sábado, 31 de janeiro de 2015

Voo entre Campinas e Feira de Santana entra em operação segunda

29/01/2015 - G1

Avião sairá de São Paulo com destino ao Terminal João Durval Carneiro.

Embarques serão de segunda a sexta; em Feira, saídas ocorrem às 14h.

Do G1 BA

Aeroporto de Feira de Santana

(Foto: Danutta Rodrigues/ G1)

O voo que irá inaugurar a conexão entre as cidades de Campinas, em São Paulo, e Feira de Santana, distante a 100 quilômetros de Salvador, na Bahia, acontece na próxima segunda-feira (2).

O avião, da companhia Azul Linhas Aéreas, sairá do aeroporto de Viracopos, às 12h16, e deverá desembarcar no Terminal João Durval Carneiro, em Feira, às 13h35.

Os embarques ocorrerão de segunda até sexta-feira e terão saída de Campinas, sempre às 12h16, e retorno à cidade paulista, saindo do Aeroporto de Feira de Santana, às 14h.

Com o novo voo, a população da cidade baiana passará a contar com outros 46 destinos, nas cinco regiões do Brasil, a partir da conexão com a cidade paulista.

O voo inaugural contará com a presença do governador da Bahia, Rui Costa, e do secretário de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, além de representantes da companhia aérea.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Rio deverá ter voo direto para Suíça em 2016

28/1/2015  Panrotas

Diego Verticchio

O secretário Estadual de Turismo, Nilo Sérgio Félix, chancelou o início das operações entre Rio de Janeiro e Zurique, previsto para abril do próximo ano. Hoje, no País, apenas São Paulo conta com voos diretos para a Suíça. "Os voos que ligam São Paulo à capital suíça saem sempre lotados. Há um pleito permanente para que o Rio tenha uma conexão direta com a cidade. E agora, com o Rio na vitrine do mundo, será possível viabilizar", garante Nilo.

O secretário se reuniu esta semana com executivos da Edelweiss (companhia operada pela Lufthansa) e com gestores da concessionária Riogaleão, para definir planejamentos e cronogramas para o início dos voos. A proposta é que sejam duas partidas semanais. O primeiro deverá ser num Airbus 330, com capacidade para transportar 315 pessoas.

Situação da obra sem conclusão do Aeroporto será levada ao Ministério da Aviação Civil

28/01/2015 - Jornal do Dia – AP

Obra está orçada em R$163,2 milhões, parada após a Operação Gautama, da Polícia Federal, em 2008



Na manhã de ontem (27), uma reunião ocorrida com o superintendente da Infraero no Amapá, Osmar Ferreira, tratou sobre a obra do novo prédio do Aeroporto Internacional de Macapá, que há seis anos se arrasta sem conclusão. A situação das obras do aeroporto será apresentada para o Ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, amanhã (29), em Brasília.

A obra está orçada em R$163,2 milhões, parada após a Operação Gautama, da Polícia Federal, em 2008, sofreu pequenos avanços, como a construção do teto. De acordo com o superintendente da Infraero, o processo licitatório já foi finalizado, publicado em diário oficial, mas ainda faltam recursos para a conclusão do aeroporto. "Nossa vontade é entregar esse novo espaço para a população, oferecer mais conforto e possibilitar novos investimentos ao Amapá", afirmou Osmar Ferreira. "Temos acompanhado de perto a situação. O que não podemos é deixar a corrupção vencer, vamos trabalhar para garantir que o que é do povo, lhe seja entregue", disse o senador. "Iremos reivindicar ao ministro prioridade, tendo em vista que outros aeroportos, que passaram por investigação, tiveram suas obras retomadas", completou.

Em 2014, colhemos o fruto de algumas conquistas, como: a chegada de novas empresas aéreas para diversificar o mercado, redução nas tarifas de passagens aéreas, maior oferta de voos, além do conforto e ampliação do atendimento com os novos espaços de embarque e desembarque de passageiros. "É claro que não estamos satisfeitos, queremos a obra por completo", reivindicou.

O senador Randolfe Rodrigues também tratou sobre a possibilidade de uma linha de transporte coletivo que atenda ao aeroporto. O senador vai intermediar a pauta junto à Prefeitura de Macapá. Falou também sobre as frequentes quedas de energia que prejudicam a climatização do lugar, prejudicando principalmente os funcionários.

Obra

O gerente de empreendimentos da Infraero, Antônio Carvalho, explicou que o novo aeroporto terá área de 26.200 m², ou seja, cinco vezes maior do tamanho atual. A novo estacionamento acomodará 780 vagas, hoje são 150 vagas disponíveis. Serão três pontes de embarque e capacidade do pátio também será aumentada. "Assim que for assinado o contrato, o consórcio que ganhou o processo licitatório terá 18 meses para colocar o terminal em funcionamento", explicou. Afirmou ainda que para a conclusão será necessário apoio estrutural da Prefeitura de Macapá e do Governo do Estado.

Voo Internacional

Na semana passada, foi promovida uma reunião entre, parlamentares, a AZUL Linhas Aéreas e os comerciantes locais, na Associação do Comércio e Indústria do Amapá (ACIA), para tratar sobre a possibilidade de um voo direto Macapá-Caiena. O objetivo é fomentar o turismo local e promover desenvolvimento do Amapá. A empresa alega que o imposto sob o querosene de aviação é muito alto, o que torna o voo inviável. As negociações com o Governo do Estado foram iniciadas.

País somou 95,9 milhões de passageiros aéreos domésticos em 2014

28/01/2015 - O Globo

Dados da Anac indicam que alta no ano passado foi de 6,5% sobre ano anterior

POR HENRIQUE GOMES BATISTA


Vista Aérea do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro


RIO – A Agência Nacional de Transportes Aéreos (Anac) informou na manhã desta quarta-feira que o país registrou 95,9 milhões de passageiros domésticos em 2014, número 6,5% acima do registrado em 2013, quando 90 milhões de pessoas voaram dentro do país. Os dados mostram que a alta no número de passageiros se acelerou em dezembro, quando voaram em rotas domésticas 8,9 milhões de pessoas, 11,2% a mais que em dezembro de 2013, quando 8 milhões de pessoas voaram dentro do país.

Por empresa, a Gol ampliou sua liderança em número de passageiros domésticos: passou de 32,51 milhões em 2013 (36,2% do total) para 35,67 milhões em 2014 (37,2% do total). A TAM reduziu sua participação apesar de elevar o número de passageiros de 31,87milhões em 2013 (35,4% do total) para 32,18 milhões em 2014 (33,6%do total). A Azul, já incluindo os dados da Trip, passou de 18,67 milhões de passageiros em 2013 (20,8% do total) para 20,01 milhões de passageiros no ano passado (21% de participação). Já a Avianca subiu de 5,90 milhões de passageiros em 2013 (participação de 6,6% do mercado) para 6,88 milhões de passageiros (7,2% do mercado). As demais empresas, que transportaram um milhão de pessoas em 2013 (1,11% do total) levaram 1,16 milhões de passageiros no ano passado (1,2% do total).

Nas rotas internacionais, as empresas brasileiras transportaram 6,4 milhões de passageiros no ano passado, 6,7% a mais que os 6 milhões de passageiros de 2013. Somente em dezembro foram 583 mil passageiros, 12,9% a mais que em dezembro de 2013. Por empresa, a líder no segmento internacional entre as empresas brasileiras é a TAM, com 4,439 milhões de passageiros transportados, praticamente o mesmo número do ano passado (4,447 milhões de passageiros). A Gol cresceu fortemente, passando de 1,589 milhão de passageiros em 2013 para 1,920 milhão de passageiros e a Azul, que no fim do ano inaugurou rotas para os Estados Unidos, transportou 21 mil pessoas. A Anac não compila dados das empresas aéreas estrangeiras.

Aéreas têm taxa recorde de ocupação

29/01/2015 - O Estado de S.Paulo

Com aviões cheios e maior venda de passagens, setor apresentou leve recuperação em 2014

Marina Gazzoni

Luciana Collet

EVELSON DE FREITAS/ESTADÂO-16/1/2015

Fôlego. Gol, Avianca e Azul puxaram expansão do mercado

As companhias aéreas brasileiras nunca voaram com aviões tão cheios quanto em 2014. As empresas ampliaram apenas 0,94% sua oferta de assentos, mas conseguiram vender 5,81% mais passagens, segundo dados divulgados ontem pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Isso foi possível com a elevação da taxa de ocupação das aeronaves nos voos nacionais, que atingiu 79,8% em 2014, o maior valor já registrado desde 2000, quando começa a série histórica divulgada pela Anac.

Os resultados de 2014mostram uma leva recuperação do setor em relação ao ano anterior.Em 2013, a demanda por voos domésticos subiu apenas 1,37% e a oferta caiu2,87%,opiordesempenhoem11anos. O crescimento mais forte em 2014 reflete principalmente a expansão das vendas de passagens de Gol, Azul e Avianca.

De olho no aumento de rentabilidade, a TAM continuou a cortar oferta – a queda foi de 1,51% em2014– e conseguiu elevar em apenas1, 17% a demanda por passagens. Isso fez com que a empresa perdesse participação de mercado e fosse superada pela Gol como líder nacional.

A Gol chegou em dezembro com 38,1% de participação de mercado, contra 37,2% que tinha no ano passado, e acima da fatia de 36,7% da TAM. "A Gol fez um reajuste na sua malha que deu certo. Isso alavancou as vendas e fez com que ela ganhasse mercado", disse o consultor em aviação, Nelson Riet.

Expectativas. As companhias aéreas devem manter a disciplina de oferta em 2015, mas o desempenho do mercado depende do cenário econômico brasileiro. "Acreditamos que vamos garantir uma demanda igual nesteanoàde2014", disse o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz.

De acordo com ele, o desempenho do setor estará associado aos resultados das medidas econômicas tomadas pelo governo e ao movimento de passageiros que viajam a negócios. "Temosumnovocomandoeconômico no País, que está colocando uma série de medidas novas, que em algum volume vão gerar impacto em sua implementação tanto no mundo corporativo como no lazer", disse.

Outra questão relevante para o desempenho das empresas neste ano é o eventual reajuste do preço do querosene de aviação( QAV),maiorcustodasempresas aéreas. No exterior, o preço do QAV é atrelado à cotação do barril de petróleo, que caiu pela metade em um ano.

O presidente da Abear salientou que a queda do preço do petróleo não refletiu significativamente no preço do QAV no Brasil, já que o reajuste ocorre com defasagem. O efeito também chega no País mitigado, pois a cotação do barril é em dólar, moeda que se valorizou perante o real. "Já há alguma queda no preço do querosene, mas não chega nem próximo desses valores (do barril de petróleo)."

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Lufthansa traz 747-8i para Rio de Janeiro em março

27/01/2015 - Panrotas

Diego Verticchio

A Lufthansa irá operar com o Boeing 747-8i na rota diária entre Rio de Janeiro – Frankfurt a partir de 29 de março. A rota São Paulo – Frankfurt já é servida com esta aeronave e, no Rio de Janeiro, a empresa será a primeira a voar com este modelo. Outra novidade para o mercado carioca é que a aeronave será equipada com quatro classes de serviços.

O novo equipamento apresenta ganhos significativos em termos de eficiência ambiental: os motores consomem menos querosene e atingem um ganho de 15% em eficiência e redução das emissões de CO2 por passageiro. Adicionalmente, as emissões de ruídos são 30% menores. Em termos de capacidade, o novo jumbo da Lufthansa tem 364 lugares, sendo 32 na Premium Economy. A aeronave usada na rota anteriormente, o 747-400, tinha capacidade total para 352 passageiros.

A Lufthansa está com uma promoção para celebrar o começo das operações. As passagens aéreas de ida e volta para vários destinos na Europa estão com preços variando a partir de US$ 748. Entre as cidades incluídas na promoção estão Londres, Amsterdã, Viena, Dublin, Munique, Berlim e vários outras. A promoção é válida para reservas até 2 de fevereiro.

Voo entre Recife e Buenos Aires já tem bons resultados

27/01/2015 - Panrotas

Karina Cedeño

No último domingo, um dia após o lançamento do voo sem escalas que liga Buenos Aires a Recife (PE), foi a vez de Pernambuco receber os portenhos. E o resultado mostrou-se positivo: operações com 100% de ocupação, sendo 70% de argentinos, e os passageiros foram recebidos ao som do fervo no Aeroporto do Recife.

Na ocasião, o secretário de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras, falou para representantes dos trades argentino e brasileiro sobre o sucesso do primeiro fim de semana do voo. "Temos consciência do produto turístico atrativo que Pernambuco tem e, por isso, vamos investir sempre para que a procura dos portenhos pelo Estado cresça cada vez mais. Iremos fazer uma ação promocional com o público final argentino – taxistas, por exemplo -, para que eles se tornem agentes propagadores dos atrativos turísticos de Pernambuco", disse o secretário.

Para comemorar o voo de estreia, foi realizado no último dia 26 um coquetel na Embaixada do Brasil na Argentina, e uma das boas notícias da noite foi dada pela coordenadora de vendas da Tam, Karina Almeida. Segundo ela, o voo de Buenos Aires para o Recife do próximo domingo (dia 1°) já está lotado, e dentre os passageiros, 80% são argentinos.

No encerramento do evento, o presidente da Empresa de Turismo de Pernambuco, Luís Eduardo Antunes, informou que o intercâmbio entre as duas cidades será muito válido para a economia dos dois países. "Pernambuco vai enviar, certamente, muitos turistas para a Argentina, e queremos que os portenhos conheçam e indiquem todos os municípios turísticos do Estado. Para isso, iremos promover Pernambuco de diversas formas", finaliza.

Aeroporto de Brasília já é o 2º maior do país

28/01/2015 - Valor Econômico

No ano em que, pela primeira vez, o movimento nos aeroportos brasileiros rompeu a marca de 200 milhões de passageiros, o terminal de Brasília (DF) - que passou por uma operação tumultuada até o ano passado, graças às obras de expansão da concessionária - aproveitou boa parte da demanda. Com crescimento de 10% (para 18,1 milhões de passageiros), Brasília passou Congonhas (SP) e Galeão (RJ) e chegou ao posto de segundo maior do país.

Controlada pelo grupo brasileiro Engevix e pela argentina Corporación América, a concessionária do aeroporto de Brasília argumenta que o aumento na movimentação de passageiros só foi possível após o investimento de R$ 1,2 bilhão em reforma e ampliação.

Outra razão foi a redução do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o combustível de aviação no Distrito Federal em 2013 - de 25% para 12%. Com isso, companhias aéreas passaram a incluir Brasília na rota dos voos - para que as aeronaves abasteçam os tanques pagando menos impostos do que em outras regiões. Em São Paulo, por exemplo, o imposto continua em 25%.

Somados, os aeroportos concedidos cresceram 7,2% e lideraram a expansão no país, embora os que estejam sob controle da Infraero também tenham registrado aumento (de 5,6%). O cenário de expansão em todo o setor levou o país a movimentar 210 milhões de passageiros em 2014 (contra 197 milhões em 2013). O levantamento foi feito pela equipe de economistas do Valor Data a partir da soma da movimentação da rede Infraero com os valores fornecidos pelas concessionárias privadas. O cálculo leva em conta números de embarque e desembarque.

Além de Brasília, outro destaque dentre os privados foi o aeroporto de Guarulhos, que manteve crescimento robusto em 2014. Foram 39,5 milhões de passageiros movimentados em 2014, ou 9,94% mais que um ano antes. Os números mantêm o aeroporto na liderança no país e também o transforma em um dos mais movimentados no Hemisfério Sul.

Segundo Carlos Fernando Pereira Sellos, diretor de gestão comercial da GRU Airport (da Invepar), os investimentos feitos recentemente atraíram novas rotas. Há mais voos principalmente do grupo Latam e da Gol, com foco nas rotas internacionais. "É conveniente para as duas partes. Nós temos um passageiro mais qualificado para transitar pelo aeroporto, que tem um gasto médio mais alto. E eles têm a contrapartida da infraestrutura do novo terminal", diz. "Ainda há espaço para crescer", afirma.

Já o aeroporto de Viracopos (em Campinas), concedido na mesma época, teve um ano menos confortável. As obras do empreendimento ainda não foram concluídas, o que tem impedido um aumento mais expressivo nos números de passageiros. Em 2014, o crescimento foi de 5,92%, para 9,84 milhões de pessoas transportadas.

Para 2015, a concessionária espera que a transferência das operações para o novo terminal, com capacidade para 25 milhões de passageiros ao ano, traga novas rotas. "Tivemos um grande salto em nossas operações para o exterior. Passamos de três frequências semanais para 38. Isso é muito significativo e representa uma mudança importante para Viracopos", afirmou o presidente da Aeroportos Brasil Viracopos, Luiz Alberto Küster. A expectativa dos controladores é que o aeroporto transporte 10,5 milhões de pessoas em 2015 (um crescimento de 7%), influenciado pela maior presença internacional.

Os outros dois aeroportos assumidos pela iniciativa privada no fim de 2014, Galeão (RJ) e Cofins (MG), ainda têm números mais tímidos de crescimento. Isso, no entanto, deve mudar. No caso do aeroporto do Rio, o crescimento deve ser impulsionado nos próximos anos pela economia da capital fluminense e pelos Jogos Olímpicos de 2016.

"O Galeão voltou a ter crescimento em 2014, depois de uma queda em 2013. Isso já é um sinal do ganho de confiança do nosso cliente, que está acreditando no aeroporto", diz Randall Aguero, diretor de desenvolvimento estratégico da concessionária RIOgaleão. Segundo ele, há negociações em curso com novas companhias aéreas. A alemã Condor, por exemplo, começa ainda neste ano a fazer a rota Rio-Frankfurt.

Para o sócio da área de governo e infraestrutura da KPMG, Mauricio Endo, os números do ano mostram que os aeroportos do país continuaram com forte atividade mesmo em um cenário de baixo crescimento da economia. E os privados acabam beneficiados por ganhos de eficiência. "Quem é usuário percebe que, nos privados, além dos investimentos em infraestrutura, alguns processos foram simplificados".

Mesmo com os novos concorrentes, os aeroportos da Infraero conseguiram registrar crescimento em 2014 (se retirados todos os dados dos já concedidos). As "joias da coroa" da estatal atualmente são Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ). Apesar do interesse privado pelos dois aeroportos, o governo federal dá sinais que não vê sentido em concedê-los - por eles não terem espaço para grandes investimentos em ampliação. Mais abaixo na lista dos mais movimentados da estatal estão os terminais de Salvador (BA), Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR).

Para Endo, da KPMG, os aeroportos continuarão sendo um bom negócio nos próximos anos por causa de fatores como o preço das passagens aéreas e do nível de renda da população. "O setor ainda vai ver muitos passageiros novos, de primeira viagem. Quem fazia viagens de 30 horas de ônibus, por exemplo, percebeu que pode ir de avião com preços até menores. Os aeroportos continuam muito ativos", diz.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Air France vê risco de excesso de capacidade

26/01/2015 - Folha de São Paulo

Diretor para o Brasil diz ver 'tarifas estranhas', mais baixas, o que afeta receita do setor

FELIPE MAIA

ENVIADO ESPECIAL A PARIS

Com a economia enfraquecida e o investimento de companhias aéreas internacionais em novos voos saindo do Brasil, há risco de excesso de capacidade de assentos nas viagens para a Europa em relação à demanda. A afirmação é de Hugues Heddebault, diretor-geral da Air France-KLM para o país.

Isso é bom para os passageiros, já que as tarifas tendem a cair, mas é má notícia para a receita das companhias. Heddebault diz que começa a ver "tarifas estranhas" para as viagens entre América do Sul e Europa. "Outro dia, nós vimos uma a US$ 544. E não estou falando daquela da KLM", afirma o executivo, brincando.

Ele se refere a um erro no site da companhia em dezembro que fez com que passagens para a Europa fossem vendidas a menos de R$ 500.

O excesso de capacidade já é uma realidade para trechos entre Europa e América do Norte e também a Ásia, mercado em que há uma intensa competição com companhias como a Emirates.

"Da América do Sul para a Europa isso é limitado, mas já começa a ser um pouco irritante. Há um aumento no número de assentos nossos, da British Airways, da Swiss e da Royal Air Maroc. Se você quiser que eles sejam preenchidos, precisa fazer ótimas tarifas", diz.

Essa realidade global fez com que, em julho, a Air France revisasse para baixo suas metas de receita para 2014 –nos primeiros nove meses do ano passado, a companhia teve receita de € 18,7 bilhões, com queda de 3,6% em relação à do mesmo período de 2013, principalmente por causa de uma greve de pilotos que durou duas semanas em setembro.

A expectativa de baixa na economia brasileira também fez com que a empresa francesa fizesse uma revisão nos seus planos para o Brasil. O projeto era aumentar o número de voos saindo de Brasília para Paris de três para cinco por semana em julho, mas isso foi adiado para outubro.

"A demanda está aumentando, mas não tanto gostaríamos nem quanto costumava ser", diz Heddebault.

Um fator que pode ajudar as companhias a equilibrar as contas são as quedas no preço do petróleo no mercado global. Entretanto, para o executivo, ainda é cedo para dizer se isso vai influenciar no preço das passagens.

"Uns 20% do combustível que usamos hoje foi comprado há dois anos, outros 20% há seis meses. Leva um tempo até isso ter impacto nas passagens, então é um pouco cedo para saber", diz.

Há duas semanas, a Air France começou a voar para o Brasil com uma aeronave B777 com a cabine remodelada. As principais mudanças estão na classe executiva, que traz mais faturamento para a companhia, já que os passageiros pagam mais caro e viajam regularmente.

Nessa classe, a companhia não chama mais os lugares de "assentos", mas, sim de "suítes", porque as poltronas, que viram camas, ficam em uma espécie de casulo, separadas.
O jornalista viajou a convite da Air France

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Azul está na disputa pela TAP, diz ministro

23/01/2015 - O Estado de S.Paulo

Governo português afirma ter sido procurado pela aérea brasileira para participar do processo de privatização da companhia estatal

Fernando Nakagawa

ENVIADO ESPECIAL / DAVOS

Briga. O grupo espanhol dono da Air Europa também seria um dos interessados na TAP

A companhia aérea Azul procurou o governo de Portugal interessada na privatização da TAP .A informação foi confirmada pelo ministro de Economia do país, António Pires de Lima. Durante o Fórum Econômico Mundial, Lima disse que "apesar da experiência com a Oi", Lisboa ainda tem interesse em atrair o capital brasileiro para a venda da aérea estatal.

Após o anúncio oficial do governo português de retomada do processo de privatização da TAP, Pires de Lima confirmou que a companhia de David Neeleman procurou representantes do governo com interesse na aérea TAP. Sobre outras companhias brasileiras, Pires disse que não houve contato da Latam, dona da TAM, e da Gol. A Azul disse que não comentaria o assunto.

Em meio aos problemas societários entre a Oi e Portugal Telecom, o ministro reconheceu que é interessante ter brasileiros na disputa pela TAP, mas não perdeu a oportunidade de demonstrar insatisfação com a parceria entre os dois países no setor de telecomunicações. "Mesmo com a experiência da Oi, temos interesse em ter uma empresa brasileira", disse.

Questionado sobre eventual problema jurídico – já que a União Europeia limita a participação estrangeira a 49% do capital das aéreas – Pires de Lima não demonstrou preocupação. Citou que, se um brasileiro ganhar o processo, poderia ser encontrado um acionista europeu para compor o novo grupo. Sobre a hipótese de uma saída no modelo Latam (que inclui a união de duas empresas, mas sem a perda da nacionalidade do controle das empresas que se associam),oministronãodemonstrou contrariedade.

Ele explicou que Lisboa olha com bons olhos para o capital do Brasil porque uma empresa nacional estaria mais propensa a manter o centro de distribuição de voos em Lisboa, no Aeroporto da Portela, para as rotas entre o Brasil e outros destinos na Europa. O governo local teme que se uma empresa europeia ficar com a TAP, Lisboa poderia perder importância como ponto de concentração de voos.

Além da Azul, outras empresas estariam na disputa pela TAP, como o grupo espanhol dono da Air Europa. Em 2012, o governo português tentou pela primeira vez privatizar a TAP. A única proposta foi do grupo Synergy, controlador da Avianca. A oferta, porém,foi rejeitada e Lisboa informou que a companhia do empresário Gérman Efromovich não ofereceu garantias financeiras suficientes para a compra.

● Regra

Voos da Gol para EUA farão conexão em Punta Cana

22/12/2015 - Panrotas

Danilo Teixeira Alves 

A partir de 1º de março, os voos da Gol que decolam de/para Miami ou Orlando, nos Estados Unidos, farão conexão no Aeroporto de Punta Cana, na República Dominicana, e não em Santo Domingo, capital daquele país, como é feita atualmente. De acordo com a companhia, "a mudança acompanha a crescente demanda e melhora as opções de acesso aos clientes a Punta Cana".

Para informações sobre acomodação de passageiros o e-mail disponibilizado pela Gol é o acomodacao@golnaweb.com.br. Os voos com conexão em Punta Cana já estão carregados no sistema da aérea. Para mais informações: www.voegol.com.br.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Gol lança voo entre Congonhas (SP) e Juiz de Fora (MG)

21/01/2015 - Panrotas

Aviação , foto: divulgação
foto: divulgação

Marina Nobre 

A Gol vai começar a vender as passagens para o voo entre o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e Juiz de Fora (MG). O voo, com escala no Aeroporto de Confins (MG), começa a ser operado em 23 de março e terá seis frequências semanais.

"O lançamento deste trecho reflete a estratégia da companhia de expandir a atuação no interior do país, em especial no estado de Minas Gerais, onde temos o aeroporto de Confins, que é uma das principais bases da companhia. O novo voo reforça o investimento e o planejamento da companhia para levar mais conveniência aos clientes e maior conectividade a preços competitivos", destaca Claudio Borges, diretor de Planejamento de Malha da Gol.

Os voos serão operados com aeronaves Boeing 737-700 e configuração Gol+, que disponibiliza maior espaço entre as poltronas. A bordo serão servidos alimentos leves e nutritivos como sopas, snacks e sanduíches preparados com ingredientes orgânicos, integrais e naturais, além de opções vegetarianas. Mais informações: www.voegol.com.br.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Recife – Buenos Aires pela TAM

21/01/2015 - Aviação Brasil (Redação)

A TAM Linhas Aéreas começa a operar, a partir de 24 de janeiro, um voo direto entre a capital pernambucana e Buenos Aires, na Argentina. O voo JJ8120 decolará de Recife aos sábados, às 16h12, chegando a Buenos Aires às 21h30. Já o retorno será realizado aos domingos pelo JJ8121, partindo da cidade argentina às 3h00, com aterrissagem às 8h13 em Recife.

"Esta nova rota representa um importante incremento para o desenvolvimento econômico de Pernambuco e atende à forte demanda de turistas argentinos para a cidade. Além disso, a frequência irá facilitar as conexões dos passageiros do Estado com o país vizinho, um dos destinos turísticos preferidos pelos brasileiros" afirma Claudia Sender, presidente da TAM Linhas Aéreas. "O potencial da rota pode ser notado já no primeiro final de semana de operação, em que estamos com uma média de mais de dois terços das aeronaves reservadas", completa a executiva.

De acordo com a Secretaria de Turismo de Pernambuco, a Argentina é um dos maiores emissores de turistas para o Estado, ocupando o terceiro lugar no ranking internacional e a primeira posição entre os países da América Latina que mais enviam turistas para Pernambuco.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Com voo para Aruba, Manaus ganha sua quinta conexão internacional direta

14/01/2015 - Em Tempo – AM

Economia

A empresa aérea caribenha Insel Air fará voos Aruba/Manaus duas vezes na semana, as quartas-feiras e aos domingos, e infraero prevê crescimento de 5% da demanda de passageiros internacionais

O mercado de voos internacionais está em expansão em Manaus. A capital amazonense, que já conta com rotas diretas para Miami (Estado Unidos), Panamá, Venezuela e Lisboa (Portugal), passou a ter, a partir desta quarta (14), o quinto destino internacional com a inauguração do voo direto para Aruba/Manaus, no Caribe.

Há ainda previsão para esse ano do sexto voo internacional com a rota Manaus/Cancún, conforme a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

A rota Aruba/Manaus começou a ser operada no mesmo dia, pela companhia aérea caribenha Insel Air, que realizará duas viagens semanais, com duração de 3h cada, as quartas (Aruba-Manaus) e aos domingos (Manaus-Aruba). Os vôos serão operados por um avião Regional-70 e as tarifas promocionais custam US$ 340 ida e volta.

O voo inaugural que trouxe 40 pessoas foi recebido com festa no Aeroporto Internacional Eduado Gomes, localizado na Zona Centro-Oeste, por autoridades amazonenses e representantes da companhia.

O presidente da Insel Air, Jurgen Lippinkhof, destacou que o voo foi o primeiro da companhia em território brasileiro. Afirmou também que o plano de expansão da empresa prevê a expansão das suas rotas para outras cidades da região norte do país como Boa Vista (RR), Porto Velho (RO) e Macapá (AP).

Lippinkhof revelou também que existem planos de outras rotas para Manaus, como, por exemplo, para outro destino turístico como Curaçao. "Manaus é uma cidade grande que pode nos conectar ao Brasil. Além disso, temos uma cooperação com a Gol, que vai nos trazer pessoas de todo o país", afirmou.

De acordo com o diretor de Marketing da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Nickolas Cabral, todo novo voo traz para a capital no mínimo 12% de acréscimo de turistas. Além disso, a idéia com a rota Manaus/Aruba, segundo ele, é fomentar o turismo na região.

"Temos mais uma opção para os europeus chegarem ao Amazonas, uma vez que, pode ser feita a rota Holanda-Aruba-Manaus, e também mais uma opção para os moradores da América do Norte e Caribe chegar ao nosso Estado", apontou.

"Vocação mundial"

O prefeito de Manaus, Arthur Virgilio Neto, participou do evento de inauguração do voo e falou sobre a importância da rota Aruba/Manaus.

Ele enumerou alguns pontos significativos como a vinda do próprio presidente da companhia Insel Air no voo, a abertura para os amazonenses do mercado do caribenho e o reconhecimento da capital amazonense frente ao turismo internacional.

"Manaus é uma das três cidades brasileiras com vocação de cidade mundial, como Rio de Janeiro e São Paulo", avaliou.

O prefeito salientou que o fato será provado com o tempo. Entretanto, ele observou que mais uma empresa internacional veio a Manaus, que se soma as empresas americanas, a Copa do Mundo, a Tap Portugal e futuramente a Iberia Líneas Aéreas de Espanha trazendo uma linha – que hoje é Madri-Lima -, para a região.

"Poderá ser Madri-Manaus-Lima ou Manaus-Madri-Lima. Enfim, é um fato extremamente importante porque é possível Manaus viver do turismo", frisou.
Por Silane Souza (Jornal EM TEMPO)

Companhia Azul estende número de voos entre Cuiabá e Vilhena

14/01/2015 - Folha do Estado - MT


Fonte: Com Assessoria

A empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras vai lançar, em 10 de fevereiro, três novos voos semanais diretos entre Cuiabá e Vilhena (RO). A companhia recebeu, recentemente, aprovação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operar a frequência adicional além do voo diário, sem escalas ou conexões, já oferecido nesta rota. Com o novo serviço, serão cerca de dez voos semanais a companhia entre Cuiabá e Vilhena. As tarifas estão disponíveis a partir de R$ 149,90 ou 9.000 pontos no trecho.

"Reforçaremos nossas operações no Centro-Oeste e Norte do país com novos voos que atendem às demandas que recebemos de Clientes por frequências adicionais nesta rota. As novidades representam o compromisso da Azul com Cuiabá e Vilhena e o olhar especial sobre a aviação regional. Apostamos no sucesso destes novos voos, sempre com a qualidade reconhecida dos serviços da companhia", afirma Marcelo Bento, diretor de Planejamento e Alianças da Azul.

Em Cuiabá, a Azul conta com conexões para Alta Floresta, Brasília, Vilhena, Campo Grande, Belo Horizonte (Confins), São Paulo (Guarulhos), Goiânia, Ji-Paraná, Londrina, Maringá, Cacoal, Sinop, Porto Velho, Rondonópolis, São José do Rio Preto e Campinas.

Uberlândia terá voos direto para Recife e Porto Seguro em fevereiro

14/01/2015 - G1

Operações terão início já no início do mês, no dia 7.

Saída para cidade baiana partirá de São José do Rio Preto. 

G1 Triângulo Mineiro


aeroporto Uberlândia avião (Foto: Leander Oliveira/G1)


A partir de 7 de fevereiro, Uberlândia passa a contar com voos diretos para Porto Seguro (BA) e Recife (PE). Os voos serão oferecidos pela Azul Linhas Aéreas Brasileiras, e as saídas acontecerão sempre aos sábados. Segundo a companhia, a ligação para a capital pernambucana terá origem na cidade mineira. Já a conexão para o destino baiano partirá de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, e terá escala em Uberlândia.

Segundo o diretor da Azul Viagens, Marcelo Bento, a ligação direta de Uberlândia com dois dos destinos mais procurados por turistas de todo o Brasil garantirá mais comodidade aos mineiros, que evitarão conexões para chegar ao Nordeste. "Apostamos no sucesso desta rota", afirmou.

No Recife, os clientes ainda poderão se conectar a Fernando de Noronha (PE), Natal (RN) Maceió (AL), Fortaleza (CE) e Salvador (BA).

A Azul opera aproximadamente dez voos diários no aeroporto de Uberlândia, com destino a Brasília, Belo Horizonte (Confins e Pampulha), Goiânia e Campinas. A companhia iniciou operações em Uberlândia em 1º de janeiro de 2008.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Aeroporto de Cabo Frio aumenta oferta de voos comerciais e espera 19 mil turistas neste verão

Companhia aérea já oferece viagens diretas para Belo Horizonte e Campinas; estudo para as obras de ampliação está em fase final

POR MÁRCIO MENASCE

13/01/2015 - O Globo


A pista do aeroporto, o principal do estado em operações de helicópteros para plataformas de petróleo - Bárbara Lopes / Agência O Globo

CABO FRIO — Já consolidado como principal base de apoio logístico para o setor de petróleo na Região dos Lagos, o Aeroporto Internacional de Cabo Frio vem abrindo suas portas também para o turismo. Antes restritos aos fins de semana, os voos comerciais para Campinas e Belo Horizonte passaram a ser realizados também durante a semana.

No início do segundo semestre de 2014, a Azul Linhas Aéreas começou a oferecer voos diretos entre Belo Horizonte e Cabo Frio. Em setembro, a empresa ampliou o serviço com voos diretos também para Campinas, realizados por aviões com capacidade para 70 passageiros.

A expectativa do Grupo Libra, que administra o aeroporto, é de que 19 mil turistas nacionais utilizem o espaço entre dezembro de 2014 e fevereiro deste ano. Já em voos internacionais fretados, devem passar por Cabo Frio 2.700 passageiros.

O aeroporto pode ganhar ainda mais importância nos próximos anos, já que está na lista de aeroportos que receberão recursos do programa federal para incrementar voos regionais.

OBRAS DE AMPLIAÇÃO

Segundo a Secretaria de Aviação Civil, que conduz o processo de licitação para as obras, o estudo para a ampliação já está em fase final. Depois da conclusão desta etapa, começará a ser elaborado o projeto e feita a licitação. A secretaria ainda não tem um prazo para a conclusão do trabalho.

Atualmente, o aeroporto é o principal do estado em operações regulares de helicópteros para as plataformas de exploração de petróleo offshore, com média de 50 viagens diárias, transportando aproximadamente 15 mil passageiros por mês. A expectativa é que a exploração do pré-sal amplie ainda mais esta demanda.

— Cabo Frio tem a menor distância do continente para o Campo de Libra, onde está a maior reserva do pré-sal brasileiro. São apenas 170 quilômetros. Portanto, existe a possibilidade de a cidade ser a principal base de helicópteros para as operações offshore deste campo — afirma Kleber Meira, diretor do Grupo Libra.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/bairros/aeroporto-de-cabo-frio-aumenta-oferta-de-voos-comerciais-espera-19-mil-turistas-neste-verao-15001125#ixzz3OkumXpoC 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Rio tem plano para ampliar uso de três aeroportos regionais do Estado

13/01/2015 - Valor Econômico

O governo do Rio de Janeiro quer remodelar pelo menos três aeroportos no interior do Estado e incentivar a aviação regional nas principais zonas industriais fluminenses. Segundo o Secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, a criação da infraestrutura será feita em parceria com as empresas aéreas e com verba do Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR).

Os terminais ficarão em Campos, norte do Estado e uma das principais áreas produtoras de petróleo; em Itaperuna, noroeste, região com vocação agropecuária, e Resende, no sul fluminense, polo automotivo.

"Alguns [aeroportos] precisam de pequenas reformas e articulação [política] para colocar voos regulares", disse Osório. "Não estamos falando de gigantescas obras, nada disso. Estamos falando em aproveitar a estrutura aeroportuária existente, fazer pequenos ajustes e reformas, e articulado com o governo federal, garantir o Rio de Janeiro nesse programa de aviação regional". O PDAR visa subsidiar operações de empresas aéreas em aeroportos com movimento de até 1 milhão de passageiros por ano.

Segundo Osório, o modelo de administração será estudado caso a caso. Os terminais poderão ser concedidos a operadores privados ou administrados pelo Estado. Os aeroportos dessas três cidades são subutilizados e estão em condições precárias. Apenas Macaé possui linhas regulares e boas condições para pousos e decolagens fora da capital. A aviação regional "facilita o comércio, ajuda a indústria e cria dinamismo", afirmou.

O plano para reconstrução dos aeroportos regionais está sendo feito em parceria com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Infraero. Os estudos ainda estão em fase inicial. O secretário estadual de Transportes não informou quanto deve ser investido.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Salvador ganha mais um voo direto de Buenos Aires

10/01/2015 - Bahia Econômica

ARMANDO AVENA



Mais uma linha aérea liga Buenos Aires à capital baiana, com a chegada, no Aeroporto Internacional de Salvador, nesta segunda-feira (12), às 3h42, do voo direto da Gol, que sai da capital da Argentina no domingo (11) às 23h20.

Segundo a diretora de Relações Internacionais da Bahiatursa, Rosana França, Salvador passa a ser um hub (centro de distribuição aérea) para a América do Sul, com 25 voos regulares internacionais. São seis da Aerolíneas Argentinas, três da Gol, quatro da American Air Lines, um da Condor, cinco da Air Europa e seis da TAP.

A Bahiatursa fará receptivo especial com baianas tipicamente trajadas no desembarque dos passageiros, entre eles, oito operadores de viagens e um representante da companhia aérea, que vão realizar famtour, em Salvador, até o dia 14 próximo. O voo trará operadores da Ricale, Principios, ConsultHouse, All Seasons, Julia Tour, CVC, Top Dest e Positivo, além do supervisor comercial da Gol para a Argentina, Juan Angel Gatar.

O novo voo Buenos Aires/Salvador/Buenos Aires, com três frequências, será operado apenas na alta estação por aeronaves Boeing 737-800, que têm capacidade para 177 pessoas. A saída da capital argentina ocorrerá sempre às sextas-feiras, aos sábados e domingos, às 23h20, com previsão de chegada em Salvador às 03h42 do dia seguinte. O retorno à capital da Argentina será às 00h20, aos sábados, domingos e segundas-feiras, com horário de chegada às 04h50.

MPE pede explicações sobre fim de linhas Pres. Prudente – Congonhas

09/01/2015 - G1

Objetivo é constatar se existe 'ofensa aos direitos do consumidor'.

Linhas para aeroporto serão canceladas em março, segundo companhia.

Vinícius Pacheco

Do G1 Presidente Prudente


Voos serão cancelados em março (Foto: Ariane

Viana/G1)

A Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Presidente Prudente, pertencente ao Ministério Público Estadual (MPE), encaminhou um ofício nesta quinta-feira (8) para a Gol Linhas Aéreas em que pede explicações sobre o cancelamento de voos para o Aeroporto de Congonhas, na capital paulista, previsto para março. Conforme o documento, o objetivo é esclarecer os motivos de tais alterações.

A solicitação tem base em artigos da Constituição Federal, no Código de Defesa do Consumidor (CDC) e na Constituição Estadual e foi elaborada pelo promotor André Luís Felício. Ele pede mais informações sobre a exclusão das três linhas existentes para o aeroporto, o que fez com que os usuários tivessem apenas o Aeroporto Internacional de Guarulhos como opção.

"A Promotoria de Justiça do Consumidor entende que questionamento em questão faz-se necessário para se constatar eventual ofensa a direitos dos consumidores prudentino, dentre eles o direito à informação clara, e a restrição de possibilidade de escolhas relacionada a um serviço cuja exploração é concedida pela União à iniciativa privada", informa Felício.

O promotor acrescenta que os "interesses econômicos da empresa não podem se sobrepor aos interesses dos consumidores nem aos princípios que regem as relações consumeristas".

Conforme a empresa, "a malha da Gol é dinâmica e constantemente é revisada para melhor atender seus clientes".

Ao todo, serão quatro voos disponíveis, divididos entre segunda e domingo. Dois sairão de Guarulhos às 8h10 e às 19h20 e chegarão no Aeroporto Estadual Adhemar de Barros às 9h10 e 20h23, respectivamente. O trajeto contrário também será feito em dois horários: às 9h35 e às 20h52, com chegada na capital paulista às 10h30 e 21h50, respectivamente.

MPF vai apurar denúncias de atraso na obra do Aeroporto de Cascavel

09/01/2015 - G1

Inquérito também vai investigar irregularidades na licitação da construção.

Denúncias dizem que parte da obra já deveria ter ficado pronta em 2014.


DO G1 PR, em Cascavel


Construção começou em fevereiro de 2014.

(Foto: Prefeitura Municipal de Cascavel/Divulgação)

O Ministério Público Federal (MPF) em Cascavel, no oeste do Paraná, instaurou um inquérito civil, na quinta-feira (8), para investigar denúncias de atrasos na construção do novo terminal de passageiros do aeroporto da cidade e supostas irregularidades na licitação para a construção. A obra começou no início do ano passado.

Conforme as denúncias que foram relatadas pelo MPF, parte da obra que deveria ter sido terminada no mês de setembro de 2014, como previa o cronograma, ainda não está pronta. A estimativa é de que o novo terminal seja entregue em agosto deste ano. A obra deve ter 2,5 mil metros quadrados e vai custar R$ 5 milhões.

O procurador da república Thales Fernando Lima solicitou à Secretaria de Infraestrutura e Logística do Estado do Paraná cópias de documentos do processo de licitação, além de esclarecimentos sobre possíveis atrasos no cronograma da obra e liberação de dinheiro para a empresa contratada para executar o serviço. Lima também solicitou ao Escritório Regional Paraná Edificações cópias de documentos de fiscalização da obra. O procurador informou que só vai se pronunciar depois que tiver os documentos em mãos.

A construção no novo terminal de passageiros do aeroporto de Cascavel está sendo financiada pelo governo estadual e pela Prefeitura de Cascavel, além do investimento de R$ 3,5 milhões que foram liberados pelo Fundo Nacional da Aviação Civil do governo federal.

O projeto inclui sala de embarque com capacidade para 150 passageiros sentados, um novo sistema de esteira de bagagens, lojas, praça de alimentação, mirante e área de check-in com mais espaço para novas companhias aéreas.

O G1 entrou em contato com a empresa que venceu a licitação, porém a proprietária não foi localizada para comentar o assunto. Já a Secretaria de Infraestrutura e Logística do Estado do Paraná informou que ainda não foi notificada pelo MPF e que a obra está em andamento na fase de conclusão das fundações, que é apontada como em atraso.

O responsável pelo Escritório Regional Paraná Edificações, que fiscaliza a construção, não foi localizado pelo G1.

Latam: tráfego doméstico no Brasil cresceu 4,4%

09/01/2015 - Panrotas
 
Danilo Teixeira Alves 

Aviação ,
O Grupo Latam Airlines divulgou suas estatísticas preliminares de tráfego para dezembro de 2014 em comparação ao mesmo mês de 2013. O tráfego do mercado doméstico no Brasil cresceu 4,4%, enquanto a capacidade aumentou em 3,1%. Como resultado, a taxa de ocupação chegou a 82,3%. O tráfego internacional de passageiros aumentou 2,2% e a capacidade cresceu 0,8%. Como resultado, a taxa de ocupação alcançou 83,7%. O tráfego internacional inclui as operações internacionais de Lan e Tam nas rotas entre países da América do Sul e de longo curso. 

No geral, o tráfego de passageiros registrou 3,7% de aumento, enquanto a capacidade cresceu em 2,6%. Como resultado, a taxa de ocupação para o mês cresceu 0,9 pontos percentuais, alcançando índice de 82,8%. O tráfego internacional de passageiros representou aproximadamente 50% do tráfego total de passageiros no mês.

O tráfego doméstico de passageiros na operação da companhia em países de língua espanhola (Argentina, Chile, Peru, Equador e Colômbia) registrou 7,3% de aumento, enquanto a capacidade cresceu 6,8%. Como consequência, a taxa de ocupação doméstica avançou 0,4 pontos percentuais, chegando a 81,1%.

O tráfego de carga do Grupo Latam reduziu 7,6% e a capacidade diminuiu em 4,6% no período. A diminuição na capacidade de carga é resultado de uma menor operação de cargueiros e uma menor disponibilidade de espaço nos porões das aeronaves de passageiros. A diminuição do tráfego de cargas foi provocada pelo enfraquecimento das importações para a América Latina.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Qatar Airways terá cama de casal na classe executiva em 2016

08/01/2015 - Mercado & Eventos

Pedro Menezes


Atuais assentos da classe executiva

A Qatar Airways vai lançar um novo estilo de assento em suas cabines de classe executiva já no próximo ano. Isso é o que afirma o Chefe Executivo da Companhia, Akbar Al Baker. De acordo com o executivo, as cabines contarão com camas de casal. "Vamos ter cama de casal com apenas uma tarifa de classe executiva."

A Qatar Air também está criando novos assentos comerciais que serão oferecidos em toda a frota. A companhia é a única que está no top classificação cinco estrelas de serviço de transporte aéreo. "Este será um produto que vai ser incomparável dentro do nosso segmento", disse Al Baker. "Quando introduzirmos esses assentos em nossas aeronaves, eu realmente acho que não será mais necessário pagar para ir de primeira classe."​

‘Efeito Miami’ faz Viracopos ampliar voos ao exterior

09/01/2015 - Folha de São Paulo

Rotas internacionais no aeroporto de Campinas saltaram de 3 para 40 por semana; 28 têm a Flórida como destino

LUCAS SAMPAIO

DE CAMPINAS

Com a abertura parcial do novo terminal de passageiros, o aeroporto de Viracopos, em Campinas (a 93 km de São Paulo) começou a ficar, de fato, internacional.

Desde dezembro, o número de voos para o exterior foi multiplicado por 13: passou de três por semana, na época do antigo terminal, para 40.

O número de companhias aéreas saltou de uma para cinco, e os destinos, de um para sete, a maioria na Flórida (EUA) e no Caribe.

"A 'Miami-dependência' está muito grande", diz Aluizio Margarido, diretor comercial da Aeroportos Brasil Viracopos, que administra o aeroporto desde 2012.

Dos voos internacionais, 11 passam pela América Central e 28 têm como destino a Flórida (Fort Lauderdale, Miami ou Orlando). Apenas a TAP vai para a Europa e não faz voos para a América Latina.

Para atrair os voos internacionais, a Aeroportos Brasil Viracopos ofereceu incentivos como isenção de taxas para pousos e decolagens.

"A época é muito boa, por ser alta temporada, mas a ocupação está acima do esperado por serem voos novos", afirma Dílson Verçosa Júnior, diretor regional de vendas da American Airlines, que opera um voo diário para Miami e três semanais para Nova York. Além da American e da TAP, estão no novo terminal as companhias Azul, Gol e Copa Airlines.

A avaliação dos passageiros é positiva, embora eles apontem problemas. "O serviço ainda está um pouquinho incompleto. Você chega e não tem forro no embarque. Dá uma má impressão", diz a Mari Sugueno, 41, que é de Americana (SP) e escolheu Viracopos pela distância.

"O aeroporto só não ganha nota dez porque falta sinalização", afirma Samuel Espíndola, 55, empresário que viajou com a mulher e os dois filhos também para Miami.

INFRAESTRUTURA

Apenas um terço do novo terminal foi inaugurado até agora –a outra parte abrigará os voos nacionais, que devem migrar do antigo terminal para o novo até março.

Há apenas uma farmácia no saguão principal, um café e um DutyFree no embarque e outro no desembarque.

Um McDonald's no embarque e uma Starbucks no desembarque devem ser inaugurados ainda neste mês.

Sobre a falta de acabamento e sinalização, o diretor comercial admite que "algumas coisas realmente estão faltando". "O dano visual não afeta a operação porque está tudo funcionando. Preferimos abrir assim", afirma.


Aeroporto de Dubai é o aeroporto mais movimentado

08/01/2015 - Jornal de Turismo

O Aeroporto Internacional de Dubai superou o London Heathrow como o aeroporto internacional com maior tráfego de passageiros. Com um total de 68,9 milhões de passageiros, Dubai superou Londres, que tem um total de 67,8 milhões no Heathrow, segundo dados do Airports Council International. O Aeroporto Internacional de Dubai se tornou, assim, o maior hub de viagens internacionais do mundo, conectando diversos pontos do globo.

Brasil segue entre os que mais crescem na aviação doméstica

08/01/2015 - Panrotas

Alex Souza 

A Iata divulgou há pouco os resultados da aviação comercial em novembro. No geral, entre nacional e internacional, a quantidade de passageiros por quilômetros transportados (RPK) cresceu 6% e a capacidade, medida pelo número de assentos disponíveis por quilômetros (ASK), 5,4%. A taxa média de ocupação atingiu 76,7%.

Entre os mercados domésticos, destaques para os crescimentos de China (15,4% no RPK e 11,3% na ASK), Índia (14,2% e 2,4%), Rússia (8% e 6,5%) e Brasil (7,7% e 5,4%). O melhor índice de ocupação foi registrado pelos Estados Unidos, com 81,4%, seguido pelo Brasil, com 81,2%. 

"A indústria está investindo na melhora da experiência do passageiro. Este ano esperamos implementar o NDC (New Distribution Capability), que dará aos viajantes a possibilidade de visualizar e adquirir todos os produtos e serviços oferecidos pelas companhias aéreas", analisa o CEO da associação, Tony Tyler. 

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Gol bate recorde de passageiros transportados em um único dia

07/01/2015 - Mercado & Eventos

Cerca de 157 mil clientes voaram com a companhia em um único dia

A Gol anunciou os resultados de sua operação nas últimas semanas. Segunda-feira, dia 5, a companhia registrou recorde de passageiros transportados em um único dia, com cerca de 157 mil clientes em 1.039 voos. A grande movimentação ocorreu devido ao retorno dos viajantes após os feriados de fim de ano.

Entre 19 de dezembro e 5 de janeiro, a companhia área transportou 2,3 milhões de clientes, em 17.021 voos. Foram, em média, 970 operações diárias e, nos dias de maior demanda, como sextas e segundas-feiras, a companhia operou mais de mil voos por dia, recorde histórico na aviação nacional. A empresa manteve ainda bons índices de pontualidade, com 91,3%, segundo dados da Infraero.

No período, mais de 33 mil toneladas de bagagens foram transportadas, uma média de 1,8 mil toneladas por dia. Entre os destinos preferidos pelos clientes estão Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Brasília (DF), Recife (PE) e Confins (MG), além de São Paulo (SP) – cidade com maior movimentação de passageiros.


Rafael Massadar

TAM começa a operar em Jaguaruna no dia 29 de março de 2015

07/01/2015 - Jornal de Turismo

Em encontro em Santa Catarina, a TAM Linhas Aéreas e o governo do Estado firmaram um acordo para o início das operações da companhia no aeroporto Humberto Ghizzo Bortoluzzi, em Jaguaruna, região sul-catarinense. O primeiro voo da empresa está previsto para o dia 29 de março do próximo ano.

O aeroporto de Jaguaruna foi inaugurado em abril deste ano. A TAM será a primeira companhia aérea a operar voos regulares no local. A rota, diária, ligará Jaguaruna ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com uma aeronave Airbus A319, cuja capacidade total é de 144 passageiros.

TAM lança voo para Toronto e nova rota entre Brasília e Orlando

07/01/2015 - Jornal de Turismo

Em linha com a estratégia de reforçar a conectividade dos mercados operados pelo Grupo LATAM Airlines e suas filiais, a TAM lançou novas operações internacionais. Já estão à venda as passagens aéreas para Toronto, no Canadá, e para a nova rota direta entre Brasília e Orlando. Nos próximos dias, também serão lançadas três novas frequências que vão tornar diário o voo regular da TAM entre Brasília e Miami.

Os novos voos serão operados pela TAM com aeronaves Boeing 767-300ER. O modelo está configurado com 191 lugares na Classe Econômica e outros 30 na Premium Business, recentemente lançada pela empresa com maior distância entre as poltronas e assentos full flat que reclinam até 180 graus.

No Boeing 767-300ER, com interior totalmente remodelado, os clientes terão acesso a um serviço de entretenimento de bordo individual, que oferece 110 filmes de diversos gêneros e seriados de TV em todas as classes. Também será possível ouvir músicas e acessar o catálogo de produtos do Duty Free. As crianças poderão se divertir com uma programação exclusiva para o público infantil, com desenhos animados, filmes e jogos.

"Estamos colhendo os benefícios reais da união entre TAM e LAN. Com a consolidação do Grupo LATAM Airlines, seguimos buscando oportunidades e passamos a oferecer a maior conectividade e o melhor produto para os viajantes entre a América do Sul e a América do Norte", afirma Claudia Sender, presidente da TAM Linhas Aéreas. "Toronto representa mais um novo destino internacional com grande potencial para o viajante brasileiro. Vamos estrear as nossas operações ao Canadá com um produto de alto nível, oferecendo uma experiência de viagem rápida e segura a bordo do moderno Boeing 767".

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

2º aeroporto na Região Metropolitana de Fortaleza tem vários locais em estudo

07/01/2015 - Diário do Nordeste

Versão final do relatório será apresentada ao governo do Estado por empresa americana no dia 31 deste mês

Um novo aeroporto, principalmente que sirva ao Pecém, é um projeto antigo do governo que, em 2008, já havia feito articulações neste sentido

Foi concluído o estudo de viabilidade econômica para a construção de um novo aeroporto internacional de carga e passageiros no Ceará. A localização já têm em vista vários locais da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) em área de influência do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp). Uma missão da empresa americana que elaborou o documento, inclusive, já esteve em Fortaleza em dezembro do ano passado, quando reuniu-se com diretores e o presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado (Adece), Roberto Smith.

No encontro, a The Louis Berger Group, especializada em planejamento aeroportuário, com apoio da USTDA (sigla que, em inglês, significa Agência dos Estados Unidos para o Comércio e Desenvolvimento), apresentou o estudo de viabilidade.

O estudo é a primeira etapa do processo de negociação que envolve a apresentação do relatório final do documento, que ocorrerá em reunião agendada para o dia 31 deste mês, contando com a presença dos representantes da empresa, da Adece e do governador Camilo Santana.

A Louis Berger está sendo financiada pela USTDA, que foi contratada pela Adece, ainda em 2012, para elaborar o documento. A empresa fez uma parceria com uma consultoria de Recife. A demora na conclusão do projeto foi motivada pela inviabilidade detectada dos dois sites apresentados anteriormente pelo Estado. Após isso, os trabalhos pararam e foi feito um aditivo ao contrato para que fosse buscada uma nova localização e feita a continuação do projeto.

Modelo de PPP

De acordo com o apurado pela reportagem, vários lugares da RMF estão sendo analisados para a instalação do novo aeroporto. O projeto, conforme a agência, será realizado por meio de Parceira Público-Privada (PPP), mas não foi detalhado como será o modelo nem se já há empresas interessadas.

Entre as possibilidades que haviam sido cogitadas pelo Governo do Estado, além da PPP, estava a utilização de recursos do Tesouro estadual, ou de recursos federais, ou ainda de ambos. O relatório final do estudo trará, além da localização precisa e possível para o terminal, a viabilidade econômica do empreendimento e seu prazo para retorno do investimento, além de um cronograma de instalação, informando em quantas etapas o terminal deverá ser feito.

"Este aeroporto servirá como uma grande oportunidade para atração de investimentos. O Ceará tem vocação exportadora, e o fortalecimento da logística deve impulsionar ainda mais o setor", destaca Nicolle Barbosa, Secretária de Desenvolvimento Econômico.

Projeto antigo

Um novo aeroporto, principalmente que servisse ao Pecém, é um projeto antigo do governo. Em 2008, já havia articulações no sentido de construção de um aeródromo que pudesse impulsionar a movimentação de cargas por via aérea. Em 2013, o presidente da Adece cogitou que o terminal poderia servir a passageiros e, inclusive, tornar-se o responsável pelos voos internacionais do Estado.

Sérgio de Sousa

Repórter

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

A indústria de aviões além da Embraer

05/01/2015 - O Estado de S.Paulo

O setor aeronáutico brasileiro tem dezenas de pequenas fabricantes de aeronaves que lutam para sobreviver com poucos recursos

Marina Gazzoni

felipe rau/estadão – 22/10/2014

Produção. Inpaer fabrica dois modelos esportivos na planta de São João da Boa Vista (SP)


Até um fiscal da Receita Federal já duvidou que a Aerobravo fosse mesmo uma indústria aeronáutica brasileira. O fisco chegou a reter uma peça importada pela companhia mineira, que é uma das dezenas de pequenas fabricantes de aviões espalhadas pelo País. "O fiscal não sabia que existem no Brasil outras fabricantes além da Embraer e desconfiou que nossa empresa existisse", disse Hugo Silveira, sócio da fábrica junto com seus pais. "Foi constrangedor."

O percalço para importar componentes é só um dos imensos desafios a que se submetem as pequenas fabricantes de avião. Desconhecidas do público em geral, empresas como Inpaer e Edra tentam ganhar notoriedade no setor aeronáutico.

Fruto de sonhos de aviadores, muitas delas nasceram literalmente no fundo de um quintal. São projetos de engenheiros que construíram seu próprio avião, ao mesmo tempo em que mantinham outros negócios. Hoje, para sobreviver, além de fabricar aeronaves, essas empresas dão aulas de pilotagem, revendem aviões importados e fazem até obra de arte com materiais usados na fuselagem.

Mesmo aquelas que superaram os desafios técnicos de projetar um avião ainda têm uma empreitada pela frente para ganhar dinheiro com isso. Projetos vencedores, muitas vezes, ficam só no protótipo. Viabilizar a produção industrial e cumprir as exigências de certificação do produto com órgãos reguladores exigem investimento e um plano de negócios voltado ao longo prazo que nem todos os empresários podem suportar.

"Essa indústria impõe um investimento alto, um risco alto e um payback (prazo até recuperar o investimento) alto. Ninguém entra nesse negócio só por dinheiro. É também paixão", explica o engenheiro aeronáutico Omar Pugliesi, cofundador da Aeroálcool, fabricante de aviões instalada em Franca (SP). "Durante anos o que me motivou foi a paixão por aviação. Por que os números não justificavam o negócio", diz Rodrigo Scoda, fundador da Edra Aeronáutica, em Ipeúna (SP).

O maior desafio para fazer o negócio vingar é financeiro, afirmaram dez pequenos empresários do setor ouvidos pelo Estado. Até conseguir dar lucro produzindo avião, as empresas têm de ter fôlego para suportar pesados investimentos nos projetos aeronáuticos.

Os tradicionais caminhos percorridos pelas empresas de diferentes setores que tentam crescer são, por exemplo, a captação de crédito e a venda de participação a investidores, como fundos de venture capital e private equity. Por ser um negócio de alto risco e muitas vezes sem garantias, os fundos de investimento não são ativos neste setor e o crédito é escasso.

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e o BNDES têm uma linha de crédito para a indústria aeroespacial por meio do programa Inova Aerodefesa, que soma R$ 2,9 bilhões. Para se habilitar, no entanto, é necessário cumprir requisitos, como ter receita acima de R$ 16 milhões por ano. Ou seja, as pequenas não podem participar.

"Uma empresa sem faturamento e com bons projetos não consegue crédito. O dinheiro vai para quem não precisa", reclama o empresário João Boscardin, da curitibana IPE Aeronaves. A empresa foi uma das maiores fabricantes de planadores do Brasil nos anos 80, mas desde que teve um contrato suspenso com o governo não conseguiu voltar a produzir. "Gastamos R$ 12 milhões para certificar metade do projeto de um avião agrícola na Anac e o dinheiro acabou."

O gerente do departamento de indústria aeroespacial da Finep, William Respondovesk, reconhece que o crédito não está ao alcance de todos. "Algumas empresas precisam de um sócio que corra o risco junto com elas", diz. Segundo ele, a Finep, o BNDES e a Embraer estão estruturando juntos um fundo de participações para investir no setor aeronáutico, com capital de R$ 131 milhões.