segunda-feira, 29 de junho de 2015

Obras no aeroporto de Vitória (ES) são retomadas

26/06/2015 - Mercado & Eventos

Eliseu Padilha e o presidente da Infraero assinam ordem de serviço para início de obras que vão ampliar a capacidade do terminal e construir nova pista capaz de receber aeronaves 767-300

Ministro da Aviação, Eliseu Padilha, e o presidente da Infraero, Gustavo do Vale, assinaram, nesta quinta-feira (25/06), a ordem de serviço para a retomada das obras no aeroporto Eurico de Aguiar Salles, em Vitória (ES). O INVESTIMENTO será de R$ 523,5 milhões e a conclusão dos trabalhos está prevista para setembro de 2017.

Para o ministro, a retomada dos trabalhos comprova a atenção que a Secretaria de Aviação Civil tem dado à situação do aeroporto. "Como venho afirmando desde o início do ano, Vitória é uma prioridade para o governo federal. A demonstração disso é a nossa vinda aqui para assinar a primeira ordem de serviço para a retomada das obras depois da aprovação do orçamento", apontou Eliseu Padilha.

Durante a cerimônia que marcou a retomada das obras, o ministro também destacou o ganho para o estado com as obras no terminal. "Vitória será inserida no mesmo patamar que outros aeroportos, como Brasília. Teremos um espaço três vezes maior do que o atual. Este aeroporto vai receber boeing 767 e, com isso, vai aumentar o envio de cargas para outros estados. Temos tudo para dar um salto de qualidade. Basta cada um fazer a sua parte e nós vamos honrar nossos compromissos", afirmou Padilha.

Gustavo do Vale acredita que a ampliação do aeroporto vai contribuir para o crescimento da economia do estado. "A nova estrutura permitirá receber 6,5 milhões de passageiros por ano, ampliando a atual capacidade operacional, melhorando o serviço que prestamos aos passageiros e abrindo possibilidades para desenvolver o transporte aéreo, a economia e o turismo do estado do Espirito Santo", afirma. Atualmente, o aeroporto movimenta 3,5 milhões de viajantes por ano.

Entre as obras previstas está um novo terminal de passageiros, nova pista de pouso e decolagem, que terá 2.058 metros de extensão por 45 metros de largura, capaz de receber aeronaves do tipo 767-300 (veja quadro abaixo). O prazo de execução das obras é de dois anos e meio. As obras serão realizadas pelo consórcio das empresas Jota Ele, Damiani e EMPO, que venceram a licitação em dezembro de 2014.

Na cerimônia de assinatura da ordem de serviço, também estarão presentes o governador do estado do Espírito Santo, Paulo Hartung; o prefeito de Vitória, Luciano Rezende; além de prefeitos de cidades vizinhas.
Rafael Massadar

Passaredo pode ter adquirido até 24 aeronaves ATR 72-600

26/06/2015 - Mercado & Eventos

Por: Pedro Menezes

Apesar de ter divulgado a aquisição somente de quatro aeronaves turbo-hélice ATR 72-600, a Passaredo pode receber até 24 novos aviões do modelo. Uma das aeronaves foi flagrada já com a pintura da companhia aérea brasileira em Tolouse, na França, base da Avions de Transport Régional (ATR).

Caso a especulação seja confirmada, a Passaredo reafirma o desejo de utilizar esse tipo de aeronave em suas rotas regionais, caminho que Azul e Trip resolveram trilhar nos últimos anos, o que poderia se tornar o real substituto após as operações dos Embraer ERJ-145, entre 2008 e 2012.

Início da operação segue indefinido, mas obra avança

29/06/2015 - O Popular – GO



Novos trabalhadores foram contratados e testes de asfalto estão sendo feitos em pista


Vandré Abreu

Wildes Barbosa

Novo terminal de passageiros, com a pista em "J" ao fundo, paralela à atual pista de pouso

Apesar da indefinição sobre a data de início da operação no novo terminal do Aeroporto de Goiânia, as obras no local continuam no mesmo ritmo do mês de abril, quando foram retomadas. A reportagem do POPULAR sobrevoou o aeroporto e verificou que os serviços de terraplanagem e macrodrenagem estão avançados. A nova pista de taxiamento em "J" está sendo pavimentada. Esta será a ligação entre a pista principal, atualmente em uso, e o novo terminal de embarque.

No início do mês, o consórcio formado pelas empresas Odebrecht e Via Engenharia abriu novas vagas para operários na obra, o que seria uma demonstração de que a construção não sofreria com os ajustes econômicos do governo federal. A seleção dos funcionários se encerrou no último dia 22 com todas as vagas preenchidas e, atualmente, os novos contratados estão em período de ambientação para que estejam aptos a trabalhar na obra.

Hoje, o consórcio mantém 1,2 mil servidores entre contratos diretos e subcontratados. Em abril, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o consórcio realizou a parte operacional da obra de infraestrutura, com o início das escavações e terraplanagem e instalação do canteiro de obras. Já no mês seguinte, ainda pela Infraero, o cronograma previa para junho serviços de terraplanagem, macrodrenagem, travessias da pista de taxiamento e pavimentação da pista em "J".

Terraplanagem

Na última quarta-feira, 24, a reportagem apurou que o cronograma vem sendo cumprido. A Infraero informa que os trabalhos de terraplanagem estão em andamento e estão sendo feitos testes de asfalto na pista de taxiamento. "Não será construída uma nova pista de pouso e decolagem. A pista que está sendo construída, paralela à pista de pouso existente, é uma pista de taxiamento nova, que permitirá às aeronaves acessarem o novo pátio de aeronaves", alega, em nota.

Azul começa a testar venda de passagem da TAP

27/06/2015 - O Estado de S.Paulo

Com o mesmo dono desde a última quarta-feira, empresas devem facilitar conexões entre seus voos


Marina Gazzoni

A Azul vendeu anteontem a primeira passagem da companhia aérea portuguesa TAP, testando um acordo comercial que deve ser iniciado nas próximas semanas. A venda ocorreu apenas um dia depois de o empresário David Neeleman, controlador da Azul, assinar o contrato de compra da antiga companhia aérea estatal, em Lisboa, por meio do consórcio Gateway, que venceu a privatização e tem Neeleman entre os acionistas.

Por enquanto, as passagens estão disponíveis apenas para algumas agências de viagens. Passada a fase de testes, elas serão oferecidas no site da empresa, de acordo com Neeleman. A estratégia do novo dono da TAP para a empresa portuguesa é usar aviões menores para fazer os voos para o Brasil, o que viabilizaria que a empresa voasse para cidades médias.

Assim como pretende fazer com a United, a intenção de Neeleman é conectar a malha da TAP à da Azul e usar os passageiros de uma empresa para encher o voo da outra. Hoje, cerca de 40% dos clientes que viajam na TAP voam na rota entre o Brasil e a Europa. A TAP já atende 12 destinos brasileiros, mas, com o novo avião (o A321) e conexões com a Azul, poderia voar para cidades como Teresina e São Luís, disse Neeleman.

As sinergias entre TAP e Azul também pesaram nas negociações para a compra de aeronaves da Airbus. "Já usamos o volume da Azul para conseguir um preço melhor para as duas empresas", disse Neeleman, que anunciou na última quarta-feira a compra de 53 aviões da Airbus para renovar a frota da TAP.

BNDES. Neeleman diz que foi procurado há cinco anos por um representante do governo brasileiro, perguntando se ele teria interesse na compra da TAP. "O governo brasileiro tem interesse na TAP, o BNDES também. Eles têm fontes de recursos que podem ajudar a TAP", disse. Ele ressaltou, no entanto, que não tem "nada fechado" com o BNDES neste momento.

Questionado sobre de que forma conseguiria obter crédito no BNDES já que a compra da TAP foi feita por meio do consórcio Gateway, com sede em Portugal, Neeleman disse que a ajuda poderia vir "por meio da Azul". Segundo ele, a empresa pode, no futuro, comprar ações da TAP. "É cedo para afirmar. Mas as duas empresas têm o mesmo pai, então, tudo é possível."

A legislação europeia limita o capital estrangeiro em empresas aéreas a 49% do capital votante, situação semelhante à do Brasil – por aqui o limite é de 20%. Neeleman detém 49,9% do consórcio Gateway, dono da TAP, e o empresário português Humberto Pedrosa, dono do grupo de transporte Barraqueiro,é dono de fatia de 50,1%.

● Renovação

53 novos aviões foram comprados

12 cidades brasileiras são atendidas pela TAP

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Azul recebe o sexto A330-200 da frota

25/06/2015 - Mercado & Eventos



A330

A Azul recebeu, na manhã desta quarta-feira (24), o sexto Airbus A330 de sua frota. Com a pintura destacando o programa de vantagens Tudo Azul, a aeronave PR-AIT pousou no Aeroporto Internacional de Confins, em Minas Gerais, procedente dos Estados Unidos, no Chennault International Airport, onde passou por revisões e trabalho de pintura.

Após a chegada ao país, a aeronave decolou em direção ao destino final, Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. A aeronave é do ano de 2003 e ja voou pelas companhias MEA, Gulf Air e Turkish Airlines. Agora a Azul quase completa a frota A330, uma vez que seis dos sete que foram encomendados, já foram entregues. o PR-AIT entra em serviço em breve.
Pedro Menezes

 

Azul Linhas Aéreas e United Airlines celebram parceria estratégica de longo prazo

26/06/2015 - Azul Linhas Aéreas

São Paulo, 26 de junho de 2015 – A Azul Linhas Aéreas Brasileiras e a United Airlines celebram hoje uma parceria estratégica de longo prazo, na qual a companhia norte-americana investiu US$ 100 milhões por 5% do valor econômico da aérea brasileira.

O investimento inclui um acordo de codeshare, em que as empresas compartilharão rotas entre o Brasil e os Estados Unidos, além de outros destinos no mundo. Esse acordo deverá passar pela aprovação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Além disso, a United passa a contar com um membro no Conselho de Administração da Azul, o que promoverá intercâmbio de melhores práticas, avaliação de oportunidades de sinergias e iniciativas estratégicas.

Abrangência e comodidade

A parceria entre as empresas facilitará o acesso dos brasileiros às mais diversas localidades dos Estados Unidos e outros países servidos pela United. Juntas, as empresas poderão oferecer ligações para mais de 450 destinos e mais de seis mil voos diários.

"Isso será muito bom para nossos Clientes. Com essa parceria, eles poderão ir de Santos Dumont a Chicago ou de Porto Alegre a Las Vegas, por exemplo. Tudo porque a United Airlines é uma das maiores e melhores companhias aéreas do mundo", afirma David Neeleman, fundador e CEO da Azul.

"O Brasil é um mercado importante em nossa malha de voos internacionais e esta parceria reforça nossa presença no país", diz Jim Compton, vice Chairman e CRO da United Airlines. "Juntas, vamos oferecer aos nossos clientes mais conectividade e conveniência dentro e fora do país", conclui Compton.

Mais vantagens para os Clientes da Azul e United

Os programas de fidelidade TudoAzul e MileagePlus terão benefícios ampliados por conta do acordo entre Azul e United.

O primeiro deles é o acúmulo e o resgate bilaterais, isto é, os Clientes poderão acumular pontos para o TudoAzul voando de United, assim como Clientes MileagePlus poderão acumular pontos voando de Azul.  David complementa: "o mais importante é que eles também poderão usar seus pontos TudoAzul para voar para qualquer destino servido pela United no mundo."

Por meio da parceria, Clientes TudoAzul irão ainda receber pontos qualificáveis em voos da United, acelerando assim, a conquista de categorias como Safira e Diamante.

Sobre a Azul

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras é a companhia aérea com o maior número de destinos servidos no país. A empresa detém uma frota de 140 aeronaves, mais de 10.000 funcionários, mais de 900 voos diários, aproximadamente 100 destinos servidos e um terço do total de decolagens do país. A qualidade de seus serviços já foi atestada por inúmeros prêmios, nacionais e internacionais. Em 2015 foi eleita pela quinta vez consecutiva pela Skytrax World Airline Awards como "Melhor companhia aérea low-cost da América do Sul". A Azul também recebeu em 2013 o prêmio de "Companhia Aérea mais Pontual da América do Sul", concedido pela FlightStats, e foi reconhecida como empresa aérea mais pontual do Brasil em 2014, segundo os critérios da Infraero. Neste mesmo ano, a companhia foi reconhecida como melhor companhia aérea low cost do mundo pela CAPA – Centre for Aviation. Saiba mais em www.voeazul.com.br.

Sobre a United

A United Airlines e a United Express operam cerca de 5.000 voos diários para 373 aeroportos em seis continentes. Em 2014, a United e a United Express operaram quase dois milhões de voos, transportando 138 milhões de clientes. A United se orgulha de ter a malha aérea mais abrangente do mundo, inclusive nos EUA, com seus principais hubs em Chicago, Denver, Houston, Los Angeles, Nova York / Newark, São Francisco e Washington. A companhia detém uma frota de mais de 700 e, este ano, deverá receber mais 34 novas aeronaves Boeing, incluindo o 787-9 e o 737-900ER. A United também contará com 49 novos aviões Embraer E175, que serão operados pela United Express.

A companhia aérea é membro fundador da Star Alliance, que oferece serviço para 193 países por meio de 27 companhias aéreas em aliança. Mais de 84 mil funcionários da United residem em todos os estados dos EUA e em vários países do mundo.

Para obter mais informações, visite united.com, siga United no Twitter ou no Facebook. As ações ordinárias da controladora da United, United Continental Holdings, Inc., são negociadas na NYSE sob o código UAL.


Relações com a Imprensa

Azul Linhas Aéreas Brasileiras

Tel.: (11) 4831 1245

Celular (11) 9 8196-1035

Hartung aproveita obra de aeroporto para mandar recado para Dilma

25/06/2015 - Folha Vitória

Com mais de 60 prefeitos, deputados, senadores, vereadores e várias autoridades políticas capixabas presentes foi autorizada (até que enfim) a retomada das obras do aeroporto de Vitória nesta quinta-feira. Além de melhorar a infraestrutura do Espírito Santo, o governador Paulo Hartung (PMDB) lembrou que a ampliação do terminou virou uma obra política e mandou recado para a presidente Dilma Rousseff para que a partir de agora o Estado deixasse o isolamento político imposto aos capixabas nos últimos anos.

Em tom exaltado, fez questão de dizer que as relações não podem ser tratadas por resultados eleitorais. A declaração fez parte do discurso do governador porque desde que a Dilma foi derrotada nas urnas aqui a relação do Planalto com o Estado ficou estremecida. Obras importantes como a duplicação das BRs nunca foram adiante, assim como o próprio aeroporto que ficou 12 anos esperando o aval para a reforma. "O sentimento é de abandono", disse em direção ao ministro Eliseu Padilha, a quem Hartung pediu para levar o recado para Dilma.

Voo direto entre RN e Argentina é lançado em Buenos Aires

26/06/2015 - Tribuna do Norte – RN

Um voo direto entre o Rio Grande do Norte e Buenos Aires, que começa a operar no dia 4 de julho, foi lançado oficialmente ontem em cerimônia realizada na capital argentina, com representantes de agências de viagem portenhas, jornalistas e autoridades ligadas ao segmento.

Assecom

Robinson Faria falou em Buenos Aires sobre o turismo no RN

"Natal reúne condições de ser hoje um dos maiores e melhores destinos do Brasil. Não tenho dúvidas de que os argentinos ficarão encantados com a capital do Rio Grande do Norte, com suas águas quentes e paisagens incríveis", destacou o governador Robinson Faria, um dos anfitriões do evento, realçando a infraestrutura turística, com uma das maiores redes hoteleiras do Brasil. Faria ainda apontou destinos já consolidados internacionalmente no estado, como Pipa e São Miguel do Gostoso. Ele também lembrou os aspectos culturais e históricos da capital potiguar, que serviu de base para os Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial.

Incentivo

A nova rota área – implantada pela GOL – é apontada como resultado da redução do ICMS sobre o querosene de aviação (QAV), concedida este ano pelo governo, numa tentativa de estimular o turismo. Para Robinson, é também uma prova do sucesso da ação conjunta do poder público com a iniciativa privada. "Quando o público e o privado dão as mãos, se consegue importantes avanços. Este novo voo é uma prova disso", realçou. Além desta linha direta para Buenos Aires, a administração estadual já viabilizou, após o incentivo, quatro voos regionais.

A cerimônia de lançamento foi dividida em três momentos. Primeiro, uma coletiva para cerca de 20 jornalistas. Em seguida, um almoço com todo o trade turístico de Buenos Aires, e, por fim, a oficialização do lançamento. O governador estava acompanhado da primeira-dama e secretária estadual de Assistência Social, Julianne Faria, do secretário de Turismo, Ruy Gaspar, da diretora-presidente da Empresa Potiguar de Promoção Turística, Ana Maria Costa, e da secretária de Comunicação Social, Juliska Azevedo.

Durante a cerimônia de lançamento da nova rota, o vice-presidente da companhia aérea GOL, Eduardo Bernardes, destacou o papel da gestão estadual do Rio Grande do Norte para a viabilidade e sucesso da nova rota. "O governador está pessoalmente empenhado para que tudo dê certo, o que nos deixa bastante otimistas", afirmou.

Bernardes ainda destacou a relevância para a companhia em ter o Rio Grande do Norte, um dos destinos mais procurados do Brasil, inserido em uma nova rota internacional. "O voo é uma oportunidade mais confortável para que o argentino conheça o RN e, da mesma forma, o potiguar conheça a Argentina, que é hoje o principal destino internacional do brasileiro", afirmou, citando ainda que a redução ICMS sobre o querosene de aviação foi um dos principais incentivos para que a companhia voltasse a investir no Rio Grande do Norte.

Nordeste tem opções de voos competitivas, diz embaixador

O embaixador do Brasil em Buenos Aires, Everton Vargas, durante discurso, destacou que Buenos Aires representa para muitos brasileiros a primeira viagem internacional, enquanto a Argentina é um grande polo emissor de turistas para o Brasil. "Há pouco mais de um ano não havia nenhum voo direto de Buenos Aires para o Nordeste do Brasil, mas agora há boas opções em condições competitivas".

Ele parabenizou todos os envolvidos na viabilização do voo direto entre a capital argentina e o Rio Grande do Norte. "O voo permitirá que os argentinos possam viver esta experiência que apenas o Rio Grande do Norte pode oferecer, a apenas cinco horas de voo do coração de Buenos Aires", ressaltou.

Entre as autoridades presentes, ainda participaram da cerimônia a consulesa geral do Brasil na Argentina, Glaucia Silveira, a diretora nacional de Transporte Aéreo da Anac Argentina, Paola Tamburelli, o conselheiro da Embaixada do Brasil na Argentina, Francisco Cannabrava, e a responsável pelo mercado Brasil no Instituto de Promoção Turística da Argentina, Ana Maria Costa.

O primeiro voo será realizado no dia 4 de julho. Os trechos serão realizados com aeronaves Boeing 737-800.

SAIBA MAIS

Veja detalhes do voo entre o RN e Buenos Aires:

Início: 4 de julho

Partindo do RN

Origem: Aeroporto Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante

Voo: G37460

Saída: 23h55

Destino: Aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires

Chegada: 5h35

Frequência: Aos sábados

Partindo de Buenos Aires

Origem: Aeroporto de Ezeiza

Voo: G37461

Saída: 23h55

Destino: Aeroporto Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo

Chegada: 5h05

Frequência: Aos sábados

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Copa Airlines comemora 15 anos no Brasil

22/06/2015 - Jornal de Turismo

Em junho de 2000, pousava em São Paulo o primeiro voo da Copa Airlines no Brasil, ligando a Cidade do Panamá a São Paulo, com três frequências semanais. Foi o início de um percurso de constante crescimento, que hoje a coloca entre as companhias aéreas com maior oferta de voos internacionais para o Brasil.

Hoje, o País representa o terceiro maior mercado emissor de passageiros, ficando atrás somente do Panamá e da Colômbia – dois destinos naturais da companhia. O primeiro, por ser a sede da empresa e onde está baseado o Centro de Conexões das Américas. Já a Colômbia mantém laços históricos com o Panamá e é lar da antiga Aero República, hoje denominada Copa Airlines Colômbia e pertencente à Copa Holdings.

A importância do mercado brasileiro para a Copa Airlines também é percebida pela ramificação de rotas por vários pontos do território nacional. Em 2006, foram inauguradas rotas para Manaus (junho) e Rio de Janeiro (dezembro). Em julho de 2008, a empresa aérea aterrissou em Belo Horizonte. Em 2011, chegou a Brasília e Porto Alegre. Em 2012, passou a operar em Recife e, em 2014, deu início a voos para Campinas (Viracopos). Também é digno de nota que neste período, as frequências para São Paulo saltaram de três voos semanais para quatro diários.

O total de voos entre o Brasil e o Centro de Conexões das Américas, no Aeroporto Internacional de Tocumen, no Panamá, soma 92 frequências semanais. Desde o princípio, os serviços e rotas obtiveram excelente aceitação. As taxas de ocupação superaram as expectativas iniciais. Além disso, a evolução das frequências para o Brasil foi uma consequência natural da demanda de passageiros em voar com rapidez para mais localidades e importantes destinos nacionais e regionais da América Latina, Caribe e da América do Norte.

Tal cenário não se restringe apenas ao universo e às necessidades do passageiro brasileiro. Aliando elevados índices de pontualidade à eficiência e agilidade das conexões no Panamá, a empresa consolidou-se como a melhor alternativa para todos aqueles que necessitam transitar pelas Américas.

Criada em 1947, a Copa Airlines teve seu crescimento acelerado no mercado internacional a partir de 1998, com ênfase em destinos da América Latina. Ao inaugurar a rota Cidade do Panamá-São Paulo, a empresa chegava a 30 destinos em 19 países. A frota era composta por 18 aeronaves – Boeing 737-200 e 737-700. Hoje, são 73 destinos de 30 países nas Américas do Norte, Central, do Sul e no Caribe. A frota transformou-se na mais jovem e mais moderna da indústria da aviação, com 98 aviões, entre 72 Boeing 737 Next Generation e 26 Embraer-190.

Nesses 15 anos, a trajetória de sucesso no Brasil da Copa Airlines reflete a filosofia de ampliação da rede, das frequências e destinos adotada pela empresa, que acredita que a demanda por viagens aéreas na América Latina continuará em expansão.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Aeroportos de Jeri e Canoa devem ser privatizados

17/06/2015 - O Povo – CE

Os dois locais estão sendo preparados para a concessão à iniciativa privada. Isso pode ocorrer em até um ano


Andreh Jonathas

andreh@opovo.com.br

EDIMAR SOARES



O aeroporto de Aracati deve passar por ampliação da pista para receber aeronaves de maior porte

O plano do Governo do Estado do Ceará de conceder à iniciativa privada a gestão dos aeroportos sob a tutela estadual já está sendo colocado em prática. O Departamento Estadual de Rodovias (DER), responsável pelos equipamentos, realiza estudo preliminar sobre a viabilidade econômica de privatizar os aeroportos de Cruz (do polo turístico de Jericoacoara) e de Aracati (polo de Canoa Quebrada). Foi o que afirmou ao O POVO o coronel Paulo Edson Ferreira, assessor de Infraestrutura Aeroportuária do DER.

O prazo para a conclusão de todo o processo vai depender do próprio Governo do Estado. Internamente, os dados estão sendo trabalhados há dois meses e o processo completo dura cerca de um ano, conforme Paulo Edson.

O interesse nas concessões de aeroportos regionais havia sido revelado pelo governador Camilo Santana na coluna Coluna Fábio Campos do último domino em entrevista exclusiva ao O POVO. Camilo havia afirmado que não faltará financiamento bancário às empresas interessadas em deter os equipamentos. As duas concessões seriam uma experiência a ser ampliada para outros aeroportos no Ceará.

"Estamos na fase de levantamento dos dados e estudos preliminares, para encaminhar a Secretaria da Aviação Civil (SAC), da Presidência da República. O Estado é delegatário, mas a SAC é quem autoriza", explicou Paulo Edson. Todos os aeródromos públicos são da União. Por isso, a SAC é quem dá o primeiro aval às concessões.

"O processo completo de uma concessão gira em torno de 12 meses, dos estudos preliminares, anuência, processo licitatório até abrir a concessão", reiterou. Quando se trata de uma concessão ou PPP (Parceria Público-privada), tem que haver um interesse nesse equipamento pela iniciativa privada. "Uma empresa só vai assumir se vislumbrar receita para valer a pena o negócio", disse.

Estratégia

A estratégia para ceder os aeroportos à iniciativa privada pode seguir duas etapas. Inicialmente, nada impede que seja apenas concedida a administração do equipamento para exploração comercial dos espaços internos. Nesse caso, basta uma licitação simples. Mas o grande objetivo é deixar nas mãos da empresa toda a gestão desses aeroportos.

Aeroportos

Gestão do Estado

Aracati (obra pronta, à espera de equipamentos do Governo Federal)

1 Camocim (operacional)

2 Canindé (projeto com previsão de conclusão em dezembro de 2016)

3 Campos Sales (operacional)

4 Crateús (operacional)

5 Iguatu (operacional)

6 Itapipoca (projeto com previsão de conclusão em dezembro de 2016)

7 Jericoacoara (em construção com previsão de conclusão em setembro de 2015)

8 Limoeiro do Norte (em processo de reforma/ homologação)

9 Quixadá (operacional)

10 Russas (interditado/projeto de reforma)

11 São Benedito (operacional)

12 Sobral (operacional)

13 Tauá (operacional)

Fonte: Departamento Estadual de Rodovias (DER)

Embraer fecha contratos para venda de 6.350 jatos em todo o mundo

16/06/2015 - Correio Braziliense

Frota mundial de jatos em serviço na categoria de 70 a 130 assentos aumentará dos 2.590 aviões em operação em 2014 para 6.490 em 2034

Portal Vrum


Embraer EMB 190

A Embraer divulgou as perspectivas de mercado (Market Outlook) de 2015 a 2034, no qual detalha as previsões de entregas de novos jatos no nos próximos vinte anos. O foco do relatório é o segmento de 70 a 130 assentos, cujo valor é de aproximadamente USD 300 bilhões, considerando os preços de lista, durante o período. A Embraer projeta entregas de 6.350 jatos novos – sendo 2.250 unidades no segmento de 70 a 90 assentos, quanto as demais 4.100 serão no segmento de 90 a 130 assentos.

A frota mundial de jatos em serviço na categoria de 70 a 130 assentos aumentará dos 2.590 aviões em operação em 2014 para 6.490 em 2034, sendo o crescimento mais rápido entre todos os segmentos de mercado. A substituição de aeronaves antigas representará 39% das novas entregas e os 61% restantes estão relacionados com o crescimento do mercado.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

‘Oscar’ da aviação elege as melhores empresas aéreas do mundo em 2015

16/06/2015 - G1

Qatar Airways, do Catar, foi primeiro lugar no ranking Skytrax deste ano.

LAN e Azul foram premiadas na América do Sul.

Do G1, em São Paulo


Avião da Qatar Airways, eleita a melhor companhia aérea de 2015 pelo ranking Skytrax

A Qatar Airways, do país de mesmo nome, foi eleita nesta terça-feira (16) a melhor companhia aérea do mundo pelo ranking 2015 do Skytrax, premiação considerada uma espécie de "Oscar" da aviação.

Em segundo lugar ficou a Singapore Airlines, de Cingapura, seguida pela Cathay Pacific Airways, de Hong Kong (que tinha sido a vencedora no ano passado).

A Etihad, dos Emirados Árabes Unidos, foi eleito pelo prêmio a melhor primeira classe do mundo. A melhor classe executiva foi a da Singapore e a melhor classe econômica, da Asiana Airlines, da Coreia do Sul.


A primeira classe na Etihad foi eleita a melhor do mundo em 2015 pelo ranking

O prêmio de melhor assento na classe econômica ficou com a Japan Airlines. A EVA Air, de Taiwan, foi considerada a empresa com a cabine mais limpa.

América do Sul

Na América do Sul, a LAN foi considerada a melhor do ranking geral e a Azul, a melhor companhia de baixo custo.

No ranking mundial, a LAN ficou em 32° lugar e a Azul, em 62°. A TAM é outra empresa brasileira que aparece entre os 100 melhores: ficou em 51° lugar.

A pesquisa foi realizada entre setembro de 2014 e maio de 2015 e incluiu a opinião de mais de 18 milhões de clientes no mundo todo.

As melhores companhias aéreas do mundo

1° – Qatar Airways

2° – Singapore Airlines

3° – Cathay Pacific Airways

4° – Turkish Airlines

5° – Emirates

6° – Etihad Airways

7° – ANA All Nippon Airways

8° – Garuda Indonesia

9° – EVA Air

10° – Qantas Airways

Melhor companhia aérea da América do Sul

LAN

Melhor companhia aérea de baixo custo da América do Sul

Azul

terça-feira, 16 de junho de 2015

United compra 10 Embraer 175 para frota regional

15/6/2015 - Panrotas

Rodrigo Vieira




A United anunciou hoje a compra de dez Embraer E175 para a frota de sua marca regional United Express. Ainda há a expectativa, por parte da aérea, da compra de mais 18 E175 em curto prazo, para uso de alguma de suas companhias, como a própria United Express.

Ainda segundo a companhia norte-americana, as aeronaves começarão a ser entregues no ano que vem e continuarão chegando até o meio de 2017. A intenção é substituir aeronaves mais antigas e jatos menos eficientes de 50 assentos com alcance regional. Os dez novos Embraer vêm para somar aos 125 que começaram a chegar no ano passado.

"Nossos clientes nos dizem que estão impressionados com esses aeronaves modernas e de alta performance de combustível, avalia o VP de Frota da United, Ron Baur. "Os E175s são uma grande aquisição para a frota da United Express."

Na United Express, a aeronave da Embraer conta com 12 assentos na United First e 64 na United Economy, dos quais 16 são da Economy Plus, com mais espaço para as pernas.

Azul recebe certificação da IATA

15/06/2015 - Mercado & Eventos


Antonoaldo Neves, presidente da Azul; Carlos Ebner, diretor da IATA para o Brasil; David Neeleman, fundador da Azul; Peter Cerda, vice-presidente da IATA para a América; e José Mario Caprioli, fundador da Trip

Em evento na sede da Azul Linhas Aéreas Brasileiras na última semana, em São Paulo, foi entregue à companhia o certificado oficial de empresa aérea associada à IATA (Associação Internacional de Transportes Aéreos, na sigla em inglês). Desde o começo deste ano, a Azul integra um grupo de 250 aéreas em discussões e estudos globais sobre a indústria da aviação comercial no mundo.

Para fazer parte da associação, as empresas precisam contar com o IOSA (IATA Operational Safety Audit), certificação recebida pela Azul em outubro de 2014. A rigorosa auditoria, pelo qual a companhia foi aprovada, verifica mais de 900 requisitos e recomendações práticas relacionados à segurança das operações, incluindo documentos, processos e procedimentos de oito áreas operacionais.

Para acessar a imagem em alta resolução, clique aqui. Na imagem, a partir da esquerda: Antonoaldo Neves, presidente da Azul; Carlos Ebner, diretor da IATA para o Brasil; David Neeleman, fundador da Azul; Peter Cerda, vice-presidente da IATA para a América; e José Mario Caprioli, fundador da Trip.

Rafael Massadar

Aeródromo em Cascavel terá recurso de R$ 80 mi

16/06/2015 - Diário do Nordeste

O projeto tem como foco atender às demandas da aviação geral e executiva privada no Estado


A pista de pouso terá 1.700 metros de comprimento e 30 metros de largura, possibilitando a operação de aeronaves de pequeno, médio e grande portes

O Ceará receberá em 2017 o primeiro aeródromo civil público do Norte e Nordeste. A empresa cearense Arvoredo Fly Inn projeta o investimento de R$ 80 milhões em recursos próprios para a implantação do Aeródromo Arvoredo, em Cascavel, a 60 km de Fortaleza. O projeto tem como foco atender às demandas da aviação geral e executiva privada no Estado. Desta forma, a ideia seria desafogar o Aeroporto Internacional Pinto Martins.

Piloto há 39 anos, José Demontieux Brito Teles, o "comandante Teles", reclama das dificuldades que enfrenta no Ceará pela ausência de um equipamento específico para o mercado.

"Temos muitas dificuldades, pois toda a prioridade em Aeroportos é para as companhias comerciais. Você vem pousar (uma aeronave de pequeno porte) e tem que ficar na espera. Sempre estamos em último plano. Para decolar é a mesma coisa", diz o piloto.

A intenção do Aeródromo Arvoredo, no entanto, é exatamente encerrar este problema, servindo inclusive como apoio à atual demanda do Aeroporto Internacional Pinto Martins. A pista de pouso serviria para este público sem a concorrência das aeronaves comerciais. Assim, a espera reclamada nos pousos e decolagens deixaria de existir.



Justificativa

O empresário Raphael Athayde, diretor administrativo da Arvoredo Fly Inn, citou este congestionamento do Aeroporto Internacional da Capital, além do vácuo existente no setor público para a expansão da estrutura aeroportuária no Ceará como justificativas ao investimento. "Em razão do grande volume de operações da aviação comercial no Aeroporto Pinto Martins, por causa das grandes companhias, as empresas de aviação geral, como os táxis aéreos, por exemplo, além da aviação executiva, ficaram limitadas nas suas atividades e tiveram seus custos operacionais elevados, ocasionando uma elevação do custo da hora de voo, o que tem prejudicado o setor", explicou.

Em obras

Conforme o empresário Severino Athayde, consultor operacional do empreendimento, a construção já está autorizada e em andamento.

"A pista de pouso terá 1.700 metros de comprimento e 30 metros de largura, possibilitando a operação de aeronaves de pequeno, médio e grande porte. Mas não podemos atuar nem com carga nem na aviação comercial de passageiros. Esse aeródromo é para a aviação geral e executiva privada. Será utilizado para táxi aéreo, transporte de valores, entrega de malotes, Correios", informou. O Aeroporto Internacional Pinto Martins, no ano de 2014, registrou 13.396 pousos e decolagens desse segmento. Montar o Aeródromo é uma maneira de desafogar o modal aeroportuário público.

"Estamos tecnicamente autorizados pela Anac (Agência Nacional da Aviação Civil). A obra já começou. Agora é desenvolver uma atividade pesada para termos condições de inaugurar daqui a um ano e meio o campo de pouso", revelou Severino Athayde, que prevê o início das atividades para o segundo semestre do ano de 2017.

Capacidade

O empreendimento contará, ainda, com hangaragem para 250 aeronaves, além de centro administrativo, abastecimento e comércio local.

Outro ponto abordado por Athayde foi a disponibilização de transfer gratuito, através de helicóptero, para os deslocamentos de clientes e tripulação para Fortaleza.

"Os nossos custos operacionais serão bem mais acessíveis, não teremos problemas com congestionamentos de slots, já que o nosso aeródromo não tem controle de torre. Por outro lado, ofereceremos também hangaragem a preços diferenciados, o que deverá atrair muitos donos de aeronaves e empresas de táxi aéreo", relatou Raphael.

A redução projetada para o cliente final seria de aproximadamente 35% em relação aos valores atualmente praticados, conforme Severino.

De acordo com o diretor financeiro do empreendimento, Cardoso Neto, "os parâmetros técnicos projetados visam uma perfeita assimilação do tráfego aéreo local e regional, para que houvesse uma perfeita análise da demanda, levando em consideração o tipo de operação e o porte das aeronaves previstas a operar no aeródromo", relatou.

Manutenção

Severino Athayde destaca, ainda, a responsabilidade social da empresa. Será destinado um espaço para a realização de cursos de formação para capacitar mão de obra local para atuar na manutenção das aeronaves. A perspectiva, segundo ele, é também atrair o mercado de manutenção para o Ceará.

"Atualmente, para realizar as manutenções em aeronaves é preciso voar até o Sudeste, pois somente em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais é que estão localizadas as oficinas. Com nosso projeto, as regiões Norte e Nordeste poderão ter uma opção mais próxima para este atendimento", explicou.
Levi de Freitas



Repórter

Air France-KLM corta gastos e frequência de voos para o Rio de Janeiro será reduzida

15/06/2015 - Folha de Pernambuco

Tóquio e Moscou também devem sofrer com alteração na frequência de voos

Estadão Conteúdo

A companhia aérea Air France-KLM disse nesta segunda-feira (15), que vai adotar algumas medidas para cortar gastos, como parar de realizar voos que não dão lucro, reduzir a frequência e a capacidade de alguns voos de longa distância e rever o seu plano de investimento para novos aviões.

A companhia aérea, a maior da Europa em tráfego, afirmou que vai eliminar rotas para Stavanger, na Noruega; Verona, na Itália; Vigo, na Espanha; e Kuala Lumpur, na Malásia. Além disso, a empresa vai reduzir a frequência dos voos e do tamanho das aeronaves em rotas para Rio de Janeiro, Tóquio e Moscou.

Air France também vai aposentar, antes do previsto, um jato Airbus A340, e estuda "vários cenários para adiar a entrega de aeronaves de longo curso."

A empresa tem sido devastada por uma lenta economia europeia, bem como a concorrência de companhias de baixo custo em voos de curta distância e de operadoras do Oriente Médio nos voos de longa distância.

A companhia aérea colocou parte da culpa na falta de progressos na relação com o sindicato dos pilotos. A empresa alega que o sindicato não cumpriu todas as suas obrigações para alcançar os 20% de reduções adequadas em despesas descritas em um contrato de trabalho anterior. O sindicato não respondeu a um pedido de comentário.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Embraer fecha múltiplos contratos para venda de jatos regionais em Paris

15/06/2015 - Diário de Pernambuco

Com o pacote, as encomendas pelo modelo de nova geração E-Jets E2 da empresa ultrapassaram 600 aviões


Agência Estado

A Embraer fechou hoje contratos para a venda de mais de 100 jatos regionais, incluindo opções, durante o Salão Internacional de Aeronáutica de Paris. Com isso, as encomendas pelo modelo de nova geração da empresa ultrapassaram 600 aviões.

A AirCastle fez um pedido firme para 25 aeronaves da família E-Jets E2 – incluindo 15 unidades do E190-E2 e dez do E195-E2 -, com direitos de compra adicionais para outras 25 unidades.

Outros compradores incluíram a United Continental Holdings, que encomendou dez unidades do E175 (com mais 18 opções), a Skywest, que comprou oito aviões, e a chinesa Colorful Guizhou, que encomendou sete unidades do E190 (com mais dez opções).

A primeira entrega do E190-E2 está prevista para o primeiro semestre de 2018.

Embraer faz expansão em Portugal

15/06/2015 - Valor Econõmico

Por Fabio Murakawa e Virgínia Silveira

De São Paulo e São José dos Campos

A Embraer está expandindo as atividades das suas fábricas instaladas em Évora, Portugal, para atender a produção de peças e componentes para os novos aviões da companhia: o Legacy 450, o Legacy 500, da aviação executiva, os jatos comerciais E2 e o cargueiro militar KC-39o.

A empresa brasileira investirá C 150 milhões com o apoio de recursos de fundos liberados pela Comissão Europeia, como parte de um programa para estimular o INVESTIMENTO no país europeu, segundo Miguel Frasquilho, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (Aicep). Pelo programa, a companhia poderá recuperar, ao final do processo, 25% do investimento na forma de benefícios fiscais, de acordo com Frasquilho.

A Embraer não confirmou a informação, mas declarou que os INVESTIMENTOS em Portugal fazem parte do alinhamento entre as prioridades deste país e a estratégia industrial da companhia. Frasquilho, porém, afirma que a empresa já se candidatou ao fundos. "A Embraer, que é um investidor de referência em Portugal, vai reforçar sua presença em nosso país com um investimento de C 150 milhões e concorre a esses fundos."

Segundo ele, a Comissão Europeia disponibilizou cerca de US$ 10 bilhões para subsidiar INVESTIMENTOS em tecnologia e inovação em Portugal, entre 2014 e 2020. Frasquilho esteve no Brasil no fim em maio para tentar estimular outras empresas brasileiras a se aproveitar dos fundos europeus e investir por lá. O Brasil foi a principal fonte de investimentos diretos em Portugal em 2014, com cerca de US$ 3,5 bilhões. "Nós gostaríamos de reforçar esse montante", disse.

Em 2012, a Embraer a também foi beneficiada com recursos de fundos comunitários de Portugal para realizar o INVESTIMENTO total de C 177 milhões, aplicado na construção das fábricas de Évora.

Segundo a empresa, a criação dos dois centros de excelência em Évora contribuem para apoiar o governo de Portugal no plano de estabelecer, na sua base industrial, uma oferta competitiva em nível global para o setor aeronáutico.

Inauguradas em 2012, as unidades de Évora são responsáveis pelo fornecimento de materiais compósitos e metálicos para os jatos E2 e jatos executivos. Em Évora, a Embraer também produz as longarinas e os painéis de revestimento das asas do KC390, assim como o estabilizador vertical e o estabilizador horizontal da aeronaves.

A fábrica da Ogma, em Alverca, uma subsidiária da Embraer em Portugal, também produz partes do KC-39o. O fornecimento dos painéis da fuselagem central, carenagens para os trens de pouso, as portas dos trens de pouso principais e os profundores do KC-390 é feito em conjunto com a portuguesa EEA (Empresa de Engenharia Aeronáutica).

A Embraer explicou que a parceria industrial que fechou com Portugal para o programa do KC-39o está focada no trabalho com a EEA. A parceria foi motivada pela assinatura de uma carta de intenção de compra, pelo governo português, para seis aeronaves KC-39o.

Segundo a mídia portuguesa, autoridades brasileiras querem levar o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho para o voo inaugural da aeronave, em visita que ele deve fazer a Brasília ainda neste ano.

Viracopos salta de 14 mil para 269 mil passageiros em voos internacionais

12/06/2015 - G1

Aeroporto em Campinas passa por expansão nas rotas para o exterior.

Até meados de julho do ano passado, havia apenas uma opção de voo.

Do G1 Campinas e Região


Alta é ligada à abertura do píer A em novo terminal

O Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), registrou alta de 1.752% na movimentação de passageiros internacionais nos primeiros cinco meses deste ano, em relação ao mesmo período de 2014. Foram 269.830 usuários até maio, contra 14.567 no intervalo anterior.

De acordo com a concessionária responsável pela gestão do terminal, o aumento do fluxo está ligado à abertura do píer A do novo terminal, em dezembro do ano passado. Atualmente, Viracopos registra média de 38 voos internacionais, incluindo como destinos Miami, Orlando e Fort Laudardale, nos Estados Unidos, Cidade do Panamá e Lisboa.

Até meados de julho do ano passado, o aeroporto em Campinas operava apenas um destino internacional, para Lisboa. A expansão de rotas começou com o início de voos para Miami e, desde então, o terminal aéreo teve aumento na oferta para o exterior.

Durante os primeiros cinco meses deste ano, Viracopos teve recorde de passageiros ao somar 4,3 milhões de viajantes – somando voos internacionais e domésticos. A alta é de 8,5% em comparação ao mesmo período de 2014. No total, 53.094 pousos e decolagens foram registrados no terminal em Campinas.

Atraso no novo terminal

O novo terminal de Viracopos continua inacabado e, ao menos até o início de maio deste ano, era usado apenas para os voos internacionais. O prazo contratual de entrega total na primeira fase da expansão venceu em 11 de maio de 2014. A concessionária está sujeita a multa, aplicada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

O motivo do atraso, justifica a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, é a alteração no projeto inicial do novo terminal de passageiros, que foi ampliado de 14 milhões para 25 milhões de passageiros por ano.

Ranking de aeroportos

Segundo pesquisa trimestral sobre a satisfação dos usuários realizada pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), o terminal ocupa a primeira colocação no ranking de terminais do país, com nota 4,38. No ano passado, o aeroporto ocupava a quinta colocação.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Azul homenageia fundador da Embraer em novo E195

10/06/2015 - Mercado & Eventos



Homenagem a Ozires Silva, um dos fundadores e presidentes da Embraer

A Azul realizou, nesta quarta-feira (10/06), o batismo de seu novo jato E195 – matrícula PR-AUK – em homenagem a Ozires Silva, um dos fundadores e presidentes da Embraer. A entrega da aeronave ocorreu em São José dos Campos, com a participação de Ozires Silva, familiares e convidados.

"Prestamos uma justa homenagem a alguns dos mais importantes nomes da aviação no Brasil. Graças a eles, desenvolvemos o setor no país, de modo a sempre melhorar as atividades aéreas. Só chegamos até aqui pelo trabalho desenvolvido por essas pessoas. É um orgulho poder eternizar o nome de personalidades da aviação brasileiras em nossas aeronaves", destacou Gianfranco Beting, diretor de Comunicação, Marca e Produto da Azul.

"Para a Embraer e seus funcionários é uma grande honra poder entregar este E195, uma bonita e justa homenagem da Azul a Ozires Silva, um pioneiro, não apenas da nossa empresa, mas da construção da moderna indústria aeronáutica brasileira", diz Paulo César Silva, Presidente & CEO da Embraer Aviação Comercial.
Pedro Menezes

Azul contará com novo destino a partir de Cuiabá

10/06/2015- Folha do Estado - MT


Autor: Redação da Folha com Site

Fonte: Folha do Estado



A Azul Linhas Aéreas Brasileiras ampliará sua presença em Cuiabá com a estreia de um voo diário e sem escalas entre a capital do estado e Ribeirão Preto. As operações serão realizadas pelos modernos turboélices ATR 72, equipados com 70 assentos. Ainda, a empresa iniciará a segunda frequência para Campo Grande, ampliará ligações para Foz do Iguaçu e substituirá o ATR por jato Embraer 195 nas operações para Maringá. Todas as novidades entram em vigor em 3 de agosto, após aprovação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

"Nossos INVESTIMENTOS em Cuiabá e no interior do Mato Grosso atenderão à crescente demanda dos Clientes, que poderão voar para destinos bastante procurados. Ligaremos a capital a uma das regiões polo mais desenvolvidas e importantes do interior de São Paulo, que abriga diversas multinacionais e apresenta um amplo avanço em comércio e oferta de serviços. Além disso, reforçaremos voos para demais regiões de igual importância dentro de seus contextos regionais", destaca Marcelo Bento, diretor de Planejamento e Alianças da Azul.

Mais de 800 assentos serão ofertados em 12 voos semanais na nova rota. Entre Cuiabá e Campo Grande, a Azul passará a contar com 24 ligações por semana e disponibilidade de poltronas superior a 2,2 mil. Já nas operações com destino a Maringá, a oferta será ampliada em aproximadamente 60%, uma vez que os jatos Embraer 195 contam com 118 assentos, além de contar com TV ao vivo.

Em relação a Foz do Iguaçu, onde os Clientes contam atualmente com três voos semanais a partir de Cuiabá, a Azul incluirá outras três ligações, o que resultará na primeira frequência diária entre a capital do Mato Grosso e o destino paranaense.

Em Cuiabá, onde a Azul é líder de decolagens diárias e destinos servidos, são aproximadamente 30 partidas, em voos que chegam a quase 20 cidades.

Interior – A partir de 3 de agosto, a Azul oferecerá cinco voos semanais entre Rondonópolis e Campinas. No maior hub de operações da companhia, os Clientes do interior do Mato Grosso terão à disposição conexões para mais de 55 destinos nacionais, além de voos diretos internacionais para Fort Lauderdale/Miami e Orlando, nos Estados Unidos. O novo voo será realizado pelos jatos Embraer 195.

Com a operação para o principal aeroporto da Azul, a companhia deixará de operar voos sem escalas entre Rondonópolis e Cuiabá.

Azul em Cuiabá

Na capital do Mato Grosso, a Azul opera aproximadamente 30 voos diários. Os destinos oferecidos sem escalas são: Alta Floresta, Brasília, Vilhena, Campo Grande, Belo Horizonte (Confins), São Paulo (Guarulhos), Goiânia, Foz do Iguaçu, Ji-Paraná, Londrina, Maringá, Cacoal, Sinop, Presidente Prudente, Porto Velho, Rondonópolis, São José do Rio Preto e Campinas. Data de estreia: 25 de fevereiro de 2000, em operações da Trip.

Delta vai incorporar 20 aviões da Embraer nos EUA

11/06/2015 – Jornal do Comércio – RS

ESTADÃO conteúdo

A companhia aérea americana Delta Air Lines informou nesta quarta-feira que planeja comprar 20 aeronaves da Embraer que pertencem à Boeing, em sua primeira aquisição de jatos de alcance regional.

As 20 unidades do modelo Embraer E190 hoje em poder da Boeing pertenciam anteriormente a outra companhia aérea.

Os aviões de 98 lugares deverão entrar em serviço pela Delta no último trimestre de 2016 em rotas domésticas nos Estados Unidos. Os E190 vão tomar o lugar das aeronaves de 50 lugares atualmente em uso pela companhia.

A Delta também anunciou planos para adquirir 40 novos Boeing 737-900ER, em um INVESTIMENTO que pode chegar a US$ 3,96 bilhões.

Airbus vai expor avião elétrico no Paris Air Show

10/06/2015 - O Globo

Veículo capaz de carregar duas pessoas começará a ser produzido até o início de 2018


O E-Fan, avião elétrico da Airbus em exposição no Berlim Air Show, em maio do ano passado

PARIS – A fabricante francesa de aviões Airbus irá apresentar no evento Paris Air Show, de 15 a 21 de junho, o seu primeiro avião elétrico, capaz de voar a cerca de 218 km/h. Além de ser exposto, o E-Fan 2.0 alçará voo durante a exposição. A aeronave, que pesa menos de meia tonelada, é capaz de voar por até uma hora. Ele é completamente livre de emissões de CO2 e não gera ruídos ao voar.

De acordo com o a Yahoo News, o plano da companhia é que o avião seja montado na cidade de Pau, no sudoeste da França, e entre em produção entre o final de 2017 e o início de 2018. Capaz de carregar duas pessoas, o E-Fan 2.0 será voltado para clientes em cursos de aviação.

Um outro modelo, capaz de carregar até quatro pessoas deve ser lançado em 2019. A agência de notícias informa que este modelo, batizado de E-Fan 4.0 seria voltado para o mercado em geral. A Airbus estaria planejando também produzir helicópteros elétricos e aeronaves elétricas para empresas de aviação regionais. O plano seria construir um avião elétrico com capacidade para voar com até 100 pessoas a bordo, mas a previsão é que isso não aconteça antes de 2050. No momento a companhia investe US$ 23 milhões para o design e desenvolvimento do E-Fan 2.0.

Azul vence disputa pela privatização da aérea portuguesa TAP, diz TV

11/06/2015 - O Estado de S.Paulo

Avianca também negociava a compra da empresa; anúncio oficial deverá ser feito ainda nesta quinta-feira pelo governo português

FERNANDO NAKAGAWA, CORRESPONDENTE – O ESTADO DE S. PAULO

LONDRES – O empresário David Neeleman, dono da empresa aérea Azul, venceu a disputa pela privatização da companhia aérea portuguesa TAP. A informação foi transmitida nesta quinta-feira pela emissora de televisão pública de Portugal RTP.

Além de Neeleman, o empresário Germán Efromovich, controlador da Avianca, estava na disputa. O anúncio oficial deverá ser feito ainda nesta quinta-feira pelo governo português.

A emissora portuguesa informa que a vitória de Neeleman na disputa pela TAP foi informada por fontes no governo que pediram para não serem identificadas. Neeleman ficará com 61% do capital da empresa aérea, o que lhe dará o controle da TAP. Outros 5% do capital atualmente na mão do governo devem ser oferecidos aos funcionários.



David Neeleman, fundador da Azul, é um dos interessados na TAP


O anúncio oficial deve acontecer após o fim da reunião do conselho de ministros que acontece nesta quinta. O fundador da norte-americana JetBlue e da brasileira Azul tem como sócio no consórcio o empresário local Humberto Pedrosa, ligado ao grupo Barraqueiro, diz a emissora.

Segundo a RTP, a proposta vencedora prevê a compra de 53 novos aviões e a injeção entre 300 milhões a 350 milhões de euros no capital da TAP.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Com Mendoza, GOL atinge 76 frequências para Argentina

10/6/2015 - Panrotas


Por: Danilo Teixeira Alves


Federico Fores, do Ministério do Turismo de Mendoza, Emiliano Parrilli, do Inprotur, Eduardo Bernardes, da GOL, a rainha Rocio Valdivia, Javier Espina, do MTur de Mendoza, Jaime Ríos, do Inprotur, e Diego Hejiej, da Gol

Mendoza será o 17º destino internacional da Gol a partir do dia 4 de julho. Com a inauguração da rota, a aérea passa a ser reconhecida como a empresa com maior número de voos ligando o Brasil com a Argentina, com 76 frequências semanais para Buenos Aires (Ezeiza e Aeroparque), Córdoba, Rosário e agora Mendoza. "É um destino que tem tudo para agradar qualquer turista. Lá é possível encontrar grandes vinhos, excelente gastronomia, praticar esportes de aventura, jogar em cassinos, ver neve e montanha. Só não tem mar. Se tivesse, Deus seria argentino e não brasileiro", brincou o vice-presidente de Vendas e Marketing da Gol, Eduardo Bernardes, durante o lançamento da nova rota, em um restaurante na capital paulista.

A Gol será a única empresa brasileira e da América do Sul a fazer um voo direto entre Mendonza e o Brasil. Hoje, essa ligação só é possível com conexão em Santiago ou Buenos Aires, segundo o ministro. A Gol terá dois voos partindo do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, às quartas-feiras e sábados, com destino ao Aeroporto Internacional Gobernador Francisco Gabrielli. As passagens já estão a venda pelos canais da companhia e, de acordo com Bernardes, a comercialização está bem positiva e dentro do esperado.

Ao lado do ministro do Turismo de Mendoza, Javier Espina, Bernardes disse que a nova operação faz parte da política de crescimento que a companhia vem desenvolvendo para toda América Latina. "Esta província, pela sua localização e importância econômica e turística, é vital para nossa empresa", destacou. "Esse lançamento vai ao encontro do nosso projeto de crescimento como destino turístico internacional. Ter uma conexão direta com o nosso segundo maior emissor de visitantes (atrás apenas do Chile) amplia as oportunidades e os negócios entre os dois países", completou Espina.

O vice-presidente da GOL relembrou ainda, que em um primeiro momento, a ideia da empresa era manter um voo sazonal, de julho a agosto apenas. "Mas vimos que há potencial para que essas frequências que já estamos vendendo continuem por mais tempo. Por isso, pedimos às autoridades que concedam a autorização para que os voos sejam regulares", explicou, dizendo ainda que o aval deverá sair já nos próximos dias.

De São Paulo para Mendoza, o voo 9316 decolará às 10h10 e pousa às 14h. No sentido inverso, a decolagem vai acontecer às 16h45 e chegar às 20h. A rota será realizada por aeronaves Boeing 737-800, configurado nas classes Comfort ou Econônomica, com serviço de bordo gratuito. Além disso, será disponibilizado também o serviço GOL+, que oferece ao passageiro mais espaço entre as poltronas. "Tudo isso são diferenciais. Trabalhamos para proporcionar uma experiência de voo com comodidade aos nossos passageiros", disse Eduardo.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Veja quais são os investimentos anunciados pelo governo

10/06/2015 - G1

Com previsão de investimentos de R$ 198,4 bilhões nos próximos anos, o governo federal anunciou nesta terça-feira (9) a nova fase do Programa de Investimento em Logística (PIL), que vai privatizar aeroportos, rodovias, ferrovias e portos. Desse total, R$ 69,2 bilhões devem ser aplicados entre 2015 e 2018, durante o segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

O pacote de investimentos é mais uma tentativa da presidente de modernizar parte da infraestrutura do país. Essa nova versão do PIL também é uma reação de Dilma à queda de sua popularidade provocada pela desaceleração da economia e as denúncias de corrupção na Petrobras.

Na primeira fase do PIL, anunciada em agosto de 2012, havia a previsão de investimentos de R$ 133 bilhões apenas em rodovias e ferrovias. Entretanto, dos nove trechos de estradas, apenas seis foram leiloados. Dos projetos de ferrovias, nenhum saiu do papel.

Para essa nova fase do programa, o governo fez mudanças para atrair os investidores e reduzir as chances de novas frustrações. Entre elas está a possibilidade de concessão por meio de outorga, em que vence quem paga ao governo o maior bônus pelo direito de explorar um serviço. Esse modelo foi adotado durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e era criticado pelo PT.

"Com uma melhor infraestrutura, nós vamos poder atender melhor o setor agropecuário, poderemos escoar mais rapidamente a produção do Brasil. A redução dos custos beneficiará em muito a indústria, reduzindo custos de importação e exportação, promovendo maior integração entre as cadeias globais de valores. Também vamos atender ao aumento do volume de viagens do Brasil, proporcionando melhores serviços", disse o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, durante o anúncio do pacote.

ENTENDA:

- O plano anunciado pelo governo prevê que as empresas que vencerem as concessões vão investir R$ 198,4 bilhões nas obras de infraestrutura do país
- Esses recursos serão investidos na construção e na reforma das rodovias, ferrovias, portos e aeroportos concedidos
- Desse valor, R$ 69,25 bilhões deverão ser aplicados entre 2015 e 2018
- Os outros R$ 129,2 bilhões serão investidos a partir de 2019 e até o final do prazo de concessão, que varia de acordo com a obra, podendo chegar a 30 anos
- Não foi definido qual será o modelo que será adotado para cada concessão. Por isso, não há previsão de quanto o governo vai arrecadar com os leilões

AS CONCESSÕES:

Rodovias

Dos R$ 198,4 bilhões, R$ 66,1 bilhões devem ser aplicados na modernização (duplicação e melhorias) de rodovias federais. O governo prevê o leilão de 15 lotes de estradas, totalizando 6.974 quilômetros.

Entre os trechos estão o das BRs-476/153/282/480, entre Paraná e São Paulo; BR-163, entre Mato Grosso e Pará; BRs-364/060, entre Mato Grosso e Goiás; BR-364, entre Goiás e Minas Gerais. A previsão do governo é leiloá-los ainda em 2015.

Para 2016, devem ser licitados outros 11 trechos de rodovias federais, em 10 estados (Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Pernambuco).

Na primeira versão do PIL, vencia o leilão de estradas o grupo que oferecesse o menor valor de pedágio. Além disso, havia obrigação de duplicação dos trechos em 5 anos, com o início da cobrança da tarifa apenas após a conclusão de 10% das obras.

O modelo de menor pedágio deve permanecer. Entretanto, o ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues, disse que ainda não está definido se a obrigação de duplicação em cinco anos será mantida.

"Não tem obrigação de 5 anos [para finalizar as duplicações]. Está em fase de estudo e depois disso é que vai saber como vai ser conduzido", disse Rodrigues.

Rodovia em PE
BR-101/232/PE
Extensão total: 564 km
Investimento estimado: R$ 4,2 bilhões
Objetivo: construção do Arco Metropolitano do Recife, melhoria do acesso ao Porto de Suape, e duplicação para Cruzeiro do Nordeste
Rodovia na BA

BR-101/BA
Extensão total: 199 km
Investimento estimado: R$ 1,6 bilhão
Objetivo: duplicar trecho Feira de Santana/Gandu e melhorar o transporte de cargas entre Nordeste e Sudeste
Rodovia em MG

BR-262/381/MG
Extensão total: 305 km
Investimento estimado: R$ 1,9 bilhão
Objetivo: duplicar trecho Belo Horizonte/Divisa ES, melhorar a segurança e reduzir custos
Rodovia no RJ/SP

BR-101/493/465/RJ/SP
Extensão total: 357 km
Investimento estimado: R$ 3,1 bilhões
Objetivo: ampliação de capacidade do trecho Rio-Santos até Ubatuba, via de turismo, com concessão do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro
Rodovia em SC

BR-470/282/SC
Extensão total: 455 km
Investimento estimado: R$ 3,2 bilhões
Objetivo: duplicar trecho que liga a região agroindustrial de SC aos portos do Arco Sul
Rodovia em SC

BR-280/SC
Extensão total: 307 km
Investimento estimado: R$ 2,1 bilhões
Objetivo: melhorar escoamento da safra e produção industrial de SC pelos portos do Arco Sul
Rodovia em SC
BR-101/SC
Extensão total: 220 km
Investimento estimado: R$ 1,1 bilhão
Objetivo: ampliar capacidade e melhorar a segurança da via
Rodovia no RS

BR-101/116/290/386/RS
Extensão total: 581 km
Investimento estimado: R$ 3,2 bilhões
Objetivo: duplicar a Rodovia da Produção até Carazinho, duplicar trecho Porto Alegre-Camaquãe garantir qualidade na Freeway
Rodovia no MS

BR-267/MS
Extensão total: 249 km
Investimento estimado: R$ 2 bilhões
Objetivo: duplicar ligação MS/Divisa SP e reduzir custos para o escoamento da produção agropecuária pelos portos do Arco Sul
Rodovia no MS

BR-262/MS
Extensão total: 327 km
Investimento estimado: R$ 2,5 bilhões
Objetivo: duplicar ligação Campo Grande/Divisa com SP e reduzir custos para o escoamento da produção agropecuária pelos portos do Arco Sul
Rodovia em RO/MT

BR-364/RO/MT
Extensão total: 806 km
Investimento estimado: R$ 6,3 bilhões
Objetivo: melhorar a integração das regiões produtoras de grãos do MT e de RO à hidrovia do Rio Madeira
Novos investimentos em concessões existentes: 
R$ 15,3 bilhões (2 projetos em andamento e 9 em avaliação)

Em avaliação:
BR-163/MT – duplicação R$ 0,8 bilhão
BR-153/SP – duplicação R$ 4 bilhões
BR-116/PR/SC – duplicação R$ 2,5 bilhões
BR-381/SP/MG – faixa adicional R$ 0,6 bilhão
BR-324/116/BA – faixa adicional R$ 0,4 bilhão
BR-393/RJ – duplicação R$ 1,3 bilhão
BR-101/RJ – duplicação R$ 1,2 bilhão
BR-116/SP/RJ – Dutra Serra das Araras, Marginais – R$ 2,3 bilhões
BR-101/376/116/SC/PR faixa adicional – R$ 0,9 bilhão
Em andamento:
BR-290/RS – Freeway faixa adicional – R$ 0,2 bilhão
BR-040/RJ – Subida da Serra R$ 1,1 bilhão

Aeroportos

Também foi confirmada a entrega à iniciativa privada dos aeroportos de Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e Florianópolis. A estimativa do governo é que eles recebam, no total, R$ 8,5 bilhões em investimentos.  Os leilões estão previstos para acontecer a partir do primeiro trimestre de 2016.

A redução na participação da estatal Infraero nas novas concessões, dada como certa, voltou a ser dúvida. Nos leilões dos aeroportos de Guarulhos, Campinas (SP), Brasília, Confins (MG) e Santos Dumont, a Infraero ficou com 49%. Agora, a expectativa era que caísse para 15%.

De acordo com o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Eliseu Padilha, agora o governo pode optar por um percentual de participação diferente, dependendo do aeroporto. Isso ainda está sob análise.

"Pode variar [a participação da Infraero]. Ainda não é pacífico. Nós temos dentro do governo duas correntes: uma que quer manter os 49% e outra que pensa nos 15%, que é o mínimo. Já se pensou inclusive na cláusula Golden Share [que dá ao acionista o poder de veto], que foi abandonada", disse Padilha.

O ministro informou ainda que os atuais concessionários de aeroportos vão poder participar dos novos leilões. Segundo ele, porém, será estabelecido um raio de atuação que impedirá que uma mesma empresa administre dois terminais muito próximos.

Também será feita a outorga de sete aeroportos regionais: Araras, Jundiaí, Bragança Paulista, Itanhaém, Ubatuba e Campinas (Amarais), todos em São Paulo, além de Caldas Novas, polo turístico localizado em Goiás. Nestes terminais, o investimento previsto é de R$ 78 milhões.

AEROPORTO INTERNACIONAL DE FORTALEZA Pinto Martins
12º Aeroporto mais movimentado do país e o 3º da região Nordeste
Movimentação de passageiros em 2014: 6,5 milhões
Principal investimento: ampliação do pátio e terminal de passageiros
Previsão de investimentos: R$ 1,8 bilhão

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR
8º aeroporto mais movimentado do país e o 1º da região Nordeste
Movimentação de passageiros em 2014: 9,2 milhões
Principal investimento: ampliação do terminal de passageiros e construção da 2ª pista
Previsão de investimentos: R$ 3 bilhões

AEROPORTO INTERNACIONAL DE FLORIANÓPOLIS Hercílio Luz
14º Aeroporto mais movimentado do país e o 3º da região Sul
Movimentação de passageiros em 2014: 3,6 milhões
Principal investimento: novo terminal de passageiros e pátio
Previsão de investimentos: R$ 1,1 bilhão

AEROPORTO INTERNACIONAL DE PORTO ALEGRE Salgado Filho
9º Aeroporto mais movimentado do país e o 1º da região Sul
Movimentação de passageiros em 2014: 8,4 milhões
Principal investimento: ampliação de pista, pátio e terminal de passageiros
Previsão de investimentos: R$ 2,5 bilhões
Anuência para concessão de 7 aeroportos regionais delegados:
Aeroporto de Bragança Paulista/SP
Aeroporto de Campinas – Amarais/SP
Aeroporto de Itanhaém/SP
Aeroporto de Jundiaí/SP
Aeroporto de Ubatuba/SP
Aeroporto de Araras/SP
Aeroporto de Caldas Novas/GO

Ferrovias

O governo também prevê investimentos de R$ 86,4 bilhões em ferrovias. Entre os trechos incluídos no programa estão os da ferrovia Norte-Sul, entre Palmas (TO) e Anápolis (GO) e entre Barcarena (PA) e Açailândia (MA) e entre Anápolis, Estrela D'Oeste (SP) e Três Lagoas (MS).

Também estão previstos investimentos no trecho entre Lucas do Rio Verde (MT) e Miritituba (PA) e a construção de uma ferrovia entre Rio de Janeiro e Vitória (ES). O governo também projeta investimentos de R$ 40 bilhões na chamada Bioceânica, que pretende interligar o Centro-Oeste e o Norte do país ao Peru, visando as exportações para a China.

Na primeira fase do PIL, anunciado em 2012, o governo havia anunciado a construção de 10 mil quilômetros de novas ferrovias, mas nenhum trecho chegou a sair do papel até hoje.

Para tentar reverter essa situação, foi anunciada mudança no modelo de concessão. Em 2012, ele previa que os vencedores dos leilões construiriam e fariam a manutenção dos trilhos, mas a capacidade de transporte de carga seria toda comprada pela estatal Valec. Em seguida, a Valec venderia o direito de passagem a todos os transportadores interessados.

Esse modelo visava evitar monopólio e a competição no transporte de cargas por ferrovias, beneficiando os produtores brasileiros. Entretanto, o risco de prejuízo, por falta de transportadores interessados, ficava todo com o governo.

Para essa nova fase do PIL, o governo terá três opções para o modelo de concessão de ferrovias: maior valor de outorga (vence quem oferecer ao governo maior valor pelo direto de exploração); menor tarifa e compartilhamento de investimentos.

De acordo com o governo, independente do modelo escolhido para o leilão de cada trecho de ferrovia, será garantido o direito de passagem para transportadores interessados e tráfego mútuo.
Ferrovia em GO/TO/MA/PA
FERROVIA NORTE-SUL Palmas/TO-Anápolis/GO e Barcarena/PA-Açailândia/MA
Extensão total: 1.430 km
Investimento estimado: R$ 7,8 bilhões
Objetivo: concluir o corredor Norte-Sul, no seu trecho norte, com saídas pelos portos do Arco Norte
Ferrovia em GO/MG/SP/MS
FERROVIA NORTE-SUL Anápolis/GO-Estrela D'Oeste/SP-Três Lagoas/MS
Extensão total: 895 km
Investimento estimado: R$ 4,9 bilhões
Objetivo: concluir o corredor Norte-Sul no seu trecho sul com interligação com polo agroindustrial em Três Lagoas
Ferrovia em MT/PA
LUCAS DO RIO VERDE/MT-MIRITITUBA/PA
Extensão total: 1.140 km
Investimento estimado: R$ 9,9 bilhões
Objetivo: melhorar o escoamento da produção agrícola do MT pela hidrovia do Tapajós
RIO DE JANEIRO/RJ-VITÓRIA/ES
Extensão total: 572 km
Investimento estimado pelo estudo realizado pelos governos do ES e RJ: R$ 7,8 bilhões
Objetivo: integrar o porto do Rio de Janeiro e os terminais privados de ambos estados ao porto de Vitória e Tubarão
FERROVIA BIOCEÂNICA
Trecho brasileiro estimado – 3,5 mil km
Investimento estimado com base no custo de construção e material rodante de outras ferrovias brasileiras: R$ 40 bilhões
rota estratégica de escoamento da produção, via Pacífico, para os mercados asiáticos

NOVOS INVESTIMENTOS EM CONCESSÕES EXISTENTES

Estimativa de investimentos: R$ 16 bilhões
Projetos em negociação com os concessionários:
– Ampliação de capacidade de tráfego
– Novos pátios
– Redução de interferências urbanas
– Duplicações
– Construção de novos ramais
– Equipamentos de via e sinalização
– Ampliação de Frota

Portos

Para Portos, o governo prevê investimentos de R$ 37,4 bilhões. O setor também fez parte do PIL de 2012 mas, assim como no caso das ferrovias, nenhum projeto saiu do papel.

A previsão é de arrendamento de 50 áreas para movimentação de carga em portos públicos, administrados pela União, num total de R$ 11,9 bilhões. E 63 autorizações para construção de portos privados, os chamados TUPs, com investimento estimado em R$ 14,7 bilhões. O governo também pretende fazer a renovação antecipada de arrendamento, que devem injetar mais R$ 10,8 bilhões no setor.

Num primeiro momento, estão previstos arrendamentos de 29 áreas no porto de Santos, o maior do país, além de outras 20 no do Pará. Em um segundo bloco serão incluídas áreas nos portos de Paranaguá, Itaqui, Santana, Manaus, Suape, São Sebastião, São Francisco do Sul, Aratu, Santos e Rio de Janeiro.

ETAPA 1
Grãos – Pará (5) e Santos (1)
Celulose – Santos (2)
Investimento previsto: R$ 2,1 bilhões
ETAPA 2
Granéis – Pará (2) e Santos (4)
Carga Geral e de Contêineres – Pará (1) e Santos (2)
Combustíveis e GLP – Pará (12)
Investimento previsto: R$ 4,7 bilhões

Financiamento

O governo também alterou o modelo de financiamento dos projetos para essa nova fase do PIL com o objetivo de diminuir a participação dos recursos públicos, via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Isso é reflexo da queda na arrecadação de impostos e do ajuste fiscal promovido pela presidente, que reduziu a capacidade de investimento do governo.

O novo modelo prevê um mecanismo para incentivar a participação de financiamento privado, pelo mercado, via emissão de debêntures. Quanto maior a emissão, maior o acesso do concessionário a recursos do Bndes com juros subsidiados. Esse sistema não existia na primeira fase do PIL, de 2012.
De acordo com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, os concessionários poderão bancar até 70% do custo das obras com recursos do banco. Entretanto, apenas uma parte disse terá juros subsidiados. Sobre o restante, vão incidir taxas de mercado.

Como funciona

Para as rodovias, o financiamento do BNDES com juros subsidiado vai se restringir a 35% do valor do projeto, caso não haja emissão de debêntures pelo consórcio. Mas pode chegar a 45%, caso a participação do mercado chegue a 25%.

No caso dos projetos para portos, o financiamento com juros mais baixos vai de 25% (sem debêntures) até 35% (com máximo de 35% de participação do mercado).

Para os aeroportos, a participação do financiamento subsidiado começa em 15% (sem debêntures) mas pode chegar a 35%, caso o mercado contribua também com 35%.

Já no caso das ferrovias, onde o risco é maior, o Bndes financiará até 70% das obras com juros mais baixos, independente da presença de recursos via debêntures.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que a "estratégia" visa "trazer novas fontes de financiamento" para os projetos de infraestrutura no Brasil, hoje custeados quase que totalmente por recursos públicos.

Levy apontou que o governo estuda mecanismos para reduzir o risco dos investidores, para tornar as concessões mais atrativas, inclusive para investidores estrangeiros.

"São projetos de longo prazo e é fundamental que cada vez mais tenhamos estabilidade macro e micro econômica, que permita às pessoas tomarem risco de longo prazo", disse o ministro durante a cerimônia que anunciou a nova fase do PIL.

Lava Jato
O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, confirmou nesta terça-feira (9), durante o lançamento do novo plano de concessões do governo federal, que as empresas suspeitas de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras poderão participar dos leilões.

"Essas firmas podem participar, mas o mais importante é que o Brasil tem um setor diversificado. Tem várias firmas médias, que podem crescer. Tenho plena confiança que existe capacidade de engenharia no Brasil para viabilizar esses projetos. Há uma demanda reprimida por infraestrutura no Brasil. Essa demanda, com preços certos, vai gerar capacidade de investir", declarou o ministro.

Nesta segunda-feira (8), o mesmo entendimento já havia sido expresso pela Controladoria Geral da União (CGU). A jornalistas, o ministro da CGU, Valdir Simão, explicou que as empresas só poderão vir a ser impedidas de assinarem contratos com órgãos públicos se forem declaradas inidôneas ao final do processo administrativo que respondem na CGU.

Ao todo, 29 companhias investigadas pela Operação Lava Jato também são alvo de processo administrativo na CGU. Além do risco de ficarem proibidas de fechar contratos com a administração pública, essas empresas podem ser penalizadas pelo Executivo, se forem consideradas culpadas, com multas ou outras penalidades previstas na legislação.