sexta-feira, 31 de maio de 2013

Novo terminal de aeroporto em Florianópolis mudará rotina dos passageiros

31/05/2013 - Diário Catarinense

Mais que aumentar a capacidade de pousos e decolagens de aeronaves, o novo terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Hercílio Luz, em Florianópolis, vai alterar a rotina dos passageiros.

Em obras desde abril de 2012 e com previsão de ser inaugurado em dezembro de 2014, a nova estrutura terá cinco pontes de embarque, chamadas também de fingers, que permitirão o acesso direto do terminal até as aeronaves.

Ao contrário do que muitos usuários possam imaginar, as pontes de embarque não tornam mais rápida a entrada nos aviões. De acordo com o gerente de Operações da Infraero, que administra o aeroporto, Marcos Souza das Neves, o processo de embarque fica cerca de 10 minutos mais longo utilizando os fingers do que nos embarques por terra, como é feito agora. A vantagem da nova estrutura é que ela dará mais conforto aos usuários do terminal.

A mudança principal é que as pontes de embarque, até hoje inexistentes no local, vão evitar que muitos passageiros fiquem expostos à chuva e ao vento, além de elevar, de oito para 20, o número de aviões que poderão ser posicionados simultaneamente na pista. O número de portões de embarque também será maior.

O terminal atual tem seis. O novo, terá nove — cinco portões darão acesso aos fingers, e os demais para as posições de embarque por terra.

Melhorias vão permitir a chegada de mais aeronaves

Se os fingers vão aumentar o tempo de espera para as operações, quatro saídas rápidas e uma pista de taxiway (utilizada para a manobra dos aviões), paralela à pista principal, compensarão esta perda de tempo ao aumentar o fluxo de aviões no pátio. Esta mudança trará mais agilidade para os passageiros na mesma proporção do tempo adicional gasto com os fingers.

— Um embarque por terra é realizado em 20 minutos. Com as pontes de embarque, passará a ser feito em 30 minutos. Em compensação, com a pista de taxiway, aumentaremos a capacidade de fluxo aéreo em 50% ao sairmos de uma média de um pouso a cada três minutos para a chegada de uma aeronave a cada dois minutos — detalha Souza, ao informar que os embarques por terra continuarão sendo feitos no Hercílio Luz.

Orçado em R$ 188 milhões, o novo terminal vai ampliar a capacidade do aeroporto das atuais seis horas de pico (capacidade máxima de operação) para 18 horas de pico. A ampliação também trará um estacionamento para 1,8 mil veículos particulares e 14 coletivos, facilitando a chegada dos passageiros.

— Hoje, qualquer mudança no cronograma, qualquer atraso que resulte na vinda de passageiros de Curitiba e Porto Alegre, por exemplo, já acarreta na falta de vagas para carros no estacionamento e no engarrafamento de ônibus aqui na frente (do aeroporto). Com o novo terminal, este problema vai acabar — avalia o gerente de Operações.



quarta-feira, 29 de maio de 2013

Azul e Trip comemoram 1 ano da fusão com 103 destinos operados

28/05/2013 - Mercado & Eventos

A Azul e a Trip comemoram hoje um ano da fusão 103 destinos operados. Para comemorar a data foi apresentada hoje uma aeronave com a nova logomarca. “Estamos colhendo os frutos de um brilhante processo de fusão, executado por um time excepcional, que superou nossas expectativas. Estamos com uma malha de voos bastante abrangente, com hubs fortes, que atendem a todas as regiões do país e proporcionam alta conectividade para capitais e as rotas regionais” comemora David Neeleman, fundador e CEO da Azul.

Com visões de mercado semelhantes, pontos comuns em suas culturas e filosofias, frotas compostas por aeronaves das mesmas fabricantes, entre outros quesitos, as empresas aproveitaram o “melhor dos dois mundos” e integraram em tempo recorde suas estruturas organizacionais, seus sistemas, malhas aéreas, uniformes, serviço de bordo, além de suas unidades físicas, tanto dos prédios administrativos como dos call centers.

“Os ganhos por conta da similaridade de nossa frota e complementaridade de nossa malha foram importantes para mantermos os nossos planos. Hoje, somos líderes em 70 dos 103 destinos, além de sermos a única operadora em 45 deles. A frota da Azul, além de ser a mais jovem do mercado, é composta por aeronaves que oferecem entre 47 e 118 assentos, permitindo a companhia servir cidades de pequeno, médio e grande porte, onde outras companhias não chegam”, afirma José Mario Caprioli, presidente do Comitê Executivo da Azul.

Para simbolizar essa união, uma aeronave foi pintada uma aeronvave especialmente com elementos da marca Trip e da nova marca da companhia. Batizado de “Espírito de União”, o E-jet 195, de matrícula PR-AXV, foi entregue hoje durante cerimônia realizada na Embraer, em São José dos Campos. “Essa é uma aeronave especial para nós. Ela permanecerá na malha da Azul com essa pintura e sempre será um símbolo dessa significativa fusão” diz Gianfranco Beting, diretor de Comunicação e Marca da Azul e criador da pintura especial.

- Luiz Marcos Fernandes

Terminal de Uberaba deve ser alvo de modernização

29/05/2013 - Diário do Comércio - MG

Ideia é operar com aviões maiores

O governo federal investirá R$ 7,3 bi para melhorar 270 aeroportos regionais

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) pretende ampliar o Aeroporto de Uberaba, no Triângulo Mineiro. O objetivo é estruturar o terminal para o recebimento de aviões maiores, bem como aumentar a freqüência de voos. Atualmente, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras é única companhia aérea que atua no terminal.

O primeiro passo para a ampliação foi uma reunião do assessor especial da presidência da estatal, Solimar José Wichrowski, com membros da prefeitura da cidade, no início desta semana. Na ocasião, foram levantadas as adequações necessárias para a ampliação do terminal e o cumprimento da legislação. Segundo o secretário municipal de Projetos e Captação de Recursos, Glauber Faquineli Fernandes, o cumprimento da legislação diz respeito a possíveis desapropriações no entorno do aeroporto, já que casas instaladas no perímetro estão ferindo o espaço da pista e comprometendo a segurança do terminal.

"A Infraero tem um projeto, inclusive com estudos técnicos, e caberá à administração municipal verificar a viabilidade do mesmo, a começar pelas desapropriações. Vamos avaliar também o melhor formato, para que depois haja uma chamada pública e o processo continue", diz.

Procurada pela reportagem, a estatal informou, por meio da assessoria de imprensa, que foi apenas uma reunião inicial para uma possível ampliação do aeroporto. E que agora vai realizar os estudos necessários para dar prosseguimento ao projeto.

"Não só a ampliação do Aeroporto de Uberaba, mas os investimentos acerca do terminal serão de suma importância para a cidade e todo o Triângulo Mineiro. Uberaba é o polo de desenvolvimento da região e é carente de infraestrutura aeroportuária. Os recursos facilitariam a vinda de aviões maiores, permitindo a atração de outras companhias áreas, gerando mais concorrência e novos destinos", avalia o secretário.

Entre as propostas da Infraero estaria a construção de uma taxiway - uma faixa de pista em um aeródromo em que a aeronave pode rodar (taxiar) para um hangar terminal ou para a pista. Equipes dos dois órgãos deverão se reunir nas próximas semanas para dar continuidade às discussões e esboçar uma projeção de estradas, a fim de reorganizar as vias no entorno do terminal.

Conforme o secretário, ainda não é possível estabelecer valores. Mas quanto aos prazos, ele afirma que a Infraero solicitou um parecer da prefeitura até o fim deste exercício. "De qualquer maneira, Uberaba será contemplada no plano para aeroportos do governo federal", lembra.

Programa - Fernandes se refere ao "Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos", lançado pelo governo federal em meados de dezembro do ano passado. O plano trata da concessão à iniciativa privada do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), e do Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, e considera também os aeroportos regionais de todo o país.

Os incentivos à aviação regional ocorrerão por meio de investimentos aos aeroportos de pequeno e médio porte do interior do Brasil. O governo vai investir R$ 7,3 bilhões para melhorar a infraestrutura de 270 terminais regionais e promoverá a isenção de tarifas nos empreendimentos do interior com movimentação inferior a 1 milhão de passageiros/ano.

Minas é o Estado com maior número de aeroportos regionais a receber recursos na primeira fase dos investimentos anunciados. Ao todo, serão 33 terminais mineiros beneficiados, por meio de investimentos da ordem de R$ 815 milhões.

MARA BIANCHETTI

Estudo vencedor propõe até 4 pistas de pouso

29/05/2013 - O Globo

Aterramento da Baía de Guanabara e remoção de famílias estão previstos

DANIELLE NOGUEIRA
danielle.nogueira@oglobo.com.br

O estudo selecionado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) para embasar o edital de licitação do Galeão, feito pela Empresa Brasileira de Projetos (EBP), propõe até quatro pistas de pouso e decolagem e o aterramento de 70 hectares da Baía de Guanabara para sua construção, o equivalente a 70 campos de futebol. Segundo o parecer técnico da SAC, ao qual o GLOBO teve acesso, essa nova configuração de pistas permitiria 79 pousos ou decolagens por hora, praticamente o dobro da atual média dos principais aeroportos brasileiros, de 38 movimentos. O estudo também prevê o reassentamento da comunidade de Tubiacanga, na Ilha do Governador, onde residem cerca de 900 famílias.

“A alternativa escolhida para o desenvolvimento do sistema de pistas de pouso e decolagem é a proposta 3B, que consiste na construção de duas novas pistas (...) Ressalta-se que a alternativa escolhida exigirá o aterramento de 70 hectares da Baía de Guanabara e a realocação total da comunidade Tubiacanga. Além disso, causará um possível aumento de exposição a ruído para a comunidade do Bairro da Portuguesa, fato que poderá exigir a realocação de inúmeras unidades residenciais”, diz a nota técnica número 5 do grupo de trabalho da SAC, que trata da análise dos estudos para o edital de concessão do Galeão.

Duas empresas foram autorizadas pela secretaria para enviar propostas técnicas a fim de balizar o edital do Galeão: a EBP e a IQS Engenharia. O anúncio da EBP como vencedora foi feito em 9 de maio, poucos dias após a data de emissão do parecer do grupo de trabalho da SAC, em 3 de maio de 2013. Na nota técnica, de 61 páginas, foram analisados quatro pontos: estudos de mercado, estudos de engenharia, estudos de impacto ambiental e estudos econômico-financeiros. No total, a EBP atendeu a 57 de 66 itens obrigatórios. Já a IQS atendeu a 49 dos 66 itens.

O estudo da EBP prevê fluxo de passageiros de 73 milhões de pessoas em 2043 e receitas tarifárias de R$ 569,5 milhões em 2038 e R$ 673,8 milhões em 2043. O trecho da nota técnica que trata das receitas não tarifárias, como aluguel de lojas, não cita cifras. Atualmente, 952 funcionários trabalham no aeroporto, com uma despesa operacional de R$ 149,1 milhões. A previsão para 2038 é de 1.698 funcionários e despesas de R$ 284,4 milhões.

A EBP não quis comentar o relatório. A IQS contesta o processo de seleção dos estudos e entrou na Justiça para ter acesso ao projeto da rival. ●

Avião gigante pousa em Campinas

29/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Aeronave da Atlas Air, fabricada pela Boeing, fez teste em Viracopos para receber autorização da Anac; liberação de voo deve levar uma semana
Ricardo Brandt / CAMPINAS

ÉRICA DEZONNE/AAN
Maior do mundo. O avião 747-8F, da Boeing, tem 76,3 metros de comprimento

O Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, recebeu, ontem, o maior avião em circulação no mundo fabricado pela Boeing: o 747-8F. É a primeira vez que a aeronave, com 76,3 metros de comprimento, pousa no Brasil. A motivo da “visita” foi a realização de testes, por parte da companhia americana Atlas Air, para homologação do terminal na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para receber o cargueiro comercialmente.

Os modelos 747-8 da Boeing dividem com o A-380 da Airbus o título de maiores aviões do mundo com versões também para passageiros. “Assim que tivermos a homologação, que esperamos para a próxima semana, vamos começar a voar toda terça-feira com o 747-8F por Viracopos”, afirmou o diretor da Atlas Air para o Brasil, Luis Fernando Del Valle.

A empresa tem sete modelos do 747-8F, de uma frota de 48 aeronaves da Boeing. “Transportamos 20% mais carga com ele, com uma economia de 15% de combustível, com 20% menos barulho. Já operamos por Viracopos e temos demanda para operar com o 747-8F agora por Campinas e em outras localidades”, diz Del Valle.

Além do aeroporto de Viracopos – maior terminal de cargas do País –, a Atlas solicitou à Anac liberação para usar o jumbo em Brasília, no Rio de Janeiro, em Cabo Frio, Curitiba, Natal e Petrolina.

O voo de teste é apenas uma das etapas para a liberação concedida pela Anac. Para receber o gigante, Viracopos teve que passar por adequações. Foram removidos obstáculos laterais da pista, como pontos de sinalização e caixas de passagem. Além disso, a pintura da pista de taxiamento teve que ser alargada.

Foram feitas adequações de procedimentos de segurança e de operação também. Tudo para receber a aeronave da categoria F, que deve ter de uma extremidade a outra da asa entre 65m e 80m.

“Dopontodevistadopavimento da pista e da área para estacionamento o aeroporto estava dentro dos padrões”, explicou o diretor de Operações da concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, Marcelo Mota.

Raridade. Existem 41 aeronaves como essa voando pelo mundo – 35 cargueiros e 6 de passageiros, chamados de Intercontinental, com capacidade para até 550 passageiros. O modelo de carga tem capacidade para transportar 135 toneladas.

“É o modelo mais moderno voando no mundo. Ele tem as vantagens de transportar muito mais, gastando menos e com tecnologia sem igual”, explica Evanicio Costa, representante da Boeing.

O avião que fez o teste em Viracopos partiu de Miami e seguiria para Quito, no Equador, onde também faz um teste de pouso.

A Anac aprovou o teste de pouso em Viracopos, mas exigiu que ele fosse feito com o cargueiro vazio.“É um prejuízo alto para a empresa, mas temos interesse em liberar logo a operação com a aeronave”, afirmou o diretor da Atlas Air, Luis Fernando Del Valle.

O diretor-presidente da Aeroportos Brasil, Luiz Alberto Küster, afirmou que vai levar na próxima terça-feira o relatório do teste de pouso para a Anac. “Esperamos que a partir da próxima semana já seja liberada a operação de voos por Viracopos. Todos os ajustes foram efetuados e entendemos que o aeroporto está apto a receber o 747-800.”

Depois de Gol, TAM estuda ampliar a operação no aeroporto de Viracopos

29/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Economia

 A TAM está estudando ampliar suas operações em Viracopos. Uma fonte próxima à questão revelou que a empresa vem buscando novas informações sobre o aeroporto de Campinas, depois que este foi entregue à iniciativa privada.

Procurada, porém, a TAM informou que novos voos são constantemente avaliados pela empresa, conforme a demanda de cada região, e afirmou que “no momento não tem planos de expandir suas operações no aeroporto de Viracopos”.

Se for realizado futuramente, o movimento será semelhante ao da Gol, que anunciou na semana passada o pedido de seis novas frequências no aeroporto, o que dobraria a operação.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Maior aeronave da Boeing pousa pela 1ª vez no Brasil em Viracopos

28/05/2013 - G1

747-8F fez pouso teste para que aeroporto receba autorização da Anac.
Segundo a empresa, cargueiro é o maior do mundo em comprimento.


Boeing 747-8F fez pouso teste para que Viracopos o receba com frequência (Foto: Leandro Filippi / G1)

O maior avião cargueiro do mundo, em comprimento, pousou pela primeira vez no Brasil, nesta terça-feira (28), no Aeroporto Internacional de Viracopos. O pouso do Boeing 747-8F, que ocorreu às 13h35 em Campinas (SP), é uma das etapas para que o terminal seja autorizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a receber esse modelo de aeronave com frequência.

Nota da redação: inicialmente o G1 informou que o comprimento do avião é de 66,4 metros. Contudo, o correto é 76,3 metros. O texto foi corrigido às 16h24.
Ficha técnica do Boeing 747-8F
Envergadura 68,4 m
Comprimentro 76,3 m
Largura interior da cabine 6,1 m
Diâmetro 649 cm
Fonte: Boeing

Para que o pouso fosse realizado, foram necessárias adequações na pista, na sinalização, nos equipamentos de navegação aérea, além do aumento da capacidade do reservatório de água de Viracopos para 32,3 mil litros. Segundo a Boeing, o 747-8F tem 76,3 metros de comprimento, sendo considerado o maior do mundo.

O modelo possui ainda 19,4 metros de altura e transporta 135 toneladas. Em todo mundo existem 41 aviões semelhantes, sendo 35 cargueiros e outros seis que também transportam passageiros, segundo a assessoria da Boeing.

O diretor-presidente da concessionária Aeroportos Brasil Viracopos, Luiz Alberto Küster, disse que a expectativa é que na próxima semana a Anac habilite o aeroporto a receber o 747-8F em definitivo. Um relatório sobre o pouso será enviado para a agência.

A Anac informou que nenhum aeroporto brasileiro está autorizado, em definitivo, a operar o Boeing 747-8F. De acordo com o diretor de Operações da concessionária, Marcelo Mota, duas companhias de cargas que atuam em Viracopos possuem esse tipo de aeronave, a Atlas e a Cargolux.

Airbus A380
Segundo a Anac, outro grande avião que nenhum aeroporto brasileiro pode receber é o Airbus A380, usado para transporte de passageiros. Viracopos necessita de melhorias para habilitar a operação desse modelo de aeronave.

"Nós temos algumas alterações a serem executadas", resumiu o diretor-presidente da concessionária. A previsão é que após a entrega do novo terminal de passageiros, prevista para maio de 2014, Viracopos tenha condições de recebê-lo.

Air Europa confirma voo Madri-São Paulo para dezembro

28/5/2013 - Panrotas

Notícia do PRESSTUR, parceiro do Portal PANROTAS em Portugal

A Air Europa confirmou para 16 de dezembro o início de sua segunda rota entre Madri e o Brasil, desta vez para São Paulo, com cinco voos semanais. A empresa acrescentou ainda que, por meio de code share com a Gol, proporcionará ligações entre a capital paulista e Salvador, para onde já opera.

O voo deverá partir de Madri às 15h e chegar a São Paulo às 23h15 (horários locais). No sentido inverso, partem da capital paulista a 1h15 e chega a Madri às 14h35. A aeronave utilizada será um A330-200 com 299 lugares: 24 na executiva e 275 na econômica.

Aeroporto de Brasília ganha voo direto e diário para Buenos Aires

27/05/2013 - G1

Nova rota passa a funcionar em julho; voos ocorrerão durante madrugada.
Terminal também vai ganhar 56 voos nacionais nos próximos meses.
Do G1 DF

O governo do Distrito Federal anunciou nesta segunda-feira (27) que o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília, vai ganhar um voo direto e diário para Buenos Aires. O GDF informou que o serviço começa a ser oferecido a partir de julho.

A rota será operada pela Austral, uma subsidiária da Aerolíneas Argentinas. O serviço de atendimento ao cliente da companhia confirma a venda de passagens de Brasília para Buenos Aires apenas a partir de agosto.

De acordo com a Inframerica, os voos saem às 1h55 com destino a capital argentina, com previsão de chegada no Aeroporto Internacional Ministro Pistarin às 5h50. A Inframerica informou ainda que o trecho inverso, partindo do terminal argentino, está marcado para às 21h45 da noite, com chegada prevista para 1h15 da manhã em Brasília.

De acordo com a Secretaria de Turismo, a Argentina é o país da América do Sul que mais envia turistas para Brasília. Entre as atrações da capital brasileira está a arquitetura.
Buenos Aires será o sétimo destino internacional a ter voos sem conexões para o aeroporto de Brasília, que opera voos para Miami e Atlanta, nos Estados Unidos; Lisboa, em Portugal e Cidade do Panamá, no Panamá. O terminal tem, ainda, um voo que liga diretamente o Brasil à Costa Rica e à Colômbia, através de suas capitais San José e Bogotá.

Previsão de 56 novos voos
O Aeroporto JK terá nos próximos meses 56 novos voos nacionais, entre voos extras, novas rotas e retomada de voos antigos, informou a Associação das Empresas Aéreas Brasileiras (Abear). Desses novos voos, 22 serão para atender o público que vem à capital para a Copa das Confederações, que começa no dia 15 de junho, com o jogo Brasil x Japão.

Segundo a Abear, a Azul implantará 22 novos voos durante a Copa das Confederações e outros 12, entre frequências diárias e temporárias. A Gol retomará duas rotas desativadas, entre Brasília e Campo Grande, e a TAM colocará 20 voos no mês de julho, de férias.

A Abear não indicou quantos passageiros o aeroporto de Brasília deve receber a mais por causa do crescimento no número de voos na capital.

Azul vai usar oferta de ações na Bolsa para investir na frota

28/05/2013 - Folha de São Paulo

Recursos também serão utilizados para pagar empréstimos e aumentar rotas

DA REUTERS

Os recursos obtidos pela Azul com sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) serão usados para a expansão dos negócios da empresa, incluindo investimento em aeronaves para aumento de frota, crescimento do número de rotas e reforço do capital de giro.

Segundo prospecto preliminar publicado ontem, os recursos captados na operação também serão usados para pagar empréstimos contraídos com a companhia Bozano, acionista da empresa, e para pagar o arrendamento de cinco aeronaves.

A oferta ocorrerá simultaneamente no Brasil e nos Estados Unidos (na Bolsa de Nova York ou na Nasdaq), com a venda de ações preferenciais e recibos de ações (chamados de ADRs).

No mercado acionário, a Azul vai competir com a Gol, que tem ações negociadas em Bolsa desde 2004.

A TAM fechou seu capital no ano passado, quando foi concretizada a criação da Latam, resultado da fusão com a LAN. As ações da Latam são negociadas em Santiago do Chile.

RESULTADO

Fundada em 2008 pelo empresário David Neeleman, a Azul completou uma fusão com a Trip no final de maio do ano passado.

No documento divulgado ontem, a companhia informa ter fechado 2012 com receita líquida consolidada de R$ 2,7 bilhões --ou R$ 4,1 bilhões, considerando as operações da Trip.

Em 2012, a empresa teve prejuízo de R$ 170,8 milhões. Considerando a Trip, o prejuízo foi de R$ 383,8 milhões.

O valor da oferta inicial de ações da Azul ainda não foi divulgado, mas é estimado em cerca de R$ 1 bilhão pela agência Reuters.

Entrada em Congonhas aumenta valor da Azul

28/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Para especialistas, empresa chegará à Bolsa de Valores com preço maior se mudanças regulatórias no aeroporto forem aprovadas antes do IPO
Marina Gazzoni

A empresa aérea Azul chegará à Bolsa de Valores com preço maior se as mudanças na regulação do setor aéreo que estão em estudo no governo forem aprovadas antes de sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla cm inglês), afirmaram ao ‘Estado’ quatro fontes do setor. A companhia registrou na última sexta-feira o seu pedido de abertura de capital à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o primeiro passo para a realização do IPO, estimado em cerca de R$ 1 bilhão.

O governo encerrou em março urna consulta pública para alterar as regras de distribuição de slots (horários de pouso e decolagem) no Aeroporto de Congonhas, que prevê basicamente a abertura do espaço para novas companhias aéreas, principalmente a Azul. A versão final do documento deve ser divulgada até o fim de junho, informaram na semana passada representantes do governo ao Broadcast, serviço cm tempo real da Agência Estado.

“Os investidores compram ações de olho em uma promessa futura de resultado. Com espaço em Congonhas e com o plano de aviação regional do governo, a perspectiva de resultado da empresa é muito melhor”, diz uma fonte de mercado.

A entrada em Congonhas adiciona valor à Azul porque lhe dá acesso ao mercado mais rentável do país,onde as companhias aéreas conseguem cobrar as maiores tarifas, explica o professor de transporte aéreo da USP, Jorge Leal Medeiros. “É o filé mignon do mercado doméstico”, explicou.

Apesar de admitir que o IPO da empresa tende a ser mais rentável com a entrada da Azul em Congonhas, uma fonte próxima a operação diz que o IPO não está atrelado às mudanças regulatórias do setor aéreo. “Os ganhos não dependem disso, mas certamente dará um ‘plus’ no valor das ações."

No prospecto preliminar da oferta, a empresa afirma que pode ser beneficiada pela nova regra de distribuição de slots em Congonhas que está em avaliação no governo. “A nova regulamentação (de Congonhas), com publicação prevista para o ano de 2013. pode nos beneficiar na medida cm que nos permitirá penetrar em aeroportos mais importantes onde os slots estão atualmente concentrados com algumas empresas aéreas”, diz a Azul, no prospecto.

A empresa também afirma no documento que o plano do governo de reformar aeroportos regionais e oferecer subsídios para voos que levam passageiros ao interior do País, anunciado em dezembro do ano passado, pode ajudar seu projeto de expansão. “Acreditamos que o pacote de incentivos do governo federal para o setor de aviação regional dará suporte à expansão de nossa malha aérea “, disse a Azul, no prospecto preliminar da oferta de ações.

Resultado. Assim como suas concorrentes, a Azul fechou o ano passado com prejuízo liquido de RS l70 milhões, uma alta de 62% em relação às perdas de 2011. Mas, no primeiro trimestre deste ano, a empresa foi lucrativa — uni resultado líquido de R$ 30 milhões, segundo informações do prospecto.

Para o professor da USP,o resultado trimestral positivo pesou na decisão da empresa de lançar ações neste momento. “O IPO já era esperado há dois anos, mas o merca do de aviação e de capitais estava ruim. Agora a empresa começa a dar lucro e tem uma participação de mercado maior”, disse Medeiros.

A Azul alcançou receita de RS bilhões em 2012, considerando o resultado da Trip, adquirida h um ano. As duas empresas somaram 16,74% de participação nos voos domésticos brasileiros em março, 2,56 pontos porcentuais a mais que há um ano.

COLABOROU LUCIANA COLLET

• Duopólio em Congonhas
O membro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) Ricardo Ruiz disse ontem que Congonhas vive um problema concorrencial “crítico”, que chamou de “duopólio” de TAM e Gol.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Azul vai abrir capital e quer R$ 1 bilhão

27/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Terceira maior companhia de aviação do País, empresa apresentou pedido de registro à Comissão de Valores Mobiliários na sexta-feira

David Friedlander

FABIO MOTTA/ESTADÃO-11/10/2012

Pressa. Se a CVM der todas as autorizações necessárias rapidamente, a oferta pública
de ações da companhia deve sair até o final de julho

Um ano depois de se juntar à concorrente Trip e assim se firmar como a terceira maior companhia de aviação do País, a Azul Linhas Aéreas vai abrir o capital na bolsa e espera captar cerca de R$ 1 bilhão coma operação, apurou o ‘Estado’. O pedido de registro foi apresentado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na sexta-feira à tarde.

Fundada pelo americano naturalizado brasileiro David Neeleman menos de cinco anos atrás, a Azul tem hoje uma participação de cerca de 15% nos voos nacionais. A empresa cresceu inspirada no modelo de baixo custo da JetBlue, que o próprio empresário já havia criado nos Estados Unidos, e tornou se a maior do País no segmento de aviação regional.

Com a incorporação da Trip, o faturamento da empresa mais que dobrou, passando de R$ 1,7 bilhãoem2011 para cerca de R$ 4 bilhões no ano passado. Mas seus resultados, assim como os de todo o setor, ainda são mambembes.

A fusão com a Trip tinha sido o lance mais relevante de Neeleman até agora. Ele já vinha alimentando a ideia de abrir o capital da Azul há dois anos.

Ainda não foi batido o martelo sobre o tamanho da participação que será colocada à venda, mas a intenção é captar algo em torno de R$ 1 bilhão, segundo fontes que acompanham a operação. Se não houver problemas e a CVM der todas as autorizações necessárias, espera-se que a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) seja realizada até o fim de julho.

Neeleman tem 67% do capital votante da Azul e os grupos Caprioli e Água Branca, que eram da Trip, são donos de um terço da empresa. Outros acionistas relevantes, embora não tenham ações com direito a voto, são o grupo Bozano, o fundo Gávea, do ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, e o fundo de privateequity americano TPG.

Resultados. Apontada como empresa inovadora quando foi criada, em 2008, a Azul só foi dar lucro operacional pela primeira vez em 2011 – R$ 25 milhões. A empresa não divulgou dados mais recentes, mas analistas do mercado acreditam que ela esteja operando no vermelho, assim como as outras companhias do setor.

As empresas brasileiras de aviação estão passando por momentos difíceis, em que a demanda já não cresce tanto e os custos para operar são elevados.

Embora os resultados da Azul ainda sejam titubeantes, a abertura do capital da empresa é uma aposta no histórico empreendedor Neeleman. Nascido em São Paulo, mas criado nos Estados Unidos, o empresário enxergou a oportunidade de repetir no Brasil a experiência bem-sucedida que teve com a americana JetBlue.

O empresário também esteve envolvido na criação de outra empresa de aviação americana, a Morris Air, e com uma canadense, a WestJet.

Aviação regional. O caminho para competir num mercado dominado por duas empresas, TAM e Gol, foi focar o esforço na aviação regional. O empresário revitalizou o Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), e desde então montou uma rede de viagens para cidades de médio e grande portes.

Sem contar Campinas, cerca de 40% dos seus 865 voos diários partem do interior. A empresa voa hoje para 103 dos 122 municípios atendidos por voos regulares no País e sua meta é chegar ao fim do ano com mais sete cidades atendidas.

De acordo com fontes que acompanham a operação de abertura de capital, a intenção é aplicar nos planos de expansão os recursos que venham a ser captados na operação. Segundo fontes do mercado, também pode ser uma oportunidade para alguns dos acionistas colocar em suas participações à venda.

A EMPRESA

● Mercado
Empresa tem hoje uma participação de cerca de 15% dos voos nacionais.
● Receita
Foi de R$ 4 bilhões em 2012, depois da fusão com a concorrente Trip.
● Operação
Faz 865 voos diários, para 103 das 122 cidades atendidas por voos regulares no País.
● Principais acionistas
David Neeleman, Caprioli, Água Branca, grupo Bozano, fundo Gávea e o fundo TPG (EUA).

Azul reverte prejuízo e lucra R$ 30,6 milhões no trimestre

27/05/2013 - Valor Econômico

Adriana Meyge e Marina Falc

SÃO PAULO - A companhia aérea Azul registrou lucro líquido de R$ 30,6 milhões no primeiro trimestre do ano, ante um prejuízo de R$ 2,5 milhões no mesmo período do ano passado. A empresa informou os dados em seu prospecto de oferta de ações enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A receita líquida da companhia somou R$ 1,24 bilhão no primeiro trimestre, em alta de 105,4%.

O lucro operacional foi de R$ 128 milhões, o que representa uma alta de 257% sobre o registrado um ano antes. A margem operacional passou de 6% para 10,3%. “Esse aumento foi impulsionado, em grande parte, pelas receitas geradas pela expansão da nossa malha aérea com a aquisição da Trip, assim como os ganhos de economia de escala e do aprimoramento de nossa eficiência operacional”, informou a companhia no documento.

As despesas financeiras da Azul aumentaram 150% no primeiro trimestre, na comparação anual, para R$ 89 milhões, enquanto as receitas financeiras subiram 14,5%, para R$ 3,3 milhões.

Em 31 de março de 2013, o endividamento líquido da Azul, era de R$ 2,75 bilhões, o que equivale a 4,7 vezes o Ebitda da companhia.

(Adriana Meyge e Marina Falcão | Valor)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. 

Grupo AF-KLM deverá operar em Brasília em 2014

09/01/2013 - Panrotas

Empresa deverá iniciar operações em Brasília em 2014
No Brasil, o Grupo Air France-KLM segue em voo de brigadeiro: depois de São Paulo e Rio de Janeiro, com duas frequências diárias para Paris e outra para Amsterdã, o grupo espera inaugurar voo para Brasília em 2014, aproveitando a Copa do Mundo.

O País, sozinho, representa 40% dos negócios na América do Sul. As receitas aumentaram em 50% entre 2009 e 2012, conforme declarações do diretor geral Air France-KLM no Brasil, Marc Bailliart.

Os voos para São Paulo em 2014 serão com o A380. Três ou quatro anos mais tarde, está em projeto a operação de novos destinos, como Recife ou Bahia. A parceria com a Gol, que tem 120 aeronaves, vai ajudar a atingir novos destinos.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Air China almeja terceira frequência em São Paulo para 2014

23/05/2013 - Mercado & Eventos, Arthur Stabile

Atualmente com duas frequências partindo de São Paulo para Pequim, as quintas e domingos, a companhia aérea Air China planeja implementar novo voo na capital paulista. “Esperamos acrescentar nova opção de horário para atender a demanda na Copa do Mundo”, explicou André Carvalho, executivo de Vendas da companhia.

Os números dão respaldo para a ampliação. Durante os primeiros quatro meses de 2013, entre janeiro e abril, a companhia registrou 90% na ocupação de passageiros entre os dois destinos. Este valor é 7% superior ao registrado em todo o ano de 2012. “Transportamos 19 mil passageiros com origem em São Paulo para Madrid ou Pequim”, explicou Wu-Xin, gerente de Vendas da aérea. O transporte de passageiros em todo o mundo em 2012 rendeu quase US$ 5,4 milhões para a Air China.

Code Share – Clientes com a intenção de marcar viagens em dias sem voos da companhia podem adquirir bilhetes com as parceiras Tam e Lufthansa. “A diferença é que as escalas serão realizadas em Frankfurt, na Alemanha, ou Paris, na França”, disse André, acrescentando que as tarifas encontradas pelo code share são as oficiais da Air China.

Serviço – Integrante da Star Alliance, a Air China utiliza o modelo Airbus A330-20 na rota São Paulo - Pequim, com escala em Madrid, na Espanha. Entre os serviços oferecidos aos passageiros brasileiros está sala VIP no aeroporto de Guarulhos. “Passageiros a partir da classificação Gold tem direito ao espaço”, ressaltou o executivo.

Além dessa facilidade, totens para auto check-in serão implementados até o final de julho no aeroporto de Guarulhos. A intenção é agilizar o processo de embarque dos passageiros. Na China, a companhia oferece serviço de locação de automóveis para executivos, realizando transfer entre aeroporto e hotéis para o público corporativo. “Queremos trazer este serviço para o Brasil”, afirmou Carvalho.

Gol amplia oferta de voos em Campinas

23/05/2013 - Folha de São Paulo

MARIANA BARBOSA

A Gol anunciou que vai ampliar a oferta de voos no aeroporto de Viracopos, em Campinas.

Assim como faz a Azul, principal companhia aérea a operar em Viracopos, a Gol também vai oferecer ônibus para levar passageiros de algumas cidades da região de Campinas para Viracopos.

A empresa entrou com pedido para seis novos voos na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Atualmente, a empresa opera cinco voos diários no aeroporto.

Dos novos voos, cinco têm como destino Santos Dumont (RJ). O sexto é para Brasília. A intenção é iniciar os novos voos em 1º de setembro.

Com a nova oferta, a Gol se consolida como a segunda empresa em oferta de assentos em Viracopos.

Aeroporto da JHSF pode se tornar internacional

24/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Negociação passa por 5 ministérios; aeroporto ficará a 60 km de São Paulo em área 25% maior que a de Congonhas

Luciana Collet

O Novo Aeroporto Executivo de São Paulo (Naesp/Catarina), projeto privado da incorporadora JHSF, pode se tornar um aeroporto internacional.

“Estamos em interlocução com todas as áreas de governo envolvidas”, disse Francisco Lyra, sócio no projeto e da consultoria CFly Aviation. A negociação passa por cinco ministérios: Secretaria de Aviação Civil (SAC); Ministério da Fazenda; Ministério da Justiça; Ministério da Saúde e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

De acordo com Lyra, o projeto daria um alívio aos aeroportos da capital – Guarulhos e Congonhas. “Hoje há muitos voos vazios de aviação executiva que chegam a Guarulhos ou a Congonhas, o que significa um desperdício no uso da capacidade aeroportuária”, disse.

O Naesp faz parte de um empreendimento da JHSF composto de um shopping, oito torres corporativas, um condomínio residencial, um centro educacional e um complexo hospitalar, com uma área de 7 milhões de metros quadrados. Uma área de aproximadamente 2 milhões de metros quadrados será utilizada para o aeroporto, segundo Lyra – um terreno 25% maior do que o de Congonhas.

O aeroporto ficará a cerca de 60 quilômetros de São Paulo e terá acesso pela Rodovia Castelo Branco.

Longa distância. O projeto prevê duas pistas, sendo uma de 2.470 metros e outra de 2 mil metros, além de áreas destinadas a hangares e pátio. A extensão das pistas permitirá que jatos executivos que operam longa distância utilizem o aeroporto. Este tipo de avião precisa de pistas longas e usa instrumentos para o pouso. O valordo investimento não foi informado.

Segundo Lyra, a companhia fará encontros com investidores nas próximas semanas, voltados a fundos de investimentos para o projeto do aeroporto.

● Infraestrutura
“Muitos voos vazios chegam a Guarulhos ou a Congonhas, um desperdício no uso do aeroporto.”
Francisco Lyra

SÓCIO DA CFLY AVIATION

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Aeroportos

23/05/2013 - O Globo

FLÁVIA OLIVEIRA

Semana passada, na Firjan o ministro Moreira Franco, da SAC, garantiu que o Rio está no pacote de investimentos em aeroportos regionais.

Citou terminais de Angra, Paraty, Cabo Frio, Macaé, Itaperuna, Campos, Resende, Volta Redonda e Friburgo.

Companhias aéreas passam a operar três novas rotas partindo de São Paulo

23/05/2013 - Folha de São Paulo

GUSTAVO SIMON

O Brasil vai ganhar, nas próximas semanas, rotas para três continentes, com o início das operações das companhias Ethiopian Airlines, Cubana de Aviación e Etihad Airways.

Esta última empresa, dos Emirados Árabes Unidos, inaugura a rota São Paulo-Abu Dhabi no dia 1º do mês que vem.

Serão três viagens semanais, a bordo de um Airbus A340-600, com previsão de tornar a rota diária em julho.

O trajeto, de 15 horas, é semelhante ao realizado pela Emirates, que voa diariamente entre São Paulo e Dubai.

Um mês depois, no dia 2 de julho, a Ethiopian faz o primeiro voo entre Guarulhos e Adis Abeba, capital da Etiópia, na África.

No trecho de ida, haverá escala em Lomé (Togo). Na volta, o voo é um pouco mais longo: o avião para em Lomé e no Rio de Janeiro antes de chegar a São Paulo.

A operação prevê três voos semanais (às terças, quintas e domingos), feitos a bordo de um Boeing 767-300, mas a empresa já estuda ser uma das primeiras a trazer os Boeings 787 Dreamliner ao Brasil.

De acordo com Marcos Teodoro, coordenador de marketing da Aviareps Brasil, que representa a companhia aérea no Brasil, voos diários partindo de São Paulo devem ser feitos dentro de alguns meses.

"Nossa meta é ter, em um futuro próximo, voos diretos entre São Paulo e Addis Abeba e entre o Rio e Addis Abeba", afirma Teodoro.

De volta
Julho vai marcar também a retomada dos voos entre São Paulo e Havana -operados pela própria Cubana de Aviación entre 1993 e 2005.

"Não se justifica uma cidade como São Paulo não ter ligação aérea direta com Cuba, especialmente porque os dois países têm parcerias em muitos setores", diz Pedro Úrsula, representante da companhia caribenha no Brasil.

Os voos da Cubana, de oito horas de duração, serão semanais. Sairão de Guarulhos na madrugada de quinta e voltarão na quarta-feira.

A primeira viagem está marcada para 10 de julho. A aeronave usada é de modelo russo. O Ilyushin IL96-300, com capacida-de para 260 passageiros, está na frota da empresa há seis anos

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Contrato da década: O grande voo da Embraer

22/05/2013 - O Globo

No quarto contrato fechado neste ano, a Embraer anunciou ontem a venda inicial de 40 jatos modelo 175 para voos da SkyWest, operadora regional sediada em Utah, com mais de dez mil funcionários e voos para 167 cidades americanas. Incluindo outros 60 pedidos firmes que podem ser confirmados e mais cem jatos classificados como opção, o total dessa encomenda pode chegar a 200 unidades, o que poderá ser o maior contrato assinado pela fabricante brasileira de jatos executivos nos últimos dez anos. Cada aeronave do modelo 175, que terá configuração para 76 passageiros, tem preço de tabela de US$ 41,7 milhões. Assim, a receita com os 40 aviões já confirmados deve chegar a US$ 1,7 bilhão. Com a confirmação da compra dos 200, esse valor pularia para US$ 8,3 bilhões.

- Este é realmente um marco para a Embraer. Como nosso maior cliente de aviões Brasília e ERJ, a SkyWest agora seleciona o modelo aprimorado do E-Jet para sua frota - comemorou Paulo Cesar Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial.

Depois de um período difícil que começou em 2008, com o agravamento da crise financeira internacional, 2013 começou melhor para a Embraer. Desde o início do ano, a empresa já fechou negócios com Republic Airways, Austral Lineas (Argentina) e United Airlines, além da SkyWest. Foram 119 jatos a mais para sua carteira de entregas, dos quais 72 foram anunciados depois do fechamento do balanço do primeiro trimestre. Para efeito de comparação, de janeiro a maio de 2012 o número firme de vendas estacionou em 17 unidades.

Nada mau para uma empresa que viu seu lucro minguar 67% nos primeiros três meses do ano, para R$ 61,7 milhões. Apesar do recuo, especialistas avaliam que o fluxo de pedidos dá sinais de melhora e que a companhia terá resultados melhores nos próximos meses. Com o anúncio das encomendas, as ações da Embraer fecharam em alta de 2,06%, a R$ 19,29. A empresa ganhou R$ 284 milhões em valor de mercado no dia, chegando a R$ 14,028 bilhões.

- É totalmente possível reverter esse prejuízo. A Embraer é muito sólida e está se destacando neste momento após o auge da crise - explicou Pedro Galdi, analista da corretora SLW.

A dificuldade enfrentada pela Embraer também foi sentida por suas concorrentes, como a canadense Bombardier, que viu sua receita cair de US$ 18,3 bilhões em 2011 para US$ 16,8 bilhões no ano passado. Galdi explica que a aviação só cresce quando a economia global também está em alta. O lançamento do jato executivo Phenom, em 2008, logo após o estouro da crise financeira global, menor e mais barato que os similares do mercado, favoreceu o posicionamento da Embraer. Dois anos depois, as vendas do jatinho atingiram cem unidades.

Jorge Leal Medeiros, professor de transporte aéreo da Politécnica/USP, diz que uma das vantagens da Embraer "é que ela é mais inovadora que a Bombardier". Ele também cita o 175, vendido para a americana SkyWest, como modelo com maior resistência aerodinâmica e consumo de combustível 5% menor que os jatos equivalentes da concorrência.

RECEITA MAIOR NA ÁREA DE DEFESA

As notícias também são positivas no braço de segurança e defesa da Embraer, que vem aumentando sua participação nas receitas da companhia. Em 2012, faturou R$ 1,052 bilhão, um marco na história da divisão, superando pela primeira vez a marca de R$ 1 bilhão, e aumentando sua fatia na receita total de 14,6% em 2011 para 17,1% no ano passado. No primeiro trimestre, as vendas já atingiram R$ 498 milhões, e sua fatia nas receitas deve encerrar 2013 em 21%.

Para 2013, a Embraer ainda mantém uma posição conservadora no que se refere à entrega de jatos: de 90 a 95 jatos comerciais, de 80 a 90 jatos executivos leves e de 25 a 30 grandes (números que se comparam a 106, 77 e 22, respectivamente, no ano passado). Em dezembro de 2012, a carteira de pedidos somava US$ 12,5 bilhões.

Veja as rotas aéreas mais movimentadas do País

21/05/2013 - Panrotas

A pesquisa Ligações Aéreas 2010, divulgada hoje pelo IBGE, alerta para a estrutura polarizada dos fluxos aéreos. Do total das conexões aéreas verificadas no País para o ano de 2010, praticamente 50% do tráfego de passageiros se concentrava em somente 24 pares. A ligação de São Paulo com as seis outras metrópoles mais populosas do país (Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte e Curitiba) era responsável por mais de 25% do total de passageiros transportados, observando-se a maior movimentação entre São Paulo e Rio, com 5.680.873 passageiros.

Veja abaixo os 24 pares de ligações (origem e destino) com a maior movimentação de passageiros em 2010:

São Paulo/Rio de Janeiro – 5.680.873 passageiros
São Paulo/Brasília – 3.006.422 passageiros
São Paulo/Porto Alegre – 2.619.204 passageiros
São Paulo/Salvador – 2.270.250 passageiros
São Paulo/Belo Horizonte – 2.239.153 passageiros
São Paulo/Curitiba – 2.236.264 passageiros
Rio de Janeiro/Brasília – 1.760.321 passageiros
São Paulo/Recife – 1.574.592 passageiros
São Paulo/Florianópolis – 1.365.686 passageiros
Rio de Janeiro/Salvador – 1.224.394 passageiros
Rio de Janeiro/Belo Horizonte – 1.147.735 passageiros
São Paulo/Fortaleza – 1.141.440 passageiros
Rio de Janeiro/Porto Alegre – 1.018.711 passageiros
Brasília/Belo Horizonte – 941.428 passageiros
São Paulo/Goiânia – 930.819 passageiros
São Paulo/Vitória – 811.261 passageiros
Rio de Janeiro/Recife – 795.867 passageiros
Rio de Janeiro/Vitória – 787.633 passageiros
Rio de Janeiro/Campinas – 774.535 passageiros
Brasília/Salvador – 726.530 passageiros
Rio de Janeiro/Curitiba – 692.148 passageiros
São Paulo/Natal – 686.289 passageiros
Brasília Fortaleza – 677.947 passageiros
Salvador/Recife – 650.344 passageiros

Danilo Teixeira Alves

Azul amplia malha de voos a partir de Guarulhos

20/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Agencia Estado

SÃO PAULO - A Azul Linhas Aéreas Brasileiras recebeu aprovação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para ampliar sua malha de voos em Guarulhos. A partir de 4 de junho, os voos para Porto Alegre e Brasília a partir do aeroporto paulista passam a ter quatro opções de horário, operados diariamente. A companhia também aumentou a frequência para Salvador, que passará a ter duas opções diárias de voos. As operações serão realizadas com jatos Embraer 195, com capacidade para 118 assentos.

A companhia aérea, que opera principalmente a partir de Viracopos, atende atualmente a onze destinos a partir de Guarulhos, com uma operação de cerca de 30 voos diários para as regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do País. As cidades servidas são: Araçatuba, Brasília, Porto Alegre, Cuiabá, Confins (Belo Horizonte), Curitiba, Ipatinga, Pampulha (Belo Horizonte), Recife, Rio de Janeiro (Santos Dumont) e Salvador.

Aeromexico adicionará 3 aviões da Embraer à frota

21/05/2013 - O Estado de S.Paulo

AE - Agencia Estado

A CIDADE DO MÉXICO - companhia aérea mexicana Aeromexico anunciou nesta terça-feira que adicionará três aviões do modelo 175, da Embraer, à frota. De acordo com a Aeromexico, a medida faz parte do projeto de renovar a frota, e os modelos novos, com 86 lugares, substituirão os aviões 145, que têm 50 assentos. Dos três novos aviões, dois devem entrar em operação em 1.º e 20 de junho, em rotas domésticas da companhia no México. As informações são da Dow Jones.

Seis ligações aéreas concentraram 25% dos passageiros de avião em 2010

21/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Os seis trechos mais movimentados do País têm a cidade de São Paulo como origem ou destino; 71,7 milhões de passageiros voaram em 2010, segundo o IBGE

Heloisa Aruth Sturm e Luciana Nunes Leal

RIO - Pesquisa inédita do IBGE mostra a dimensão da liderança de São Paulo na concentração do transporte aéreo doméstico de passageiros e de cargas no Brasil. Das 877 ligações aéreas existentes no País, as seis maiores têm a capital paulista como ponto de origem ou destino e concentram um quarto (25,2%) dos 71,7 milhões de passageiros transportados. Os dados, referentes a 2010, mostram que apenas 135 das 5.565 cidades brasileiras têm ligações aéreas domésticas regulares.

O trajeto entre São Paulo e Rio de Janeiro é o mais movimentado, com 5,6 milhões de passageiros (embarques e desembarques) em 2010, ou 7,9% do total de ligações aéreas. Em seguida vêm, pela ordem, as ligações entre São Paulo e Brasília; São Paulo e Porto Alegre e São Paulo e Salvador.

Os dois aeroportos de São Paulo tiveram juntos, em 2010, quase o dobro da movimentação de passageiros dos dois aeroportos do Rio de Janeiro, a segunda cidade com maior fluxo do País. Foram 26,8 milhões de embarques e desembarques domésticos na capital paulista e 14,4 milhões na capital fluminense. Brasília, que tem um aeroporto, ficou tem terceiro lugar, com 12,3 milhões de passageiros embarcando e desembarcando.

Campinas - Os dados mostram também que os grandes fluxos domésticos concentram-se em 14 cidades - 13 capitais e Campinas. Das 24 ligações aéreas mais movimentadas do País - que transportaram metade do total de passageiros em 2010 (35,8 milhões de embarques e desembarques) -, apenas o trecho entre Rio de Janeiro e Campinas não liga duas capitais. A grande movimentação no aeroporto de Viracopos se explica por ser o destino e a origem da maioria dos voos da companhia aérea Azul.

Cargas - A principal ligação aérea de transporte de carga do País é entre São Paulo e Manaus, responsável pelo transporte de 99,3 mil toneladas em 2010, ou 22,8% dos 434 mil toneladas transportadas no País, mostram os dados do IBGE. Foi levado em conta apenas o transporte doméstico de cargas. A alta concentração no trecho entre as capitais de São Paulo e do Amazonas se justifica pela Zona Franca de Manaus.

Segundo técnicos do IBGE que analisaram os dados, a desigualdade interna do País se repete nos voos domésticos, com o Sul e o Sudeste, além de Brasília, com os melhores padrões de acessibilidade e o Norte com os piores. "Como esperado, São Paulo é o nó de maior centralidade da rede aérea, acompanhando sua demografia, funções econômicas. O Rio de Janeiro vem perdendo importância relativa na rede de tráfego aéreo, ainda se mantendo em segundo lugar no número de passageiros, mas menos significativo em carga", diz o estudo do IBGE.

Aéreas dos EUA brigam por voos para o Brasil

22/05/2013 - O Estado de S.Paulo

Grandes companhias aéreas disputam concorrência do governo americano para ampliar frequências para o Brasil

Altamiro Silva Júnior

As maiores empresas aéreas dos Estados Unidos estão na disputa para ampliar voos das principais cidades norte-americana para o Brasil. Delta Air Lines, American Airlines e US Airways estão participando de uma concorrência aberta pelo Departamento de Transportes dos EUA para conseguir novas frequências de voos para São Paulo. A US Airways inaugura seu primeiro voo para a capital paulista no próximo dia 8 de junho e já pediu uma nova rota ligando a capital à cidade da Filadélfia, de acordo com um documento público do governo dos EUA sobre o processo de concorrência das novas rotas.

A Delta, segunda maior empresa aérea dos EUA, é a mais agressiva na concorrência. A empresa se inscreveu para novos voos diários a partir de dezembro de São Paulo para Atlanta e Nova York e ainda manter seu voo diário para Detroit. Com isso, a empresa teria dois voos diários de Atlanta e Nova York para a capital paulista. Além de se inscrever na disputa, a Delta entregou na semana passada ao Departamento de Transportes uma carta assinadapor29membrosdoCongresso apoiando sua decisão de ampliar voos para o Brasil.

No documento entregue pela Delta, os congressistas ressaltam que São Paulo é a maior e mais importante cidade do Brasil e que as novas frequências da Delta vão trazer maior competitividade e opções a esse mercado. Outras autoridades, como o governador do Estado de Michigan, Rick Snyder, também escrevam cartas de apoio à empresa. Na sexta-feira, a Delta inaugura seu novo terminal no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, no qual investiu US$ 1,4 bilhão, um dos maiores investimentos já feitos pela companhia aérea norte-americana.

Em2011, o Brasil e os EUA assinaram um acordo que libera os espaços aéreos dos dois países até 2015. Esse acordo é conhecido no mundo da aviação como “open skies” (céus abertos). Na prática, as companhias aéreas vão poder definir livremente o número de voos, cidades, tarifas e horários entre voos ligando os dois países.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Ação na Justiça Federal tenta parar obra do novo aeroporto

07/05/2013 - Tribuna do Norte - RN

Ação pede paralisação das obras

Uma ação popular, impetrada pelo sociólogo Paulo Sérgio de Oliveira Araújo, na 4ª Vara de Justiça Federal, ameaça paralisar as obras do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante. A ação pede, em caráter liminar, a imediata suspensão das obras e do financiamento para o empreendimento, a anulação do contrato de concessão firmado entre a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e o Consórcio Inframérica, além da compensação de danos ao meio ambiente e a reparação dos expropriados.

Magnus Nascimento

Canteiro de obras do aeroporto: se não atrasarem, obras físicas devem terminar em dezembro

A ação - contra a União, Consórcio Inframéria, vencedor do leilão para construção e administração do aeroporto, e a Anac – foi impetrada no dia 29 de abril e está sob análise do juiz federal Janilson Siqueira, de acordo com informações da assessoria de imprensa da Justiça Federal. Segundo a assessoria, "o parecer deve sair em breve".

Entre os pontos que fundamentam a ação estão supostas irregularidades no contrato de concessão, falta de estudos ambientais e de Planos de Risco. Também constam na lista, suposta desobediência e erros no pagamento de desapropriações consideradas "irrisórias" e danos ao erário. As obras, segundo ação, estariam sendo realizadas com financiamento público sem a segurança jurídica acerca da titularidade das terras e em desacordo com a proposta inicial de ser hub de passageiros e cargas. A construção do aeroporto, um investimento de R$ 450 milhões só na primeira fase, é 90% financiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). "A empresa terá o lucro financiado causando dano ao erário, uma vez que a maior parte dos recursos são do bem comum e não de capital privado", diz o texto.

A ação, de acordo com o advogado Igor Steinbach, não tem relação com a ação de revisão indenizatória de um terço dos ex-donos dos terrenos, que reclamam na justiça estadual o direito a receber uma complementação.

Indenizações

Contudo, um dos pontos questionados pela ação popular - o deslocamento da concessão das terras e da responsabilidade pelas desapropriações – poderá trazer implicações nas indenizações.

Quando iniciou o processo de desapropriação, a União, por meio da Infraero, delegou ao governo do Estado a responsabilidade. "A expropriação foi a favor do Estado e não do Consórcio", explica o advogado.

A partir de 2010, dois decretos regulamentando a concessão e a desapropriação do Aeroporto (de números 7.205/2010 e 7.624/2011), estabeleceram que "o concessionário promoverá a desapropriação ou os atos necessários para a instituição de servidão administrativa, com recursos próprios, após a declaração de utilidade pública pelo Poder Público".

Caso os decretos prevaleçam podem causar a caducidade do convênio e o Estado perderá a legitimidade para dar prosseguimento aos processos de revisão que correm na Justiça, de acordo com o advogado. "O que não foi pago poderá não ser mais", explica ele.

A previsão do consórcio Inframérica é concluir as obras físicas do aeroporto em dezembro e colocá-lo em operação a partir em abril de 2014.

Autor da ação nega interesse financeiro

O sociólogo Paulo Sérgio de Oliveira Araújo, que é consultor de Desenvolvimento regional e membro da Ong Ideia, afirma não ter quaisquer interesses nas indenizações de desapropriação relacionadas ao aeroporto, tampouco parentesco com os expropriados. De acordo com ele, o desrespeito à legislação ambiental, bem como o "cansaço com promessas de campanhas que não trazem benefícios efetivos para a população local e para o Estado", são os principais motivadores da ação.

Para Araújo, houve a desvirtuação do projeto inicial de hub que prometia deslocar o eixo logístico aéreo do centro-sul do país para o Estado, visando os mercados dos EUA, Ásia e Europa. "Não sou contra o aeroporto, mas que ele seja feito de forma sustentável e favoreça a população local", afirma.

O procurador-geral do Estado Miguel Josino disse não acreditar na possibilidade de paralisação das obras. "Todos os órgãos de controle vistoriaram e acompanharam o processo de concessão previamente e nada foi constatado de irregular", disse Josino.

A TRIBUNA DO NORTE contatou a Anac para esclarecimentos sobre as medidas que serão adotadas e questionando sobre o modelo de concessão. A Anac se limitou a responder que não foi notificada sobre a ação e que só após receber a notificação se manifestaria.

O Consórcio Inframerica emitiu nota oficial alegando não ter sido notificado. Afirmou ainda que, só depois, tomará as medidas judiciais cabíveis. As obras, diz o consórcio, seguem normalmente o cronograma estipulado. "O Aeroporto de São Gonçalo do Amarante é uma obra de grande importância para o desenvolvimento da região, além de ser um hub natural devido ao seu posicionamento estratégico na América Latina e em relação à Europa", diz a nota.

Embraer vende 40 jatos E175 para a americana SkyWest

21/05/2013 - Valor Econômico

Daniela Meibak

SÃO PAULO - A companhia aérea regional americana SkyWest encomendou 40 jatos Embraer 175, para operar sob um acordo de compra de capacidade com a United Airlines. Outros 60 pedidos firmes são reconfirmáveis e estão condicionados à assinatura de novos acordos por parte da americana com empresas aéreas dos Estados Unidos às quais presta serviços. 

O acordo também inclui opções para outros 100 jatos E175, elevando o potencial total do pedido para até 200 aviões. O pedido firme para os primeiros 40 aviões será incluído na carteira de pedidos da Embraer do segundo trimestre de 2013. 

Se 100 pedidos forem confirmados, a venda tem um valor estimado de US$ 4,1 bilhões. A entrega do primeiro jato está prevista para o segundo trimestre de 2014.

"Estou confiante de que o E175 será a principal aeronave da SkyWest", disse Paulo Cesar Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial. Segundo comunicado das companhias, a empresa americana, com sede em Utah, é o maior grupo aéreo regional do mundo e controladora da SkyWest Airlines e da ExpressJet.

(Daniela Meibak | Valor)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. 

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3131878/embraer-vende-40-jatos-e175-para-americana-skywest#ixzz2TvnhOd5G

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Azul encerra operações no Aeroporto da Serrinha, em Juiz de Fora


16/05/2013 - Estado de Minas, Marina Rigueira

A Azul Linhas Aéreas Brasileiras anunciou nesta quinta-feira que solicitou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mudanças nas operações em Juiz de Fora. A partir de 4 de junho, a cidade será exclusivamente atendida pelo aeroporto Francisco Álvares de Assis – Serrinha, que terá três voos diários para São Paulo - Viracopos, ganhando um voo a mais do que tem hoje. No entanto, os voos hoje operados de e para o aeroporto Presidente Itamar Franco (Zona da Mata) serão suspensos após essa data, inclusive os que tinham como destino Belo Horizonte e São Paulo. A mudança é questionada por consumidores que afirmam que a redução de destinos será extremamente prejudicial.

Em nota, a Azul informou que "a decisão da companhia foi motivada por um processo de otimização de sua malha aérea, que levou em consideração a proximidade dos dois aeroportos e a conveniência de oferecer mais horários numa única localidade". Como parte desse processo de mudança, a companhia deixará de operar voos diretos à Pampulha e Guarulhos em 15 de maio, mas passa a oferecer opções de conexão convenientes e frequentes em Campinas para um número inédito de destinos.A mudança é questionada por usuários que afirmam que a redução de destinos será extremamente prejudicial.

A Azul disse ainda que as operações, que até então eram operadas com diferentes tipos de aeronaves, serão realizadas com os novos turboélices ATR 72-600, com capacidade para 70 assentos. Ainda em nota, a companhia disse que "reafirma o seu compromisso com Juiz de Fora e ressalta que tais mudanças são reflexo de um trabalho focado em servir cada vez mais e melhor. Todos os clientes com reservas prévias serão reacomodados nos novos voos, ou reembolsados".

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Prefeitura de Florianópolis promete entregar terminais construídos há quase dez anos

10/05/2013 - RIC Mais

O transporte coletivo de Florianópolis tem uma série de problemas. Entre eles estão os terminais abandonados. Três dos sete que existem na Capital nunca foram usados. A prefeitura promete reativá-los.


O cumulo do absurdo, 03 terminais de ônibus (Capoeiras, Jardim Atlântico e o do Saco dos Limões) construídos há 09 anos e que custaram milhões estão prontos para uso da população e não podem ser utilizados, os terminais já estão com as plataformas prontas, as áreas destinadas às lanchonetes entre outros, porém o que se vê é o abandono e a falta de compromisso com a população e o dinheiro público.

Hoje o terminal é depósito de lixo e até serve de moradias para moradores de rua, e o que estava quase pronto, está sendo destruído aos poucos pelos vândalos, onde banheiros e guaritas de apoio estão com os vidros quebrados pelo abandono.

O terminal conta com segurança, porém parecem que eles não dão conta da segurança do terminal. População não se conforma com a situação e pede que o terminal seja então transformado em escolas, postos de saúde, postos de segurança entre outros.

Enquanto este impasse continua, o terminal do Jardim Atlântico já se encontra em operação, mas de testes de aprendizagem de motoristas do DETRAN.

Informações: RIC Mais

Azul tem 2º voo entre Campos dos Goytacazes (RJ) e Rio

15/05/2013 - Panrotas

A Azul iniciou a segunda frequência entre Campos dos Goytacazes (RJ) e Rio de Janeiro (Santos Dumont). "Por ter grande parte de suas atividades econômicas concentradas na exploração de petróleo, Campos tem uma alta demanda de clientes que utilizam essa rota a trabalho. A ampliação das operações da companhia na cidade facilitará o transporte de passageiros na rota do petróleo, com voos diretos e horários convenientes", explica o diretor de Comunicação e Marca da Azul, Gianfranco Beting.

O novo voo parte do Rio às 6h55, de segunda a sábado. No sentido inverso, sai de Campos dos Goytacazes, às 20h30, também de segunda a sábado. As passagens estão disponíveis em todos os canais de vendas da Azul. Informações: www.voeazul.com.br .

Brasília ganha 56 novos voos após redução de ICMS

16/05/2013 - Panrotas

Durante a apresentação dos resultados no mês de abril das companhias aéreas associadas à Abear, o presidente da entidade, Eduardo Sanovicz, comemorou a redução da alíquota do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 25% para 12%. O dirigente revelou que a redução incentivou as empresas a implantarem 56 novas frequências no Aeroporto Internacional de Brasília.

"São voos com origem, chegada ou conexão em Brasília. A Azul colocará 22 voos durante a Copa das Confederações e mais 12 outras frequências entre operações diárias e temporárias. A Gol retoma en 19 de maio outras duas rotas e, por fim, a Tam anunciou a decisão de colocar 20 voos extras no mês de julho", anunciou Sanovicz. A Avianca ainda não informou à associação se ampliará sua malha em Brasília.

De acordo com o dirigente, a decisão beneficia o destino no que diz respeito a competitividade do destino. "Há uma movimentação que se não fosse a redução do ICMS teríamos aproximadamente apenas 14 novos voos", completou.

Nova aérea do Uruguai já tem nome e logomarca


15/05/2013 - Panrotas


O nome e a logomarca da nova aérea (imagens El Pais)

A Alas-U será o nome da nova aérea formada pelos ex-trabalhadores da extinta Pluna, informa o jornal uruguaio El Pais.

Segundo a publicação, a nova empresa vai utilizar “os aviões da empresa em vias de liquidação”. Essas jatos são da canadense Bombardier.

Claudio Schapochnik

Azul inicia operações do 6° voo diário entre Pampulha e Campinas


15/05/2013 - Mercado & Eventos

A Azul anunciou o início das operações do sexto voo diário entre Pampulha, em Minas Gerais, e Campinas, no interior de São Paulo. A opção de voo já está disponível a partir desta quarta-feira (15/05), com tarifas a partir de R$ 100.

Esta frequência terá partida de Campinas às 17h28, com pouso em Minas Gerais previsto para 19h03. No sentido contrário, a aeronave decola de Pampulha às 10h30 e chega no estado de São Paulo às 12h03.

- Arthur Stabile

Infraero lança edital para obras de ampliação do aeroporto de São José


15/05/2013 - G1

Publicação deve ocorrer nesta quinta; escolha da empresa sai em um mês.
Expectativa é triplicar fluxo de passageiros ao ano, atualmente em 190,5 mil.

Do G1 Vale do Paraíba e Região

 Veja vídeo no site do G1
 A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) deve publicar nesta quinta-feira (16) o edital de licitação para as obras de ampliação do aeroporto de São José dos Campos. A informação foi confirmada ao prefeito Carlinhos Almeida (PT), nesta quarta (15), pelo Superintendente Regional da Infraero no Estado de São Paulo, Willer Larry Furtado. A previsão é que a empresa vencedora seja escolhida no mês que vem e as obras durem 12 meses.

De acordo com a administração municipal, o edital prevê aumentar a área do terminal em 4.136 metros quadrados. Atualmente, a área é de 846 metros quadrados. O projeto também prevê a criação de 350 novas vagas de estacionamento, instalação de 14 guichês de embarque, três canais de inspeção de raio-x e banheiros, além da ampliação das áreas comerciais.

A expectativa do governo é aumentar a capacidade do aeroporto, para voos comerciais e para utilização de empresas para exportação e importação de produtos. Atualmente, o aeroporto opera com seis voos diários, com destino para Campinas, Belo Horizonte, Curitiba e Rio de Janeiro, atendendo a um público anual de 190,5 mil passageiro. A expectativa é triplicar esse número após as obras.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Número de helicópteros em BH cresce mais que média nacional

15/05/2013 - O Tempo - MG
Na capital, percentual é de 30% ao ano, contra 20% no país; são cerca de 50 pousos e decolagens ao dia













Custo-benefício.
Renato Las Casas garante que comodidade e agilidade compensam o custo alto

Fugir do trânsito cada vez mais caótico de Belo Horizonte e economizar tempo. Esses foram os argumentos do empresário Renato Las Casas, 30, para comprar um helicóptero. Ele é um dos moradores que contribuíram para a alta no número de aeronaves na capital, que cresce acima da média nacional. De acordo com a Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero (Abraphe), enquanto no Brasil o número de helicópteros cresce 20% ao ano, em Belo Horizonte, o percentual é de 30%.


Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que o Estado já conta com 194 helicópteros, número 70% maior que o de 2007, quando eram 113. Só na capital são 58 aeronaves que fazem por dia cerca de 50 pousos e decolagens. O diretor da Abraphe em Minas, Theo Rolfs, destaca que o interesse é natural diante das dificuldades do trânsito e do crescimento da economia. “O empresário precisa chegar cada vez mais rápido para garantir os negócios, e o trânsito está cada vez pior”.

Las Casas recebeu o helicóptero em dezembro, três meses antes de tirar o brevê para pilotar. Hoje, ele não precisa terceirizar o serviço. “Fui até Ipatinga (no Vale do Aço) e gastei 40 minutos. De carro, seriam duas horas e meia e, muito provavelmente, teria que pernoitar na cidade”, disse o empresário, que usa o helicóptero quase que diariamente para ir ao trabalho – o deslocamento da região Centro-Sul da capital até Betim, na região metropolitana, dura cerca de sete minutos.

Custo. Mas a comodidade tem um preço. Um helicóptero novo não sai por menos de R$ 800 mil. Além disso, há gastos com a manutenção, que podem chegar a R$ 30 mil por mês. “É um custo que vale muito a pena. Consigo dedicar mais tempo para o que gosto de fazer”, argumentou Las Casas.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Air Canada volta a operar para Rio de Janeiro


13/5/2013 -Panrotas

Depois de mais de vinte anos fora do Rio de Janeiro, a Air Canada está de volta ao principal mercado de lazer do Brasil. A empresa irá operar a partir de março de 2014 três voos por semana (ainda sem dias definidos) para Toronto, em um B767-300 – a mesma aeronave que está sendo operada na rota São Paulo – Toronto.

Já a partir de outubro deste ano a Air Canada traz de volta o B777 para a rota SP-Toronto. Com esta nova configuração, a oferta de assentos crescerá 44%, garante o diretor de Vendas para o Brasil, Gleyson Ranieri (foto).

O portal PANROTAS viaja a convite da CTC, Braztoa com proteção GTA

Avião desenvolvido em Uberlândia está na fase final de testes


13/05/2013 - G1

Aeronave boomerang EX 27 sobrevoou Ituiutaba nesta segunda-feira (13).

Projeto é acompanhado por profissionais da UFMG e da UFU.

Do G1 Triângulo Mineiro

Modelo está em fase final de testes
(Foto: Reprodução/TV Integração)

Uma empresa de Uberlândia está em fase final de testes com o avião boomerang EX 27, novidade que está sendo desenvolvida há seis anos, e que sobrevoou o céu de Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, nesta segunda-feira (13). O projeto é acompanhado por profissionais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Para chegar ao mercado, o modelo precisa completar 500 horas de voo. A aeronave, que pode acomodar até quatro pessoas, é a primeira da categoria produzida no Brasil, segundo os profissionais. O empresário e responsável pela produção do modelo no país, Érick Cunha, é natural de Ituiutaba. Ele contou que trouxe a ideia dos Estados Unidos. “Nós achamos muito interessantes a performance e a qualidade de voo dessa aeronave e decidimos lançar essa ideia aqui no Brasil. Depois de anos de desenvolvimento, estamos bem próximos de finalizar o trabalho”comentou.


A versão básica do avião deve chegar ao consumidor por US$ 250 mil dólares. O motor e a hélice ficam na parte traseira e a aeronave tem condições de voar por até quatro horas sem abastecimento, o que corresponde a 2.000 quilômetros. “O objetivo é dar velocidade. A gente busca o desenvolvimento em parcerias com universidades para estar sempre na frente”, completou o empresário Douglas Cunha.

domingo, 12 de maio de 2013

Voos serão retomados a partir de junho em Varginha, diz Azul

08/05/2013 - G1

Data prevista é de que voos voltem a ser operados a partir do dia 4.
Motivo para nova suspensão dos serviços era a falta de brigadistas.
Do G1 Sul de Minas

A Azul anunciou nesta quarta-feira (8) que vai retomar os voos comerciais no Aeroporto de Varginha (MG), que já foi liberado pela Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil. A empresa informou que a data prevista para que os voos voltem a ser oferecidos é 4 de junho.

Desde o início deste mês, brigadistas da cidade de Rezende (RJ) trabalham na cidade. As prefeituras dos dois municípios firmaram um convênio para resolver o problema da falta de brigadistas treinados no Aeroporto de Varginha, o que provocou a suspensão dos voos desde o dia 8 de abril. A Azul ainda não divulgou informações sobre as rotas dos voos.

saiba mais
Brigadistas de Resende começam a trabalhar no Aeroporto de Varginha

O convênio entre as prefeituras é válido por três meses. Enquanto isso, a Prefeitura de Varginha aguarda a realização de um curso para formação de brigadistas, que deverá ser oferecido pela Infraero e a Secretaria Nacional de Aviação Civil no Aeroporto de Confins, em Belo Horizonte, ainda neste mês.