sábado, 30 de março de 2013

Aeroporto de Rio Branco terá novo terminal de passageiros e nova pista

21/03/2013 - O Rio Branco

O novo terminal de passageiros terá capacidade três vezes maior que a apresentada pelo
aeroporto de Rio Branco hoje, que é de 300 mil passageiros/ano

Além de uma nova pista de pouso, o Aeroporto Internacional de Rio Branco também terá um novo terminal de passageiros. O anuncio foi feito na manhã desta quinta-feira, 21, em Brasília, durante reunião do governador Tião Viana com o presidente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Ifraero),Gustavo do Vale. Mais uma vez a presidenta Dilma Roussef estende a mão ao estado e contempla os acreanos com um importante benefício.

O projeto para execução da nova pista de pouso está em desenvolvimento pelo governo do Estado, em parceria coma Infraero e em maio será entregue ao presidente Gustavo do Vale para que sejam tomadas as providencias necessárias ao processo licitatório. Já o novo terminal, por requerer um projeto mais simples, terá licitação aberta no próximo dia 17. Se não houver nenhum contratempo no processo, a ordem de serviço para execução da obra será assinada em maio.

O novo terminal de passageiros terá capacidade três vezes maior que a apresentada pelo aeroporto de Rio Branco hoje, que é de 300 mil passageiros/ano. "Será um terminal moderno, à altura do povo acreano, com toda tecnologia disponível em equipamentos, bem superior ao que existe hoje e que não ficará com nada a dever aos grandes aeroportos internacionais. Já a pista de pouso podemos dizer que hoje é a que mais preocupa a Infraero, pois exige cuidados diários e já não atende às condições ideais. Não nos traz insegurança, mas exige cuidados intensos", disse o presidente da Infraero, Gustavo do Vale.

O governador Tião Viana recebeu a notícia com muita alegria e agradecimento a presidenta Dilma, que segundo ele, não tem faltado com apoio ao Acre. "A presidenta tem dado total apoio aos projetos do Acre. Agradeço muito todo o empenho dela e de sua equipe. Gustavo demonstrou inteira sensibilidade a esta causa acreana, o resultado da reunião foi muito satisfatório", disse o govenador.

O senador Aníbal Diniz acompanhou todo o processo pela modernização do aeroporto de Rio Branco ao lado do governador Tião Viana, desde as primeiras reuniões. "Tenho muita alegria em saber que agora a gente vai ter, já em maio, o começo das obras do novo terminal, que vai aumentar imensamente o conforto dos usuários. A nova pista de pouso vai trazer uma solução definitiva para a questão da segurança dos passageiros", comentou o senador.

Obras do Aeromovel de Porto Alegre entram em fase final

30/03/2013 - Pini Web

Veículo leve sobre trilhos suspensos vai ligar Aeroporto Salgado Filho ao metrô

Gustavo Jazra

As obras do Aeromovel de Porto Alegre entraram em fase final nesta semana, com o ajuste dos trilhos na via e realização de acabamentos nas duas estações de 450 m² que integram o equipamento. O veículo vai percorrer trecho de 1 km de extensão, entre o terminal 1 de passageiros do Aeroporto Internacional Salgado Filho e a Estação Aeroporto, integrante do metrô da capital gaúcha. Com velocidade máxima de 65 km/h, o trajeto será realizado em 90 segundos.

Em agosto de 2010, a Trensurb adquiriu o pacote tecnológico do aeromovel e lançou o projeto de implementação do primeiro sistema no País. O aeromovel é um veículo leve sobre trilhos, suspensos de 4,5 m a 9 m de altura, movimentado pelo ar gerado por ventiladores industriais, que controlam, além da pressão, direção e velocidade ao ar. "O veículo tem uma placa de propulsão fixa no chassi do carro, que fica enclausurada dentro da via. Uma corrente de ar de baixa pressão e de alta vazão sopra o veículo, empurrando-o para frente ou trazendo o veículo de volta. O motor que gera a força de tração do sistema fica fora do veículo, deixando o veículo mais simples e mais leve possível", explica o diretor de engenharia da Aeromovel Brasil, Diego Abs.

O presidente da empresa e inventor da tecnologia, Orkar Coester, explica que as funções da roda e do trilho se diferem do transporte ferroviário tradicional, sendo usados para uma espécie de rolamento linear, com propulsão feita independentemente da roda. "É um sistema de barco à vela invertido, em que o próprio duto da via é o túnel de vento", diz. "Em vez de esperar o vento soprar, o vento é soprado através de ventiladores industriais, movidos a energia elétrica", simplifica.

Dois veículos fabricados em Três Rios, no interior do Rio de Janeiro, vão circular na linha: um com capacidade para o transporte de 150 passageiros e outro de 300. A previsão é de que o menor veículo chegue a Porto Alegre em abril, para realização de testes, e o outro em maio. O aeromóvel deve entrar em operação no segundo semestre deste ano.

Gol tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2012, o dobro de 2011

26/03/2013 - O Estado de São Paulo

A empresa reduzirá a capacidade doméstica entre 8% e 10% neste primeiro semestre e em cerca de 7% no ano, ante os níveis de 2012

Beth Moreira e Luciana Collet, da Agência Estado, e Reuters

SÃO PAULO - A Gol teve um prejuízo líquido de R$ 447,1 milhões no quarto trimestre, ante lucro líquido de R$ 54,3 milhões um ano antes, informou a companhia. Em 2012, o prejuízo foi de R$ 1,512 bilhões, o dobro de 2011. A transportadora reduzirá a capacidade doméstica entre 8% e 10% neste primeiro semestre e em cerca de 7% no ano, ante os níveis de 2012.

"A projeção reitera a estratégia de racionalização de oferta da companhia para 2013 e tem como objetivo atingir um crescimento mínimo de 10% no RASK (receita operacional) e a retomada das margens operacionais", informa a empresa.

A aérea estima ainda que alcançará um resultado operacional positivo no primeiro trimestre de 2013, superior ao resultado do mesmo período do ano anterior. As projeções, explica a companhia, assume uma variação do PIB brasileiro entre 2,5% e 3%, uma taxa de câmbio média entre R$ 1,95 e R$ 2,05 e ainda um Cask ex-combustível (custo operacional por assento disponível por quilômetro excluindo despesas com combustível) entre 9,7 e 10,3 centavos de real.

A empresa estima ainda uma margem operacional (Ebit) entre 1% e 3% para 2013. A projeção da empresa considera ainda o preço do combustível nos patamares atuais. A Gol destaca, no entanto, que em função dos impactos de um cenário macroeconômico adverso, as projeções financeiras poderão ser revisadas trimestralmente visando incorporar a evolução de seu desempenho operacional, financeiro e eventuais mudanças nas tendências de taxa de juros, câmbio, PIB e petróleo (WTI e Brent).

Receita por passageiro

A Gol registrou crescimento de 9,2% na receita líquida de passageiro por assento quilômetro oferecido (Prask) no quarto trimestre do ano passado, em relação ao mesmo período de 2011, para 15,17 centavos de real ante 13,89 centavos de real entre outubro e dezembro de 2011.

De acordo com a empresa, a expansão foi resultado dos esforços adotados para a maximização da taxa de ocupação das aeronaves em 4,4 pontos porcentuais combinado ao aumento do yield em 2,3% entre os períodos. A Gol destacou que, considerando a última informação de tráfego divulgada (com dados de tráfego relativo a fevereiro), foi a décima primeira vez consecutiva que o Prask apresentou aumento na comparação mensal, desde o início dessa estratégia.

A empresa também salientou que no segundo semestre, quando houve o fortalecimento da estratégia de racionalização de voos adotada no final de março, o Prask cresceu 6% na comparação com igual período de 2011, em decorrência da maximização em 4 pontos porcentuais na taxa de ocupação no mercado doméstico combinado ao aumento de 0,6% no yield entre os períodos.

Em valores absolutos, a receita líquida de passageiros nominal apresentou uma queda de 6,2% registrando R$ 1,873 bilhão frente aos R$ 1,998 bilhão anotados um ano antes, em função da redução da oferta no período.

Receitas auxiliares

A receita líquida auxiliar por assento quilômetro oferecido cresceu 21,5% na comparação com o quarto trimestre de 2011, ficando em 1,9 centavos de real. Em valores absolutos, a receita auxiliar apresentou aumento de 4,4%, atingindo R$ 245,8 milhões, frente aos R$ 235,5 milhões registrados no quarto trimestre de 2011.

Segundo a Gol, a expansão se deve ao crescimento aproximado de 30% nas receitas provenientes de ''no show'' e cancelamento de passagens; ao aumento em cerca de 2,5% na receita de cargas; e à expansão de 145% na receita de venda a bordo por conta da expansão dessa operação entre os períodos. Mas o desempenho foi parcialmente compensando pela queda de 14,1% da oferta na comparação entre os períodos.

No quarto trimestre de 2012, as receitas auxiliares representaram 12% da receita líquida total da companhia.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Reforma no Aeroporto de Manaus deve ser concluída em dezembro

26/03/2013 - A Crítica

A afirmação é do superintendente do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, Aldecir Lima. Ele garantiu nesta terça-feira (27), durante cerimônia que marcou os 37 anos de fundação do aeroporto, que as obras de reforma, ampliação e adequação serão concluídas até o fim deste ano

Obras de reforma e ampliação do Aeroporto Internacional Eduardo
Gomes deverão ser concluídas em dezembro deste ano
(Antônio Menezes)

O superintendente do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, Aldecir Lima, garantiu nesta terça-feira (27), durante cerimônia que marcou os 37 anos de fundação do aeroporto, que as obras de reforma, ampliação e adequação serão concluídas até dezembro.

O prazo previsto no cronograma para a finalização do projeto é dezembro mesmo. "No final deste ano ainda, teremos o aeroporto plenamente ampliado, modernizado e equipado não somente para Copa do Mundo, mas também para um longo prazo. Já atingimos 55% das obras e em breve nós teremos algumas áreas já entregues aos usuários de modo que vai facilitar a agilidade da obra ara cumprir o prazo de entrega", disse.

De acordo com Aldecir Lima, em junho devem ser entregues o novo saguão em frente do aeroporto, novas salas de embarques nas laterais do aeroporto e o terceiro andar que foi construído no terraço.

Atualmente, 880 operários atuam nas obras, que custarão R$ 344 milhões. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) juntamente com o consórcio Encalso, responsável pela execução das obras, estimam que até junho 70% estejam concluídas.

Somente no Terminal de Passageiros 1 (TPS1), quinze frentes de serviços estão em andamento. Com a reforma, o TPS1 terá a área duplicada de 43 mil metros quadrados para mais de 97 mil metros quadrados. O aeroporto terá dois níveis de terminais, sendo um para embarque e outro para desembarque, agilizando o fluxo de passageiros. A capacidade operacional anual será ampliada de 6,4 milhões para 13,5 milhões de passageiros/ano.

Só a água será gratuita nos voos da Gol

26/03/2013 - Folha de Boa Vista

Medida valerá para voos nacionais e visa reduzir gasto e elevar receita; prejuízo dobra em 2012, para R$ 1,5 bilhão
Até maio o serviço de bordo gratuito estará extinto, segundo comunicado distribuído a pilotos e comissários
RICARDO GALLO
DE SÃO PAULO

A fim de reduzir custo e obter mais receita, a Gol acabará até maio com o serviço de bordo gratuito em todos os seus voos domésticos. De graça, só um copo de água será oferecido -ainda assim, a quem pedir.

A medida é tomada no momento em que a Gol anuncia prejuízo de R$ 1,5 bilhão no ano passado, o dobro das perdas registradas em 2011.

No quarto trimestre de 2012, a empresa registrou perdas de R$ 447,1 milhões em meio à alta nos custos de combustível e a gastos adicionais com o fim da Webjet.

O resultado negativo anunciado ontem ocorreu apesar do avanço de 7,5% nas receitas no ano passado, para mais de R$ 8 bilhões.

A informação sobre o fim do serviço de bordo gratuito está em comunicado distribuído a pilotos e comissários, a que a Folha teve acesso.

Os voos nacionais correspondem a 95% da operação da companhia, que é a única a oferecer venda a bordo no Brasil. O processo começou em 2009 e hoje abrange metade dos voos nacionais. Na TAM, na Avianca e na Azul, o serviço é grátis.

Desde segunda-feira, o cardápio pago foi estendido para os voos da ponte aérea entre os aeroportos de Congonhas e Santos Dumont. Isso significa que, neles, a opção grátis se restringe a água.

Até a semana passada, os passageiros da ponte aérea recebiam, de graça, amendoim, suco e refrigerante.

Também anteontem a Gol estreou quatro novos kits de cardápio: café da manhã e lanche nas versões "saudável" e "tradicional". Cada kit custa R$ 10 e só é aceito pagamento em dinheiro.

Um café da manhã saudável, por exemplo, traz suco de caixinha, queijo processado light, pãozinho, barra de cereal e geleia light. Não há sanduíches entre as opções.

Por enquanto, cada voo terá apenas 26 kits -para uma média de 150 passageiros.

No mundo, a venda a bordo é prática comum; companhias de baixo custo, como Ryanair e Easyjet, foram as precursoras do modelo.

Nos últimos anos, mesmo as companhias aéreas que oferecem serviço gratuito passaram a reduzi-lo.

"Acreditar no sucesso deste serviço é o início de tudo. Tenham certeza de que estamos disponibilizando um produto de qualidade. Sejam multiplicadores dessa ideia", disse a Gol no texto destinado aos funcionários.

O combustível, que subiu 18% anuais em dois anos, é um dos motivos para o prejuízo. Outros fatores citados pela Gol são a alta do dólar e o aumento acima de 30% nas tarifas aeroportuárias.

Colaborou MARIANA BARBOSA, de São Paulo

Embraer conclui revisão do KC-390 e passará a produzir o protótipo

25/03/2013 - Terra

O primeiro voo do KC-390, maior avião já construído pela indústria aeronáutica brasileira, está previsto para o segundo semestre de 2014
Foto: Divulgação


A Embraer informou nesta segunda-feira que concluiu, junto com a Força Aérea Brasileira (FAB) a revisão crítica de projeto do jato de transporte militar KC-390, e irá agora iniciar a fase de produção do protótipo.

"Concluímos uma etapa importante do Programa KC-390 e, desta forma, prestamos contas à FAB do trabalho realizado. Vamos agora iniciar a fase de produção dos protótipos", disse Luiz Carlos Aguiar, presidente-executivo da Embraer Defesa & Segurança, em nota enviada à imprensa.

Segundo a fabricante brasileira, durante a revisão foram confirmadas as configurações

saiba mais
Embraer faz voo inaugural do terceiro protótipo do Legacy 500
Concorrente quer suspender encomenda de aviões dos EUA à Embraer
aerodinâmica e estrutural definitivas, assim como a arquitetura e a instalação dos sistemas, caracterizando a maturidade do projeto para o início do projeto detalhado e fabricação das aeronaves protótipos.

A Embraer informou que "a fabricação das primeiras peças dos protótipos será iniciada em breve". O primeiro voo do KC-390, maior avião já construído pela indústria aeronáutica brasileira, está previsto para o segundo semestre de 2014.

Entrada de nova empresa faz preço da passagem aérea cair em 13,8%

26/03/2013 - Folha de Boa Vista

OZIELI FERREIRA

A partir de abril, os roraimenses vão contar com cinco voos diários,
sendo dois pela Trip, dois da TAM e um pela companhia Gol

Com a entrada da companhia Trip Azul no mercado roraimense, os preços das passagens áreas reduziram 13,8%, segundo disse Ricardo Peixoto, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav). A estimativa é que o preço do bilhete continue a cair, uma vez que o período da baixa temporada se aproxima. A companhia aérea começa a operar na próxima quinta-feira, 4 de abril, em dois voos diários, sendo o primeiro com saída às 10h30 e o segundo às 21h20.

Com o ingresso da Trip, as companhias TAM e Gol foram forçadas a ajustar seus preços, conforme avaliou o agente de vendas Evandro Vale.
Os agentes de viagens avisam que o cliente só irá sentir a diferença nos preços a partir do dia 4.

Cristhien Babá, agente de uma Agência de Turismo, localizada no Centro, comparou os preços das passagens para quem preferir viajar de Boa Vista a Manaus com saída no dia 17 de abril. Por exemplo, pela TAM, somente ida, vai sair por R$ 142,00 (incluindo taxa). Pela companhia Gol, fica no valor de R$ 115 (com taxa). Pela Trip sai por R$ 99,00 e, com a taxa, fica R$139.

No começo deste mês, com somente duas agências operando, os preços eram mais elevados: no trecho Boa Vista/Manaus viajando pela Gol a passagem saía por R$ 311,85 (incluído taxa); pela TAM o valor era de R$ 266,95, também com taxa inclusa. "Concorrência sempre é boa para o cliente. Os preços sempre baixam. Os horários da Trip também são diferenciados", comentou Babá.

A partir de abril, os roraimenses vão contar com cinco voos diários, sendo dois pela Trip (10h30 e 21h20), dois da TAM (14h25 e 4h55) e pela companhia Gol (2h40).

Quem não se programou vai pagar passagem mais cara

Quem quiser viajar neste feriado de Páscoa, mas não comprou passagem aérea com antecedência pode pagar um preço mais alto, pois não terá mais a chamada tarifa econômica. A agente de viagem, Cristhien Babá, avisa que as passagens para Manaus pela companhia Gol já se esgotaram, restando vagas somente pela TAM.

Por exemplo, quem quiser viajar amanhã, 28, para Manaus (AM), terá que desembolsar R$ 797,95, somente ida. A volta sai por R$ 208,57. Para São Paulo, somente ida, vai custar R$ 2.267,78. A volta, se comprado pela Gol, sai por R$ 496,22 e, pela TAM, por R$ 571,13.

"Quem compra a passagem antecipado sempre paga mais barato", comentou o agente de vendas Evandro Vale. Segundo os agentes de viagens, neste feriado de Páscoa a procura por passagem aérea foi baixa. O destino mais procurados por quem decidiu viajar foi Manaus (AM) e Fortaleza (CE).

JHSF deve ter aeroporto executivo em operação até a Copa de 2014

26/03/2013 - Folha de Boa Vista

Reuters

SÃO PAULO, 26 MAR - A JHSF espera que a primeira etapa do aeroporto executivo que está desenvolvendo em parceria com a CFly Aviation no interior de São Paulo esteja em operação até a Copa do Mundo de 2014.

"A primeira fase está programada para ser concluída até a Copa", disse a jornalistas o diretor financeiro da incorporadora, André Luís Rodrigues. "(O aeroporto de) Congonhas tem apenas quatro slots (horários de pouso e decolagem) para aviação executiva, com esse aeroporto poderemos atender voos internacionais e desafogar a demanda", acrescentou.

Em construção às margens da rodovia Castelo Branco, no município de São Roque (SP), o aeroporto terá uma pista com cerca de 2.800 metros destinada a voos executivos.

O aeroporto, cujos investimentos são estimados em entre 700 milhões e 800 milhões de reais, poderá atender voos para América Latina, Europa e Oriente Médio.

Segundo Rodrigues, não está nos planos da companhia investir em outros projetos do tipo. "É um investimento de longo prazo, conservador... por enquanto teremos apenas esse projeto", afirmou ele, durante evento do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF).

(Por Vivian Pereira)

"Plano de Voo": Trem tucano pode cruzar com o TAV

27/03/2013 - DCI

O transporte coletivo ganhou as atenções do governo paulista. Dentre os projetos para os quais o vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos (PSD), busca parceria com investidores privados, um dos prioritários é a "Rede de Trens Intercidades", que consiste em duas linhas regionais ligando a capital a várias cidades.

As linhas dos trens tucanos cruzam com o TAV, menina dos olhos da presidente Dilma Rousseff, que continua encalhado na burocracia e nos custos elevados.

Em visita ao DCI ontem, Afif contou sua peregrinação dentro e fora do Brasil para tirar do papel o projeto, orçado em R$ 18 bilhões, em regime de parceria público-privada. A obra prevê que as duas linhas de trem, que coincidem com algumas cidades do trajeto do TAV, se cruzem em uma estação do metrô da capital, facilitando o deslocamento da população desses centros urbanos nos arredores da região metropolitana.

Assinatura para início das obras do novo terminal do Aeroporto será hoje

27/03/2013 - Gazeta News - SE

O governador Marcelo Déda e o presidente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Gustavo Matos do Vale, assinam nesta quarta, 27, às 17h, o Acordo de Cooperação Técnica para realização das obras do novo Terminal de Passageiros do Aeroporto de Aracaju. O ato ocorrerá no auditório do próprio aeroporto.

Em recente viagem a Brasília, Déda obteve da presidenta Dilma Rousseff a garantia de realização das obras de ampliação e modernização do Aeroporto Santa Maria. Além de atender ao aumento da demanda turística e empresarial no estado, o novo terminal se enquadra nas necessidades que virão com a Copa do Mundo de 2014, o que justifica a disponibilidade orçamentária e financeira do empreendimento.

Infraero ignora doação do Governo e obra de ampliação do Aeroporto não sai do papel

28/03/2013 - Correio do Estado - MS

Governador André Puccinelli disse que empresa não respondeu solicitações sobre acordo de 2009

LUCIA MOREL E GABRIEL KABAD

Projeto inicial previa desapropriação de 52 imóveis para obra de ampliação

A ampliação da área do Aeroporto Internacional de Campo Grande corre o risco de não sair do papel. O governador André Puccinelli afirmou ontem de manhã que a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) não respondeu às solicitações do Governo do Estado sobre a efetivação do Acordo de Cooperação, assinado em 2009, para o aumento do espaço de pousos e decolagens do terminal aeroportuário.

"A Infraero não deu resposta para o governo. Se não der resposta, vão perder a área", afirmou. O risco é devido a demora, já que a área destinada à ampliação já foi declarada de utilidade pública, mas implica diretamente em desapropriação de 52 imóveis rurais cujos donos promovem uma especulação imobiliária e pressionam o Governo do Estado para que pague o valor de mercado atualizado. É a Infraero que vai pagar pelas indenizações a esses proprietários e conforme o tempo corre, mais caro fica o valor das áreas.

Azul amplia presença no Recife

27/03/2013 - Correio do Estado - MS

Companhia começa a operar com Teresina como nova rota, além de voos diários a Juazeiro do Norte

Diários Associados

A partir do dia 19 de abril, a Azul Linhas Aéreas inicia uma nova rota entre o Recife e Teresina, além de começar a operar o terceiro voo diário para Salvador. No fim do mês, a companhia ainda contará com dois novos voos diários, com destino a Juazeiro do Norte, ampliando suas atividades na capital pernambucana.

Para Marcelo Bento, diretor de Aliança e Planejamento da Azul, Recife é uma importante praça para a empresa, que tem uma média de 57 mil clientes transportados por mês, incluindo os que chegam na capital e os que partem dela, com 23 decolagens diárias. "Recife tem uma alta demanda de Clientes e é, sem dúvida, um mercado muito forte, tanto do ponto de vista turístico como de negócios. Com a inclusão de dois novos destinos diretos chegaremos a 14 cidades atendidas a partir do aeroporto dos Guararapes, além das várias opções de conexão em nossos hubs de Campinas e Belo Horizonte", diz o diretor.

A companhia atende atualmente aos seguintes destinos a partir do Aeroporto Internacional dos Guararapes: Aracajú, Confins (Belo Horizonte), Fernando de Noronha, Fortaleza, Rio de Janeiro (Galeão), Guarulhos, Maceió, João Pessoa, Natal, Salvador, Campina Grande e Campinas. A partir do Aeroporto de Viracopos é possível se conectar a mais de 45 destinos brasileiros.

Anac dá autorização prévia à incorporação Pantanal/TAM

28/03/2013 - Yahoo Notícias

Por Luci Ribeiro, Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) concedeu autorização prévia para a incorporação da empresa Pantanal Linhas Aéreas pela TAM Linhas Aéreas. A incorporação foi decidida oficialmente pelas duas companhias em novembro do ano passado.

A Pantanal, que opera voos regionais, foi comprada pela TAM em 2009. A decisão da Anac está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira.

Aeroporto de Guarulhos dá prejuízo de R$ 11,6 milhões em 2012

Correio do Estado - MS

DO VALOR

O Aeroporto Internacional de Guarulhos deu prejuízo de R$ 11,6 milhões entre 8 de maio e 31 de dezembro de 2012, segundo demonstrações contábeis da concessionária publicadas nesta quarta-feira (27).

É o primeiro resultado divulgado desde que a concessionária assumiu as operações do maior aeroporto do país.

A receita líquida foi de R$ 730,3 milhões, os custos de produtos e serviços foram de R$ 672,7 milhões e as despesas gerais e administrativas chegaram a R$ 77,1 milhões.

Joel Silva - 15.nov.2012/Folhapress
Novas sinalizações de Cumbica, instaladas em novembro
após a concessionária assumir a administração do aeroporto

Não há comparação com o ano anterior porque 2012 foi o primeiro nas mãos da iniciativa privada.

Segundo o relatório da administração, serão investidos aproximadamente R$ 3 bilhões em obras para a ampliação e modernização da estrutura do aeroporto até 2014.

A concessionária do aeroporto é uma sociedade de propósito específico constituída em 8 de maio pela Grupar (Aeroporto de Guarulhos Participações), com 51% de participação, e a estatal Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), com 49%.

A Grupar é formada pela Invepar (Investimentos em Participações e Infraestutura) e pela sul-africana Airports Company South Africa

Etihad inicia voos em junho (GRU/AUH) com diferenciais à bordo

26/03/2013 - Mercado & Eventos

Luciano Palumbo

Com a premissa de que a América do Sul era o continente que faltava para a Etihad Airways, a operação São Paulo (GRU) e Abu Dhabi (AUH) começa no próximo mês de junho - data ainda não está definida, mas deve acontecer até o dia 15 do mês - com três voos semanais. A bordo, diferencias como internet wi-fi (a US$25) e um chef exclusivo para primeira classe.

Segundo o vice-presidente para a América do Sul e diretor Geral para o Brasil, Juan Torres, em julho, os voos já serão diários. "A falta de equipamento não nos permitiu o inicio da frequência diária", comentou o executivo durante visita à sede paulista do M&E. Na rota, o avião utilizado será o Airbus A340-600, com 12 poltronas na primeira, 32 na executiva e 248 na econômica.

De acordo com Torres, a vontade da companhia em voar ao Brasil era antiga. "Era necessária uma rede de distribuição de voos eficientes para que houvesse o abastecimento do mercado", comentou. Hoje, segundo o executivo, apesar de existirem outros mercados na mira da companhia, o foco está no Brasil. "Vamos atender o mercado em São Paulo", comentou.

Diferenciais – "Focamos nos diferenciais para que os passageiros se sintam em casa", disse Torres. Além do diferencial da primeira classe, os passageiros da executiva terão poltronas-cama com acesso aos corredores. No caso da econômica, os pax terão acesso a sanduíches, bebidas e até sorvetes Häagen-Dazs. O voo dura em média 15 horas.

Gol tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão e vai reduzir ainda mais oferta de assentos

27/03/2013 - O Estado de São Paulo

Em dois anos, perdas acumuladas chegam a R$ 2,2 bilhões; presidente da companhia informou que a estratégia de reduzir oferta de assentos, já adotada no ano passado, vai continuar este ano e, possivelmente, será estendida também a 2014
Antonio Pita / RIO

FABIO MOTTA/ESTADÃO–11/10/2012

Demissões. Para cortar custos, a Gol já reduziu, nos últimos 4meses, 7% do seu quadro de empregados, incluindo 850 funcionários da Webjet

Com prejuízos que somam, nos últimos dois anos, R$ 2,2 bilhões, a Gol acendeu o sinal de alerta. A companhia terá, em2013,um dos anos mais difíceis desde a sua criação, em 2001. E a estratégia para tentar reverter o quadro será uma redução ainda maior de custos, que deve se refletir em revisão da malha aérea, diminuição da oferta de assentos e, em última instância, novas demissões, segundo analistas.

No ano passado, a Gol registrou prejuízo de R$ 1,512 bilhão, o dobro do registrado em 2011. A dívida total da companhia também cresceu, chegando a R$ 5,191 bilhões, 4% superior ao total do ano anterior. O cenário desfavorável na economia local, com baixo crescimento e a consequente retração do mercado de aviação civil, atingiu diretamente a companhia.

"Foi, sim, um prejuízo maior que o esperado. Não é o fim do mundo, mas acendeu a luz amarela intensa", avalia Erivelton Pires, presidente da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Transporte Aéreo (SBTA). Segundo ele, a empresa ainda precisará de "muitosmeses" para buscar rentabilidade em suas operações. "É um prejuízo difícil de recuperar."

Analistas de bancos internacionais também destacaram a piora do cenário para o grupo. Para o Bank of America Merrill Lynch, o prejuízo de R$447,1 milhões no quarto trimestre foi 114% maior que o estimado pela instituição. Já o JP Morgan manteve recomendação neutra para a Gol, justificando ainda não ter "indicação de que o cenário de demanda tenha melhorado".

Entre os fatores que contribuíram para a piora da empresa estão a depreciação do real frente ao dólar, preços mais altos de combustíveis e ainda as taxas maiores em aeroportos. A desvalorização da moeda impactou diretamente o valor dos financiamentos e o leasing de aviões, por exemplo.

"A empresa talvez consiga respirar um pouco no final do ano, com a melhora do crescimento da economia. Isso poderá significar uma redução do prejuízo, mas ela vai continuar tendo prejuízo", avalia Respício Espírito Santo, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Slots. Para os analistas, a Gol ainda sofre efeitos da compra da Webjet, em 2011. A aposta, naquele momento, seria a herança dos slots (horário para uso dos terminais de embarque) nos principais aeroportos do País. "Com o cenário ruim, os slots não fizeram valer o investimento. Foi um mau negócio", avalia Erivelton Pires. "Isso está refletido nos prejuízos."

A empresa deve apostar ainda mais fortemente na redução de custos para tentar uma recuperação, embora a margem de corte esteja cada vez menor. "Há anos as empresas já reduzem custos. Não têm mais gordura para queimar. A solução é voar com aviões maiores, cortar programas, readequar a malha. É um cenário difícil", avalia o consultor de aviação André Castellini.

A empresa deve recorrer à economia de combustível – o alto consumo das aeronaves antigas foi determinante para o encerramento das operações da Webjet, no ano passado. Outra medida será uma redução mais forte da oferta de assentos nos voos, especialmente naqueles de menor rentabilidade. "É difícil dizer se a redução da oferta será necessária somente ao longo de 2013. Mas acredito que sim, teremos a necessidade de estender ao longo do próximo ano", afirmou o presidente da Gol, Paulo Kakinoff, ao comentar os resultados do balanço.

As medidas, de acordo com o analista Erivelton Pires, podem se refletir em novos cortes de funcionários. Nos últimos quatro meses, a empresa já cortou cerca de 7% do quadro de funcionários, entre eles 850 colaboradores da Webjet, que já haviam sido demitidos e readmitidos por ordem judicial. "Redução da oferta se traduz em revisão de malha, com a desativação de aeronaves e, possivelmente,demissões. Não é tempo de alardes, ainda, mas é um período de ajuste amargo. A empresa vai ficar mais tempo demitindo sem recontratar", afirma Pires. / COLABOROU BETH MOREIRA

Embraer inaugura instalações para montagem do Super Tucano nos Estados Unidos

26/03/2013 - Folha de São Paulo

A Embraer inaugurou nesta terça-feira as instalações para montagem dos aviões Super Tucano para a Força Aérea dos Estados Unidos.

A inauguração da unidade em Jacksonville, na Flórida, contou com a presença do presidente da fabricante brasileira, Frederico Curado, e autoridades estaduais e locais.

Gol antecipou fim da Webjet para economizar com combustível
Embraer conclui projeto de cargueiro militar e vai construir protótipo

No fim de fevereiro, a Embraer venceu a norte-americana Beechcraft na disputa para fornecer 20 aviões de apoio para a Força Aérea dos EUA que serão utilizados em missões no Afeganistão.

A empresa norte-americana informou na semana passada que está processando a Força Aérea dos EUA para paralisar o contrato.

Na segunda da semana passada, o órgão responsável por auditar licitações de governo --GAO (Government Accountability Office)-- determinou a suspensão dos trabalhos de produção do avião após a Beechcraft questionar formalmente a licitação.

A medida automática foi revertida na sexta pela própria Força Aérea americana, sob o argumento de que o programa é estratégico e de interesse para a segurança nacional. A Embraer e a SNC retomaram a produção das aeronaves no mesmo dia.

Super Tucano

O processo na Justiça visa suspender o contrato enquanto o o GAO não se decidir sobre o caso --ele tem 90 dias para isso.

A Força Aérea disse que está ciente do processo da Beechcraft, mas continua confiante sobre como se deu a competição, e planeja continuar trabalhando no contrato.

IMBRÓGLIO

A fabricante brasileira de aeronaves já havia vencido um contrato inicial de US$ 355 milhões em dezembro de 2011, mas a Beechcraft entrou na Justiça e conseguiu primeiro suspender e depois anular a concorrência.

A Força Aérea americana refez o processo, aumentando as exigências --o que beneficiava a brasileira-- e o valor do contrato, e a Embraer foi novamente anunciada como vencedora.

Anteriormente conhecida como HB (Hawker Beechcraft), a empresa americana acabou de sair de um processo de concordata em fevereiro. Ela concorreu com a aeronave AT-6, que ainda está em fase de desenvolvimento.

SUPER TUCANO

O Super Tucano, por sua vez, tem mais de 180 mil horas de voo --das quais 28 mil em combate--, está em operação em nove forças aéreas da América Latina, da África e da Ásia e possui 160 unidades entregues em todo o mundo.

O novo contrato, de US$ 427,5 milhões, envolve a compra de 20 aeronaves, peças e serviços de manutenção. Os Super Tucano estão sendo construídos na fábrica da Embraer na Flórida e esta é a primeira venda da empresa brasileira para a Defesa americana.

Porto Alegre terá voo direto para Miami a partir de 19 de dezembro

25/03/2013 - G1

Confirmação foi feita nesta segunda-feira pela empresa American Airlines. As vendas das passagens devem iniciar a partir do próximo mês.
Do G1 RS


American Airlines volta a operar no Aeorporto
Salgado Filho a partir de dezembro (Foto: Reuters)

Porto Alegre terá um voo direto para Miami, nos Estados Unidos, a partir do dia 19 de dezembro. A confirmação oficial foi feita nesta segunda-feira (25) pelo diretor no Brasil da empresa aérea American Airlines, José Roberto Trinca, ao prefeito da capital, José Fortunati.

De acordo com a companhia, a operação começará com rota triangular, partindo de Miami, com escala em Curitiba, no Paraná, e chegada em Porto Alegre. O retorno de Porto Alegre para Miami será sem escalas.

Os voos terão partidas diárias, em aeronaves do modelo Boeing 767-300, com capacidade para 225 passageiros. As vendas das passagens devem iniciar no próximo mês, segundo Trinca.
"Nosso desafio agora é criar esse mercado e otimizar essa operação. Eu acredito que não teremos problemas, porque o Brasil está em evidência no mundo inteiro. Não é só por causa da Copa ou da Olimpíada, mas a quantidade de negócios e investimentos que já estão acontecendo", afirmou o diretor de vendas da American Airlines.

O secretário municipal do Turismo, Luiz Fernando Moraes, afirmou que a cidade está muito bem preparada para receber essa nova demanda e que as obras no Aeroporto Salgado Filho vão garantir a operação da American Airlines com tranquilidade.

"A Infraero já confirmou a ampliação do terminal de passageiros em 30% até a Copa, e também o aumento da pista em mil metros, nova sinalização, instalação do equipamento antineblina categoria 2 e ampliação do pátio de estacionamento em oito posições", explicou Moraes.

Aerolíneas Argentinas estreia voo direto Belo Horizonte - Buenos Aires

25/03/2013 - Jornal de Turismo

Já está disponível para venda nos GDSs, o voo AR 2267 que começa suas operações a partir do próximo dia 02 de junho.

As frequências são diárias e non stop, saindo de Confins à 01:45h e chegando ao aeroporto de Ezeiza às 05:25h. No regresso o voo AR 2266 sai de Ezeiza às 21:55h, chegando ao aeroporto de Confins à 01:05h.

Este novo produto também possibilita conexões imediatas à Oceania, EUA, Europa e todo o interior da Argentina e América do Sul.

Aviação doméstica encolhe 4% em fevereiro

26/03/2013 - Folha de São Paulo

Com uma oferta menor de assentos por parte da TAM e da Gol, a demanda do setor aéreo encolheu 4% em fevereiro. Em janeiro, o setor já havia encolhido 0,8%.

"Devemos ter crescimento próximo de zero neste ano", diz o consultor André Castellini, da Bain & Co.

A oferta de assentos vem encolhendo há seis meses, como parte da política da TAM e da Gol de tentar elevar a ocupação dos aviões para garantir mais rentabilidade.

Na contramão das líderes, Avianca e Azul ganharam mercado, com mais oferta de assentos e aumento de demanda.

A Azul cresceu 10,6% em fevereiro e, somada à Trip, já tem 16,8% do mercado. A Avianca cresceu 33% e chegou a 6,9% de participação.

Apesar de reduzir a oferta em 12%, a TAM cresceu 2,5% e encerrou fevereiro com 41,6% de participação. Já a Gol perdeu mercado, ficando com 34% -a oferta caiu 5,8% e demanda, 4,8%.

Ontem à noite, em comunicado ao mercado, a Gol divulgou que espera uma redução na oferta entre 8% e 10% no primeiro semestre.

A companhia estima fechar o ano com queda de 7% na oferta.

Já a oferta de assentos no mercado internacional teve aumento de 14,2% em fereiro em relação ao mesmo mês do ano passado.

Nas Asas da Panair

24/03/2013 - O Globo, Ancelmo Gois

Antes de decidir promover um ato sobre a finada Panair do Brasil, a Comissão da Verdade investigou, com auxílio de historiadores e pesquisadores, se realmente havia motivação política na decisão de cortar as asas da empresa em 1965 ou se o colapso foi por razões econômicas, muito comum nesse setor até hoje.

O relatório entregue à Comissão lembra que:

• A Panair pertencia aos empresários Mário Wallace Simonsen e Celso da Rocha Miranda. Os dois eram aliados de João Goulart, o presidente deposto pelos militares, e de Juscelino Kubitschek, que seria candidato a presidente se houvesse eleição como prometiam os militares. Simonsen e Miranda tinham recursos financeiros e empresas, como a TV Excelsior, que poderiam ajudar muito na campanha de JK.

• A empresa também não teria problemas de caixa. O Departamento de Aviação Civil sabia que a Panair estava fechando um acordo com a Air France, que injetaria ainda mais dinheiro na companhia e dispensaria qualquer tipo de subvenção.

• O juiz do processo de falência da Panair mandava semanalmente um relatório para o Serviço Nacional de Informações.

• Chamou atenção ainda da Comissão que a Varig estivesse preparada para voar para a Europa (até então ela só voava para os EUA) no mesmo dia em que as linhas da Panair foram cassadas. O brigadeiro João Paulo Burnier admitiu que a Varig transportou gratuitamente militares da Aeronáutica para montar o golpe de 1964.

Faz sentido.

(Márcia Vieira)

Prejuízo da Gol dobra em 2012 e chega a R$ 1,51 bilhão

29/03/2013 - Portal Uol

Leonardo Wen/Folhapress

A empresa aérea Gol teve prejuízo de R$ 1,51 bilhão em 2012, alta de 101,3% em relação ao resultado do ano anterior (quando perdeu R$ 751,5 milhões).

O resultado, segundo a empresa, reflete o momento "desafiador" pelo qual passam as empresas aéreas, principalmente com a alta no preço do combustível.

A desvalorização de 17% do real em relação ao dólar, além do baixo crescimento da economia brasileira em 2012, também foram apontados como responsáveis pelo prejuízo da empresa.

No 4º trimestre, a Gol teve um prejuízo líquido de R$ 447,1 milhões, ante lucro líquido de R$ 54,3 milhões um ano antes.

A Gol também informou que, com o objetivo de elevar a receita por passageiro (rask) em pelo menos 10% e retomar as margens operacionais, reduzirá a capacidade doméstica em entre 8% e 10% no primeiro semestre de 2013 e em cerca de 7% no ano fechado, ante os níveis de 2012.

Webjet
A companhia aérea afirmou ter contabilizado no balanço do quarto trimestre custos adicionais de R$ 197 milhões referentes ao fim das operações da Webjet e a provisões para perda com ativos.

Em novembro, a empresa anunciou o encerramento das atividades da WebJet, comprada pela Gol em 2011, com a demissão dos 850 funcionários.

(Com Reuters)

Panair: governo teria causado falência

26/03/2013 - Folha de São Paulo

FÁBIO GRELLET - Agencia Estado

RIO - Documentos reunidos pelo empresário Rodolfo da Rocha Miranda, filho de Celso da Rocha Miranda (1917-1986), um dos dois donos da companhia aérea Panair do Brasil, indicam que a falência da empresa, decretada em 1965, resultou de perseguição do governo militar (1964-1985). Os alvos eram Celso e seu sócio Mario Wallace Simonsen, ligados a Juscelino Kubitschek, presidente da República de 1956 a 1961 e posteriormente opositor da ditadura instalada após o golpe militar que derrubou o presidente constitucional, João Goulart, chefe de Estado de 1961 a 1964.

Quando a empresa pediu concordata, o governo instituiu um decreto que impedia empresas aéreas de usar esse instrumento legal. Foi então decretada a falência da Panair. Depois, quando a empresa conseguiu pagar seus credores e, por lei, poderia voltar a operar, o governo criou novo decreto impedindo empresa aérea que houvesse falido de retomar os voos. Relatórios do governo indicam que a Panair não era insolvente e operava sem irregularidades.

Rodolfo obteve os documentos em 2012, com base na Lei de Acesso à Informação, e os encaminhou à Comissão Nacional da Verdade (CNV), que ontem promoveu uma audiência pública no Rio de Janeiro para debater o caso. É o primeiro caso de empresa supostamente prejudicada pela ditadura a ser discutido pela CNV.

Segundo Rosa Cardoso, integrante da comissão, mesmo se ficar demonstrado o prejuízo causado aos empresários, a investigação não vai gerar responsabilização criminal de ninguém, devido à Lei de Anistia, de 1979. Rodolfo, de 63 anos, afirma que não pretende pedir ressarcimento. "A intenção não é cobrar o prejuízo. Quero apenas que o Estado reconheça que a falência da Panair não foi culpa de seus donos, mas sim uma manobra da ditadura", disse.

A Panair era a maior companhia aérea brasileira, com 5.000 funcionários, quando teve suas licenças de voo cassadas pelo governo militar, em 10 de fevereiro de 1965, sem nenhum aviso prévio. As rotas foram distribuídas às demais companhias, principalmente à Varig. Cinco dias depois, foi decretada a falência da Panair, sob o argumento de que a empresa estava em grave situação econômica e isso representaria risco à segurança dos voos. Essa situação nunca foi comprovada.

Simonsen morreu 37 dias após a decretação da falência. Rocha Miranda discutiu o caso na Justiça até morrer, em 1986. A falência foi extinta em 1995, quando a empresa pode ser reaberta. Hoje ela é dirigida por Rodolfo, mas seus únicos contratados são advogados que ainda discutem judicialmente o caso. Ele cogita contar a história da Panair por meio de uma minissérie.

US Airways: voo Charlotte-São Paulo chega no dia 9 de junho

25/03/2013 - Mercado & Eventos, Rafael Massadar

O novo voo de São Paulo (GRU) para Charlotte, nos Estados Unidos, da US Airways, chega no dia 9 junho no Brasil. Este é o segundo voo da companhia na América do Sul – a aérea opera a rota entre Rio de Janeiro e Charlotte.

A US Airways vai operar a nova rota com Boeing 767-200, com capacidades para 18 assentos na classe executiva e 186 na classe econômica. "O voo chega a São Paulo às 4h30 e vai partir em direção ao Estados Unidos às 5h50. Talvez em outubro, vamos modificar a aeronave para um Airbus", antecipou ao MERCADO & EVENTOS, o diretor de vendas do Rio de Janeiro da US Airways, Rogéro Schaffer.

De acordo com o executivo, o horário tão matutino é devido a um problema de slot. "Vamos tentar melhorar essa questão em breve", disse Rogéro Schaffer. Ainda de acordo com ele, a nova fraquência melhora a opção dos passageiros e agentes. "O voo amplia nosso mercado para todo o Brasil", comemora.

Jato Phenom 300 da Embraer estabelece três recordes de velocidade

27/03/2013 - Press Realese

​Melbourne, Flórida – 28 de março de 2013 – O jato Phenom 300 da Embraer estabeleceu, recentemente, três recordes de velocidade para jatos executivos na categoria light, nos Estados Unidos, ao voar entre a Unidade da Empresa, localizada no Aeroporto Internacional de Melbourne (MLB), na Flórida, e o aeroporto de Daugherty Field (LGB) em Long Beach, na Califórnia, com apenas uma parada para reabastecimento.

No primeiro trecho, a aeronave percorreu a tradicional rota entre Melbourne e o Aeroporto Internacional de El Paso (ELP), no Texas. Em seguida, conquistou outra marca inédita na segunda etapa da viagem entre ELP e Long Beach, enquanto o terceiro feito inusitado se refere ao percurso total leste-oeste dos EUA, entre as cidades de Melbourne e Long Beach. Após toda esta trajetória percorrida, o avião ficará em exposição estática e fará voos de demonstração na Califórnia.

"Esses recordes confirmam a velocidade, eficiência e disponibilidade do Phenom 300", disse Robert Knebel, Diretor de Vendas para a América do Norte da Embraer – Aviação Executiva. "Oferecer aos nossos clientes a possibilidade de realizar uma ampla gama de missões, mesmo para viagens de longas distâncias, como costa a costa nos Estados Unidos, foi sempre um dos objetivos do Phenom 300. Alcançar esse resultado evidencia tal capacidade, ainda mais depois de enfrentar os fortes ventos do oeste. Nossa meta era atingir essa conquista pioneira sob condições adversas para enfatizar a velocidade, o alcance e a agilidade proporcionada pelo sistema de reabastecimento de ponto único."

Sob a responsabilidade dos comandantes Richard Brimer, Doug Owenby e Pierce Brooks, o primeiro Phenom 300 produzido pela Embraer nos EUA decolou às 16h43min e levou 4h16min para percorrer os 2.555 km até El Paso, a uma velocidade média de 611 km/h e ventos contrários de 185 km/h. Após o breve reabastecimento, que durou 27 minutos, a aeronave decolou às 21h26min para completar a missão. O Phenom 300 pousou em Long Beach depois de percorrer 1.124 km, às 23h21min num tempo de viagem de 1h55 min, com velocidade média de 630 km/h e ventos opostos de 185 km/h. No total, o recorde conquistado pelo Phenom 300 entre as rotas MLB-ELP-LGB é de 6h11min, ao longo de 3.680 km. A marca anterior era de 6h38 min a uma velocidade média de 611 km/h.

A Embraer vai solicitar o reconhecimento dos recordes de velocidade para voos de leste a oeste (Melbourne para Long Beach), velocidade entre a tradicional rota Melbourne e El Paso e de velocidade entre El Paso e Long Beach. Esses resultados surpreendentes aguardam a certificação final do U.S. National Aeronautic Association, órgão responsável por certificar todos os recordes estabelecidos nos EUA.

Apontado pela mídia especializada entre os 15 mais revolucionários jatos executivos de todos os tempos, o Phenom 300 tem a maior cabine de passageiros de sua classe. Com capacidade para até 11 ocupantes, a aeronave possui o melhor desempenho de decolagem e performance de pista. Ele foi desenvolvido para reduzir em 15% o custo de operação, além de oferecer o melhor alcance e velocidade. O Phenom 300, como todos os jatos executivos da Embraer, instituiu um novo patamar para a categoria light e já recebeu diversos prêmios internacionais de design e inovação.

sábado, 23 de março de 2013

Empresa aérea Azul pode ampliar negócios no Tocantins

20/03/2013 - Conexão Tocantins

Os representantes da empresa aérea Azul estiveram reunidos com o secretário da Sedecti – Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Paulo Massuia, nesta quarta-feira, 20, em busca dos benefícios do programa Prologística, que tem por finalidade contribuir para o desenvolvimento do Estado mediante o estímulo às atividades de transporte, armazenagem e distribuição de mercadorias.

A Azul deseja obter os incentivos deste programa, que estimula a empresa aérea interessada, assim como operadora de logística, que precisa operar em centros logísticos ou distritos empresariais, com atividades de transporte de carga, agenciamento e armazenamento de mercadoria, própria ou de terceiro, destinada à distribuição.

Os executivos adiantaram que estão realizando estudos de viabilidade econômica para expandir as operações da empresa no Estado. "Este programa, Prologística, nos interessa muito e a empresa Azul busca esta parceria com o Governo do Estado", disse o gerente de relações institucionais da Azul, Ronaldo Veras.

O secretário Paulo Massuia durante a reunião apresentou os programas de incentivo do Governo e destacou a posição privilegiada do Tocantins no cenário nacional. "Temos uma excelente localização geográfica, além de programas que incentivam as empresas se instalarem aqui. O Tocantins é hoje um Estado com ótimas oportunidades para receber as empresas que desejam expandir seus negócios", destacou Massuia para os executivos.

Empresa Azul

Com mais de três anos desde sua criação, a Azul e a Trip assinaram acordo de associação que, se aprovado, será a terceira empresa da aviação brasileira a se consolidar no mercado brasileiro. Juntas, Azul e Trip somam121 aeronaves, 840 voos diários, 100 destinos atendidos e aproximadamente15% do mercado doméstico.
Hoje, com quase 10% de participação, consolida-se como a terceira maior companhia aérea do País. A empresa atingiu recordes mundiais e conquistou alguns dos melhores índices do setor de aviação brasileira. A malha aérea construída em aproximadamente 3 anos, sendo a frota estratégica composta de 69 E-Jets e 47 ATRs, totalizando 116 aeronaves.

Prologística

Os incentivos fiscais do Prologística são concedidos pelo período de até dez anos, e compreendem, em referência ao ICMS: crédito presumido de 75%, nas prestações interna e interestadual, para a empresa operadora de logística e a de transporte aéreo de carga, aplicado sobre o saldo devedor do ICMS decorrente das prestações realizadas e condicionado ao recolhimento do imposto devido; a redução da base de cálculo, de forma que resulte em carga tributária efetiva de 3%, nas saídas internas de combustível de aviação destinado aos vôos regulares saindo de aeroporto do Tocantins para outro nas Regiões Norte e Nordeste, desde que a abastecedora conceda o desconto equivalente ao imposto dispensado e indique o valor descontado no respectivo documento fiscal. (Ascom SIC)

Azul faz voo inaugural em Pelotas

20/03/2013 - Zero Hora

Voo foi recebido com festa na tarde desta terça-feira

63 passageiros participaram do voo inaugural
Foto: Janine Tomberg / Divulgação

Levando 63 passageiros, o voo inaugural da Azul/Trip em Pelotas foi realizado nesta terça-feira. A aeronave ATR 72 da Trip saiu de Porto Alegre às 13h42min, e chegou ao sul do Estado às 14h30min. A prefeitura da cidade preparou uma recepção especial, que contou com o prefeito Eduardo Leite, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo da cidade, Fernando Estima e a corte da Fenadoce. Foram oferecidos doces e lembranças aos viajantes.

As negociações para o início das operações da empresa duraram mais de um ano e envolveram prefeitura, Infraero e a Azul.

— A operação em Pelotas, aliada às melhorias que estão previstas em diversas vias que dão acesso ao aeroporto, deverá colocar o município na rota do desenvolvimento — afirmou Eduardo.

Por enquanto, a Azul/Trip está operando com um voo diário de Pelotas para a capital, às 15h10min, e de Porto Alegre para Pelotas às 13h42min. Outros voos deverão ser disponibilizados até o final do mês. Eles funcionarão às 00h50min e às 5h05min e devem começar assim que os 17 bombeiros da Brigada de Incêndio estiverem treinados.

Nos próximos dias, a Azul deverá anunciar um serviço de transporte rodoviário até Rio Grande, destinação final de mais da metade dos passageiros, de acordo com levantamento inicial. Além da Azul, a NHT oferece os voos à capital gaúcha partindo do aeroporto de Pelotas.

A empresa disponibiliza, também, opções de conexão direta a partir do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre: Campinas, Belo Horizonte (CNF), Rio de Janeiro (GIG e SDU), Chapecó, Londrina, Curitiba e Navegantes.

ZERO HORA

Entrada de mais uma companhia aérea já reflete na queda dos preços

20/03/2013 - Folha de Boa Vista

ALEXSANDRA SAMPAIO
alexsandra.sampaio@gmail.com

Foto: Divulgação

O primeiro voo da companhia partindo de Boa Vista está marcado para o dia 04 de abril

Em economia a lei mais conhecida para explicar a queda e o aumento de preços de bens e serviços é lei da oferta e da procura. Esta norma aponta que quanto maior é a oferta de um produto, o seu preço tende a baixar. Já quando a procura é maior que a oferta, geralmente, o que acontece é o preço aumentar.

E os consumidores boa-vistenses estão levando a melhor agora que mais uma companhia aérea resolveu operar com voos para a capital de Roraima. Entra em operação no próximo mês de abril a companhia aérea Trip Azul, com dois voos diários para Manaus.

Mesmo antes de começar a voar com seus turboélices ATR 72 para Boa Vista, o anúncio e a venda das passagens - pela internet e nas agências de viagens da cidade, já estão influenciando na queda de preços das passagens vendidas pelas outras companhias que já operavam para Roraima: TAM e GOL.

Até o mês de fevereiro passado, era possível comprar passagens para Manaus com preços que variavam entre R$ 280,00 a R$ 832,00. Com a chegada da Trip Azul, até o mês de dezembro de 2013 os preços das passagens nas companhias TAM e GOL não ultrapassam os R$ 238,00. O valor mais em conta está com o mesmo valor da passagem vendida pela TripAzul: R$ 210,32.

Além do preço mais em conta, o boa-vistense passa agora a contar com dois voos em horários alternativos, diferentes dos que já estão acostumados a enfrentar que são aqueles que saem de Roraima durante a madrugada.

O horário de partida do primeiro voo do dia pela TripAzul é às 10h30 da manhã. O segundo voo da companhia será às 21h20. "Ou seja, agora quem quiser passar um final de semana em Manaus pode sair daqui à noite de sexta e voltar no domingo sem perder uma diversão e nem mesmo atrapalhar o trabalho", comemora a funcionária pública Maria Paula Rodrigues.

Além disso, aquelas pessoas que porventura estiverem com problemas de conexão em outras companhias, o que mais acontece em vésperas de feriados prolongados e nos períodos de férias, poderão optar pelo voo que sai daqui pela TripAzul e fazer conexão em Manaus para outros lugares do país.

"A partir de Manaus, é possível realizar conexões para: Porto Velho, Campinas (São Paulo), Confins (Belo Horizonte), Parintins, Tabatinga, Santarém, Belém, Coari, Tefé, Eirunepé, Santa Isabel Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira e Barcelos", informou a assessoria de imprensa da companhia.

O passageiro pode ainda optar por comprar o restante da passagem em outra companhia aérea a partir de Manaus, como observa o empresário de agencia de viagens, Odemir Júnior. A reportagem da FolhaWeb fez uma consulta de opções de outros lugares que podem ser destinos a partir de Manaus como Brasília, com preços a partir de R$ 700,00 ida e volta por Manaus, além de João Pessoa por R$ 1.376,84.

A passagem de avião pela TripAzul de Boa Vista para Manaus está sendo vendida ao preço promocional de 99,00 em todas as agências de viagens que já fizeram convênio com a companhia. O avião da Trip tem uma capacidade para 70 passageiros.

Segundo o representante da companhia em Roraima, Lucas Frade, toda a estrutura física da TripAzul - tanto para as posições de checkin como a loja para venda de passagens, será montada no aeroporto até a próxima semana. A chegada de mais uma companhia aérea para Roraima resultará em uma geração de 10 empregos diretos. w3

Mercado de aviação dobrará de tamanho até 2020, prevê Associação Brasileira das Empresas Aéreas

22/03/2013 - DCI

O mercado de transporte aéreo pode dobrar até 2020, atingindo 211 milhões de passageiros, 976 aeronaves e 795 rotas domésticas, segundo o estudo Aviação Brasileira - Agenda 2020, divulgado nesta quinta-feira pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) e realizado pela consultoria Bain & Company..

Mas para isso a Abear aponta que são necessários até R$ 93 bilhões em investimentos, seja por parte das companhias aéreas, com renovação de frotas e tecnologia, seja na melhoria da infraestrutura aeroportuária, além de potenciais alterações referentes ao preço dos combustíveis e à regulação do setor.

Do montante total de investimentos estimados, entre R$ 26 bilhões e R$ 36 bilhões se referem a investimentos privados. A Abear aponta que até 526 aeronaves seriam adicionadas à frota atual de 450 aviões. Além disso, os recursos contemplam investimentos em aprimoramento aos canais de atendimento aos consumidores, como terminais de autoatendimento, e tecnologia para melhoria da gestão operacional e segurança de voo.

Já os investimentos públicos são estimados entre R$ 42 bilhões e R$ 57 bilhões, e serão destinados principalmente à ampliação de aeroportos e construção ou reativação de outros 73, passando de 96 aeródromos para 169 em 2020. Também estão previstos investimentos na modernização e expansão do sistema de controle de tráfego.

O estudo foi apresentado na semana passada à presidente Dilma Rousseff pela Abear, que sugeriu a abertura de uma mesa permanente de diálogo para debater temas e metas ligados ao setor, com representantes da Casa Civil, Secretaria de Aviação Civil, Ministérios da Justiça, Fazenda e Indústria e Comércio, além da associação. Segundo o presidente da entidade, Eduardo Sanovics, a proposta foi bem recebida pelo governo. A expectativa do executivo é de que a primeira reunião aconteça em abril.

Menores

As companhias aéreas associadas da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) de menor participação de mercado (Avianca, Azul e Trip) estão aumentando sua presença perante os demais membros da entidade, as líderes TAM e Gol. Na comparação dos dados referentes ao mês de fevereiro de 2012, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e fevereiro de 2013, a participação conjunta das três empresas, medida em passageiros-quilômetros pagos (RPK), passou de 20,8% para 23,8%.

"Isso confirma a tendência de menor concentração no mercado e de avanço do transporte regional que já havíamos observado antes. A variação de 3%, ou de mais de 230 milhões de passageiros-quilômetros pagos, corresponderia a algo como a entrada de uma nova companhia com aproximadamente metade do tamanho da Avianca no cenário", diz o consultor técnico da Abear, Adalberto Febeliano.

Na avaliação mês a mês de 2013, os dados de fevereiro apontam queda para oferta, demanda, taxa de ocupação e passageiros embarcados, ante a janeiro. O resultado era esperado, uma vez que o segundo mês do ano tem três dias a menos em relação ao primeiro. Dessa forma, a Indústria produziu 8,7 bilhões de assentos-quilômetros (queda de 14,5%), dos quais 6,3 bilhões foram utilizados pelos passageiros (diminuição de 22,3%), resultando num fator de aproveitamento de 72,06%, 7,3% abaixo do obtido em janeiro. O total de passageiros transportados chegou a 5,4 milhões, redução de 16,7%, dos quais 34,6% voaram na TAM, 32,6% na Gol, 16,3% na Azul, 8,4% na Trip e 8,2% na Avianca.

Balcão de negócios no Santos Dumont

21/03/2013 - O Globo

Terminal carioca receberá o 2º de oito escritórios que funcionarão em aeroportos para atrair investidores

Flávia Oliveira
NEGÓCIOS & cia

A Infraero abre amanhã, no Aeroporto Santos Dumont, o segundo de oito escritórios de negócios previstos para terminais brasileiros. A intenção é abrir um canal de informações com investidores e divulgar as oportunidades de negócios nos aeroportos do país. A primeira unidade entrou em operação em abril de 2012, em Salvador. Até o fim do ano, virão instalações semelhantes em Congonhas (SP), Porto Alegre, Recife, Curitiba, Fortaleza e Belém. Os escritórios terão atendimento bilíngue, de olho do tráfego de executivos estrangeiros. Vão apresentar aos investidores regras para participação em licitações da Infraero, espaços e atividades disponíveis para concessões. Hoje, os dados estão disponíveis na internet, mas sem contato direto com os consultores comerciais que estarão nos aeroportos. Como parte do plano de modernização e expansão dos aeroportos nacionais, a Infraero tem uma carteira de projetos para o setor privado. O Santos Dumont, em janeiro, licitou área de 4.785 metros quadrados, para abrigar um complexo de hotel e centro de convenções. Haverá concessão de lojas, no próprio terminal, e de espaços comerciais e hotéis, em outros aeroportos.

R$ 270 MILHÕES
É o valor da concessão para instalar e explorar, por 25 anos, hotel e centro de convenção nos velhos
prédios da Varig e da Vasp, perto do Santos Dumont. O contrato com a GJP será assinado em abril.

Anac volta a liberar aviões de grande porte no aeroporto de Caxias

21/03/2013 - Correio do Povo

Liberação do terminal é válida até 2 de abril

O Aeroporto Hugo Cantergianni de Caxias do Sul voltou a operar sem restrições na tarde desta quinta-feira, depois da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) ter reduzido a categoria de combate a incêndio do terminal, de 5 para 3. Medidas foram tomadas para normalizar a situação e o órgão federal revogou a decisão anterior, pelo menos até 2 de abril.

Aviões de grande porte já podem pousar no aeroporto. As empresas áereas haviam cancelado todos os voos com aeronaves com mais de 70 assentos e os passageiros com saída prevista para a manhã e o início da tarde foram deslocados a Porto Alegre.

Obras de ampliação do Aeroporto de Fortaleza avançam

20/03/2013 - Infraero

Os trabalhos para a reforma e ampliação do terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de Fortaleza/Pinto Martins (CE) avançam em ritmo acelerado. Até o final de fevereiro, a obra já tinha 16,75% de execução total. Nas intervenções, que contemplam também a expansão do pátio de aeronaves, construção de pátio remoto, novo acesso viário, centro de manutenção e subestação energia de 69kv, estão sendo investidos R$ 347,7 milhões.

Os serviços contam com 760 profissionais, operando em dois turnos e em diversas frentes. Uma delas é a construção do pátio remoto de aeronaves, que será a primeira intervenção do empreendimento a ser entregue, a tempo para a Copa das Confederações. Já os serviços do terminal de passageiros foram divididos em duas fases. A primeira, atualmente em curso, tem prazo de conclusão previsto para dezembro de 2013 e ampliará a capacidade operacional do aeroporto para 8,6 milhões de passageiros por ano, com uma área total de 90,3 mil m² em comparação com os 38,5 mil m² atuais. O pátio de aeronaves também será ampliado de 52,9 mil para 57,7 mil m².

A segunda etapa dos trabalhos no Pinto Martins, por sua vez, tem conclusão prevista para 2017. Após a finalização de todos os serviços, o terminal terá uma área de 133,8 mil m², com capacidade operacional de 11,2 milhões de passageiros/ano. Em equipamentos, o aeroporto, ao longo das duas etapas, receberá 40 novos balcões de check-in, seis novas escadas rolantes, 12 elevadores, cinco esteiras de restituição de bagagens, 17 pórticos de raios-x e nove pontes de embarque.

"A Infraero está acompanhando atentamente o desenvolvimento da obra para manter o bom ritmo dos trabalhos, que cresce continuamente", pontuou Wellington Santos, superintendente de Fortaleza.



Outros investimentos

Nos últimos anos, a Infraero cumpriu diversos investimentos para aprimorar a infraestrutura do Pinto Martins. Em 2010, por exemplo, foram entregues a nova torre de controle, um investimento de R$ 24 milhões, e o terminal de cargas (Teca) internacional, no qual foram investidos R$ 39 milhões. Em 2012, foram concluídas as obras de recapeamento asfáltico da pista de pousos e decolagens do aeroporto, um investimento de R$ 8,6 milhões que aperfeiçoou a segurança das operações de pouso e decolagem no terminal. Todas essas melhorias visam ao conforto e segurança dos usuários do aeroporto cearense.


Assessoria de Imprensa - Infraero
imprensa@infraero.gov.br
www.twitter.com/canalinfraero

Avianca prevê crescer no mínimo 30% no país

21/03/2013 - Valor Econômico

Bruno Peres

Efromovich, da Avianca, negou que busque apoio do
governo brasileiro para avançar nas negociações para comprar a TAP

O presidente da Avianca Brasil, José Efromovich, disse ontem que a companhia espera um crescimento "de no mínimo" 30% para 2013, após ter transportado, em 2012, mais de 5 milhões de passageiros, o que representa, segundo ele, crescimento de 84% ante 2011. Em 2013, a expectativa alcança mais de 6 milhões de passageiros.

A declaração foi dada ontem por Efromovich na chegada ao Palácio do Planalto para uma reunião na Casa Civil, segundo ele, de caráter institucional.

Na avaliação do executivo, "se o mercado explodir", a companhia tem "uma grande vantagem", que é a possibilidade de deslocar para o Brasil aviões que estejam designados para atendimento em outros países da América do Sul, como Equador, Peru e Colômbia. A Avianca Brasil faz parte do grupo Avianca-Taca, com operações em diversos países da América Latina.

"O mercado brasileiro é importante e se tiver oportunidade, não temos nenhum receio", disse Efromovich. Ele negou que a companhia busque apoio do governo brasileiro para avançar nas negociações para a compra da portuguesa TAP. O governo português adiou o processo de privatização da TAP em dezembro, após ter negado oferta do grupo Synergy, controlador da Avianca.

Reportagem publicada pelo jornal "Folha de S.Paulo" no dia 9 de março informou que a Avianca teria decidido pedir ajuda ao governo brasileiro para uma nova investida na TAP e não estaria descartada uma ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"Está zerado isso, o processo de aquisição. Não por nós, mas pelo governo português. Lamentavelmente, mas está zerado", disse Efromovich. Ele negou a possibilidade de ajuda do BNDES. "Não é o nosso objetivo, não precisamos do BNDES. Não estou nem sendo arrogante, porque nós equacionamos o financiamento com uma estrutura no exterior", disse. "Temos outros financiamentos com o BNDES, mas zero TAP, zero aviação".

Segundo ele, "mais que interesse", a companhia tem "curiosidade" em saber a decisão do lado português. "Não sabemos se eles querem vender", disse.

"Hoje, não sei [quando o edital será publicado]. Naquela ocasião tinha total interesse. Vínhamos em um processo firme, investimos bastante. Hoje temos um interesse, mas, mais que interesse, curiosidade em saber o que eles querem fazer, porque não sabemos se eles querem vender", disse Efromovich.

Aeroporto de Manaus encerra temporada de operações back-to-back

18/03/2013 - Jornal de Turismo

O Aeroporto Internacional de Manaus/Eduardo Gomes (AM) encerrou na última sexta-feira (15/3) a temporada 2012-2013 de operações back-to-back, que correu entre os meses de novembro e março. A operação consiste na utilização, de forma integrada, dos diferentes modais de transporte (marítimo, fluvial, terrestre e aéreo) para a movimentação dos passageiros.

Ao todo, foram realizadas cinco operações com 52 voos das empresas Condor, Air Berlin e Monark. No total, foram movimentados cerca de 14 mil turistas de países como Alemanha, Holanda, Estados Unidos e República Dominicana. Em cada operação, a Infraero disponibilizou dez balcões de check-in para o atendimento dos passageiros, mobilizando também 15 funcionários de diversas áreas da empresa.

O gerente de Operações do Eduardo Gomes, Manoel Aguinelo de Sá, comemorou o trabalho realizado. "Essa temporada foi um sucesso. O nome da Infraero foi elogiado pelo planejamento e comprometimento do atendimento durante as operações", afirmou.

O superintendente do aeroporto, Aldecir Lima, por sua vez, pontuou que operações como esta são uma preparação para a Copa de 2014. "A coordenação das tarefas entre os órgãos que atuam no aeroporto e a Infraero comprovam que operações de grande porte como esta podem ser feitas com pleno sucesso. Este é um bom teste para o período da Copa em Manaus", disse.

TAM lidera setor aéreo com 41,89% de participação, aponta Abear

21/03/2013 - G1

Segundo associação, dados mostram tendência de menor concentração. Participação da Avianca, Azul e Trip subiu de 20,8% para 23,8% em 1 ano.
Do G1, em São Paulo

A TAM manteve a liderança no mercado brasileiro de aviação em fevereiro com uma participação de 41,89%, seguida pela Gol, com 34,27%, de acordo com balanço divulgado nesta quinta-feira (21) pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). A Azul ficou em terceiro lugar, com 11,73% e sua recém adquirida Trip, com 5,16%. Já a Avianca teve 6,94%.

Apesar de TAM e Gol responderem, juntas, por 76,16% do mercado, a Abear destaca que cresceu a participação de mercado das aéreas de menor. Segundo a associação, em um ano, Azul/Trip e Avianca aumentaram sua participação de mercado em 3 pontos porcentuais, passando de 20,8% em fevereiro de 2012 para 23,8% no mês passado.

"A variação de 3%, ou de mais de 230 milhões de passageiros-quilômetros pagos, corresponderia a algo como a entrada de uma nova companhia com aproximadamente metade do tamanho da Avianca no cenário", afirma o consultor técnico da Abear, Adalberto Febeliano.

A associação destaca que no período de um ano foi registrado um aumento da oferta dessas três empresas: Segundo a Abear, a Avianca elevou a sua oferta em 25,2%, Azul em 9,39% e Trip em 2%. Ainda segundo o balanço, Tam e Gol reduziram sua oferta, respectivamente, em 11,9% e 5,9%. A oferta total no período foi reduzida em 5,3%.

Demanda por voos domésticos cresce 3% em fevereiro
O fluxo de passageiros transportados em voos domésticos pelas cinco maiores companhias aéreas brasileiras registrou crescimento de 3% em fevereiro, na comparação anual, segundo a Abear.

O fluxo de passageiros transportados em voos domésticos pela Gol teve recuo de 4,8% em fevereiro ante de igual mês de 2012. A TAM registrou expansão de 2,5% nesse indicador, na mesma base de comparação. A capacidade de oferta de assentos da Gol e da TAM mostrou redução de 5,9% e 11,9%, respectivamente, no mês passado, ante o mesmo período de 2012.

A taxa média de ocupação dos aviões, por sua vez, ficou em 72,06% em fevereiro, aumento de 1,46 ponto percentual em relação a fevereiro de 2012.

Número de passageiros em voos domésticos cresce 3% em fevereiro

21/03/2013 - Folha de S.Paulo

DO VALOR

O fluxo de passageiros transportados em voos domésticos pelas cinco maiores companhias aéreas brasileiras registrou crescimento de 3% em fevereiro, na comparação anual, informou nesta quinta-feira a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), integrada por Avianca, Azul/Trip, Gol e TAM.

O fluxo de passageiros transportados em voos domésticos pela Gol teve recuo de 4,8% em fevereiro ante de igual mês de 2012. A TAM registrou expansão de 2,5% nesse indicador, na mesma base de comparação. A capacidade de oferta de assentos da Gol e da TAM mostrou redução de 5,9% e 11,9%, respectivamente, no mês passado, ante o mesmo período de 2012.

De acordo com a Abear, a oferta media de assentos das suas associadas mostrou recuo de 5,3% no mês passado em relação ao mesmo período de 2012.

A taxa média de ocupação dos aviões, por sua vez, ficou em 72,06% em fevereiro, aumento de 1,46 ponto percentual em relação a fevereiro de 2012.

Com subsídios e reforma de aeroportos, aéreas regionais querem voltar a crescer

22/03/2013 - O Estado de S.Paulo

Brasil tem hoje quatro companhias aéreas puramente regionais que, juntas, têm apenas 1% do mercado; caso a ajuda oficial se confirme, empresas que saíram do mercado ou estão em recuperação judicial, como a Passaredo, dizem ter chance de ganhar espaço
Marina Gazzoni

PIERRE BARTHE

Saída.Incentivo à aviação regional pode ser forma de viabilizar operação da Passaredo, que está em recuperação judicial

A concessão de subsídios para companhias aéreas que realizarem voos regionais e a reforma de aeroportos no interior devem incentivar o retorno de empresas que pararam de voar e a expansão da frota das companhias menores. O governo anunciou em dezembro um pacote de incentivo à aviação regional que prevê desembolso de até R$ 1 bilhão em subsídios e investimentos de R$ 7,3 bilhões na reforma de 270 aeroportos.

As medidas ainda estão em análise pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), mas já provocaram uma agitação entre as empresas. Voam hoje no Brasil apenas quatro companhias puramente regionais – a gaúcha Brava (antiga NHT), a paulista Passaredo, a goiana Sete e a amazonense MAP, que estreou no mercado neste mês.Essas empresas, juntas, somam menos de 1% dos voos nacionais.

A Azul/Trip faz tanto rotas regionais quanto voos entre capitais. Gol, TAM e Avianca voam para algumas cidades do interior,mas seu foco são as rotas de alta demanda.

O aumento de custos no setor levou dez companhias a suspender os voos desde 2010 (veja ao lado). Mas, se o plano do governo sair do papel, ao menos duas delas querem voltar ao mercado. A baiana Abaeté, que suspendeu os voos em 2012 após registrar prejuízo mensal de R$ 100 mil, tem nove aeronaves paradas esperando o projeto sair do papel. "São voos deficitários, que só se viabilizam com subsídios. Se tiver subsídio, vamos voltar", diz Tiago Tosto, diretor de operações da empresa.

Outra que pretende retomar os voos é a paranaense Sol, que parou em 2011. "A reforma dos aeroportos é mais importante do que o subsídio", diz o dono da empresa, Marcos Solano.

O pacote do governo também deve estimular novos empresários a entrar no setor aéreo. "Voltei a ser procurado por grupos que atuam no setor rodoviário interessados em abrir uma empresa aérea. Isso tinha parado nos últimos anos", ressalta o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), Apostole Chryssafidis.

Investimentos. A Sete Linhas Aéreas estava em plena fase de reavaliação de sua malha quando o governo anunciou o pacote de incentivo à aviação regional. A companhia, que leva 7,5 mil passageiros por mês para 18 cidades das regiões Norte e Centro oeste, preparava-se para abandonar as rotas menos rentáveis. "Com o subsídio, muitos voos deficitários vão se viabilizar. Vamos manter a malha e ampliar os destinos atendidos", afirma o diretor comercial da Sete, Décio Marmo de Assis.

A companhia também vai brigar por um espaço no Aeroporto de Congonhas para fazer voos para Goiás e para o sul de Minas Gerais. Uma das propostas em estudo no governo é redistribuir os slots (horários de pouso ou decolagem) no aeroporto paulista – e um dos critérios deverá ser a oferta de rotas regionais.

"Se esse projeto sair do papel, nosso plano de operar com aviões maiores será acelerado", diz Assis. Hoje, a empresa voa com dois Embraer 120 Brasília, com 30 lugares, e cinco Cessna 208 Caravan, com nove lugares.

Outra que deve correr para comprar aviões maiores se o projeto for aprovado é a Brava, que voa com quatro aviões LET, de 19 lugares. "O subsídio para rotas regionais será ótimo, mas mais importante será ganhar mais slots em Congonhas. O empresário do interior também quer descer em Congonhas", diz Jorge Barouki, presidente da empresa. A Brava já faz um voo semanal de Congonhas para Curitiba, mas deve alterar o voo para São Carlos (SP).

Recuperação. O presidente da Passaredo, José Felício Filho, diz que a abertura de Congonhas e a concessão de subsídios podem ajudar a empresa a se reerguer – ela está em recuperação judicial desde o ano passado. "O subsídio reduz o (nosso) risco ao entrarmos em novos mercados e permite estimular a demanda com tarifas menores."

A novata MAP voa apenas de Manaus para Parintins, mas tem interesse em atender a 12 cidades da região Norte. "Todas têm alguma restrição no aeroporto", diz o presidente da empresa, Marcos Pacheco. Para ele, a reforma de aeroportos no interior vai viabilizar a expansão da malha e voos para cidades ainda não atendidas por linhas regulares.

PARA LEMBRAR

Pequenas param de voar A competição acirrada e o aumento de custos no setor aéreo tirou do mercado brasileiro dez empresas desde 2010. A suspensão das atividades das pequenas empresas provocou uma diminuição no número de municípios atendidos por voos regulares no País. Em 2012, apenas 122 cidades receberam voos, dez a menos que no ano anterior.

Em 2010, deixaram o mercado nomes como Air Minas, Cruiser, Rico e Pantanal, comprada pela TAM. No ano seguinte, foi a vez de Sol, Puma, Meta e Noar – a dona do avião que caiu em Recife em 2011 – suspenderem seus voos. No ano passado, Abaeté e Team encerraram a oferta de linhas regulares.

Neste ano, duas novas empresas conseguiram o aval da Anac para fazer voos regulares: a MAP Linhas Aéreas e a Mais Linhas Aéreas, que ainda não iniciou as atividades.

Para Azul, desoneração tributária seria melhor opção

22/03/2013 - O Estado de S.Paulo

A companhia aérea Azul aprova o projeto do governo de reformar 270 aeroportos do interior, mas é contrária à concessão de subsídios para rotas regionais, segundo o diretor de comunicação e marca da empresa, Gianfranco Beting.Comumaparticipação de cerca de 15% nos voos nacionais, a Azul é a única grande empresa aérea brasileira com uma forte atuação no mercado regional. Cerca de 40% dos seus 865 voos diários partem do interior, sem contar Campinas (SP), sua base operacional.

A proposta do governo é financiar 50% das passagens para voos regionais, limitadasa60assentos. Assim, a companhia terá uma garantia de receita para rotas regionais mesmo se não atingir uma ocupação economicamente viável para o voo.

"A Azul não defende subsídio. O caminho mais correto para estimular o setor seria a desoneração tributária e do combustível e investimentos para melhorar a infraestrutura", disse Beting.

A companhia diz apoiar o plano do governo de reformar 270 aeroportos, mas a expansão da malha da empresa para novas cidades dependerá da demanda. "Não temos investimentos atrelados ao projeto (de estímulo à aviação regional)", disse Beting.

A empresa voa hoje para 103 dos 122 municípios atendidos por voos regulares no País. A meta da companhia é chegar ao fim de 2013 com oferta de voos para 110 cidades brasileiras.

A Azul entrou no segmento regional em março de 2011, quando passou a voar com aeronaves turboélice ATR, além de jatos da Embraer. A companhia reforçou sua presença neste mercado em 2012 com a fusão com a Trip, líder no segmento regional. Hoje, a empresa voa com 118 aviões, sendo 70 deles da ATR.

Concorrência. Além da Azul, as demais companhias aéreas de grande porte (TAM, Gol e Avianca) também são restritivas em relação à concessão de subsídios para rotas regionais. Fontes do setor aéreo afirmam que o temor das grandes empresas é de que o subsídio atraia "aventureiros" para o mercado."Isso pode motivar a criação de empresas oportunistas, que não entendem do mercado e só são viáveis com o subsídio", disse uma fonte.

As próprias empresas menores ouvidas pelo Estado dizem esperar um aumento da concorrência se o subsídio for aprovado. "Essa medida vai provocar um agito. Não há dúvida de que uma avalanche de empresas será criada para disputar esse benefício", disse Décio Marmo de Assis, da Sete Linhas Aéreas.

As pequenas defendem o subsídio e dizem que a entrada de "aventureiros" pode ser coibida com uma fiscalização rigorosa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). / M.G.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Anac autoriza voo da companhia aérea Azul para Campina Grande

22/03/2013 - Correio da Paraíba

Companhia aérea inicia três operações ligando a cidade a Recife e Salvador a partir do dia 29 de abril
22/03/13 às 07h47
Por Correio da Paraíba

A Azul Linhas Aéreas recebeu autorização da Agência Nacional de Aviação Cívil (Anac) para operar no Aeroporto João Suassuna, em Campina Grande, no 29 de abril. A partir desta data, a companhia disponibilizará aos passageiros três voos diários partindo da cidade paraibana com destino a Recife e Salvador. Este será o 103º destino da Azul no Brasil. Para celebrar a chegada, a companhia está com tarifas a partir de R$ 99,90, o trecho entre Campina Grande e Recife. Já o trecho que liga a cidade paraibana a Salvador está com tarifas a partir de R$ 199,90, o trecho.

As operações serão realizadas com os turboélices ATR 72 da Trip, com capacidade para 70 assentos. Os voos sairão de Salvador às 5h40, com chegada prevista em Campina Grande às 7h40. No retorno, o voo decola para a capital baiana às 00h40, com chegada às 2h40. Não haverá esses voos aos domingos.

Já para Recife, o voo decola às 8h05, chegando à capital pernambucana às 8h35, exceto aos domingos. Outro voo sairá às 15h20, de Campina Grande, chegando a Recife às 16h05. De Recife, o voo sairá às 14h12 - diário -, chegando às 14h44, retornando às 23h33, chegando às 00h15, exceto aos domingos.

Segundo a direção da companhia, a opção por Campina Grande como novo destino, reflete o sucesso dos eventos juninos e os carnavais fora de época. "A cidade é considerada um dos principais pólos industriais da Paraíba, sendo a segunda mais populosa do Estado, perdendo apenas para a capital João Pessoa", afirmou Marcelo Bento, diretor de Planejamento e Aliança da Azul.

Os passageiros com origem em Campina Grande poderão realizar conexões para: Aracajú, Confins (Belo Horizonte), Fortaleza, Rio de Janeiro (Galeão), São Paulo (Guarulhos), Maceió, Natal, Salvador, Teresina, Juazeiro do Norte e Campinas a partir da capital pernambucana.

Já por meio da capital baiana, é possível conectar-se a: Aracajú, Barreiras, Confins (Belo Horizonte), Ilhéus, João Pessoa, Lençóis, Maceió, Petrolina, Recife, Rio de Janeiro (Santos Dumont), Campinas, Guarulhos, Vitória da Conquista e Vitória.

Voo da Turkish São Paulo-Istambul será diário em julho

21/03/2013 - Panrotas

Os voos da Turkish Airlines entre São Paulo e Istambul passarão a ser diários em julho. Embora a data não esteja definida, a companhia aérea turca prepara-se para as operações diárias nessa rota, com extensão para Buenos Aires. A companhia aérea acrescentou 32 novas rotas a sua malha no ano passado, quando transportou cerca de 39 milhões de passageiros. Com isso, tornou-se a terceira companhia aérea da Associação Europeia de Empresas Aéreas, na qual participam empresas como Tap, British Airways e Alitalia, entre outras.

No ano passado, a Turkish aumentou em 26% seu faturamento – e em 192% o lucro operacional. A frota da aérea soma mais de 200 aeronaves, com idade média de 6,6 anos. Hoje, a empresa voa para 217 destinos em 96 países. Neste mês, a Turkish anunciou a incorporação de 117 aeronaves a sua frota, todas da Airbus. Até 2020 será 375 aviões.

Maria Izabel Reigada

Cubana volta a voar para o Brasil em julho

22/03/2013 - Mercado & Eventos, Anderson Masetto

Está confirmada a volta da companhia aérea Cubana de Aviação ao Brasil. A aérea terá um voo semanal entre São Paulo e Havana a partir do dia 9 de julho. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (21/03) durante treinamento para agentes de viagens na capital paulista. A frequência será operada com aeronaves Iliushin IL 96-300, com capacidade para 262 passageiros, sendo 244 na classe econômica e 18 na executiva. A Cubana já havia operado no País entre 1993 e 2005.

"Já nos reunimos com as principais operadoras brasileiras para ajudar a viabilizar esta operação", revelou o representante da companhia no País, Pedro Henrique Ursula. "Estamos apostando muito no Turismo de lazer para este voo, mas temos também muitas empresas brasileiras que hoje têm negócios em Cuba, por isso teremos também um bom público corporativo", completou o executivo, garantindo tarifas competitivas.

O diretor de Promoção para o Cone Sul do Ministério do Turismo de Cuba, Luis Felipe Aguilera Gutierrez, comemorou a volta das operações da aérea no Brasil. "É um voo direto, de apenas sete horas, será o único sem conexões entre os dois países", comentou. Segundo ele, esta também é uma oportunidade para as operadoras brasileiras montarem pacotes casados com outros destinos do Caribe operados pela companhia, como Cancun e República Dominicana, por exemplo.

O voo será operado às terças-feiras, com saída do Brasil às 23 horas e chegada às 6 horas em Havana. Na volta, a chegada no Gru Airport ocorre às 21 horas, com saída da capital cubana às 14 horas.

Dilma se irrita com lobby das grandes aéreas

20/03/2013 - Portal Uol

Leandro Mazzini

O ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, terá nesta quinta o seu primeiro encontro com representantes das maiores aéreas do país, mas seguido de uma pequena turbulência na decolagem – as duas reuniões preparatórias num intervalo de poucos dias.

Recém-criada pelas quatro grandes companhias – TAM, Gol, Avianca e Azul – a Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear) protagonizou o deslize no taxiamento político.

A presidente Dilma Rousseff recebeu a contragosto, na segunda-feira passada (11) os integrantes da Abear no Planalto . Eles se encontraram primeiro com o ex-presidente Lula, na sexta-feira (8), e relataram a dificuldade para agendar com Dilma. O capo petista ligou para ela e a reunião ocorreu 72 horas depois.

No hangar presidencial, o fato é que a presidente quer tratar de igual para igual todas as companhias, em especial as pequenas. Daí a promessa de construir nos próximos anos 282 aeroportos regionais.

Em contraponto ao SNEA – Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias, embora aliada, a Abear foi criada para representar as grandes nas negociações diretas com o governo federal.

Na reunião com Dilma, o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, apresentou a Agenda 2020. As aéreas têm meta estratosférica, digamos, para daqui a sete anos: transportar 200 milhões de passageiros por ano.

Sobre o encontro preparatório com o ex-presidente Lula, Sanovicz, um petista de carteira e ex-presidente da Embratur, prefere o silêncio. Diz que não deseja envolvê-lo. Com Dilma, nega rumores de que ela tenha cobrado posição da Gol sobre a demissão dos 850 funcionários da Webjet, com o fim da aérea.

Também membro do conselho da Agência Nacional de Aviação Civil, apesar do bom trânsito Sanovicz foi visto com desconfiança pelo Planalto. Tem os direitos políticos cassados por condenação no TJ-SP por improbidade administrativa quando presidiu o Anhembi, empresa municipal de São Paulo, entre 2001 e 2002.

Ele explica que o imbróglio judicial passa por um equivocado processo de contratação de funcionários. "O próprio juiz na sentença frisa que não há desvio de verba pública". Ele aponta um grupo de 44 advogados demitidos como perseguidor de sua gestão e incitador do processo. À época, Sanovicz diz que demitiu 850 dos 1.072 empregados do Anhembi, "muitos deles fantasmas".

A despeito disso, o presidente da Abear projeta céu de brigadeiro para o setor.