil fundado por Santos Dumont

31/03/2013 - UOL

Leandro Mazzini

A Infraero pode cortar as asas da História e ocupar a qualquer momento dois hangares do Aeroclube do Brasil (ACB) no Aeroporto de Jacarepaguá, no Rio, por interesse comercial.

Fundado por Santos Dumont em 1911, o ACB foi a primeira escola de aviação civil do País e ocupa o local desde a década de 70, destinado pelo antigo Departamento de Aviação Civil, mas agora a estatal requer a área para licitação.

A Infraero informa que trata-se de ação de reintegração de posse, em acordo com a entidade, cujo contrato expirou em 2008, sem interesse de renovação da parte do governo.

Desde então, a estatal e os sócios-pilotos do ACB entraram numa turbulência judicial, com derrotas seguidas para os aviadores. O Aeroclube foi notificado para desocupar os hangares. A entidade recorreu da decisão, sonhando em reverter a situação, mas perdeu na 20ª Vara Federal.

O ACB apelou e a ação chegou ao TRF da 2ª Região, e nova derrota. Nos bastidores, há interesse de empresas aéreas em ocupar os hangares para operações no aeroporto, que atende a companhias de táxi aéreo e empresas de suporte a operações offshore de petroleiros.

Sócio-piloto do ACB desde 1958, o comandante Hamilton Bastos lamenta o impasse: 'O Aeroclube existe desde antes da Infraero. A situação é triste e crítica'. Agora, os sócios-pilotos querem sensibilizar o ministro Moreira Franco, que é do Rio. O novo ministro faz gestões para mudar o comando da Infraero.

Atualização, Dom., 21h08: O Aeroclube do Brasil já teve sede social em Manguinhos, subúrbio do Rio, e no Campo dos Afonsos. Os pilotos, tidos como 'comunistas' , foram perseguidos em 1958 – durante o caso PanAir – e em 1964 – neste último ano realmente alguns do antigo partidão atuavam no ACB. Na década de 70, foram alocados em Jacarepaguá, em hangares cedidos pelo DAC, onde estão atualmente.

Governo declara de utilidade pública área no entorno do aeroporto de Foz

30/03/2013 - G1

Reformas e ampliação do aeroporto foram iniciadas em março de 2012.
Projeto prevê melhorias no terminal de passageiros, estacionamento e pista.
Do G1 PR


Obras no terminal de Foz foram orçadas em R$ 70 milhões
(Foto: Fabiula Wurmeister/G1)

O governo do estado anunciou que tornará de utilidade pública uma área de 1,4 milhão de metros quadrados, no entorno do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Com a desapropriação, será possível ampliar o pátio de aeronaves e construir uma nova pista com capacidade para receber aviões de maior porte e diminuir o intervalo entre os pousos e decolagens. Atualmente são cerca de 30 voos regulares que chegam e partem da cidade.

O projeto de reforma, ampliação e modernização pago com recursos do governo federal prevê ainda melhorias no terminal de passageiros e no estacionamento. Iniciadas em março de 2012, as obras no terminal iguaçuense, orçadas em R$ 70 milhões, devem ser entregues até setembro de 2013. Somente em 2012, passaram pelo aeroporto mais de R$ 1,7 milhão de passageiros.

O secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, afirmou que desde o início de 2012 o governo já destinou cerca de R$ 36 milhões de recursos estaduais no processo de desapropriação de áreas dos aeroportos de Londrina e Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Galeão poderá ser o 1º aeroporto do país com três pistas

31/03/2013 - O Globo

Concessão deverá ter prazo de 30 anos. Ministro diz que grandes operadores estão de olho no aeroporto

GERALDA DOCA
geralda@bsb.oglobo.com.br

GENILSON ARAÚJO

Do alto. Vista aérea do Galeão: segundo o ministro Moreira Franco, há uma visão unânime de que o serviço é ruim

-BRASÍLIA- O governo quer transformar o Galeão em um dos principais aeroportos do país, ampliando a capacidade de 15 milhões para 70 milhões de passageiros por ano. Para atender a esse público, será preciso ampliar substancialmente a infraestrutura, e o terminal poderá ser o primeiro do país a operar com três pistas de pouso e decolagem. Esta é uma das novidades previstas em estudos que vão servir de base ao edital de licitação. O leilão está previsto para setembro e a expectativa é que a concessão tenha prazo de 30 anos.

Segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, que assumiu o cargo este mês, o governo está determinado a entregar o aeroporto a um grande operador estrangeiro, que possa reproduzir no Galeão sistemas sofisticados de tecnologia, ainda que nas operações mais simples, e que tenha experiência, produtividade e qualidade no serviço prestado. Na visão dele, há uma avaliação unânime de que o serviço no Galeão é ruim.

— Há uma unanimidade: o aeroporto precisa mudar para garantir qualidade e segurança ao usuário. O usuário paga e não tem qualidade nem segurança — destacou Moreira Franco.

POUCA MUDANÇA ANTES DA COPA
Segundo Moreira Franco, a ampliação da infraestrutura será feita em etapas, pois não haverá tempo suficiente para que o novo concessionário faça intervenções significativas antes da Copa de 2014 e mesmo para as Olimpíadas, em 2016. A Infraero, que terá 49% da concessão, está orientada a tocar as obras de reforma do terminal 1 de passageiros e a concluir o terminal 2, além de executar as obras de revitalização no sistema de pátio e pista. Assim que esses investimentos forem concluídos, o que está previsto para 2014, a capacidade do aeroporto vai subir para 43 milhões de passageiros. Mas a estimativa da estatal é que nessa data a demanda do terminal já seja de 20,3 milhões.

— O esforço que o governo faz nesse momento é buscar um dos melhores operadores do mundo e um plano que faça do aeroporto uma referência importante para a economia brasileira. O Rio de Janeiro é uma porta de entrada e o aeroporto é o primeiro impacto que o turista tem. Você precisa garantir ao usuário do sistema qualidade e preço. Tem que ter segurança, agilidade, rapidez em atendimento, na circulação, no acesso à bagagem — destacou o ministro.

Moreira Franco disse ainda que, embora os estudos ainda não tenham sido concluídos, o que deve ocorrer em abril, todos os grandes operadores estrangeiros estão se movimentando, de olho no Galeão. Ele destacou que, nesta segunda rodada de privatizações dos terminais, os operadores terão que ter participação mínima de 25% nos consórcios. Na primeira fase, a exigência era de 10%.

— Isso é muito importante, porque a parte do corpo que mais dói é o bolso — disse.

Ele também defende que os fundos de pensão sejam autorizados a participar da disputa, mas com uma modelagem diferente do consórcio vencedor de Guarulhos, em que a Invepar (formada pelos maiores fundos de pensão das estatais) se associou à africana ACSA. O objetivo é permitir a entrada desses investidores, mas sem prejudicar a concorrência. Os fundos poderiam entrar de forma neutra, se juntando ao vencedor, por exemplo, sugere. Outra sugestão é atrair as empresas de seguro.

— Temos que discutir essa questão. O mercado tem mecanismos sofisticados para montar modelagens de investimento. Os investimentos em infraestrutura são adequados aos fundos de pensão, pela solidez, pelo prazo de maturação, baixo risco e retorno garantido — disse o ministro, que fez uma ressalva: — A Invepar ganhou como empresa e você não pode entregar aeroportos que competem entre si a essa empresa, porque você inibe a competição e provoca deformação na qualidade do serviço prestado.

Segundo o ministro, não é possível pensar no futuro do Santos Dumont sem resolver os problemas da cabeça do sistema, que é o Galeão. Ele lembrou que, há até pouco tempo, só operavam no Santos Dumont os voos da ponte aérea e todos os demais destinos foram transferidos para o Galeão. Mas o aeroporto não suportou a pressão e teve que devolver os voos para o Santos Dumont, disse o ministro.

O governo estima que Galeão e Confins vão demandar investimentos iniciais de R$ 11,4 bilhões, sendo R$ 6,6 bilhões no Galeão e R$ 4,8 bilhões em Confins. l

Números

25% DE PARTICIPAÇÃO
É a fatia mínima que os operadores precisarão ter nos consórcios que participarão da segunda rodada de privatização dos aeroportos brasileiros

US$ 6,6 BILHÕES
É o volume de investimentos iniciais necessários no Galeão, segundo estimativas do governo. O aeroporto de Confins demandará R$ 4,8 bilhões

43 MILHÕES DE PASSAGEIROS
É a capacidade anual que o Galeão terá após os investimentos em infraestrutura forem concluídos em 2014