segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Azul aumentará a oferta de voos entre Porto Alegre e Curitiba

26/12/2012 - Zero Hora

As novas operações começam no dia 21 de janeiro

A Azul Linhas Aéreas recebeu autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para aumentar a oferta de voos entre o Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre e o Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba. Com mais um horário de voo, a companhia passará a operar quatro frequências diárias entre as duas capitais da região Sul.

Os voos terão início a partir de 21 de janeiro de 2013 e as passagens já estão disponíveis em todos os canais de venda da companhia. As operações serão realizadas com as aeronaves Embraer 195.

ZERO HORA

Aeroporto de Cabo Frio terá voo diário para Minas

26/12/2012 - Jornal de Turismo

O aeroporto internacional de Cabo Frio, no Estado do Rio de Janeiro, começou a ter voos diários ligando o município a capital de Minas Gerais, Belo Horizonte. Por enquanto, a única linha comercial em operação entre as cidades terá 2 horários por dia, um para pouso e outro para decolagem, com a viagem durando um pouco mais de 1 h.

Anteriormente, os voos comerciais no aeroporto não eram regulares, por exemplo, no verão passado, a média era de apenas 3 por semana. Com a mudança, a expectativa é de facilitar o acesso à cidade e atrair mais gente à região, já que vai ser possível fazer esse trecho de avião durante o ano todo. No aeroporto, cerca de 800 pessoas embarcam e desembarcam todos os dias, sendo 90% de helicóptero nas rotas para as plataformas de petróleo.

O valor da passagem pode variar de acordo com a época e o trecho. Atualmente o preço está em torno dos R$ 300, ida e volta. Os horários dos voos são: às 14h para os pousos e às 14h25 para as decolagens.

Portuguesa TAP supera pela 1ª vez os 10 milhões de passageiros em um ano

26/12/2012 - G1

Agencia EFE

Lisboa, 26 dez (EFE).- A companhia aérea portuguesa TAP anunciou nesta quarta-feira que ultrapassou pela primeira vez os 10 milhões de passageiros em um ano, graças em parte aos bons resultados em suas linhas nos Estados Unidos e na África.

Segundo informou em comunicado, o recorde foi alcançado no último dia 24 de dezembro, no voo que aterrissou às 11h08 em Lisboa procedente de Belo Horizonte.
Durante esse dia, a companhia acumulou um total de 10.018.974 passageiros, 4,4% mais que no ano anterior até essa data.

Em todo o ano de 2011, a companhia aérea transportou um total de 9.752.000 pessoas.

As linhas dirigidas aos Estados Unidos foram as que mais cresceram em termos relativos, 19,3% mais passageiros em relação ao mesmo período do ano anterior, um aumento devido em parte à recente abertura dos voos de Miami.

As conexões de TAP com países africanos ofereceram os seguintes melhores resultados, com 10,4% passageiros a mais.

No Brasil, onde TAP tem voos a dez cidades diferentes, os voos obtiveram as melhores taxas de ocupação, que chegaram a 83%.

Apesar dos bons resultados quanto a volume de passageiros, a companhia dirigida pelo brasileiro Fernando Pinto anunciou em novembro perdas de 50 milhões de euros durante os primeiros nove meses de 2012.

Além disso, se encontra em processo de privatização, que se atrasou por tempo indefinido no dia 20 de dezembro, quando o Governo português rejeitou a oferta do magnata brasileiro-colombiano Germán Efromovich, apesar de ser a única apresentada.

A companhia, com sede em Lisboa, opera desde 1945 e voa a 30 países da África, Europa e América, com um total de 76 destinos, graças a uma frota de 71 aviões e mais de cinco mil funcionários. EFE

Voo Fortaleza/Roma abre novos caminhos

27/12/2012 - Diário do Nordeste

A Setur-CE, em parceria com a Alitália, adotará ações para o incremento do fluxo turístico entre o Ceará e a Itália

A aeronave Boeing 777-200 da Alitalia
tem capacidade para 293 passageiros
Fotos: Divulgação

O secretário adjunto de Turismo do Ceará, Marcos Pompeu, garante que o voo da Alitalia veio pra ficar, será regular e sem tempo limitado

A Alitalia desembarca em Fortaleza, a partir do próximo dia 14 de janeiro, abrindo novos caminhos para o incremento do turismo no Ceará, com a chegada de turistas europeus. Ao mesmo tempo, a nova rota representa uma alternativa a mais para os cearenses adentrarem ao Velho Continente em voo direto.

A companhia aérea italiana terá voos entre Roma (Itália) e Fortaleza duas vezes por semana, sem escalas ou conexões. No período de 14 de janeiro a 22 de fevereiro de 2013, as frequências serão às segundas e sextas-feiras. A partir daí e até o dia 27 de março, os voos passarão a ser às segundas e quartas-feiras. Do mês de abril em diante, acontecerão às segundas e quintas-feiras.

A operação do novo voo será com uma aeronave Boeing 777-200ER, com capacidade para 293 passageiros, divididos em três classes: executiva, plus e econômica. O preço inicial do trecho Fortaleza-Roma-Fortaleza é a partir de US$ 999. Os bilhetes estão disponíveis pelo call center (11) 2171.7610, nas agências de viagens e no site www.alitalia.com.

No encontro em Roma, os diretores da Alitalia,
Gianni Pieraccioni e Maurizio di Domenico, ladeiam
o secretário adjunto de Turismo do Ceará, Marcos Pompeu

Com o início da rota, Fortaleza passa a ser a terceira cidade a receber voos da Alitalia no Brasil, já que a companhia opera em São Paulo e no Rio de Janeiro. Na América do Sul ainda há voos saindo de Caracas e Buenos Aires.

Num primeiro momento, a continuidade da rota Ceará-Itália em caráter definitivo estaria na dependência do bom aproveitamento das frequências semanais para Fortaleza. Contudo, o secretário adjunto de Turismo do Ceará, Marcos Pompeu, assegura que o voo será regular e sem qualquer prazo estipulado para o encerramento das operações.

"O voo operará o ano inteiro, a partir de 14 de janeiro", comemora Pompeu, afastando os "fantasmas" das passagens das companhias Delta e Ibéria pelo Ceará. Segundo ele, a nova rota será tratada como prioridade pela Setur-CE e pelo trade local, com o apoio da Alitalia.

Marcos Pompeu esteve à frente da delegação cearense, formada por hoteleiros, agência de receptivo e Convention Bureau, que viajou a Roma, a convite da Alitalia, para um workshop de apresentação do voo Roma-Fortaleza. O evento ocorreu no último 11 e também contou com a presença de dirigentes de 60 operadoras de turismo e agentes de viagens italianos e membros da Alitalia que comercializam o Brasil e a América do Sul.

A delegação cearense e o grupo de italianos foram recebidos pelos diretores da Alitalia, Gianni Pieraccioni e Maurizio di Domenico. O encontro serviu, também, para que os cearenses apresentassem os diferenciais da Capital e do Estado como um todo aos italianos, num primeiro contato para formatar negócios e gerar fluxo de visitantes, em especial famílias e casais, para o Ceará. A captação de eventos também foi abordada.

Lembrança distante

A percepção da delegação cearense é de que o Estado anda esquecido na Itália, o que evidencia a necessidade de amplo trabalho de divulgação naquele país para atrair visitantes para o Ceará. Conforme Marcos Pompeu, o tema já foi abordado com a direção da Alitalia, que prepara plano de marketing para incrementar o fluxo turístico.

Uma primeira ação foi colocar Fortaleza na capa da revista de bordo deste mês da Alitalia. Antes do voo inaugural, o governador Cid Gomes e o secretário Bismarck Maia deverão ir à Itália para encontros de trabalho com investidores. Além disso, a Setur-CE terá presença efetiva nas principais feiras de turismo italianas, como a Bolsa Internacional de Turismo, em Milão, em fevereiro; e a Bolsa Mediterrânea de Turismo, em Nápoli, em abril.

"Um aspecto importante é que, diante do que apresentamos, os italianos mostraram-se interessados em investir no Ceará", comentou Ana Luiza Costa, gerente comercial do Marina Park Hotel e integrante da delegação cearense. E completou: "Mas, a concorrência é grande, sobretudo com os resorts all inclusive no Caribe. O trade tem que se unir pra manter esse produto".

Gerente de Vendas Lazer da Casablanca Turismo, Cláudio Reges diz que o voo da Alitalia já está tendo boa procura e aceitação em Fortaleza. Ele vê o mercado local escaldado com o "entra e sai" de novas companhias aéreas e voos internacionais no Ceará.

Contudo, Reges aposta na infraestrutura do Estado para a atração de novos turistas como fator pró-manutenção do voo da Alitalia, aliada a eventos como as copas das Confederações e do Mundo. Por outro lado, as agências locais poderão trabalhar grupos para a Europa, graças à nova rota.

Prefeito de Limeira 'candidata' cidade como sede para o aeroporto regional

26/12/2012 - G1

Pista de 1.500 m está 'dois terços' finalizada e deve ficar pronta em um ano.
Zovico (sem partido) afirmou também que o local 'dará suporte' a Viracopos.
Do G1 Piracicaba e Região


Aeroporto de Limeira é construído em área do bairro do Pinhal
(Foto: Wagner Morente/Prefeitura de Limeira)

A Prefeitura de Limeira (SP) divulgou nesta quarta-feira (26) que dois terços da pista do novo aeroporto da cidade, em construção no bairro do Pinhal, estão "praticamente finalizados". A pista, com 45 metros de largura e 90 centímetros de profundidade, deve ficar pronta em um ano e terá capacidade para suportar aviões de grande porte, segundo o prefeito Orlando Zovico (sem partido).

"Este é um dos indicadores que podem fazer com que o município tenha um aeroporto regional. Limeira é a única cidade do Aglomerado Urbano de Piracicaba que tem um aeroporto em andamento. Começar o processo do zero levará cerca de seis anos", disse. Zovico afirmou ainda que o aeroporto de Limeira dará suporte ao de Viracopos, em Campinas (SP).


Pista terá 1.500 metros, mas poderá chegar a
2.400 metros (Foto: Wagner Morente/Prefeitura)

Dos 1.500 metros de extensão da pista, em 1.000 metros falta somente a última camada de pavimentação, que é a etapa mais cara do projeto. "O custo total da obra é R$ 9 milhões e já foram gastos R$ 3,5 milhões", informou o prefeito. Pelo projeto inicial, a pista tem estrutura para ser ampliada para até 2.400 metros.

A previsão da Prefeitura de Limeira é que o aeroporto esteja pronto para início das atividades em um ano. No entanto, o Executivo informou que renovou por dois anos o prazo de validade do licenciamento ambiental do projeto, cuja licença definitiva deverá ser solicitada após a conclusão das obras.


Zovico (de óculos) apresentou balanço do
projeto (Foto: Wagner Morente/Prefeitura)

Segundo a Prefeitura, documentos para a permissão da operação do aeroporto foram encaminhados para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que deve avaliar o local. O aeroporto é construído em área equivalente a 170 campos de futebol. Só a pista deve custar R$ 9 milhões, mas para que esteja apto para funcionar, o aeroporto deve receber mais R$ 50 milhões em investimentos.

Ações da Gol disparam 16% após primeiro passo para o IPO do Smiles

27/12/2012 - O Estado de São Paulo

Seguindo o exemplo da rival TAM, que abriu o capital do Multiplus em 2010, companhia aérea transformou o programa de fidelidade em uma empresa separada e agora planeja ir à bolsa; resultados operacionais de novembro também têm efeito positivo

FABIO MOTTA/ESTADÃO-21/12/2012

Economia. Em novembro, Gol reduziu oferta de assentos e taxa de ocupação em voos cresceu

No primeiro dia de pregão depois do feriado de Natal, as ações da Gol tiveram alta recorde no ano. Isso porque, na sexta-feira à noite, a companhia anunciou que teve bons resultados em novembro e também que o programa de milhagem Smiles agora é uma empresa independente, que poderá ter ações negociadas em bolsa. Com as notícias, os papéis da companhia dispararam 16% ontem.

Graças a essa alta, a empresa conseguiu reverter uma perda no ano de 9,5%, acumulada até o fim da semana passada. Agora, a Gol passou a ter valorização de 4,9%em 2012. No mesmo período, o índice Bovespa teve valorização de 7,5%.

"O cenário mudou", destacaram analistas do banco BTG, em relatório sobre a companhia divulgado ontem. Durante o mês de novembro, aempresa diminuiu em 16,9% a oferta doméstica de assentos na comparação com o mesmo mês do ano passado.

A redução ocorreu devido à redução de oferta nas operações da Webjet – empresa comprada por R$ 70 milhões em julho de 2011. No mês passado, porém, a Gol decidiu encerrar as atividades da controlada.

No relatório de novembro, a Gol também divulgou que teve ocupação de 69,8% dos assentos, com crescimento de 5 pontos porcentuais em relação a novembro de 2011. O valor médio pago por passageiro a cada quilômetro voado (yield líquido consolidado) teve aumento de aproximadamente 8,5% na comparação com o mesmo período de 2011, ficando entre R$ 23,20 eR$ 23,60. A receita líquida de passageiro por quilômetro subiu 17% na comparação anual.

"A decisão de reduzir capacidade e aumentar a exposição a passageiros de negócios permitiu à companhia reportar um robusto crescimento", disse o analista do UBS, Victor Mizusaki.

Ele também ressaltou que os bons números da Gol são resultado da nova administração. Desde junho, Paulo Kakinoff, ex-presidente da Audi do Brasil, assumiu o comando executivo da companhia no lugar de Constantino de Oliveira Júnior, dono da companhia de aviação. Milhas. Seguindo uma estratégia adotada pela rival TAM em 2010, a Gol divulgou que estuda "a possibilidade de realizar uma oferta pública inicial de ações da Smiles,semquehajaqualquerestimativa ou previsão para a conclusão dessas análises".

Na sexta, a empresa divulgou que o Smiles, que até agora era administrado pela VRG Linhas Aéreas S.A. (a holding que controla as empresas VRG Linhas Aéreas S.A. e o grupo Gol), agora passa a ser a Smiles S.A.,sociedade recentemente constituída e controlada pela companhia.

Em fevereiro de 2010, a TAM fez a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Multiplus e levantou R$ 723,86 milhões. Um ano depois, a empresa de programa de fidelidade valia R$ 5,02 bilhões, contra R$ 6,18 bilhões da companhia aérea. Hoje, a Multiplus vale R$ 7,7bilhões (a TAM fechou o capital em junho).

O Multiplus, porém, tem uma base de associados 18% maior que a do Smiles, podendo ser ainda maior se considerado o número de membros ativos. Conforme avaliações do BTG, o programa de fidelidade da Gol teria uma valor estimado de cerca de R$ 3 bilhões.

Com todas essas mudanças, a Gol "pode estar iniciando um processo de recuperação", disseram, em relatório, as analistas do Banco Itaú BBA Renata Faber eThais Cascello. "Nestemomento, os sinais de que essa recuperação terá sucesso estão mais claros do que estavam no passado", escreveram as analistas. /LÍLIAN CUNHA, COM AGÊNCIAS

PARALEMBRAR
Smiles foi criado em 1994

O Smiles foi criado há 18 anos como programa de fidelidade da antiga Varig. É administrado pela Gol desde a compra da Varig, há cinco anos. A Gol mudou o perfil do programa, estendendo a possibilidade de acumular milhas ou utilizar os pontos para a aquisição de produtos ou serviços de outras empresas, além de permitir a comercialização das milhas entre usuários. Hoje, o Smiles tem cerca de 8,5 milhões de clientes. Olíder de mercado é o Multiplus, da TAM, com 10 milhões de associados

Governo transfere administração do Aeroporto de Botucatu para o município

26/12/2012 - Governo SP

Convênio atende solicitação da prefeitura, que responde pela manutenção e operação do aeroporto perante os órgãos da Aeronáutica

A partir do primeiro trimestre de 2013, a administração do Aeroporto Estadual Tancredo de Almeida Neves, em Botucatu, será feita pela prefeitura local. O convênio para transferência da administração foi assinado nesta quarta, 26, entre o governador Geraldo Alckmin e o prefeito de Botucatu, João Cury.


- Siga o Governo do Estado de São Paulo no Twitter e no Facebook


O documento será encaminhado pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp) para a Secretaria de Aviação Civil (SAC) da Presidência da República para colher a assinatura do órgão. O Daesp, que administra o aeródromo desde 1981, coordena todo o processo de transferência.


LEIA TAMBÉM
Botucatu terá primeira Pinacoteca do interior paulista
Botucatu atinge 100% de esgoto tratado


"Hoje é um dia histórico, nós estamos fazendo a delegação do Aeroporto de Botucatu para o município. Aerovia é o modal de transporte que mais cresce, aeroporto é o equipamento mais importante. Nós vamos ajudar com uma bela parceria", destacou o governador. O convênio atende a uma solicitação da prefeitura, que responde pela manutenção e operação do aeroporto perante os órgãos da Aeronáutica.

Do Portal do Governo do Estado

sábado, 29 de dezembro de 2012

Portugal desiste de vender TAP à Avianca

Portugal desiste de vender TAP à Avianca

21/12/2012 - Folha de São Paulo

Governo alega que não foram dadas as garantias; empresa diz que prazo era até dia 27

O governo de Portugal decidiu não vender a companhia aérea TAP para a Synergy, empresa de German Efromovich, dono da Avianca, alegando falha na entrega de garantias bancárias.

Efromovich era o único único candidato à privatização da empresa aérea portuguesa. "A Synergy tinha todas as condições de honrar qualquer compromisso que estava lá na proposta. E ia", disse Efromovich à Folha.

O empresário alega que estava pronto para apresentar as garantias no dia 27, data prevista para o fechamento do contrato.

"Hoje [ontem] deveria ser o dia da aprovação da oferta. Como você pode emitir carta de crédito em um negócio que não foi aprovado? Você dá a garantia e assina os papeis só depois da aprovação", disse.

Questionado se estava decepcionado com o cancelamento do processo, ele disse: "A TAP é um negócio de altíssimo risco. Fizemos uma proposta generosa e agressiva. Sou conhecido por correr riscos. E ninguém ofereceu coisa melhor. A empresa é boa, mas tem uma dívida gigantesca e tem que fazer investimentos".

Efromovich afirmou que sua proposta segue na mesa, caso o governo português decida voltar atrás e deixá-lo apresentar garantias.

Na eventualidade de o governo abrir uma nova disputa, ele disse que é cedo para dizer se pretende participar.

"Vai depender da condição da companhia, que pode mudar nos próximos meses."

(MARIANA BARBOSA)

Com a Reuters

União vai repassar R$ 76,5 milhões para melhorias em cinco aeroportos no Acre

21/12/2012 - A Gazeta do Acre

TIAGO MARTINELLO

Há alguns anos que o assunto aeroportos tem sido tratado com as palavras 'precisa-se urgentemente de reparos' no Acre. E é para custear estes reparos que o Governo Federal, através da mais alta figura da presidenta Dilma Rousseff, lançou ontem, 20, o 'Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos'. A iniciativa prevê um conjunto de medidas para ampliar a qualidade da infraestrutura aeroportuária e a oferta de transporte aéreo em 270 aeroportos em todo o país. Para tanto, o programa prevê mais de R$ 7,3 bilhões.

O Acre vai receber um montante de R$ 76,5 milhões para arcar com as despesas das obras de reforma e ampliação de 4 aeroportos do interior (mais na região do Juruá), mais a do complexo aeroportuário da Capital. As 4 unidades do Acre que vão receber o pacote de recursos serão as de Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Tarauacá e Cruzeiro do Sul, mais o de Rio Branco. Durante a solenidade de lançamento do programa, não foi anunciado ainda pela Presidência da República o valor exato de verbas que cada local vai receber.

Ao todo, a Região Norte vai receber um pacote de investimentos previsto na ordem de R$ 1,7 bilhão, que será destinado a 67 aeroportos. A Região que mais vai receber recursos é a do Nordeste, com R$ 2,1 bilhões (R$ 400 milhões a mais do que o Norte) para 64 aeroportos. Das demais regiões, o Centro Oeste ganhou R$ 924 milhões para 31 aeroportos; o Sudeste R$ 1,6 bilhão para 65 aeroportos; e o Sul com R$ 994 milhões em 43 aeroportos.

O Estado nortista que mais vai ter aeroportos beneficiados é o Amazonas, com 25 unidades que receberão R$ 838,4 milhões (a quantia mais alta, uma vez que o AM é o único estado local que foi escolhido como uma das sedes da Copa do Mundo). Na sequencia, vêm o Pará, com 24 aeroportos ganhando R$ 442,1 milhões; Rondônia, com 6 aeroportos com a contemplação de R$ 83,2 milhões de verbas; e Roraima, com 3 aeroportos ganhando R$ 100 milhões. Os locais que ganharam menos verbas do que o Acre foram Tocantins (onde 3 aeroportos ganharão R$ 74,5 milhões) e o Amapá (2 aeroportos com R$ 65,2 milhões).

Entre as obras que estão sendo planejadas pelo programa destacam-se a construção de novas pistas e o recapeamento completo das antigas; as melhorias para oferecer mais comodidade em terminais de passageiros; a ampliação de pátios; a revitalização de sinalizações e de pavimentos. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ficará responsável para que todos os recursos sejam utilizados para estes fins, e apenas eles.

Com tudo isso, a meta do Governo Federal é fazer com que pelo menos 96% da população brasileira tenha acesso, a uma distância de menos de 100 Km da sua residência fixa, a aeroportos e complexos afins que sejam capazes de receber voos regulares.

Todos os recursos virão do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC). O valor estimado que o Acre vai receber é referente à 1ª fase do programa. O aeroporto de Rio Branco (um dos mais necessitados) só deve ser contemplado com mais recursos na 2ª etapa.

Outro anúncio importante da presidenta Dilma durante o lançamento do programa, é que a União vai isentar as tarifas aeroportuárias e aeronáuticas para aqueles aeroportos que movimentam menos de (e até) 1 milhão de passageiros por ano. É o caso dos aeroportos do interior do Estado.

Alagoas terá R$ 125,6 milhões para aeroportos

21/12/2012 - Gazeta de Alagoas

CARLOS NEALDO

Alagoas receberá R$ 125,6 milhões do governo federal para melhorias na infraestrutura aeroportuária do Zumbi dos Palmares e para a construção de mais dois aeroportos no Estado – nos municípios de Arapiraca (no Agreste) e Maragogi (Litoral Norte).

Os recursos – que virão do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC) – foram anunciados ontem, pela presidente Dilma Rousseff, no lançamento do Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos, que prevê uma série de medidas para melhorar a qualidade dos serviços aeroportuários e ampliação da oferta de transporte aéreo à população brasileira.

Em todo o País, serão contemplados nesta primeira fase do programa 270 aeroportos regionais, num total de investimentos de R$ 7,3 bilhões. De acordo com o governo, as medidas – que fazem parte do Programa de Investimentos em Logística, lançado em agosto para os setores ferroviários e rodoviários e, no início de dezembro, para a área portuária do País – permitirão aperfeiçoar a qualidade do serviço prestado ao passageiro, agregando novos aeroportos à rede de transporte aéreo regular, aumentando assim o número de rotas operadas pelas empresas aéreas.

Aeroportos baianos serão beneficiados com investimentos federais

21/12/2012 - A Tarde - BA

Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos, lançado, na última quinta-feira, 20, em Brasília pela presidente Dilma Rousseff, vai beneficiar Vinte cidades baianas, que estão no entorno de aeroportos.

As cidades baianas que receberão investimentos em aeroportos foram escolhidas seguindo três critérios: localização geográfica, importância econômica e estrutura turística.

Além de Salvador, foram contempladas cidades que já possuem aeroportos com voos regulares, como Vitória da Conquista, Ilhéus, Barreiras e Porto Seguro, além de cidades com aeroportos de pequeno porte e sem voos regulares. Também estão entre as escolhidas 17 cidades que ainda não possuem aeroporto.

Na Bahia, encaixa-se nesse perfil o município de Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo. Importante polo econômico, a cidade tinha na construção de uma pista de pousos e decolagens uma demanda antiga. " (A Tarde)

Governo Federal investirá em novos aeroportos no CE

21/12/2012 - O Povo

Nove cidades cearenses serão contempladas pelo pacote de estímulo à aviação regional. Sobral ganhará um aeroporto, o de Aracati será ampliado
Nathália Bernardo

Nove cidades cearenses serão contempladas pelo pacote de investimentos do setor aeroportuário, anunciado ontem pelo Governo Federal, com implantação de novos equipamentos, reformas e ampliações. Segundo a Secretaria do Turismo do Ceará (Setur), tudo deve estar concluído até 2015, com voos comerciais operando.

Serão implantados os aeroportos de Itapipoca, Sobral e Canindé. Jericoacoara, Crateús e Aracati terão os equipamentos ampliados. Já os aeroportos de Iguatu, Juazeiro do Norte e Quixadá passarão por reformas. De acordo com o titular da Setur, Bismarck Maia, os recursos aplicados virão do Fundo Nacional da Aviação Civil (Fnac), sem investimentos diretos do Governo do Estado.

Malha
Os investimentos ajudarão o Ceará a atingir a meta de compor uma malha aeroportuária com os equipamentos localizados a uma distância máxima de 100km um do outro. "Sem aeroporto, não tem turismo. Desde 2007, o governador orientou que tivesse uma malha de aeroportos que não passasse 100km de distancia".

Ele explica que os recursos fazem parte do programa de incentivo à aviação regional, anunciado anteriormente pelo Governo Federal, que contempla redução da burocracia, financiamento e incentivos fiscais para o segmento. "É importante essa determinação expressa do Governo Federal de abrir canais de apoio, com recursos, financiamentos", diz o secretário.

Sem revelar os valores por estado, o Governo Federal estima investimento de R$ 2,1 bilhões para 64 aeroportos do Nordeste. Em todo o País, serão R$ 7,3 bilhões para 270 equipamentos. Apesar de comemorar os investimentos, Bismarck afirma ser preciso cautela diante das lacunas nas informações vindas de Brasília. "Essa é a demanda do Governo do Estado, apresentada ao Governo Federal, mas precisamos saber quanto será aplicado".

Demanda
Bismarck explica que há demanda para que voos comerciais para essas cidades já comecem a operar antes de 2015. "Pode ser que não tenha para aeronaves grandes, com 200 passageiros, mas é possível colocar aeronaves com 18 lugares para operar", diz.

O anúncio feito hoje pelo Governo Federal contempla todas as regiões do País, sendo o Nordeste o maior em volume de investimentos. Serão destinados R$ 1,7 bilhão para a região Norte; 0,9bi para a região Centro-Oeste; R$ 1,6 bi para o Sudeste e R$ 1 bi para a região Sul.

Brasília condiciona os incentivos ao enquadramento das operadoras e aeroportos na categoria de regional. Ficarão isentos das tarifas dos aeroportos do interior com movimentação inferior a 1 milhão de passageiros por ano. Eles serão reembolsados pelo Fnac, preservando as destinações previstas, conforme apresentação do programa feita pelo Governo Federal.

O quê

ENTENDA A NOTÍCIA

O pacote para o setor aeroportuário anunciado ontem pelo Governo Federal contempla investimentos; isenções e subsídios; parcerias com estados e municípios e concessão administrativa

Maranhão ganhará mais oito aeroportos

20/12/2012 - O Imparcial

Mapa com a localização dos aeroportos regionais que serão construídos.

O ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, confirmou nesta quinta-feira (20) a concessão de 270 aeroportos para empresas privadas controlarem a administração. O Maranhão será beneficiado com 11 aeroportos nas cidades de Santa Inês, Carolina, Governador Nunes Freire, Barreirinhas, Bacabal, Barra do Corda, Balsas, São João dos Patos, Caxias e Pinheiro, além da modernização dos aeroportos de Imperatriz e São Luís. No total serão investidos R$ 270 milhões em até seis anos, de acordo com o Programa de Investimento e Logística para aeroportos anunciado pelo secretário e pela presidenta Dilma Rousseff. O Nordeste receberá investimento de R$ 2,1 bilhões de reais, em 64 aeroportos. O investimento total para os 270 aeroportos será de R$ 7,3 bilhões de reais.

Aviões de grandes empresas nacionais poderão transportar passageiros interligando o Estado com o resto do país com mais rapidez. Esses aeroportos serão considerados de pequeno ou médio porte, já que a circulação será de até 1 milhão de passageiros por ano e com isso serão beneficiados com a isenção da taxa aeroportuária. "Vamos isentar de tarifas aeroportuárias e aeronáuticas os aeroportos que movimentam até 1 milhão de passageiros por ano", disse a presidenta Dilma Rousseff, durante a divulgação do Programa de Investimentos em Logística dedicado a aeroportos.

INVESTIMENTOS NO PAÍS
Receberão investimentos do governo: 64 aeroportos do Nordeste (no total de R$ 2,1 bi), 67 aeroportos da região Norte (R$ 1,7 bi), 65 aeroportos do Sudeste (R$ 1,6 bi), 43 aeroportos no Sul (R$ 1 bi) e 31 aeroportos no Centro-Oeste (R$ 900 milhões). O Banco do Brasil irá auxiliar na aplicação dos investimentos nos aeroportos regionais.

Segundo a presidente Dilma Rousseff, o Brasil dispõe de 689 aeroportos públicos fora das capitais, e 720 incluindo os das capitais; ainda conta com pouco mais de 900 aeroportos privados, que compreende desde estruturas em fazendas [como pistas de pouso].

Os aeroportos representam um dos principais gargalos da infraestrutura brasileira. O anúncio segue medidas semelhantes adotadas pelo governo para rodovias, ferrovias e portos para superar entraves ao desenvolvimento e dar maior competitividade à economia brasileira.

MAIORES INVESTIMENTOS PARA COFINS E GALEÃO
O governo anunciou que irá passar para a iniciativa privada a administração dos aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG). Estão previstos R$ 11,4 bilhões de investimentos, sendo R$ 6,6 bi para o Galeão e R$ 4,8 bi para Confins. Os editais saem em agosto de 2013. Os leilões devem ser realizados em setembro.

No ano passado, o governo concedeu à iniciativa privada os terminais de Campinas (SP), Guarulhos (SP) e Brasília (DF).

Com informações da Agência Brasil e do UOL Notícias

Plano para reativar aviação regional

21/12/2012 - Zero Hora

No Estado, serão R$ 310,8 milhões para 15 aeroportos, o que inclui a construção de terminais em Caxias e Santa Vitória do Palmar

ERIK FARINA
erik.farina@zerohora.com.br

O Rio Grande do Sul receberá R$ 310,8 milhões do governo federal para pavimentar pistas, equipar com novos dispositivos de segurança e reformar os terminais de 13 aeroportos regionais. O Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos, anunciado ontem pela presidente Dilma Rousseff, contempla, ainda, a construção de aeroportos em Caxias do Sul e Santa Vitória do Palmar.

Com objetivo de reativar o uso de aeroportos regionais, há 40 anos subutilizados no país, o programa prevê o aporte de R$ 7,3 bilhões em 270 terminais em cidades pequenas e médias nos próximos três anos. No Rio Grande do Sul, o maior projeto será a construção do aeroporto Vila Oliva, em Caxias, que deverá absorver R$ 200 milhões, estima a Secretaria Estadual de Infraestrutura (Seinfra), que forneceu a lista de investimentos prioritários para a Secretaria de Aviação Civil (SAC) elaborar o programa.

– Vínhamos negociando com o governo federal investimentos em 22 aeroportos regionais. Os mais críticos foram contemplados – afirma o diretor do departamento aeroportuário da Seinfra, Roberto de Carvalho Netto.

Especialistas estimam ser necessário entre R$ 5 milhões e R$ 8 milhões para deixar em boas condições aeroportos de pequeno e médio porte. O investimento total nos terminais gaúchos poderá ser reforçado com até R$ 90 milhões em contrapartida em verbas estaduais. Em projetos de infraestrutura, é comum que o Estado complemente em até 30% aportes da União, embora ainda não haja definição oficial dessa participação.

– Com estes recursos, conseguiremos resolver os principais entraves que prejudicam a aviação regional – analisa Carvalho.

Carentes de investimentos e sob baixa demanda de passageiros, os aeroportos de pequenas e médias cidades gaúchas perderam grande parte dos voos comerciais ao longo dos últimos anos.

Azul tem interesse em rotas no interior gaúcho

A perspectiva de melhoria em pistas e terminais anima empresas de aviação. A Azul, que hoje no Estado voa para Caxias do Sul e Porto Alegre, vê potencial em cidades como Santa Maria, Rio Grande e Santo Ângelo, desde que os aeroportos ofereçam condições adequadas.

– Para que haja voos regionais, é preciso que as pistas tenham pavimentação e extensão dentro das normas, haja iluminação para operações à noite e as prefeituras controlem construções em torno dos aeroportos – explica o diretor da Azul, comandante Régis Brito.

Em fevereiro, a empresa deve começar a voar entre Porto Alegre e Pelotas com um ATR-72, para 70 passageiros. O plano original era fazer a rota com um avião para 120 pessoas, mas foi revisto por que o aeroporto de Pelotas não oferecia condições de segurança para aeronaves médias.

Professor da Faculdade de Ciências Aeronáuticas da PUCRS, Ênio Dexheimer alerta que outro desafio para ativar a aviação regional é a quantidade de usuários. Embora os preços das passagens aéreas tenham caído nos últimos anos, há dúvidas quanto à demanda nos voos regionais.


MULTIMÍDIA
Rumo ao interior

DETALHE ZH

Fuji Dream Airlines encomenda mais dois jatos da Embraer

20/12/2012 - G1

Reuters

SÃO PAULO (Reuters) - A Embraer recebeu encomenda de mais dois jatos modelo 175 da japonesa Fuji Dream Airlines (FDA), em um negócio avaliado em 81,6 milhões de dólares, a preço de lista, informou a fabricante de jatos nesta quinta-feira.

O valor do contrato para os dois jatos será incluído na carteira de pedidos da Embraer a entregar no quarto trimestre deste ano. As aeronaves serão configuradas em classe única com 84 assentos, e aumentam para oito o número total de aviões na frota da companhia composta inteiramente de modelos da fabricante brasileira.

Os seis jatos da frota atual da FDA operam em uma rede de 10 cidades espalhadas pelo Japão, como Fukuoka, Niigata, Aomori e Sapporo, informou a Embraer.

As ações da Embraer exibiam queda de 0,4 por cento no início dos negócios nesta quinta-feira, enquanto o Ibovespa mostrava alta de 0,17 por cento.

(Por Anna Flávia Rochas)

Pará vai receber R$ 442,1 milhões de plano de aviação

21/12/2012 - O Liberal

Pacote vai beneficiar o Pará para investimentos na área

O Pará vai receber R$ 442,1 milhões na primeira fase do plano de aviação regional do 'Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos', lançado ontem pela presidente Dilma Rousseff, em Brasília. Serão contemplados 24 aeroportos regionais do Estado, como o de Val-de-Cães, em Belém, e os dos municípios de Castanhal, Afuá (Ilha de Marajó), Cametá, Breves, Almerim, Altamira, Paragominas, Dom Eliseu, Tucuruí, Marabá, Parauapebas, Monte Alegre, Santarém, Rurópolis, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, São Félix do Xingu, Ourilândia do Norte, Redenção, Conceição do Araguaia, Santana do Araguaia e Oriximiná.

Somente o Amazonas, em todo o País, terá maior número de aeroportos inseridos na primeira fase do plano, com 25 e investimento de R$ 838,4 milhões. Na comparação entre as regiões, os Estados nortistas aparecem como os mais contemplados, com 67 no total.

Mas em investimentos o Nordeste surge em primeiro com cifra de R$ 2,1 bilhões, referente à melhoria de 64 aeroportos. Em seguida, figura a região Norte com investimento total de R$ 1,7 bilhão; a região Sudeste, com R$ 1,6 bilhão (65 aeroportos); a região Sul, com R$ 1 bilhão (43); e Centro-Oeste, com R$ 900 milhões (31).

Em todo o País, o governo federal vai investir R$ 7,3 bilhões nessa primeira etapa do programa que vai contemplar 270 aeroportos para fortalecer e ampliar a malha de aeroportos regionais. As medidas buscam melhorar a qualidade do serviço ao passageiro, agregação de novos aeroportos à rede de transporte aéreo e aumento de número de rotas operadas pelas empresas aéreas. O programa visa ampliar o acesso da população a serviços aéreos e o principal objetivo é que 96% dela estejam a menos de 100 km de distância de um aeroporto apto ao recebimento de voos regulares.

Tarifas - Segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, todas as tarifas serão reembolsadas pelo Fundo Nacional de Aviação Civil. A aviação regional receberá do governo federal R$ 7,3 bilhões em investimentos, destinados inicialmente a 270 aeroportos. 'A expansão irá integrar território nacional, desenvolver polos regionais, fortalecer centros de turismo e garantir acesso às comunidades da Amazônia Legal.' Bittencourt informou que serão construídos mais 17 terminais regionais. Os demais aeroportos serão beneficiados com reaparelhamento, reformas, expansão de estrutura - tanto em instalações físicas quanto em equipamentos. As obras previstas são construção e reforma de pistas, melhorias em terminais de passageiros, ampliação de pátios e revitalização da sinalização e dos pavimentos.

'O governo assume os investimentos e vai padronizar o modelo de aeroporto [o que ainda será definido a partir de audiências públicas]. Isso facilitará e tornará mais barato o investimento', disse a presidenta Dilma. 'Vamos promover um aprimoramento regulatório para slots [autorizações de horário para pouso e decolagem em determinado aeroporto] e subsidiar passagens', acrescentou Bittencourt. De acordo com o ministro, o subsídio nas passagens aéreas será aplicado no caso de aeronaves com pelo menos 50% dos assentos efetivamente ocupados e será limitado a 60 assentos.

Entre as medidas anunciadas ontem pelo governo estão a concessão dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e de Confins, em Belo Horizonte. A duração das concessões ainda será definida.

Fonte: O Liberal

Paraná recebe R$ 345 milhões para investimentos em 15 aeroportos

20/12/2012 - G1

Medida foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira (20).
Investimentos irão aumentar ou adequar as pistas, entre outras ações.
Do G1 PR

O Paraná irá receber investimentos de R$ 345 milhões do governo federal em 15 aeroportos. O anúncio do Plano para Investimentos em Aeroportos, que inclui incentivos à aviação regional, foi feito pela presidente Dilma Rousseff (PT) nesta quinta-feira (20), em Brasília.

O plano prevê investimentos de R$ 7,6 bilhões em aeroportos no interior do país com o objetivo de melhorar a infraestrutura para transporte aéreo; além da concessão à iniciativa privada de mais dois aeroportos de capitais – Galeão, no Rio de Janeiro e Confins, em Belo Horizonte.

No Paraná, os aeroportos de Ponta Grossa, Cascavel, Foz do Iguaçu, Londrina, Maringá, Paranaguá, Campo Mourão, Francisco Beltrão, Guarapuava, Toledo, Umuarama, União da Vitória, Bandeirantes, Telêmaco Borba e Pato Branco serão beneficiados.

Os 15 aeroportos do estado irão receber os investimentos para aumentar ou adequar as pistas e construir, ampliar ou reformar as estações de passageiros, balizamento, sinalização e veículos de bombeiros apropriados. Os aeroportos irão integrar a rede, que receberá a aviação regular, depois que as readequações forem feitas.

Em todo o país, cerca de 270 aeroportos regionais irão receber recursos do orçamento federal. As medidas fazem parte do Programa de Infraestrutura e Logística do Governo Federal, que já anunciou ações para ferrovias, rodovias e portos.

Gol é notificada e tem de cancelar demissões da Webjet em 8 dias

20/12/2012 - G1

Notificação foi recebida no dia 19 e demissões têm de ser revertidas até 27.
Se não cancelar, Gol pagará multa de R$ 1 mil por dia por funcionário.
Do G1, no Rio

A empresa aérea Gol foi notificada pela Justiça do Trabalho de que deve cancelar as demissões dos 850 funcionários da Webjet que foram desligados após a compra da companhia aérea. A decisão da 23ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ) dava oito dias - após a notificação - para os funcionários serem reintegrados ou a empresa seria multada em R$ 1 mil por funcionário e por dia.
"A Gol recebeu a notificação ontem (19) e está providenciando as medidas cabíveis", disse a empresa por meio da assessoria de imprensa.

Com isso, começa a contar a partir do dia 19 o prazo de oito dias para a empresa reintegrar os 850 funcionários ou seja, até o dia 27 de dezembro.

A decisão sobre as multas foi tomada na terça-feira (18) pela juíza da 23ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), Simone Poubel Lima. Ela manteve a liminar que obriga a VRG Linhas Aéreas S.A., holding controladora das companhias aéreas Gol e Varig, a reintegrar 850 funcionários da Webjet demitidos pela Gol há cerca de três semanas, após a compra da companhia aérea.

A juíza manteve uma ordem de reintegração concedida anteriormente, mas reduziu o valor da multa para R$ 1 mil por funcionário a cada dia de atraso na reintegração.

A VRG havia impetrado mandado de segurança contra a liminar concedida anteriormente pelo juiz Bruno de Paula Vieira Manzini, que determinava a reintegração dos demitidos e impunha multa de R$ 20 mil por funcionário por cada dia de demora no cumprimento da decisão.

13 aeroportos de Santa Catarina receberão investimentos federais

20/12/2012 - G1

Programa vai estimular a aviação regional e o desenvolvimento do interior.
Com investimento, estado terá um aeroporto a cada 100 quilômetros.
Do G1 SC

Nesta quinta-feira (20), a presidente Dilma Rousseff anunciou um programa de investimentos em Logística, que vai beneficiar 13 aeroportos de Santa Catarina, nas cidades de Florianópolis, Chapecó, Navegantes, Lages, Correia Pinto, Jaguaruna, Três Barras, Forquilhinha, São Miguel do Oeste, Concórdia, Caçador e Joaçaba.

<< Aeroporto Hercílio Luz
vai receber investimentos
(Foto: RBS TV/Divulgação)

A partir de janeiro, a Secretaria da Infraestrutura vai fazer um diagnóstico de obras necessárias nos aeroportos identificados no Programa como regionais para apresentar à Secretaria de Aviação Civil quais são as prioridades de cada aeroporto. "Além disso, já temos projetos concluídos que serão apresentados para a SAC", adianta Cobalchini.

O secretário de Estado da Infraestrutura, Valdir Cobalchini, representou o governador Raimundo Colombo no lançamento e considerou o programa "uma oportunidade excepcional tendo em vista a rede de aeroportos regionais com voos regulares. Santa Catarina terá pelo menos um aeroporto em operação a cada 100 quilômetros", estima Cobalchini.

Além das obras, uma das medidas adotadas no Programa para estimular aviação regional, o Governo Federal subsidiará, durante um ano, 50% das passagens de aviões com até 60 passageiros e que operam em aeroportos com movimentação inferior a um milhão de passageiros por ano, conforme explicou Wagner Bittencourt de Oliveira, ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. O programa vai estimular a aviação regional e o desenvolvimento do interior. "Santa Catarina deverá ter uma das melhores redes de aeroportos do país", avalia Coblachini.

Ano da aviação brasileira conta com recorde de passageiros e prejuízos

21/12/2012 - G1

Brasil deve bater recorde no número de passageiros transportados.
Empresas dizem que foram atingidas por "tempestade perfeita".
Alan Severiano
São Paulo, SP

Veja vídeo no site do G1
Quem vai viajar no fim deste ano já percebeu: os preços estão mais altos. Só que as empresas aéreas não estão comemorando, pois amargam prejuízos em 2012.

O ano em que os brasileiros mais andaram de avião foi o ano em que as empresas tiveram prejuízo bilionário. "Este é o cenário mais adverso em toda a série histórica da aviação nacional", diz Paulo Sérgio Kakinoff, diretor-presidente da Gol.

Foi o ano em que a Webjet morreu, um ano que termina com disparada nos preços das passagens. Passar o réveillon em Fortaleza e voltar para São Paulo de avião pode custar R$ 7.841.

A alta no preço neste segundo semestre encerrou um longo período de passagens mais acessíveis. Nos últimos dez anos, houve alguns repiques, mas a tarifa média, que em 2002 era de R$ 498, caiu para R$ 272 em junho deste ano, já corrigida pela inflação. Veja os números:


Valor médio da passagem (em R$)

2002: 498,04
2003: 550,90
2004: 578,42
2005: 556,34
2006: 509,00
2007: 372,80
2008: 513,81
2009: 370,80
2010: 303,20
2011: 282,67
Janeiro a julho de 2012: 272,64

Os preços em baixa fizeram o avião ultrapassar o ônibus como meio que mais transporta passageiros em viagens de longa distância. Por que esse salto nos preços agora, porém? Primeiro, há mais gente viajando de avião que no ano passado e as empresas diminuíram o número de assentos disponíveis. "Promover a redução da oferta é a mesma coisa que vender água no deserto, ou seja, vão vender pelo preço que querem", afirma Claudio Magnavita, conselheiro da Anac.

As empresas se defendem: dizem que a maioria das passagens foi vendida a preços mais baixos e que só quem deixou pra última hora acabou penalizado. "Nós estamos vivendo uma conjuntura de custos maior. Então houve uma ligeira, não significativa, recuperação de preços nesse final de ano", afirma Marco Antonio Bologna, presidente da TAM.

"O preço da tarifa para o mesmo voo varia em função da antecedência com que a passagem é comprada em relação à data do voo e a velocidade que esse mesmo voo vai enchendo. Nesse final de ano, temos uma taxa de ocupação dos voos mais altos, o que faz com que assentos mais caros sejam comercializados", explica Paulo Sérgio Kakinoff, diretor-presidente da Gol.

O aumento nos preços veio depois de um ano ruim para as companhias aéreas, que amargam prejuízo de mais de R$ 1 bilhão. Como explicar a crise no balanço das empresas se o mercado continua crescendo? O movimento nos aeroportos é intenso. Em 2012, o Brasil deve bater um novo recorde no número de passageiros transportados.

Foram 107 milhões de passageiros, quase três vezes o número de 2003, de 37 milhões, segundo a Bain & Company. Depois de um período de crescimento com a classe C, renda e emprego em alta, as empresas dizem que foram atingidas pelo que alguns chamam de "tempestade perfeita".

É a conjunção de muitos fatores negativos: o aumento do querosene de aviação e a alta do dólar, que pressiona o próprio preço do combustível, além dos gastos com aluguel de aeronaves e manutenção. Culpam ainda o reajuste das tarifas aeroportuárias e a forte pisada no freio da economia.

"Depois de uma década de crescimento de dois dígitos ano sobre ano, é o primeiro ano em que a gente está crescendo abaixo de 10%, ao redor de 7%, 8%, no mercado doméstico brasileiro", diz Bologna.
A saída foi cortar custos, e 2012 termina com uma cor a menos nos pátios dos aeroportos. O verde da Webjet saiu de cena. A Gol fechou a companhia um ano depois de comprá-la e demitiu 850 funcionários.

"Eles não fazem o enfrentamento necessário com o governo pra diminuir os custos de impostos. Preferem diminuir no trabalhador, não dando reajuste salarial decente, demitindo e permitindo que quem fique trabalhe mais, faça excesso de jornada", afirma Selma Balbino, presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários.

"É um custo alto, porém bem menor do que o custo de demissão de 17 mil pessoas que trabalham na Gol hoje", diz Kakinoff, sobre o prejuízo da imagem causada pela demissão em massa de ex-funcionários da Webjet. "A companhia aérea com prejuízo de R$ 1 bilhão em um período de nove meses tem obviamente uma situação de sangria em caixa importante. Nós estamos tomando todas as medidas gerenciais justamente para mitigar esses efeitos, esses impactos".

Para André Catellini, especialista em aviação, o prejuízo também é reflexo de erros de estratégia cometidos pelas empresas. "Houve agressividade demais por parte das companhias aéreas, muita compra de muitas aeronaves, e esse número de aeronaves, acabou se verificando, foi além do que o país está pronto para absorver", explica.

Ninguém mais do que o passageiro torce para as empresas superarem a crise. Foi o crescimento do setor que fez com que a dona de casa Eliane da Conceição comprasse a primeira passagem de avião. Com o marido e os três filhos em São Paulo, estava prestes a embarcar para Maceió. "Estou com medo, porque eu nunca fui", disse.

A essa altura, o medo de voar já deve ter passado. Com o aumento recente das passagens, fica o medo de não poder repetir a experiência. "Todo sistema vive em função do passageiro e o passageiro não pode pagar essa conta", afirma Magnavita.

Zona Portuária terá maior centro empresarial do país

19/12/2012 - Monitor Mercantil

Foi anunciado, nesta terça-feira, pelo prefeito Eduardo Paes e pelo vice-presidente executivo da Organização Trump, Donald Trump Jr., a construção do Trump Towers Rio, o maior centro corporativo do país, que ficará na Região Portuária do Rio de Janeiro. Apesar do valor da construção não ter sido divulgado, o empreendimento deverá ter um custo entre R$ 5 bilhões e R$ 6 bilhões quando estiver em pleno funcionamento. As Organizações Trump não investirão recursos no projeto. Trump colocará apenas a marca.

As duas primeiras torres das cinco, com 150 metros de altura e 38 andares cada serão construídas em um terreno de 32 mil metros quadrados. Deverão ficar prontas antes dos Jogos Olímpicos de 2016. As demais serão construídas em prazos determinados pelo mercado. O empreendimento será desenvolvido através de uma parceria entre a Organização Trump, a MRP Internacional e a Even Construtora e Incorporadora.

- Não são poucos os casos de revitalização de áreas urbanas por todo o mundo, onde entra a marca Trump. Quando se faz um investimento desse tipo em uma cidade, isso quer dizer que se acredita na força e no potencial daquele lugar. Talvez esse seja o maior investimento imobiliário da história do Rio - disse o prefeito Eduardo Paes.

No Rio especialmente para o lançamento do projeto, o vice-presidente executivo da Organização Trump, Donald Trump Jr., reconheceu que sua empresa há algum tempo planejava entrar no mercado brasileiro:

- Esse projeto é algo fantástico para nós e para o Brasil, que está surgindo no mercado internacional e que agora entra no mercado de alto luxo. Agradecemos o apoio e planejamos voltar muitas vezes. O Brasil é um mercado extremamente importante para nós e estava ansioso para entrar - disse Donald Trump Jr.

O Trump Towers Rio fará parte da revitalização da Região Portuária, que compreende uma área de cinco milhões de metros quadrados. O empreendimento será voltado para a locação de lajes corporativas por grandes empresas brasileiras e multinacionais e será construído em um terreno de 32 mil metros quadrados na Avenida Francisco Bicalho e será um dos maiores centros corporativos urbanos do mundo.

Paes ressaltou a importância do novo empreendimento para a cidade e do significado dele ser instalado na Região Portuária:

- A cada dia que passa, o Porto Maravilha se consolida mais. Quem passa por lá vê as intervenções e percebe esse avanço. Não tenho dúvida de que o que está sendo feito lá é algo transformador não só para aquela região, mas para toda a cidade. Com o Porto a gente inverte completamente a lógica que prevaleceu nas últimas décadas no Rio, onde à medida que uma área se degradava, a cidade caminhava em direção a outra área, fugindo de seu próprio território. Com a revitalização do Porto, inverte-se completamente as expectativas de crescimento da cidade. Além disso, temos ali um conjunto de investimentos saindo num prazo muito mais curto do que imaginávamos. Quando iniciamos esse processo de recuperação, projetamos cerca de quinze ou vinte anos pela frente. Mas estamos vendo que esse processo se antecipou e acelerou - temos as obras de infra-estrutura se consolidando num prazo de cinco anos. E esse processo se consolida hoje de forma definitiva com a vinda de um grupo tão forte como a Trump.

Também estavam presentes no evento o presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (CDURP), Alberto Silva; o subsecretário Municipal de Projetos Estratégicos e Concessões de Serviços Públicos e Parcerias Público-Privadas, Jorge Arraes; o superintendente Nacional de Fundos de Investimentos Especiais da Caixa Econômica Federal, Flavio Arakaki; o CEO da MRP Internacional, Stefan Ivanov; e o presidente da Even, Carlos Terepins.

Na era dourada da aviação, serviço de bordo no Brasil já foi campeão

06/07/2012 - Portal Uol

Aiana Freitas

Os homens colocavam seus melhores ternos e as mulheres, os vestidos mais elegantes. O jantar era servido em porcelana japonesa e o vinho, em taça de cristal. Viajar de avião, anos atrás, não significava apenas se deslocar de uma cidade para outra. Nos anos de ouro da aviação brasileira, voar era participar de um evento requintado, pelo qual poucos podiam pagar.

Hoje, espremer as pernas entre as poltronas, pagar por um lanche frio com suco de caixinha e às vezes até para levar bagagem de mão são hábitos que fazem parte do cotidiano de quem voa de avião, especialmente nos voos domésticos.

Quase nada lembra as poltronas largas, as refeições completas e os mimos como as caixas de chocolate suíço e os vidrinhos de perfume francês que já fizeram parte da realidade dos passageiros. Aviões de grande porte chegavam a contar com 15 comissários de bordo, além de seis profissionais na cabine de comando.

O serviço de bordo de antigamente

Funcionárias mostram uniformes da Vasp - Divulgação

Fazer lanche a bordo de aviões pode custar mais de R$ 20

A escritora Claudia Vasconcelos foi comissária (ou aeromoça, como se falava na época) da Varig por 30 anos. Começou a trabalhar na empresa nos anos 70, quando mesmo o passageiro da classe econômica tinha acesso a um atendimento de alto padrão.

Antes da refeição, todos recebiam toalhinhas úmidas para limpar as mãos. "Na primeira classe, o serviço de caviar da Varig virou uma grande sensação", conta ela. "Mas, mesmo na classe econômica, a refeição era servida em louça e o passageiro recebia talheres de metal e copo de vidro." Ao fim da refeição, um café quente devidamente acompanhado por chocolate suíço.

Serviço da Varig recebeu prêmio de melhor do mundo
O serviço de bordo da Varig, detalhado por Claudia Vasconcelos no livro "Estrela brasileira" (Editora KBR), chegou a ser premiado como o melhor do mundo em 1979 pela revista americana Air Transport World.

"O Brasil nunca foi lançador de tendência nesse sentido, mas a Varig tinha um serviço excepcional", diz o diretor de Comunicação e Marca da Azul, Gianfranco Beting. Entusiasta do assunto, Panda, como gosta de ser chamado, é autor do livro "Varig, eterna pioneira" (Editora PUC-RS e Beting Books).

Panda diz que o serviço da Varig começou a se diferenciar quando a empresa começou a operar uma rota entre o Brasil e os Estados Unidos, passando a disputar passageiros com a americana Pan Am.

"Ou a empresa estabelecia um padrão muito bom de atendimento ou era carta fora do baralho", diz. "No caso da Varig, um grande diferencial eram os profissionais. A companhia tinha um time muito bom e investia muito em treinamento."

Para compensar deficiências em terra, empresa investia no atendimento no ar
Um dos grandes responsáveis pela excelência do serviço, até hoje lembrado pelos seus ex-subordinados como uma referência, foi Sérgio Prates. Ele entrou na Varig em 1956 e, entre 1971 e 1990, dirigiu o serviço de bordo da empresa.

Era sua responsabilidade administrar o setor de compras, a estocagem do material, os profissionais e as cozinhas da empresa. Para preparar a refeição que seria servida a bordo, a Varig chegou a ter cozinhas próprias em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Nova York e Lisboa.

Economista por formação, Prates chegou a comandar 6.100 funcionários. Evita, no entanto, pegar para si todos os elogios à excelência do serviço. "Não fui o idealizador do serviço de bordo da Varig, fui o continuador", diz.

Prates afirma que o maior responsável pela fama que o serviço da Varig ganhou foi o ex-presidente da companhia, Ruben Berta (1907-1966).

"Ele sabia que era difícil oferecer excelência no serviço de terra por causa da deficiente infraestrutura aeroportuária e das condições meteorológicas. Via, então, que investir em um bom serviço de bordo era uma maneira de compensar o passageiro."

Transbrasil servia feijoada a bordo
Outras companhias brasileiras, como a Transbrasil e a Vasp, também chegaram a oferecer serviços de bordo que ficaram na memória dos brasileiros. A Transbrasil, por exemplo, chegou a servir feijoada a bordo nas décadas de 80 e 90.

Na Vasp, mesmo os voos da ponte aérea Rio-São Paulo contavam com canapés de entrada, refeição quente e diversas opções de bebida, como uísque, vinho e cerveja. O carrinho, que hoje inexiste em alguns voos, passava pelo menos duas vezes pelos corredores para os clientes se servirem.

"Às vezes a bebida alcoólica era até um problema, porque não podíamos falar 'não' a um passageiro e alguns deles se excediam", diz a ex-comissária da Vasp Marlene Ruza, conhecida como "Isa", atual diretora do Sindicato Nacional dos Aeronautas.

Aeromoças passavam por seleção rigorosa
Outra grande preocupação das empresas era com a apresentação dos comissários e comissárias. Seus uniformes seguiam as últimas tendências de moda, e acessórios como luvas, chapéus e echarpes faziam parte do figurino. O estilista Clodovil (1937-2009) foi responsável pelo uniforme dos tripulantes da Vasp por dez anos, a partir de 1963.

Os profissionais eram treinados pelas próprias empresas e o processo de seleção era rigoroso. Peso proporcional à altura ("bem" proporcional, no caso das mulheres, mostra anúncio de recrutamento da Varig dos anos 60) e dentição perfeita eram alguns dos requisitos.

Era preciso, ainda, participar de cursos que ensinavam a história das empresas e habilidades como a realização de partos a bordo. Ainda assim, "toda jovem tinha o sonho de ser aeromoça", diz Claudia Vasconcelos, ex-Varig.

VEJA MAIS

Aeroportos de Pernambuco receberão investimentos federais

20/12/2012 - Jornal do Commercio - PE

Ao todo, serão destinados R$ 216,8 milhões para terminais do Estado

Aeroporto de Caruaru está entre os que receberão o investimento
Foto: Bira Nunes/JC Imagem

O Governo anunciou nesta quinta-feira (20) um amplo programa de investimentos em aeroportos. O conjunto de medidas pretende melhorar a infraestrutura e a qualidade dos serviços aeroportuários no Brasil, bem como ampliar a oferta de transporte aéreo. Para a aviação regional, estão previstos investimentos de mais de R$ 7,3 bilhões numa primeira etapa do plano. Ao todo, 270 aeroportos serão contemplados, sendo nove deles em Pernambuco: Recife, Caruaru, Garanhuns, Arcoverde, Afogados da Ingazeira, Serra Talhada, Salgueiro, Araripina e Petrolina, além de Fernando de Noronha, num total de R$ 216,8 milhões.

O aporte previsto para todo o Nordeste é de R$ 2,1 bilhões, em 64 aeroportos. Para o Norte, estão previstos R$ 1,7 bilhão, em 67 terminais; para o Centro-Oeste, serão R$ 924 milhões, em 31 pontos; o Sudeste ficará com R$ 1,6 bilhão, em 65 locais; e o Sul, com R$ 994 milhões, para 43 aeroportos. Os recursos serão provenientes do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac).

As medidas, segundo o ministro da Secretaria de Aviação Nacional, Wagner Bittencourt, vão agregar novos terminais à rede aérea regular, aumentando o número de rotas operadas pelas empresas do setor. O objetivo é também fomentar rotas de baixa e média densidades de tráfego, de modo que 96% da população esteja a menos de 100 quilômetros de distância de um aeroporto apto a receber voos regulares.

O próximo passo é estudar o que cada terminal receberá, através de um diagnóstico da infraestrutura e da gestão dos aeródromos. Depois será elaborado um programa de necessidades de investimento, de projetos conceituais e termos de referência de equipamentos. Os recursos englobarão melhoria, reaparelhamento, reforma e expansão da infraestrutura, tanto em instalações físicas quanto em equipamentos. Os investimentos pode ser, por exemplo, na reforma e construção de pistas, melhorias em terminais de passageiros, ampliação de pátios, revitalização de sinalizações e pavimentos, entre outras possibilidades.

Os critérios para análise serão baseados em características como volume de passageiros e de cargas, voos regulares e resultados operacionais, além do aspecto socioeconômico da localidade, o nível de acessibilidade na Amazônia Legal e o potencial turístico e de fomento da integração nacional. As ações fazem parte do Programa de Investimentos em Logística, lançado em agosto deste ano para os setores ferroviários e rodoviários e, no início de dezembro, também para a área portuária.

Na opinião do secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Márcio Stefani Monteiro, a falta de linhas aéreas regulares impede um maior desenvolvimento do interior. Com exceção de Petrolina, que possui voos regulares, outras localidades enfrentam um gap. "Tempo, mais do que nunca, é dinheiro. Um empresário de São Paulo, por exemplo, que queira ir a Arcoverde precisa enfrentar o voo até o Recife e mais algumas horas de estrada, um deslocamento que muitas vezes não conta nem com sinal de celular", analisa.

O secretário de Turismo, Alberto Feitosa, faz uma ressalva: "Do ponto de vista do turismo, todo investimento é bem-vindo. Mas defendo que esse dinheiro poderia ser também aplicado em outras frentes que impactassem no fluxo de turistas, como restauração de prédios público, pavimentação, ampliação de centros de eventos. Também acredito que é preciso, antes de mais nada, uma definição da malha aérea no Nordeste. É um ponto essencial".

Após cortes de voos, aéreas decolam com aviões mais cheios

29/12/2012 - O Estado de São Paulo

Taxa de ocupação nos voos domésticos atingiu 76,25% em novembro, a maior já registrada no período desde 2000

MARINA GAZZONI

As companhias aéreas nunca voaram com aeronaves tão cheias em um mês de novembro como este ano. A taxa de ocupação dos voos domésticos atingiu 76,25% no mês passado, ante 67% no mesmo período de 2011, segundo levantamento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A taxa de ocupação é a maior já registrada em um mês de novembro desde o início da série histórica, iniciada em 2000.

"O aumento da ocupação das aeronaves é um reflexo da redução de oferta de TAM e Gol", disse o consultor em aviação Nelson Riet. As líderes do setor aéreo cortaram voos menos rentáveis neste ano para encher os aviões e aumentar a rentabilidade da operação.

A oferta total de passagens aéreas à venda em voos dentro do Brasil caiu 5,68% em novembro em relação ao mesmo mês do ano passado, segundo dados da Anac. Os números já refletem a suspensão da operação da Webjet, anunciada em 23 de novembro pela Gol, controladora da empresa. A oferta da Webjet caiu 57% no mês passado.

Gol e TAM também reduziram sua oferta em novembro em 11,2% e 4,88%, respectivamente. No sentido contrário, a Avianca, Azul e Trip aumentaram sua oferta em 89%, 12% e 10,3%, respectivamente.

Demanda. Apesar da redução da oferta no mercado doméstico, a demanda cresceu 7,22% em novembro em relação ao ano anterior. Enquanto a Gol registrou queda na demanda (de 0,9%), refletindo o corte de voos, a TAM elevou suas vendas em 15%.

A TAM atribui o aumento das vendas às promoções que estimulam o passageiro a comprar passagens com antecedência para pagar menos. "O número de passageiros TAM que pagou menos de R$ 200 pelo bilhete cresceu. Em outubro de 2011, 32% pagaram menos que isso. Em outubro de 2012, foram 47%", disse a empresa, em comunicado.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Empresas aéreas aumentam rigor com mala de mão

19/12/2012 - O Estado de São Paulo

Gol passou a usar nesta semana gabarito parecido ao de empresas estrangeiras para medir tamanho de bagagem na porta do avião.

Nataly Costa

As companhias aéreas estão mais rigorosas com a bagagem de mão de passageiros. Nesta semana, a Gol começou a usar gabaritos de metal - semelhantes aos usados por empresas europeias e americanas - para medir o tamanho de malas na porta do avião. Aquelas cujas dimensões (largura, altura e comprimento) somadas ultrapassam 115 centímetros são etiquetadas e enviadas ao bagageiro da aeronave.

Evelson de Freitas/Estadão
Encaixe. Medição evita malas fora do tamanho permitido de quem faz check-in pelo totem ou internet
O processo é feito na fila de embarque por funcionários da companhia, ou seja, não é preciso voltar ao balcão de check-in do aeroporto para despachar a mala acima do limite.

A maior fiscalização ocorre por causa da popularização do check-in online. É quando o passageiro imprime o cartão de embarque em casa ou no totem de autoatendimento. Em alguns casos, usa apenas o smartphone para entrar na sala de embarque.

Com isso, o passageiro ganha independência: não pega filas e não tem contato com nenhum funcionário da companhia aérea até a hora de entrar no avião. Mas acaba levando uma bagagem que não cabe nos compartimentos da cabine.

"Isso causa problemas operacionais que atrasam o embarque. E normalmente tem mais seis ou sete voos depois, então acaba prejudicando um monte de passageiros", explica o gerente corporativo de aeroportos da Gol, Alessandro Minucci.

Por enquanto, a fiscalização da Gol ocorre apenas em Congonhas - mas será expandida para todos os voos da companhia em Cumbica, Galeão, Santos Dumont, Confins e Salgado Filho nas próximas semanas.

Por causa do limite de peso (5 quilos), a TAM já chegou a colocar balanças na porta do avião para barrar malas muito pesadas. A empresa afirma que foi apenas um teste e não usa mais esse expediente. Em outras companhias, a medição funciona no "olhômetro": algum funcionário percebe uma mala muito acima do padrão e solicita que seja despachada.

Para que a própria verificação do tamanho de cada bagagem não se transforme em motivo de atraso do voo, funcionários da Gol estão fazendo a medição por amostragem - as malas que parecem maiores passam pelo teste do gabarito. Para isso, o embarque dos voos será adiantado.

"Vamos chamar para embarque cinco minutos antes do previsto. Com a fila formada, o agente do aeroporto circula e faz a avaliação", diz Minucci. No Brasil, o limite de bagagem é estabelecido pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Nos Estados Unidos e na Europa, é determinado pelas empresas.

O desejo das companhias brasileiras é de que a Anac desregulamente o quesito bagagens. Com isso, o peso, o tamanho e o número de peças que cada um pode carregar poderá ser diferente dependendo de cada companhia. "Um laptop modelo antigo pode pesar 2 quilos e o limite de uma mala de mão hoje é de apenas 5 quilos", exemplifica Minucci.

Sem filas. A advogada Marluce Freitas de Souza, de 59 anos, não queria perder tempo despachando mala em um voo entre São Paulo e Porto Alegre e foi uma das que foram submetidas à nova regra nesta semana.

"Estava com uma bagagem média, pouca coisa acima do limite. Na ida, passou batido. Na volta, disseram que eu não poderia entrar no avião com aquela mala e mandaram para o bagageiro", conta.

Aeroporto de Tefé poderá fechar

10/12/2012 - O Solimões

Aterro controlado de Tefé vira lixão e coloca em jogo a segurança aeroviária, expondo
o município novamente ao risco de ter o aeroporto fechado

Sem atender as exigências e procedimentos técnicos para o tratamento adequado dos resíduos sólidos e orgânicos do município, a situação do lixo de Tefé se complica e coloca em risco a cidade de ter novamente fechado o aeroporto.

Em julho de 2006 o Ministério Público Federal (MPF), por meio de uma liminar da Justiça Federal, suspendeu todos os voos comerciais para o município. O motivo foi o depósito de lixo da cidade, que fica a apenas 2 quilômetros do aeroporto. A presença de urubus no local de pouso e decolagem das aeronaves, na época colocava em risco a vida dos passageiros. A distância mínima exigida pela instrução número 4 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) é de 20 quilômetros. A decisão judicial foi fruto de um pedido do MPF, que iniciou a ação civil pública a partir de uma denúncia da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Depois de pagar multa e assinar um termo de Ajuste de Conduta, a prefeitura do município assumiu o compromisso com o Ministério Público de tirar o depósito de lixo da condição de lixão para Aterro Controlado, neste o lixo é depositado em valas (células) e coberto por barro, evitando a atração de urubus no entorno do aeródromo. O lixão é caracterizado pelo depósito dos resíduos a céu aberto, o que atrai centenas de aves, colocando em risco a segurança dos voos. Na época a prefeitura cumpriu o acordo e o aeroporto foi reaberto. Mas a situação atual preocupa. No local não há células abertas e um trator apenas espalha os resíduos amontoados na área, tornando-o um grande lixão, o que deverá piorar com a vinda das chuvas.

A guarita criada para o controle do acesso à estrada para evitar que resíduos fossem depositados ao longo da Estrada da Agrovila está abandonada desde a mudança de gestor municipal. As vezes que foi usada a guarita funcionava apenas como ponto de fiscalização para a Guarda Municipal de Trânsito, tendo a sua principal função ignorada.

Sem coleta regular no perímetro urbano, alguns moradores recolhem o lixo doméstico e deposita ao longo da Estada da Agrovila. A má conservação da via de acesso e a distância do "Aterro" acaba desmotivando quem se propõe a recolher o seu lixo; o resultado não poderia ser pior: o lixo é jogado às margens da estrada, atraindo urubus, ratos e baratas, além do mau cheiro exalado nesses locais.

O transporte inadequado dos resíduos é outro problema. O lixo é conduzido, na sua maioria, por caçambas, que acabam deixando restos orgânicos ao longo do trajeto. O lixo hospitalar também não tem tratamento específico e é jogado junto com outros resíduos, contrariando as recomendações do Conama.
Na última semana uma equipe de fiscalização da Infraero-Tefé esteve no local e chamou a atenção para a precariedade da situação do "Aterro". Um relatório foi elaborado e caminhado para o poder executivo municipal com conhecimento para a Secretaria Municipal de Meio Ambiente solicitando o apoio referente a providências no sentido de melhorar as condições no local.

De acordo com o Superintendente da Infraero em Tefé, Antônio Saboia, a situação tem se tornado preocupante, pois, segundo ele, tem se observado nas inspeções, que o descarte indevido de lixo nas margens das estradas da agrovila e do Aeroporto se intensificou bastante nos últimos dias, bem como o acúmulo em algumas áreas nos bairros da cidade e que essa situação tem contribuído para o aumento de urubus no circuito de tráfego (espaço aéreo que as aeronaves utilizam para realizar a aproximação para o pouso, e para o afastamento após a decolagem). Saboia também chamou a atenção para a oferta de alimento na área urbana e proximidades do aeroporto, que segundo ele, tem atraído uma quantidade cada vez maior de urubus. "É importante esclarecer para a população, que apesar de não parecer possível, uma única ave, pode ocasionar a queda de uma aeronave, qualquer que seja o seu tamanho, podendo matar todos os ocupantes. Faz parte da nossa missão evitar que isso aconteça, e é nosso dever fazer com que o usuário do transporte aéreo em Tefé voe de forma segura e sem riscos", declarou.

Em nota alertando sobre os riscos do lixo jogado no entorno do aeroporto, a Infraero pediu à população para que evite essa prática.
Veja na íntegra:

"A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – INFRAERO, vem por meio deste, solicitar à população tefeense, que não descarte lixo de qualquer natureza, nas proximidades do Aeroporto, com vistas a evitar-se a formação de focos atrativos de aves(urubu) objetivando a redução do Perigo Aviário (Presença de aves no espaço aéreo do Aeroporto).
Esclarecemos à população em geral, que o choque de aves com aeronaves, pode causar acidente aéreo de graves proporções, com a perda de vidas humanas.
Agradecemos pela Compreensão e colaboração.
Superintendência do Aeroporto de Tefé."
Atenciosamente.
Antonio Ferreira de Sabóia
Superintendente do Aeroporto de Tefé
Aeroporto de Tefé – SBTF

Publicada lei que pretende reduzir risco de acidentes entre aves e aeronaves
Por Yara Aquino – Repórter da Agência Brasil – 17/10/2012 – Edição: Talita Cavalcante
Brasília – Lei publicada hoje (17) do Diário Oficial da União estabelece regras para reduzir o risco de acidentes entre aves e aeronaves. A lei proíbe atividades que atraiam os animais para as proximidades de áreas destinadas a pouso e decolagem e prevê multa que pode chegar a R$ 1,2 milhão para quem descumprir as regras.

O texto estabelece uma Área de Segurança Aeroportuária com raio de 20 quilômetros a partir da maior pista de decolagem. Nesse limite, o uso do solo fica condicionado ao cumprimento das normas de segurança operacional de aviação e ambientais. A lei proíbe ainda atividades atrativas de pássaros nas proximidades dos aeroportos, como os lixões.

Para os casos de descumprimento das regras, estão previstas penalidades como multa, suspensão da atividade e interdição da área. No caso de multa, a simples varia entre R$ 1 mil e R$ 1,2 milhão e a diária vai de, no mínimo, R$ 250 a R$ 12,5 mil. O dinheiro arrecadado com as multas será usado em ações para redução do risco de acidentes.

O abate de animais que coloquem em risco a segurança aérea será permitido nos casos em que for comprovado que as ações de manejo ecológico não tenham gerado o resultado esperado para evitar acidentes.

A Lei 12.725, de 16 de outubro de 2012, prevê ainda a observância do Plano de Manejo da Fauna em Aeródromos, que detalha as intervenções necessárias no meio ambiente ou diretamente nas populações de espécies da fauna para reduzir o risco de colisões com aeronaves e do Programa Nacional de Gerenciamento do Risco da Fauna, que estabelece objetivos e metas para aprimorar a segurança operacional.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

AA terá voos de Porto Alegre e Curitiba para Miami em 2013

19/12/2012 - Mercado & Eventos

Até o final de 2013, a região sul do país, especificamente Porto Alegre e Curitiba deverão ter voos diretos para Miami por meio da American Airlines. Atualmente, a companhia norte-americana voa diretamente de Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo para Miami; de São Paulo e Rio de Janeiro para Nova York; e de São Paulo e Rio de Janeiro para Dallas/Fort Worth.

De acordo com a assessoria de comunicação da companhia norte-americana no Brasil, tal confirmação foi dada por executivos dos Estados Unidos em setembro deste ano. Ainda segundo a apuração, duas alternativas foram levantadas: um voo partindo da capital gaúcha, com escala em Curitiba ou voos diretos partindo de cada uma das cidades.

Rafael Massadar

País é o 3º com querosene mais caro

20/12/2012 - Folha de São Paulo

Só Chade e Sudão, na África, têm valor mais alto de combustível de aviação, segundo levantamento da Iata
Insumo representa até metade dos gastos das companhias aéreas no Brasil; voos domésticos são os mais atingidos
DIMMI AMORA
ENVIADO ESPECIAL A GENEBRA

Enquanto o governo estuda subsidiar a aviação regional, levantamento das empresas aéreas aponta que o querosene de aviação nos principais aeroportos do Brasil é o terceiro mais caro do mundo.

O preço pago pelo produto para voos domésticos só perde para o dos principais aeroportos do Sudão e do Chade, na África.

O primeiro é um país em guerra civil. O Chade não tem acesso ao mar e não refina petróleo: precisa receber combustível de outros países em longos trajetos de caminhão.

Mesmo assim, em Recife, o preço final para o mercado doméstico é quase igual ao praticado nesses países.

O levantamento foi realizado pela Iata (Internacional Air Transport Association), órgão mundial que representa as companhias aéreas.

O combustível de aviação é hoje o principal motivo de preocupação das empresas.

A alta do barril de petróleo de cerca de US$ 60 em 2009 para pouco mais de R$ 100 neste ano fez com que o custo desse insumo alcançasse em média 30% de todos os gastos das empresas aéreas.

No Brasil, por causa do preço, a estimativa é que até metade dos gastos seja com combustível. As mais prejudicadas são as que fazem voos domésticos, porque pagam pelo produto acrescido do ICMS -os voos internacionais são isentos desse tributo.

SUBSÍDIO

Por causa do alto preço do combustível, as companhias aéreas não avaliam com entusiasmo o possível subsídio para os voos regionais, em estudo pelo governo.

Elas indicam preferir a redução de custos e a melhoria da estrutura dos aeroportos para viabilizar comercialmente rotas hoje inviáveis.

A ideia do governo é pagar por uma parte dos assentos para voos em regiões remotas ou de cidades pequenas para capitais. A previsão é que o pacote de aviação seja lançado hoje.

As empresas atribuem o custo elevado do combustível no Brasil aos impostos e à forma de cobrança da Petrobras. A estatal considera toda a gasolina de aviação vendida no país como importada. Mas 75% do produto é produzido localmente, segundo as empresas.

O jornalista DIMMI AMORA viajou a convite da Iata.

Tributo eleva tarifa de voo interno

A cobrança de 19%, em média, de ICMS do combustível torna o abastecimento de um avião para voar dentro do Brasil mais caro do que quando se enchem os tanques para ir ao exterior. Esse é um dos fatores que fazem tarifas domésticas chegar a ser mais caras que as para trechos internacionais.

Porto Alegre-Pelotas pode ter voo diário da Azul e Trip

19/12/2012 - Panrotas

A Azul e Trip aguardam aprovação para iniciar operações entre as cidades gaúchas de Pelotas e Porto Alegre. Se aprovada pela Anac, a operação será realizada com o ATR 72 da Trip, com capacidade para 68 pessoas. Pelotas será a terceira cidade servida pelas empresas no Rio Grande do Sul, ao lado de Porto Alegre e Caxias do Sul. Após o aval da agência reguladora, as passagens serão comercializadas pelos canais de vendas da Azul. As companhias, que estão em processo de fusão desde 28 de maio, concluíram no início deste mês a integração de seus sistemas, concentrando todos os canais de atendimento e reservas na Azul.

Serão dois voos diários de segunda a sexta-feira, com saída de Porto Alegre às 13h40 e chegada a Pelotas às 14h30. De Pelotas, o voo parte às 15h10, chegando a Porto Alegre às 16h. O segundo voo tem partida de Porto Alegre à 0h05 e chegada a Pelotas às 0h55. No sentido inverso, parte de Pelotas às 5h10 e chega a Porto Alegre às 6h. Esse segundo voo também será operado aos sábados. Informações no www.voeazul.com.br e www.voetrip.com.br.

Maria Izabel Reigada

Tap é premiada melhor aérea da Europa e América do Sul

19/12/2012 - Panrotas

A Global Traveler, dos Estados Unidos, realizou uma pesquisa com os leitores da revista sobre a Melhor Companhia na Europa. Foram registrados 25 mil votos. A companhia aérea portuguesa Tap ganhou e recebeu o prêmio em Los Angeles. A empresa também foi premiada como Líder Mundial para a América do Sul, em Nova Déli, durante o evento World Travel Awards, que destaca melhores marcas de viagens e turismo do mundo.

"Este prêmio traduz o empenho da Tap no competitivo mercado norte-americano, nomeadamente o trabalho desenvolvido junto do segmento corporate, reconhecendo a elevada qualidade do produto Tap e as potencialidades do hub da companhia em Lisboa, como plataforma estratégica nas ligações entre a América do Norte e a Europa. A companhia também vê confirmada a sua liderança na América do Sul, fruto de um trabalho exaustivo ao longo dos anos, especialmente no Brasil, um dos mercados de maior crescimento do mundo e onde a Tap é reconhecidamente líder", diz o comunicado da aérea.

Savia Reis

Fim da Webjet faz voo de Porto Alegre a Floripa durar 5 horas

15/12/2012 - Folha de São Paulo

Passageiros receberam opção de trocar voo direto de uma hora por outro com escala
MARIANA BARBOSA
DE SÃO PAULO

O fim das operações da Webjet, em 23 de novembro, transformou um voo de uma hora, de Porto Alegre a Florianópolis, em cinco, com escala em Guarulhos.

Essa foi a opção dada a alguns passageiros que compraram bilhetes da Webjet para voar em 29 de dezembro. Faltando menos de um mês para a viagem, o engenheiro Rafael Lopes recebeu a notícia do cancelamento de seu voo e da opção com escala em Guarulhos.

"É um absurdo fazer uma escala em Guarulhos para ir para Florianópolis", diz Lopes. Ele conta que foi preciso fazer "algumas ligações" para conseguir falar com o setor de reacomodação e tentar um assento em voos de outras empresas, mas que estava difícil encontrar lugar.

"A empresa ficou de me retornar, mas só depois que eu fui para as redes sociais e o site Reclame Aqui é que entraram em contato", afirma Lopes. A Gol diz que entrou em contato com o passageiro três vezes antes de ele retornar a ligação.

Anteontem, Lopes conseguiu remarcar a passagem, para um voo direto da própria Gol. "Acho que colocaram um voo extra pois no começo não tinha essa opção. Agora vou chegar mais cedo até."

A bancária Bruna Salton, que voaria no mesmo voo de Lopes, também recebeu a opção via Guarulhos. Mas preferiu o reembolso integral (R$ 158,56). "É um transtorno absurdo. Eu tinha me programado com antecedência, mas agora terei de ir de ônibus, pois a passagem para voar nessa época está custando mais de R$ 600."

Há outros casos no Reclame Aqui, como o de uma passageira que voaria de São Paulo para Natal neste fim de ano, mas que recebeu a opção de um voo com duas escalas e dez horas de duração.

Procurada, a Gol informou que os clientes que compraram bilhetes Webjet "foram reacomodados e as reclamações abertas estão sendo atendidas".

A empresa diz ainda que disponibilizou voos "nas mesmas datas, horários e destinos" da Webjet. Mas, "em alguns casos", os clientes estão sendo reacomodados em outros voos da própria Gol ou de outras companhias.

Dilma anuncia construção de 800 aeroportos regionais no país

13/12/2012 - Agência Brasil

Presidente também confirmou que o governo deve lançar até amanhã o edital do trem-bala

Novos aeroportos serão importantes para o crescimento, disse Dilma

A presidente Dilma Rousseff disse hoje (12), em Paris, que o governo pretende criar cerca de 800 aeroportos regionais no país. Segundo ela, pelo projeto, cada cidade com até 100 mil habitantes deverá ter um aeroporto a, no máximo, 60 quilômetros de distância. "É uma necessidade também importante para o crescimento do país", disse Dilma a empresários franceses, após participar do seminário empresarial Desafios e Oportunidades de uma Parceria Estratégica.

Dilma falou sobre a importância da privatização de grandes aeroportos e da recapacitação da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e ressaltou a necessidade de interiorização do transporte aeroviário num país continental como o Brasil. A presidenta enfatizou a importância de fortalecer a aviação regional no país, "diferenciada da aviação de longo alcance". Segundo ela, é preciso interiorizar o transporte aeroviário no Brasil. "Nós precisamos de médias empresas regionais de aviação."

Além de um aeroporto a no máximo 60 quilômetros de distância em municípios com até 100 mil habitantes, a presidenta defendeu a construção de aeroportos nos pontos turísticos do país e disse que o governo tem recursos para isso. "Nós temos recursos para isso – originários até das outorgas que cobramos dos aeroportos, dos grandes aeroportos."

A presidente também confirmou que o governo deve lançar, até amanhã (13), o edital para o leilão da primeira etapa do trem de alta-velocidade que ligará Campinas, São Paulo e Rio de janeiro. O edital foi aprovado na última semana pelo Tribunal de Contas da União com ressalvas. "Amanhã, daremos um passo decisivo porque o trem de alta velocidade, que será licitado em dois momentos, começa a ter a sua licitação de tecnologia – licitam-se a tecnologia a ser adotada e o operador, e, na sequência, escolhe-se e licita-se a construção."

AA terá quatro frequências diárias saindo do Rio de Janeiro

11/12/2012 - Mercado & Eventos, Fernanda Lutfi

A American Airlines, em parceria com o Greater Miami Convention & Visitor Bureau, realizou um evento na manhã de hoje (11/12) no Rio de Janeiro para divulgar a nova frequência direta RJ-Miami da companhia. A partir de amanhã o Rio de Janeiro contará com quatro frequências diretas da AA para os Estados Unidos. Sendo três permanentes, duas para Miami e uma para Nova York, e uma para Dallas, que será operada durante a alta temporada. Cerca de 130 pessoas participaram do café da manhã.
A gerente geral da American Airlines no Rio de Janeiro, Frances Pina, explicou o motivo da companhia aérea iniciar uma segunda frequência para o Rio de Janeiro. "O nosso primeiro voo diário para Miami já apresentava taxas de ocupação superiores a 90%. Em função da grande demanda temos certeza que essa segunda frequência será um sucesso", afirmou a gerente.

Este foi o primeiro evento que o Greater Miami CVB participou especificamente para o trade do Rio de Janeiro, e a principal novidade do destino é a presença de um profissional local na cidade, o que vai auxiliar na divulgação de Miami para o trade local. Tathiana Leal, contratada em outubro deste ano, será a responsável por essa relação com o trade carioca. "Nossa principal meta para 2013 é mudar a ideia de que Miami é uma cidade de compras, queremos ficar também nos segmentos de luxo, gastronomia, arte e cultura", ressaltou Tathiana.

Além disso, a profissional divulgou as duas principais novidades de Miami para o próximo ano: "Já está em fase de produção um site oficial do CVB de Miami para o mercado brasileiro. E também para 2013 será lançado o e-learning, umaferramenta online para capacitação de agências e operadoras brasileiras."

Porto Alegre-Pelotas pode ter voo diário da Azul e Trip

19/12/2012 - Panrotas

A Azul e Trip aguardam aprovação para iniciar operações entre as cidades gaúchas de Pelotas e Porto Alegre. Se aprovada pela Anac, a operação será realizada com o ATR 72 da Trip, com capacidade para 68 pessoas. Pelotas será a terceira cidade servida pelas empresas no Rio Grande do Sul, ao lado de Porto Alegre e Caxias do Sul. Após o aval da agência reguladora, as passagens serão comercializadas pelos canais de vendas da Azul. As companhias, que estão em processo de fusão desde 28 de maio, concluíram no início deste mês a integração de seus sistemas, concentrando todos os canais de atendimento e reservas na Azul.

Serão dois voos diários de segunda a sexta-feira, com saída de Porto Alegre às 13h40 e chegada a Pelotas às 14h30. De Pelotas, o voo parte às 15h10, chegando a Porto Alegre às 16h. O segundo voo tem partida de Porto Alegre à 0h05 e chegada a Pelotas às 0h55. No sentido inverso, parte de Pelotas às 5h10 e chega a Porto Alegre às 6h. Esse segundo voo também será operado aos sábados. Informações no www.voeazul.com.br e www.voetrip.com.br.

Maria Izabel Reigada