quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Uberaba terá nova companhia aerea

27/01/2011 às 08:46
Uberaba terá nova empresa de transporte aéreo
 
O prefeito Anderson Adauto recebeu ontem para uma reunião o presidente da Azul – Linhas Aéreas Brasileiras, Pedro Janot. Na ocasião, foi anunciada que empresa irá começar a operar em Uberaba ainda este ano no mês de abril, para todo o Brasil. Entretanto, Anderson ainda acredita que a empresa irá gerar reclamações, pois não tem linhas para o aeroporto de Congonhas.
Segundo Anderson, Uberaba vive um problema sério quando o assunto é transporte aéreo, pois a cidade vizinha, Uberlândia, tem uma estrutura consolidada em termos de voos, com duas empresas importantes no ramo que estão consolidadas no local. “Nós estamos vivendo um avanço muito grande na aviação no país, no ano passado, segundo a Casa Civil, o número de passageiros que viajaram de ônibus são os mesmos aos que viajam de avião, isto é um fenômeno que já aconteceu em outros países, a classe C deixando de viajar de ônibus, para ir de avião”, comenta o prefeito ressaltando que a Azul é uma empresa focada nas classes mais baixas.
Portanto, de acordo com o prefeito, de alguma forma a estratégia da empresa é a mesma de Uberaba, diante da dificuldade que a cidade enfrenta para que a população passe a usar transporte aéreo, principalmente envolvendo o valor das passagens. A empresa terá voos durante todo o dia, e atenderá 28 pontos no Brasil, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, entre outros.
Anderson revelou que viajou pela empresa, teceu elogios as aeronaves e recebeu o presidente da empresa na sua casa para um almoço, junto a representantes das entidades classistas de Uberaba e autoridades. “Deixei os secretários Carlos Assis e Renata Mesquita para cuidar do assunto, em que iremos conversar com a comunidade e investir na idéia, pois estou falando de tarifa barata”, comenta Anderson, ressaltando que será um atrativo para a população. (GS)
 
http://www.jornaldeuberaba.com.br/?MENU=CadernoA&SUBMENU=Politica&CODIGO=41269

domingo, 23 de janeiro de 2011

O Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, vai se transformar no principal hub da Trip Linhas Aéreas. A companhia vai abrir neste ano mais 18 voos no aeroporto. A oferta de assentos por ano vai passar dos atuais 24.063 lugares para 78.776 em dezembro de 2011, crescimento de 227%. “Minas tem vocação para a aviação e uma posição geográfica importante, o que nos permite montar uma malha inovadora”, afirma Renan Chieppe, presidente do conselho de administração da Trip.

O centro de treinamento da companhia aérea, que conta hoje com cerca de 400 pilotos, vai ser desenvolvido em Belo Horizonte nos próximos dois anos. O centro vai ter capacidade para abrigar até três simuladores de voos. O primeiro simulador da companhia chega em março na sede administrativa, em Campinas (SP). “Depois o simulador vai ser transferido para o centro de treinamento”, diz Chieppe.

Dia 31 a Trip inaugura pela manhã um voo de Palmas (TO)/Goiânia(GO) para Confins e de Confins para Vitória (ES). Outros voos estão previstos de Montes Claros (MG), Uberlândia (MG), Guarulhos (SP) e Cuiabá (MT) para Confins. E de Confins para Fortaleza (CE)/Natal (RN), Aracajú (SE)/Maceió (AL), Montes Claros (MG)/Salvador (BA), entre outros. “O aeroporto de Confins vai ser a grande ênfase estratégica da Trip”, ressalta José Mário Caprioli, presidente da companhia aérea.

O diretor de marketing e vendas da Trip, Evaristo Mascarenhas, ressaltou que a escolha de Confins como hub da companhia aérea foi feita com base em três pontos: posição geográfica, mercado forte e infraestrutura. “Se for comparar com os outros aeroportos, Confins é o que tem maior condição de infraestrutura. A publicação do edital para as obras é muito importante para equacionar a nossa operação de hub”, diz Mascarenhas.

O aeroporto da Pampulha abriga hoje o centro de manutenção de aeronaves da Trip, em três hangares. “No aeroporto da Pampulha vamos manter a nossa operação, pois a capacidade lá é limitada”, observa Caprioli.

Frota

A Trip assinou quinta-feira com a Air Lease Corporation (ALC), empresa de leasing aeronáutico, contrato para o arrendamento operacional de cinco jatos Embraer 190 e cinco novas aeronaves modelo ATR 72-600 para os próximos 10 anos. As aeronaves, avaliadas em US$ 307 milhões, estão previstas para serem entregues até o primeiro trimestre de 2012.

A frota da Trip é composta atualmente por 43 aeronaves. Com as novas aquisições, a frota vai passar para 57 aeronaves em 2011 e 70 no final de 2012. Em 2010, a companhia transportou 3,2 milhões de passageiros e, até o final de 2011, o objetivo é transportar 5,4 milhões de pessoas. No ano passado a Trip faturou R$ 742 milhões e a expectativa para 2011 é que atinja faturamento de cerca de R$ 1,3 bilhão. A Trip tem hoje 2,8 mil funcionários e deve fechar o ano com 4 mil trabalhadores.

http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2011/01/21/internas_economia,204961/trip-elege-confins-para-ampliar-voos.shtml

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Azul atenderá 20 novas cidades com a introdução do ATR-72

18/01/2011 - Jetsite



A Azul anunciou hoje, 18 de janeiro, que pretende atender 20 novas cidades em 2011 com a introdução do ATR-72-200, totalizando aproximadamente 50 destinos até o final do ano. As primeiras cidades a serem atendidas pelo novo avião serão São José do Rio Preto e Ribeirão Preto, com voos diários para Campinas a partir de 1º de março.

Em nota, a companhia afirmou que a estratégia da empresa é ligar cidades do interior às principais capitais do país com voos curtos, tarifas acessíveis e com diversas frequências por dia. A Azul antecipou a chegada dos ATR, arrendando turboélices do modelo ATR-72-200 enquanto aguarda os novos ATR-72-600 encomendados em julho passado. A companhia espera receber o primeiro novo ATR-72-600, que ainda está processo de certificação, no segundo semestre.

"Os ATR são ideais para percorrer distâncias de até 500 km com o melhor custo/benefício existente. Em viagens de até uma hora, os turboélices acrescentam apenas 10 minutos a mais de tempo de voo e consomem quase metade do combustível que um jato necessita para percorrer o mesmo trecho", explica David Neeleman, sócio fundador da Azul.

Com a introdução dos ATR, a Azul pretende ligar mais comunidades pouco servidas ou simplesmente desprovidas de transporte aéreo regular e assim aumentar sua participação no mercado aéreo brasileiro, hoje na casa dos 7,3%.

Até 1º de março a Azul terá recebido três ATR-72-200 que serão usadas nas operações para São José do Rio Preto e Ribeirão Preto. Ambas as cidades terão voos diários e diretos, partindo de Campinas, onde os clientes poderão se conectar para 29 outros destinos atendidos pela Azul hoje.

Ao todo, serão cinco voos por dia, de segunda a sexta, e três aos sábados e domingos. As passagens começam a ser vendidas em fevereiro.

"Além das viagens a passeio, a chegada da Azul nesses municípios beneficiará ainda executivos e empresários, pois dará a eles o conforto e a eficiência de fechar negócios em outro local e voltar para suas cidades de origem no mesmo dia. Ao todo, são 11 destinos que permitem essa facilidade. Há ainda a infinidade de conexões que ficarão ao dispor desse cliente em horários-chave: o primeiro voo de Ribeirão para Viracopos, por exemplo, permitirá conexão para mais 15 cidades.", conta Pedro Janot, presidente da companhia. 

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Embraer fez 246 entregas de aviões em 2010

18/01/2011 - Jornal de Turismo

A fabricante brasileira Embraer registrou 246 entregas de aeronaves em 2010, pouco acima do número registrado em 2009, de 244 unidades. Apenas no quarto trimestre do ano, a companhia entregou 92 aviões nos segmentos comercial, executivo e de defesa. Segundo comunicado da empresa, a carteira de pedidos firmes da Embraer somava US$ 15,6 bilhões no fim do ano.

No ano passado, clientes da companhia brasileira receberam cem aviões do segmento comercial, incluindo 58 Embraer 190 e 17 Embraer 195. O total superou o esperado pela própria empresa para o ano, que era entregar 90 unidades comerciais.

No segmento de aviação executiva, para o qual a Embraer projetava 137 entregas, foram entregues 144 jatos. Foram cem unidades do modelo Phenom 100, outras 26 do Phenom 300, dez do Legacy e oito do Lineage. Também foram entregues outras duas aeronaves do segmento de defesa (para transporte de autoridades).

No quarto trimestre, foram entregues 30 unidades para a aviação comercial, 61 para a aviação executiva e uma para o segmento de Defesa.

* Com informações do "Valor Online"

Azul adianta uso de ATR para primeira de março em novas rotas

18/01/2011 - Panrotas

Na home, David Neeleman segura dois modelos de ATR; acima, ele com o vice-presidente comercial Trey Urbahn e o presidente Pedro Janot (à esq.) e o comandante e vice-presidente técnico e operacional da Azul, Miguel Dau
Na home, David Neeleman segura dois modelos de ATR; acima, ele com o vice-presidente comercial Trey Urbahn e o presidente Pedro Janot (à esq.) e o comandante e vice-presidente técnico e operacional da Azul, Miguel Dau

A Azul decidiu antecipar o início do uso dos equipamentos ATR, que são ideais para pistas curtas. Com isso, a partir de 1º de março, entram em operação três ATR 72-200, arrendados pela companhia, que ligarão Campinas (Viracopos) a Ribeirão Preto e a São José do Rio Preto, duas cidades que se destacam no interior paulista. Serão cinco frequências por dia, de segunda a sexta, e três aos sábados e domingos.

Cada aeronave atuará em uma das rotas e a terceira ficará de reserva técnica, segundo anunciaram os executivos da empresa agora há pouco em coletiva de imprensa no Maksoud Plaza, em São Paulo. Os equipamentos estão configurados com 70 assentos e já na próxima semana deverão ser anunciadas as tarifas dos trechos que, segundo o presidente da companhia, Pedro Janot, serão “bastante competitivas”.

O fundador e presidente do Conselho Administrativo da Azul, David Neeleman, informou ainda que osATR estão “novinhos em folha”, pois pertencem à própria fábrica europeia e foram totalmente renovados. O valor do aluguel não foi revelado.

Até o fim do ano, a aérea já pretende estar atendendo outras 18 cidades com o equipamento, uma vez que também adquiriu 40 ATR 72-600, que começam a chegar em julho.

Questionado se o projeto de antecipação seria para fazer uma frente à Gol, que firmou acordos com a Noar e Passaredo – companhias que operam com aviões menores que os Boeing –, o diretor de Marketing da Azul, Gianfranco Beting, o Panda, respondeu negativamente. “Não se trata de uma ação reativa, mas, sim, de uma ação ativa e coordenada. O David Neeleman pensou na antecipação desse projeto dos ATR no primeiro semestre do ano passado”, explicou Panda.

Azul planeja ampliar malha em mais de 20 destinos em 2011

18/01/2011 - Exame.com - Beatriz Olivon

Companhia está avaliando cerca de 40 cidades para decidir em quais passará a operar

Divulgação/EXAME.com
Brasil não possui uma empresa aérea "low cost"
Azul: expansão da frota prevista para sustentar novos destinos

São Paulo - A Azul anunciou hoje (18/1) seu plano de expansão. A empresa quer terminar 2011 com mais de 20 novos destinos - nem todos definidos. Em 2010, a empresa encomendou 40 jatos ATR 72-600, que devem ser recebidos somente no final do ano. Para driblar essa demora, no dia 1º de março, o jato ATR 72-200 começará a operar no país. As primeiras cidades atendidas serão São José do Rio Preto e Ribeirão Preto.

"Essa frota vai ficar aqui o tempo necessário para a ATR entregar o 600", disse Miguel Dau, vice-presidente técnico operacional, em encontro com jornalistas. A Azul diz que não ocorreu atraso na chegada dos ATR 600. Segundo a empresa, o prazo sempre foi esse, mas a aérea resolveu antecipar a chegada das aeronaves - usando, para isso, o modelo ATR 200.

"Essa foi a forma que encontramos de não perder tempo", diz Dau. Os 40 ATRs da série 600 estão orçados em 850 milhões de dólares. Os aviões da série 200 são arrendados. A empresa estima voar, no máximo, 18 meses com eles. "Foi um bom preço", afirmou David Neeleman, o fundador da companhia.

A ATR ofereceu essa possibilidade para a empresa, e entregou as aeronaves para a empresa operar enquanto espera o ATR 600. A capacidade de operação em pistas mais curtas do turboélice é melhor que a do jato, além de haver economia no consumo de combustível, segundo Dau.

Destinos

Os novos 20 destinos que a empresa quer abrir neste ano ainda não foram definidos. Há cerca de 40 cidades em análise. "Estamos fazendo uma concorrenciazinha também entre as cidades", diz Neeleman. "Não queremos dinheiro deles, mas apoio dos líderes para ver para quais cidades a gente vai", afirma.

Entre os fatores atrativos para a Azul, está a redução de ICMS. A empresa já voa com reduções de impostos em Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e Bahia. Nem todas essas novas cidades terão suas rotas operadas por ATRs - onde o tempo de voo for maior, serão usados jatos da Embraer "porque tem televisão", diz Neeleman.

Com a chegada do ATR, a Azul parte de uma frota com somente um tipo de avião, jatos da Embraer, para dois tipos e, assim começa a realizar um novo tipo de conexão de linhas. OS ATRs vão alimentar o trabalho dos jatos e distribuir os passageiros, segundo a empresa. Com os novos voos para Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, haverá cerca de 500 passageiros por dia, nas duas cidades. Dos três ATRs que vão chegar, dois farão os vôos para essas cidades e um ficará de reserva.

Em Viracopos, a empresa possui cerca de 70 voos por dia e, no fim do ano, espera chegar a 130. Para isso, a empresa trabalha com a Infraero, para ter mais balcões de check in e pátios. "Tem espaço para nosso crescimento esse ano; para o próximo, temos que fazer mais coisas, mas estamos trabalhando com a Infraero e estamos felizes com o que ouvimos da presidente Dilma sobre isso", diz Neeleman.

IPO

A empresa não descarta a possibilidade de abrir o capital em 2011, mas não tem uma data fechada para isso. "A gente vislumbra o IPO, mas não tem data para isso. Estamos trabalhando para nos capacitar para a hora oportuna, que também depende das condições de mercado", diz.

A empresa começou 2010 com 15 aviões e fechou com 26 aviões. Em relação, ao plano de negócios original, a empresa diz estar 30% a 35% acima. Em 2010, a Azul dobrou de tamanho em relação a 2009, segundo a empresa, que fechou o ano com cerca de 7,3% de participação no mercado. A empresa mantém a previsão - e a vontade - de obter lucro em 2011.

Infraero inicia instalação de Módulo Operacional em Viracopos

18/01/2011 - Infraero

A Infraero deu início aos trabalhos de instalação do Módulo Operacional do Aeroporto Internacional de Campinas/Viracopos (SP). O empreendimento, com investimentos da ordem de R$ 5 milhões, irá garantir os níveis de conforto dos usuários de Viracopos. A previsão de conclusão da instalação do Módulo é de 150 dias, contados a partir de dezembro de 2010.

A ser edificado em uma área de 1,2 mil m², localizada ao lado do Terminal de Passageiros, o Módulo Operacional de Viracopos será composto por oito sub-módulos e oferecerá a mesma funcionalidade e comodidade dos Terminais tradicionais, como sistema eletrônico de som, pontos comerciais, instalações técnicas, ar-condicionado, sanitários e Sistema Informativo de Voos.

No Módulo, que cumprirá as funções de uma área de check-in, serão instaladas 22 novas posições de atendimento, 11 delas totalmente adaptadas aos usuários com deficiência física ou mobilidade reduzida. “As novas posições possibilitarão o atendimento a 528 passageiros por hora, aumentando para 1.460 o número de check-ins realizados por hora no Terminal”, explicou a superintendente de Viracopos, Lilian Ratto Neves. Atualmente, o aeroporto conta com 33 posições de atendimento, com capacidade para atender 960 passageiros por hora.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Anac estuda redução da malha aérea da Webjet

17/1/2011 - Diário de Natal (RN)

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deverá anunciar nas próximas semanas a redução da malha da Webjet, tanto do número de frequências (saídas autorizadas) quanto no de cidades atendidas. A avaliação do órgão regulador, que está estudando detalhamente a situação da companhia, é que a Webjet enfrenta problemas operacionais e não dispõe de tripulação suficiente para atender os voos autorizados atualmente.

A Webjet é a quarta companhia do mercado doméstico e teve um aumento do tráfego de passageiros de 64,1% no ano passado. Mas tem registrado índices de atraso muito superiores à média do setor.Segundo dados da Infraero, até às 18h de sexta-feira, a empresa registrava índice de atraso de 68% (dos 103 voos programados, 70 atrasaram e outros 2 foram cancelados. A média do setor no período era de 19%.

Recentemente, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, determinou à Anac que estudasse uma redução da malha da TAM, cujo índices de atraso e cancelamentos durante as festas de fim de ano superaram a média.Mas a maiorcompanhia nacional não deverá ser penalizada, pois os problemas foram ocasionados por imprevistos, como fechamento de aeroportos devido a mau tempo e manutenção não programada, além do aumento do fluxo de passageiros no período.

A situação é diferente com a Webjet. Com malha apertada, frota e quadro de pessoal reduzidos, os problemas acabam se agravando, diante das más condições climáticas. A empresa, segundo a assessoria de imprensa, tem uma frota de 23 aviões e atende 14 cidades. Em nota, a assessoria atribuiu os atrasos dos últimos tempos ao mau tempo.

Gol celebra 10 anos e 160,5 mi de paxs transportados

17/01/2011 - Panrotas

Um dos 112 jatos da aérea
Um dos 112 jatos da aérea

A Gol completou neste sábado (dia 15) dez anos de operações regulares. No período, a empresa expandiu a frota operacional de seis para 112 aeronaves, atingindo, aproximadamente, 40% de participação no mercado doméstico brasileiro. E mais de 160,5 milhões de passageiros foram transportados no período, sendo que cerca de 10% deles tiveram a oportunidade de viajar de avião pela primeira vez com a companhia.

“A Gol foi criada em 2001 com a missão de popularizar o transporte aéreo no Brasil e na América do Sul. Graças ao trabalho dedicado dos nossos quase 19 mil colaboradores e a uma gestão eficiente, temos sido bem-sucedidos na estratégia de crescer de forma rentável e sustentável, a partir de uma estrutura de baixo custo e com alta qualidade no atendimento ao cliente”, destaca o presidente e fundador da aérea, Constantino de Oliveira Júnior. “Esse modelo de negócios, implantado com sucesso pela primeira vez no Brasil pela Gol, tem nos permitido oferecer tarifas reduzidas, tornando o transporte aéreo uma opção de acessível a todos”, completa o executivo.

PIONEIRISMO
Desde que iniciou os voos, a Gol estabeleceu marcos importantes no setor de aviação comercial brasileiro, assegura a empresa. Foi a primeira companhia aérea a eliminar o tradicional bilhete de papel, reduzindo custos e simplificando a experiência de viagem dos clientes. Também foi pioneira ao oferecer o check-in inteiramente pelo celular e a permitir check-in em voos domésticos pelo aparelho iPhone para passageiros sem bagagem a despachar. A bordo, a Gol inovou no País ao lançar o serviço de venda de alimentos em voos (buy on board), que recebeu grande aceitação do público e será expandido para mais de 400 operações diárias em 2011, contribuindo para o aumento das receitas auxiliares.

“Desde o início, realizamos pesquisas para descobrir os hábitos, gostos e desejos dos consumidores dessa nova classe média no que se refere a viagens. A companhia já nasceu estudando seu comportamento, ouvindo suas necessidades e desenhando produtos que os atendessem. Em 2005, por exemplo, lançamos o Voe Fácil, programa que permite o parcelamento de passagens aéreas em até 36 vezes”, lembra a vice-presidente de Mercado da Gol, Claudia Pagnano.

FROTA PADRONIZADA
A empresa opera uma frota padronizada em aeronaves Boeing 737 Next Generation. “Com seus baixos custos operacionais, esses aviões são peça-chave na estratégia da companhia de popularizar o transporte aéreo. Obtemos um dos maiores índices de utilização diária no mundo e oferecemos segurança e conforto aos clientes”, aponta. “Nesses dez anos, temos muito do que nos orgulhar: sob especificações da Gol, a Boeing desenvolveu e entregou, em 2006, o modelo Short Field Performance, projetado especialmente para operar nas pistas dos aeroportos de Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio de Janeiro). Com isso, ganhamos ainda mais vantagens competitivas”, explica o vice-presidente Técnico, Adalberto Bogsan.

Nesse período, a Gol comprou a VRG Linhas Aéreas, em março de 2007, e junto o programa de fidelidade Smiles – hoje com mais de 7,4 milhões de participantes cadastrados e 180 parceiros. Por meio do programa, clientes Gol podem acumular milhas e emitir bilhetes para o mundo inteiro, graças aos acordos comerciais que a companhia possui com grandes empresas aéreas estrangeiras, como American Airlines, Delta Air Lines, Air France e KLM – líderes das rotas entre o Brasil e seus respectivos países.

Azul inicia novo trecho entre Porto Alegre e Curitiba

17/01/2011 - Panrotas

A partir de 15 de fevereiro, a Azul passa a vender bilhetes do novo voo direto Curitiba (PR) a Porto Alegre (RS) - três frequências diárias. E dois destes voos seguirão para São José dos Campos (SP), cidade que é atendida com voos diretos desde Curitiba desde dezembro.

A Azul também dará início à terceira frenquência de voos para o aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, vindo de Porto Alegre, começando em 15 de fevereiro, com três horários de partida.

Para comemorar o lançamento da nova rota, a Azul irá oferecer tarifas promocionais a partir de R$ 49 o trecho. Informações: www.voezul.com.br.

Obras em três aeroportos da Infraero terão apoio do exército brasileiro

17/01/2011 - Jornal de Turismo

A Infraero garante que terá a parceria do Exército Brasileiro para a execução de serviços de melhoria em três aeroportos: Guarulhos (SP), Porto Alegre (RS) e Rio Branco (AC). Essas parcerias têm o objetivo de acelerar o andamento das obras, garantindo a ampliação e modernização dos aeroportos para atendimento da demanda projetada para o setor aéreo.

No Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos - Governador André Franco Montoro, o novo Termo de Cooperação Técnica a ser assinado com o Exército Brasileiro - que atualmente executa as obras de ampliação do Sistema de Pátio e Pista desde junho de 2010 - contempla os serviços de terraplanagem para a construção do Terminal de Passageiros 3. "O projeto básico desses serviços já está concluído e, em dois meses, o projeto executivo também estará finalizado", destacou o diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Infraero, Jaime Henrique Caldas Parreira. Nesse ínterim, algumas etapas da obra já serão realizadas, como o resgate da fauna existente, supressão da vegetação e, por fim, limpeza do terreno. "Após esses processos, será iniciada efetivamente a terraplanagem do complexo do Terminal 3", destacou o diretor. Esse Termo de Cooperação Técnica e Financeira prevê investimentos de R$ 350 milhões.

Em Porto Alegre, a parceria firmada com o Exército Brasileiro contempla a atualização e a complementação do projeto executivo do prolongamento e macrodrenagem da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional Salgado Filho (RS). O projeto também abrange serviços semelhantes na pista de táxi Delta. Os investimentos da Infraero nessas melhorias serão de aproximadamente R$ 4,4 milhões.

Para o Aeroporto Internacional de Rio Branco/Plácido de Castro (AC), a Infraero assinou um Termo Aditivo para prorrogar o prazo de vigência do convênio - já firmado com o Exército Brasileiro - para recuperação da pista de pouso e decolagem. Em abril/2010, o Exército Brasileiro, por meio do DEC (Departamento de Engenharia e Construção), iniciou os trabalhos na pista, que tem como objetivo ampliar os níveis de segurança às operações no aeroporto. O Termo Aditivo prevê investimentos de R$ 1,4 milhão. No total, a Infraero vai investir R$ 4,4 milhões na recuperação da pista do Aeroporto de Rio Branco.

Aeroporto de Ribeirão Preto (SP) transporta 677,7 mil passageiros em 2010

17/01/2011 - Jornal de Turismo

O Aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto (SP), registrou em 2010 o maior número de passageiros dos últimos oito anos. Segundo dados do Daesp (Departamento Aeronoviário do Estado de São Paulo), no ano passado, entre embarques e desembarques de voos regulares e não regulares, passaram pelo aeroporto um total de 677.768 passageiros. Esse número é 43,3% superior a todo o ano de 2009, que fechou com 473.200 passageiros.

"O aumento do movimento em Ribeirão Preto é um reflexo do bom momento da economia e segue a tendência verificada no Brasil", afirma Álvaro Cardoso Júnior, diretor regional do Daesp, que administra 30 aeroportos no interior, entre eles o de Ribeirão Preto.

O volume de passageiros de dezembro último é quase o triplo do ano de 2003, com 268.152 pessoas no total. Os dados oficiais mostram um movimento de passageiros em curva ascendente: 311.324 (2004), 464.287 (2005), 318.434 (2006), 391.207 (2007), 428.163 (2008) e 473.200 (em 2009).

Em dezembro de 2010, o Aeroporto Leite Lopes movimentou 84.553 passageiros em voos regulares e não regulares. Esse número é 93,2% superior a igual mês de 2009, quando o movimento fechou em 43.615 passageiros. Em relação a novembro de 2010, o aumento foi de 47,5% no volume de passageiros.

* Com informações do "Jornal A Cidade"

Infraero melhora aeroporto no MS

17/01/2011 - Webtranspo

Unidade vai ficar mais segura em 12 meses
aeroporto-ponta-pora_transporte-aereo
Unidade receberá R$ 14 milhões em investimentos

Almir Aurélio Fernandes, superintendente do Aeroporto Internacional de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, anunciou que a unidade passará por uma série de obras de melhorias, principalmente, com o objetivo de aumentar os níveis de segurança dos pátios e pistas do aeroporto.

Conforme informações da Infraero, os trabalhos planejados para o aeroporto integram: recuperação do asfalto da pista de pouso e decolagem e revitalização da sinalização horizontal e do sistema de drenagem das pistas de pouso e de taxiamento.

As obras devem ter início em fevereiro e custarão aproximadamente R$ 14 milhões, com recursos da Infraero. A estimativa é que a obra fique pronta em um ano.

Localizado na fronteira entre o Brasil e o Paraguai, o aeroporto de Ponta Porã não terá suas operações canceladas em razão das obras para melhorias. “Adotamos todas as medidas necessárias para amenizar o impacto nas operações e garantir segurança em todos os procedimentos”, afirmou Fernandes.

domingo, 16 de janeiro de 2011

Demanda por voos diminui ritmo em dezembro, mas cresce em 2010

13/01/2011 - Anac

Em dezembro de 2010, a demanda por transporte aéreo registrou crescimento de 18,62% no segmento doméstico e de 17,66% no mercado internacional, considerando somente as rotas operadas por companhias brasileiras. Embora positivo na comparação com dezembro de 2009, os índices confirmam a tendência de desaceleração no ritmo de crescimento do setor, que havia atingido quase 43% no segmento doméstico em fevereiro do ano passado.

No acumulado de janeiro a dezembro de 2010, a demanda por transporte aéreo no Brasil avançou 23,47% no segmento doméstico e 20,38% nas rotas internacionais operadas pelas empresas brasileiras. Os Dados Comparativos Avançados foram divulgados hoje pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e estão disponíveis na Internet, no endereço:http://www.anac.gov.br/dadosComparativos/DadosComparativos.asp

A liderança do setor em 2010 foi mantida pelo Grupo TAM (formado pelas empresas TAM e Pantanal), com 42,81% de participação no mercado doméstico em 2010. Em seguida está a Gol/Varig, com 39,51%. As duas empresas registraram percentuais semelhantes de aumento de demanda no ano passado, de 16,31% e 16,99%, respectivamente.

Já as companhias de menor porte tiveram crescimento mais acelerado no ano, como a Azul, com demanda 103,53% superior a de 2009 e a terceira maior participação de mercado, 6,05%. A Webjet cresceu 64,10% de janeiro a dezembro e encerrou 2010 com uma fatia de 5,87% do segmento doméstico. A Avianca – que até abril de 2010 operava sob a marca OceanAir – ficou com 2,59% de participação no ano, com demanda 27,05% maior do que ano anterior. Embora no acumulado do ano a Avianca continue como quinta maior empresa brasileira, no mês de dezembro ela foi ultrapassada pela Trip. Em 2010, a demanda da Trip foi 82,64% maior do que em 2009 e ela encerrou o ano com 2,21% do mercado nacional.

A ocupação do setor nos voos domésticos foi de 68,81% em 2010, ante 65,76% do ano anterior. Entre as seis maiores empresas aéreas nacionais, a que obteve maior ocupação no ano foi a Azul, com 79,6%. No segmento internacional, as empresas brasileiras passaram de uma ocupação de 69,16% em 2009 para 76,38% no ano passado.

Pequenas empresas aéreas conquistam espaço

13/1/2011 - CNT

Foto: Divulgação

Azul ultrapassou Webjet em participação em 2010A demanda pelo transporte aéreo doméstico registrou alta de 23,47% em 2010. Já nos destinos internacionais, o crescimento foi de 20,38%. O balanço, divulgado nesta quinta-feira (13) pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mostra ainda que as maiores altas foram das empresas aéreas de pequeno porte.

Se em 2009, 87,14% do mercado era controlado pelas duas maiores empresas do país, em 2010, esse número caiu para 82,32%.

Para se ter uma ideia, a novata Azul mais que dobrou a quantidade de passageiros no ano passado em relação a 2009: alta de 103,53%, e ultrapassou a Webjet no quesito participação de mercado. A Azul, terceira maior companhia aérea do país em 2010, abocanhou 6,05% do total de viajantes.

A Webjet, por sua vez, cresceu 64,10% e alcançou 5,87% do mercado aéreo. A Avianca, que operava até abril de 2010 como OceanAir, teve alta de 27,05% com participação de 2,59%, se colocando como a quinta maior empresa brasileira.

A Trip registrou forte alta e em dezembro superou a Avianca em movimentação. Entretanto, fechou o ano na sexta posição, com alta de 82,64% e com a fatia de 2,21% do mercado nacional.

O grupo TAM, formado pela TAM e Pantanal, manteve a liderança em 2010. Com crescimento de 16,31% conquistou 42,81% do mercado, fatia menor do que a registrada em 2009: 45,45%.

A Gol/Varig, segunda maior empresa, cresceu 16,99%. Entretanto, também teve participação reduzida no mercado total: passou de 41,69% em 2009 para 39,51% em 2010.

Ocupação

Em média, 68,81% dos assentos disponíveis estiveram ocupados em 2010, ante 65,76% no ano anterior, segundo a Anac. A empresa com o melhor aproveitamento foi a Azul, com 79,6%, seguida pela Webjet, com 76,44% e a Avianca, com 74,27% dos assentos ocupados.

No segmento internacional, as empresas brasileiras também ampliaram a taxa de ocupação: de 69,16% em 2009 para 76,38% no ano passado.


Aerton Guimarães, com informações de assessoria
Redação CNT

sábado, 15 de janeiro de 2011

Aeroporto de Goiânia terá novos voos

06/01/2011 - O Hoje

Goiânia vai ganhar dois novos voos diretos a partir do dia 17 de janeiro. Um dos destinos é Araguaína, no Tocantins, com dois voos diários e operados pela companhia Passaredo, às 7h10 e 18 horas. O outro irá conectar a capital do Tocantins, Palmas, à capital goiana, Belo Ho­rizonte (MG) e Vitória (ES), com início previsto para o final do mês pela Trip. Também em janeiro (25 e 26), os passageiros de 13 cida­des, inclusive Goiânia, pagarão apenas a passagem de volta nas compras de passagens antecipa­das com destino a São Paulo, em comemoração aos 457 anos da capital paulista.

Desde 2009, Goiânia vem aumentando as opções de destinos de voos, principalmente após a aprovação da Lei nº 3.265. Esta concede redução da base de cálculo do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) – de 15% para até 3% – nas operações internas com querose­ne de aviação, destina­das a empresas de transporte aéreo que ins­talarem centro de operações em Goiás, além de aderirem ao programa de incentivo à aviação regional no Estado.

A Passaredo pretende passar de 20 operações diárias em Goiânia para 34, até fevereiro deste ano. “Acreditamos no gran­de potencial de Goiânia. Vamos expandir muito nossa atuação na capital”, afirma o presidente da empresa aérea, José Luiz Felício. 

No caso da Gol, as passagens devem ser compradas até dia 11 janeiro pelo site empresa. O va­lor promocional está sujeito à dis­ponibilidade de assentos nas ae­ronaves. Segundo o diretor co­mer­cial da empresa, Eduardo Ber­­nardes, a promoção visa oferecer tarifas competitivas com as cobradas por empresas de ônibus.

Gerente de operações e segurança da Infraero no aeroporto de Goiânia, Juliano Castro informa que cerca de 70 voos partem da capital, diariamente. Atualmente, seis empresas operam voos regulares na cidade: Tam, Gol, Azul, Passaredo, Trip e Sete. (André Passos)

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Infraero pode ser privatizada para a Copa do Mundo

11/1/2011 - O Tempo (MG)

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) pode ser privatizada para a Copa de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016, informou o jornal "Financial Times". De acordo com a publicação britânica, a informação, que foi confirmada por Guido Mantega, ministro da Fazenda, faz parte do plano para melhorar os serviços e a infraestrutura dos aeroportos brasileiros.

Segundo o jornal, a privatização evitaria atrasos e cancelamentos de voos e facilitaria obras e investimentos nos maiores terminais brasileiros.

O jornal informou, ainda, que um pacote de reformas dos aeroportos brasileiros está sendo preparado e que a privatização pode gerar "bilhões de dólares para o governo". Em 2009, a companhia movimentou em torno de R$ 2,61 bilhões. A Infraero administra 67 aeroportos e controla 97% do tráfego aéreo brasileiro.

Saturados. Um estudo recente da consultoria McKinsey mostrou que a capacidade dos aeroportos do país encerrou 2009 em 126 milhões de passageiros, com uma demanda de 111 milhões. Em 2014, o fluxo deverá ir aos 146 milhões.

O levantamento aponta que, dos 20 principais aeroportos, sete estão com pátios e terminais de passageiros saturados. Das 12 cidades-sede da Copa, apenas quatro não têm problemas de limitação nos aeroportos. O orçamento do governo para o setor é de R$ 6,5 bilhões.

Trip solicita voos ligando capitais no Nordeste inclusive Fortaleza

11/01/2011 - Melhores Destinos

No dia 30 dezembro a Trip solicitou autorização para voos em dezenas de trechos. O grande destaque é para dois voos que irão ligar Belo Horizonte a 5 capitais do Nordeste incluindo Fortaleza, cidade que a Trip ainda não atende.

Os dois voos partem de Belo Horizonte às 9 da manhã, passam o dia voando por capitais do Nordeste retornando a Belo Horizonte às 19:30.

Vejam abaixo a rota dos voos:

5232 09:00h Belo Horizonte – Fortaleza – Natal – Recife – Maceió – Aracaju – Belo Horizonte 19:28
5233 09:00h Belo Horizonte – Aracaju – Maceió – Recife – Natal – Fortaleza – Belo Horizonte 19:30

Esses voos estão previsto para iniciar no dia 15 de maio, mas depende de aprovação da Anac. A venda de passagens só começa após a Anac autorizar.

Os paraibanos, certamente irão lamentar que mais uma vez João Pessoa ficou de fora. Na verdade eu tenho uma notícia pior, a Trip tem solicitações para mais de 100 trechos na Anac e João Pessoa não está em nenhuma dessas solicitações. Isso não quer dizer que a Trip não vá voar para João Pessoa em breve, mas a empresa já fez solicitações para voos com início até agosto.

A maioria das solicitações da Trip envolvem voos em Belo Horizonte, é impressionante como caberão todos esses voos em Confins.

Azul planeja início de operação em Ribeirão

11/01/11 - DCI - Eduardo Schiavoni 

RIBEIRÃO PRETO - Depois da Webjet, que iniciou as operações em dezembro de 2010, Ribeirão Preto deve ganhar, nos próximos meses, uma nova companhia aérea operando no aeroporto Leite Lopes. A Azul planeja ingressar na cidade e a previsão é que o voo comece a ser realizado a partir de março de 2011. A informação é do diretor regional do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp), Álvaro Cardoso Júnior. Na última segunda, ele recebeu técnicos da empresa para a terceira avaliação da infraestrutura local. A Azul ocupará a área de check-in ao lado da Webjet. Operam ainda Passaredo, Trip, TAM e Pantanal.

Segundo Cardoso Júnior, a empresa deve apresentar em janeiro a documentação à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para autorização dos voos. A Azul deve ocupar de duas a três posições no pátio nos horários de pico - 6h30 às 9h30, 11h às 14h, 15h30 às 17h e 22h. O Leite Lopes será o terceiro aeroporto do interior paulista a receber voos da empresa. A intenção é que, além de São José dos Campos e Campinas, que já contam com a presença da Azul, São José do Rio Preto comece a contar com voos da companhia ainda no primeiro bimestre de 2011.

Segundo informações do site ContatoRadar, possivelmente a aeronave utilizada será o novo ATR. A Azul confirmou, via assessoria, a abertura de novos mercados para 2011, mas não quis dar detalhes do início das operações em Ribeirão.

Ampliação

Durante o ano de 2010, o Leite Lopes registrou quase 700 mil, recorde do aeródromo. Em 2009, foram cerca de 470 mil.

O crescente número de voos e a intenção de novas empresas aéreas de operar em Ribeirão fizeram, inclusive, o Departamento de Aviação do Estado de São Paulo pedir ao estado a ampliação do terminal e a construção de um novo pátio no Leite Lopes.

Álvaro disse que os pedidos serão analisados pela gestão do governador eleito, Geraldo Alckmin (PSDB). O mais urgente é ampliar o pátio. "O aeroporto poderá receber até 18 aeronaves simultaneamente", contou, ressaltando que, hoje, o terminal opera com nove aeronaves ao mesmo tempo.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Mais espaço para aeronaves no Aeroporto de Florianópolis

10/01/2011 - Infraero

O Aeroporto Internacional de Florianópolis/Hercílio Luz (SC) passou a contar, no último dia 8/1, com uma nova área para estacionamento de aeronaves. De acordo com a decisão 173 da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), válida até março de 2011, o aeroporto está autorizado a utilizar os últimos 600 metros da pista 03/21 para criar mais nove posições de estacionamento de aeronaves do porte até do Boeing 737-800.

Essa decisão irá permitir o atendimento da demanda de voos charter na temporada 2010/2011, possibilitando ainda um melhor atendimento à aviação geral e executiva. Vale destacar que a utilização da pista como estacionamento de aeronaves não prejudicará os pousos e decolagens, uma vez que a pista principal (14/32) vai continuar operando normalmente.

Adequações

Para utilizar a pista como estacionamento de aeronaves, a Infraero já programa uma série de adequações no local, como pintura da sinalização horizontal e instalação de balizamento luminoso de área de estacionamento. "Além disso, nossos fiscais de pátio já estão sendo treinados para atuar nessa área específica", garantiu o Superintendente do Aeroporto Internacional de Florianópolis, Antonio Filipe Bergmann Barcellos.

A necessidade de utilização da pista como pátio de aeronaves surgiu devido à grande quantidade de voos charters programados durante a temporada 2010/2011, apresentando um crescimento de 82,49% em relação ao mesmo período do ano passado.

Assessoria de Imprensa – Infraero
imprensa@infraero.gov.br 
www.twitter.com/canalinfraero

“Azul é Vitória“ eleva frota da aérea para 27 jatos

10/1/2011 - Panrotas

A Azul recebeu hoje sua primeira aeronave de 2011. Trata-se de mais um jato Embraer 195 e, com isso, a Azul passa a contar com 27 aeronaves em operação na frota. Segundo a companhia, este é o início do plano de expansão e a Azul espera fechar o ano com mais 11 jatos da fabricante brasileira. 

O 27º jato sob matrícula PR-AYQ foi batizado de "Azul é Vitória", nome escolhido por Lucíola Soares de Siqueira, agente de atendimento da Azul no aeroporto de Vitória, no Espírito Santo. Segundo a tripulante (como são chamados todos os funcionários da companhia), o nome é tanto uma homenagem à capital capixaba como simboliza o sucesso da Azul no Brasil.

O plano de expansão, segundo o presidente da companhia, Pedro Janot, surge em função da crescente demanda da Azul, que superou seis milhões de pessoas em dois anos de operação. Só em dezembro de 2010, a companhia transportou cerca de 540 mil clientes, uma média de 17 mil por dia.

O "Azul é Vitória" já entra na malha de voos da Azul a partir da semana que vem.

Mantega: 'governo trabalha na abertura de capital da Infraero

10/01/2011 - Cláudio Humberto

ABr
Foto
MINISTRO DA FAZENDA, GUIDO MANTEGA

O ministro Guido Mantega (Fazenda) confirmou que o governo pretende abrir o capital da Infraero, para melhorar a infraestrutura de alguns dos principais aeroportos brasileiros. Em entrevista publicada nesta segunda (10) pelo jornal britânico Financial Times,Mantega afirmou que a reforma administrativa na estatal poderia melhorar a gestão de alguns dos principais aeroportos do país, tendo em vista a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. “O importante é mudar a estrutura da Infraero”, disse. "Temos de tomar medidas muito drásticas para aumentar a capacidade na aviação e melhorar toda infraestrutura", afirmou Mantega.

Movimento em Viracopos cresce 345% e aeroporto vira 3ª opção em SP

09/01/2011 - Folha.com

Enquanto o governo não decide se São Paulo terá ou não um terceiro aeroporto, Viracopos, a 90 quilômetros do centro da capital, está se transformando, na prática, em uma terceira opção para o viajante paulista.

Após anos na ociosidade, o aeroporto de Campinas transportou 4,9 milhões de passageiros em 2010, alta de 345% ante 2008 -uma das maiores taxas de expansão do mundo, informam Mariana Barbosa e Agnaldo Brito, em reportagem na Folha deste domingo (a íntegra está disponível para assinantes do UOL e do jornal).

Além do ambiente econômico favorável, o crescimento se explica pela chegada da Azul Linhas Aéreas, em dezembro de 2008.

Sem roubar passageiros da TAM e da Gol, que também cresceram, a Azul já conquistou 7,2% do mercado brasileiro, tendo Viracopos como base principal.

A Folha apurou que com 132 voos para 23 destinos, a Azul é responsável por 65% da capacidade do aeroporto. Para acomodar essa demanda enquanto não sai do papel a obra de ampliação -que prevê novo terminal e nova pista até 2015-, a Infraero vai construir um “puxadinho” de R$ 5 milhões.

O chamado MOP (Módulo Operacional) deve ficar pronto em maio e elevará a capacidade de Viracopos dos atuais 3,5 milhões para 5 milhões de passageiros por ano.

O MOP ampliará de 32 para 57 o número de balcões de check-in, mas já deverá estar saturado na inauguração.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Pantanal inicia novos voos nas regiões Nordeste e Sudeste operados por Airbus

07/01/2011 - Aviação Brasil

A Pantanal Linhas Aéreas inicia neste mês novos voos de e para a região Nordeste, oferecendo aos seus clientes acesso facilitado a cidades como Teresina (PI), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Recife (PE) e Ilhéus (BA). A companhia também amplia suas operações em Minas Gerais e no interior paulista, com novas ligações entre São Paulo e as cidades de Belo Horizonte e São José do Rio Preto. Os voos serão operados por modernas aeronaves Airbus A319 e A320, com capacidade para 144 e 174 passageiros, respectivamente. Além disso, os voos a partir de Ilhéus e Teresina terão acesso sem escala a São Paulo/Guarulhos, oferecendo possibilidade de conexão rápida com outros voos domésticos e internacionais que partem da capital paulista.

Os voos estão previstos para iniciarem nas seguintes datas:
São Paulo/Congonhas-João Pessoa, a partir de 6 de janeiro;
João Pessoa-São Paulo/Congonhas, a partir de 7 de janeiro;
São Paulo/Guarulhos-Recife, a partir de 10 de janeiro;
Recife-São Paulo/Guarulhos, ida e volta, a partir de 10 de janeiro;
Recife-São Paulo/Guarulhos, a partir de 11 de janeiro;
São Paulo/Guarulhos-Teresina; ida a partir de 17 de janeiro, volta a partir de 18 de janeiro;
São Paulo/Guarulhos-Ilhéus, ida e volta, a partir de 17 de janeiro;
São Paulo/Guarulhos-Belo Horizonte/Confins, ida e volta, a partir de 17 de janeiro;
São Paulo/Congonhas-São José do Rio Preto, ida e volta, a partir de 20 de janeiro.

Os horários de cada um deles já estão disponíveis para consulta no site da empresa (www.voepantanal.com.br)

Frota padronizada inclina TAM à Airbus em jatos para Pantanal

16/11/2010 - O Estado de São Paulo 

SÃO PAULO (Reuters) - A TAM decidiu usar jatos para a frota da companhia aérea Pantanal, comprada no final do ano passado. O interesse do grupo é ter uma frota padronizada de aviões para obter economias de custos maiores com modelos de um mesmo fabricante.

A TAM vai trocar a frota de cinco aviões turboélice ATR da Pantanal por jatos a partir de 2012. "A questão não é em termos de turboélice ou jato. É ter uma frota comum. Quanto mais padronizada a frota, mais ganho de escala", disse o presidente-executivo da TAM Linhas Aéreas, Líbano Barroso, citando como exemplos tripulação e peças de estoque.

A companhia aérea vai fazer a escolha dos jatos para a Pantanal entre modelos com capacidade para entre 100 e 150 passageiros. A preferência é por modelos da brasileira Embraer e da europeia Airbus, já que a TAM "não tem intenção de colocar no mercado doméstico avião desse porte da Boeing", disse Barroso.

No caso da Embraer, o executivo citou os modelos 190 e 195, com capacidades para 122 passageiros; e sobre a Airbus citou o A319, com 144 assentos.

Perguntado sobre a preferência da TAM sobre o fabricante, Barroso citou a padronização de frota da companhia. "(A Airbus) tem uma vantagem pelo efeito de complementariedade."

"Porém, se optarmos por novo modelo e termos um plano de que esse modelo seja adquirido em um lote mínimo de tamanho de 15 a 20 aeronaves já começa a se justificar (um fornecedor diferente)", acrescentou o executivo.

No terceiro trimestre, a TAM operou uma frota de 151 aeronaves, composta por 139 jatos da Airbus -entre eles 27 A319-, sete aviões da Boeing, para voos internacionais, e os 5 ATRs da Pantanal.

Além dos ATRs da frota inicial, a Pantanal passou a voar também com três Airbus depois de ser comprada pela TAM. A unidade voa para 19 cidades no país e, mais cedo, em teleconferência com analistas, Barroso afirmou que a intenção é usar os jatos que serão adquiridos em voos com duração entre 1 e 1,5 hora. 

Próximo destino da Tap no Brasil será Porto Alegre

09/0/1/2011 - Panrotas

Amanhã desembarca em Porto Alegre o vice-presidente executivo da Tap Portugal, Luiz da Gama Mór. Ele se reúne com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, às 12h15, e com a prefeita em exercício da capital gaúcha, Sofia Cavedon, às 13h20. Mór, que é gaúcho, vai avaliar detalhes e possibilidades para que a companhia passe a voar de Porto Alegre diretamente para a Europa, sem escalas. Na terça-feira, haverá um café da manhã para a imprensa no Sheraton, às 8h30, na sala Montevideo, onde ele dará mais detalhes sobre a nova operação da Tap, que já voa para São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Recife, Fortaleza e Natal, a partir de Lisboa e Porto.

Enfim, a Infraero vai ampliar Confins

06/1/2011 - Estado de Minas (MG)

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) finalmente lançou o edital para a contratação de obras e serviços de engenharia para a ampliação e modernização do terminal 1 de passageiros no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Grande Belo Horizonte. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) de ontem, em meio ao caos vivido pelo aeroporto nos últimos dias, com os mais elevados índices de atrasos e cancelamento de voos do país. O edital sai depois de vários adiamentos.

As propostas das empresas interessadas, bem como os documentos de habilitação, deverão ser entregues na sede da Infraero, em Brasília, até 21 de fevereiro, data da abertura dos envelopes. As obras, orçadas em R$ 295 milhões, devem começar emmaio, já que o tempo médio do processo de licitação é de três meses.

A escolha da empresa que vai fazer as obras será por meio de concorrência internacional. "A internacionalização do processo objetiva ampliar a disputa e obter condições mais vantajosas para a Infraero", afirma, por meio de nota, o presidente da empresa, Murilo Marques Barboza. O vencedor da licitação vai ser a empresa que apresentar o menor preço, dentro das regras do edital. Os consórcios de empresas não vão poder participar da concorrência.

Pelo projeto do terminal, os veículos não vão poder mais transitar entre o terminal de passageiros e a área comercial, espaço que será transformado em uma via de trânsito mais larga, restrito à circulação de pessoas. Com as obras, o terminal de passageiros vai aumentar de 60,3 mil metros quadrados para 67,6 mil metros quadrados, elevando a capacidade dos atuais 5 milhões para 8,5 milhões de pessoas por ano. O edital está disponível na sede da Infraero e pode ser retirado mediante o pagamento de taxa de R$ 20 ou sem custos pelo site www.infraero.gov.br/portal_licitacao. A abertura do edital já tinha sido adiada algumas vezes. A última previsão da Infraero é que o documento fosse publicado em 29 de dezembro.

A obra, além de estar atrasada, não deve atender ao crescimento da demanda de passageiros, segundo especialistas do setor. O diretor técnico do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea), Ronaldo Jenkins, avalia que a obra de modernização do terminal 1 já devia ter começado em setembro. O prazo estipulado pela Infraero para a realização das obras seria de três anos. Ou seja, para que o terminal 1 esteja pronto até a Copa do Mundo de 2014, há urgência no início do projeto.

Alerta O Snea já tinha alertado, no início de 2009, que os grandes aeroportos brasileiros vão enfrentar sérias dificuldades de operação antes mesmo da Copa do Mundo de 2014. Há mais de um ano que o sindicato fez um levantamento dos principais problemas de 16 aeroportos localizados nas 12 cidades-sedes dos jogos do Mundial de futebol. Na época, o passageiro já enfrentava aeroportos com volume de pessoas acima da capacidade, filas de check-in, salas de embarque lotadas, falta de estacionamento para aeronaves e veículos e pátios com impossibilidade de os aviões pernoitar. O levantamento apontou que diversos aeroportos já operavam com volume de passageiros acima da capacidade anual: Viracopos (SP), Guarulhos (SP), Confins (MG), Brasília (DF), Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR).

A demanda de passageiros em Confins vem crescendo cerca de 25% ao ano. Só de janeiro a novembro de 2010 o aeroporto transportou 6,5 milhões de passageiros, volume bem maior do que a capacidade do terminal. O governo de Minas entregou à Infraero projeto preliminar para a construção do terminal 2 em Confins, orçado em cerca de US$ 200 milhões (cerca de R$ 350 milhões). O novo terminal ampliaria a capacidade do aeroporto para 10 milhões de passageiros ao ano. O governo ressalta a urgência do início das obras para alavancar a economia da região. Nos últimos dois anos, já foram criados 7 mil empregos no Vetor Norte da Grande Belo Horizonte. Estudo encomendado pelo governo a uma consultoria de Cingapura aponta que a região tem perspectivas de gerar 15 mil empregos até 2014.

Novos projetos O aeroporto de Confins vai contar com R$ 465,5 milhões de investimento do governo federal, de um total de R$ 5,15 bilhões previstos no orçamento da União, de 2011 a 2014, para melhorias em 13 aeroportos das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo no Brasil. Em Confins, a pista de pouso e decolagem, que tem 3 mil metros de extensão, será ampliada em 600 metros, possibilitando operações até com Airbus A380, maior aeronave comercial de passageiros, com capacidade para até 800 pessoas. Além das obras no terminal de passageiros, Confins terá o pátio de aeronaves expandido de 86 mil para 300,4 mil metros quadrados. Para esse empreendimento o edital ainda está em fase de conclusão e a Infraero planeja investir cerca de R$ 170,5 milhões.

Em julho de 2010, a Infraero concluiu as obras do novo estacionamento de veículos de Confins. O novo espaço conta com mais 1.538 vagas, totalizando 2.938. A obra, que teve investimento de R$ 8,6 milhões, faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Jobim ameaça dminuir malha da Tam por atrasos

08/01/2011 - Agência Brasil 

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) poderá reduzir o número de voos da Tam devido aos problemas operacionais apresentados pela companhia durante os feriados de fim de ano. O aviso foi dado pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, que atribuiu parte dos atrasos e cancelamentos de voos dos últimos dias a uma operação padrão dos funcionários da empresa, fruto, segundo ele, da falta “de planejamento, de competência e de gestão”.

“A greve [de aeronautas e aeroviários] está afastada. O que está havendo, ao que tudo indica, é uma operação padrão na Tam. Há uma diferença muito grande entre o planejamento de voos da empresa e o que vem sendo executado. A Anac já está estudando determinar, eventualmente, a manutenção [congelamento] da atual malha da empresa, mas eu disse à presidente da agência [Solange Vieira] que a possibilidade de a malha aérea da companhia ser reduzida, caso os atrasos continuem, também deve ser examinada”, disse Jobim.

Sobre a já habitual ameaça de aeronautas e aeroviários de paralisar atividades nos feriados de fim de ano, Jobim disse que a manutenção da data-base das duas categorias próxima do período de maior movimento nos aeroportos é uma forma de os sindicatos pressionarem as companhias a atender as reivindicações.

“É lógico que, mantendo sua data-base no final do ano, os trabalhadores podem exercer mais pressão sobre as empresas e qualquer mudança significa diminuir a capacidade dos sindicatos de pressionar as empresas. Não vamos nos enganar, mas esta é uma questão de jogo político. Só que este é um problema que as empresas e os sindicatos têm que resolver entre si e no qual eu não me meto”, comentou Jobim. Segundo o ministro, a Justiça do Trabalho pode, se julgar necessário, transferir o período das negociações para outra data, a fim de preservar o interesse da população.

A Tam informou, por meio de nota, que registrou um número de faltas de tripulantes e funcionários de rampa (que fazem o carregamento das aeronaves) acima da média em algumas bases do País, na última semana. Segundo a empresa, isso contribuiu para os atrasos na volta do feriado de Ano Novo.

“Além de trabalhar intensamente para reduzir os atrasos, a companhia preocupou-se em manter a regularidade, evitando ao máximo o cancelamento de voos. A Tam mantém contato e colaboração permanente com as autoridades aeronáuticas, em busca do objetivo comum de aprimorar seus serviços”, disse na nota. No entanto, a Tam não se pronunciou sobre a possível redução da malha aérea da companhia.

País perdeu 44 aeroportos em 10 anos, diz estudo

22/05/2008 - Terra

Um levantamento do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), aponta que o número de aeroportos em operação no País diminuiu de 199 para 155 nos últimos dez anos. Essa variação negativa atingiu diretamente 384 cidades, afetando pelo menos 8 milhões de brasileiros obrigados a se deslocar até outras localidades para viajar de avião.

Segundo o estudo, a quantidade de cidades atendidas por vôos comerciais tem diminuído devido à "liberalização do setor" e à "concorrência predatória" entre as empresas. Enquanto em 1998 o número de municípios atendidos por vôos regulares chegava a 1.821, hoje é de 1.437.

Se consideradas as microrregiões (conjunto de cidades limítrofes) cobertas pela malha aérea comercial, a quantidade caiu de 166 para 131. Em 2005, o número de pessoas com possibilidade de apanhar um avião em sua própria microrregião chegava a 113 milhões. Hoje, de acordo com os dados apresentados no estudo, é de 104 milhões.

Segundo dados da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), porém, a quantidade de pessoas que viajaram de avião no ano passado, aumentou 8,24%, em relação ao ano anterior. Em 2007 foram registrados 110,6 milhões de embarques e desembarques nos 67 aeroportos administrados pela estatal.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) confirma a redução de 44 aeroportos ao longo da última década, mas apresenta números diferentes do estudo. Segundo a agência, em 1998 o país contava com 181 aeroportos. Hoje, são 137. Porém, segundo informações da própria Anac, pela atual legislação, as companhias aéreas concessionárias de rotas domésticas são livres para definir os locais que irão atender.

A única exceção seria o Aeroporto de Congonhas (SP), onde os pousos e decolagens da aviação regular estão limitados a 30 por hora.

A redução do número de aeroportos ocorreu em todo o País, mas a região norte foi a que mais perdeu em termos absolutos de cobertura. Lá, o número de aeroportos em operação baixou de 59 para 46, uma variação de 22%. A quantidade de microrregiões cobertas baixou de 41 para 33, enquanto o número de municípios atendidos caiu de 248 para 214.

Na região centro-oeste, o número de aeroportos em operação diminuiu 29%, passando de 31 para 22. O número de microrregiões cobertas baixou de 24 para 18 e o de municípios atendidos de 232 para 162.

Na Região Nordeste, a quantidade de aeroportos em operação baixou de 35 para 29 (menos 17,1%). As microrregiões cobertas, que antes chegavam a 31, hoje são 26. Já o número de municípios caiu de 366 para 274.

Na região sudeste, a quantidade de aeroportos em operação baixou de 42 para 32 (menos 23,8%), o número de microrregiões cobertas caiu de 39 para 30 e o de municípios, de 516 para 417. Já na região sul, o número de aeroportos em funcionamento baixou de 32 para 26 (variação de 18,8%), o de microrregiões cobertas de 31 para 24 e o de municípios de 459 para 370.

O estudo defende que, devido à liberalização do setor, o transporte aéreo nacional se tornou um segmento com alto grau de desregulamentação econômica. Com isso, as companhias aéreas passaram a competir livremente, concentrado suas operações nos aeroportos grandes e médios, em detrimento dos aeroportos locais.

A chamada "liberalização do setor", sustenta o estudo, teria se intensificado a partir da década de 1990, com a chamada Política de Flexibilização da Aviação Comercial Brasileira - um conjunto de ações governamentais cujo objetivo era remover, gradativamente, os controles sobre as variáveis econômicas do setor. A criação da Anac, em 2005, teria consolidado essa estratégia.

Financiado pelo Ministério do Turismo, o estudo foi entregue no dia 7 de maio a ministra Marta Suplicy, que o apresentou ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, na mesma data. O documento foi dividido em quatro capítulos: um diagnóstico dos atuais estágios de regulação e de cobertura dos mercados aéreos regionais; a identificação da demanda e do potencial de usuários para a aviação regional; a competitividade entre as empresas e a necessidade de investimentos em infra-estrutura nos mercados regionais e propostas para a criação de um marco regulatório específico para o setor.

Aeroporto de Goiânia: O pior aeroporto do Brasil, segundo pesquisa da Anac.

07/01/2011 - GYN Online


Pesquisa feita pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) aponta que os passageiros consideram o aeroporto de Goiânia o pior do país. A avaliação levou em conta 16 itens e foi realizada nos 22 maiores aeroportos do Brasil. Em uma escala de 0 a 10, o terminal goiano ficou com nota 2,3.

Entre os itens avaliados, estava embarque e desembarque. Foi nesse item que o terminal de Goiânia recebeu a pior avaliação: abaixo de 2.

O aeroporto ''internacional'' Santa Genoveva foi construído em 1955. Um novo aeroporto começou a ser construído em 2003, mas a obra parou logo depois. A Infraero decidiu então ampliar a sala de embarque, um dos pontos mais críticos do aeroporto. A obra, após cinco meses do início, também está parada.

Além disso, dois ônibus novos, para transportar passageiros entre os aviões e o terminal, estão parados. De acordo com a Infraero, faltam motoristas para trabalhar no local. O procurador da República Raphael Perissé disse que recebeu a denúncia e que vai investigar o caso.

Se a própria agência reguladora de aviação civil do país ja comprova que o aeroporto Santa Genoveva é o pior aeroporto do país e a infraero(que supostamente deveria investir em infraestrutura aeroportuária) não faz nada, os Goianos ainda vão sofrer por muito tempo na ''mão'' desse terminal que é muito pior que rodoviária do interior.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Privatização de aeroportos já causa polêmica na Câmara

07/01/2011 - Jornal de Tursimo

Parlamentares da oposição e aliados ao governo já divergem sobre o provável envio, pela presidente Dilma Rousseff, de uma medida provisória que permitirá a operação privada de aeroportos. A presidente, segundo informações publicadas pela imprensa, já decidiu entregar à iniciativa privada a construção e operação de novos terminais nos aeroportos de Guarulhos e Viracopos, no estado de São Paulo. O objetivo seria desafogar aeroportos vitais para a realização, no Brasil, da Copa do Mundo de 2014.

O líder do DEM, deputado Paulo Bornhausen (SC), deixa claro que o partido não será contra entregar à iniciativa privada a construção e a operação de novos terminais. No entanto, ele critica o modelo que, na sua avaliação, será adotado pelo Executivo.

"O governo pode até resolver os problemas dos aeroportos de São Paulo e do Rio de Janeiro, mas não dos estados que não têm o mesmo número de passageiros e, portanto, a mesma viabilidade econômica”, afirma. “É necessário vincular, aos aeroportos maiores, aqueles com menos capacidade de geração de receita, para existir um equilíbrio regional e garantir um sistema sustentável ao longo do tempo", acrescenta.

O líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirma que os aeroportos não vão ser privatizados. "A iniciativa privada poderá construir aeroportos por concessão do governo, com preço justo. Isso não tem nada a ver com as privatizações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do PSDB", conclui Vaccarezza.

A expectativa é de que a MP também inclua a abertura do capital da Infraero, estatal que administra os terminais.

*Com informações da Agência Câmara

Gol registra demanda recorde para o mês de dezembro

07/01/2011 - Jornal de Turismo

A Gol anuncia o aumento da demanda em 4,5% em sua malha aérea total em dezembro de 2010, e taxa de ocupação de 72,5%. O mercado doméstico apresentou crescimento de 4,7%. Segundo a companhia, tal crescimento se deve ao melhor cenário econômico brasileiro, que contribuiu para o maior acesso da nova classe média brasileira ao transporte aéreo no País, além de índices positivos de regularidade e pontualidade, como resultado das medidas adotadas na malha aérea e escala de tripulantes, gerenciamento dinâmico de tarifas, que permitiu o fortalecimento do yield nesse mês, ampliação do número de destinos regionais brasileiros, bem como adição dos mercados operados pela Noar e a recente introdução do acordo comercial com a Passaredo, e foco da companhia em voos de curta duração (cerca de 95% das decolagens da Gol correspondem a voos de até 3 horas).

Em relação ao mês de novembro, houve aumento de 14,0%, refletindo o aumento sazonal da demanda, uma vez que o mês de dezembro representa o período de início das férias escolares, e festas de final de ano, além de possuir um número maior de dias corridos (30 em novembro e 31 em dezembro). A demanda diária apresentou crescimento de 10,3% na comparação com o mesmo período de 2009.

No mercado internacional, houve crescimento de 3,1% em comparação ao ano anterior que, segundo a companhia, ocorreu devido à contínua recuperação da economia da América Latina, além dos seguintes fatores:

- abertura de novos voos operados pela marca Varig para a região do Caribe (Punta Cana, Barbados e St. Maarten);

- crescimento nos voos para o Cone Sul com a operação para o aeroporto central da Argentina (Aeroparque);

- intensificação das operações internacionais com as empresas aéreas parceiras em acordos de code-share;

- reativação das aeronaves B767 para operações de fretamentos internacionais; 

- queda do Real perante a moeda americana, situação que favorece a expansão do turismo nas regiões do Cone Sul e do Caribe.

Em relação ao mês anterior, houve aumento de 12,5% em função da sazonalidade do mês de dezembro, com aumento de 8,9%, considerando a base diária.

Aeroporto Internacional de Manaus registra movimentação recorde em 2010

07/01/2011 - Jornal de Turismo

O volume de passageiros no Aeroporto Internacional de Manaus/Eduardo Gomes (AM) foi de 2,7 milhões em 2010, segundo dados da Infraero, fornecidos à Amazonastur (Empresa Estadual de Turismo do Amazonas). Este volume representa um crescimento recorde de 125% em relação ao fluxo de passageiros registrado em 2003, quando 1,2 milhão passageiros passaram pelo aeroporto internacional de Manaus.

O destaque para o levantamento é o fluxo de passageiros internacionais. Em 2003, o volume foi de 36.427. Já em 2010, este número chegou a 150 mil, o que representa um crescimento de 312%, no período. O fluxo de passageiros nacionais em 2010 foi 2,390 milhões, o que representa um crescimento 98% em relação a 2003, quando foi registrado um volume de 1,205 milhão.

De acordo com a presidente da Amazonastur, Oreni Braga, esses dados positivos são reflexos dos trabalhos realizados pelo Governo do Estado, por meio do Órgão Estadual de Turismo em parceria com o trade turístico local, na divulgação da Marca Amazonas nos mercados nacional e internacional. “Além disso, o Governo do Estado, por meio da Amazonastur, vem trabalhando intensamente na articulação junto às companhias aéreas no sentido de ampliar e melhorar a logística dos voos que ligam Manaus aos principais hubs nacionais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte, com voos diretos e diários”, disse Oreni.

A presidente do Órgão Estadual de Turismo disse ainda que a articulação e a ampliação dos voos diretos e diários permitiu uma excelente oportunidade aos turistas nacionais e estrangeiros a conhecerem o ‘Destino Verde do País do Futebol’. “Manaus ficou mais barato e mais perto do Brasil, e o Brasil ficou mais perto e mais barato para o amazonense que passou a viajar mais de avião. Em épocas passadas, o turista pagava um preço muito alto para chegar ao Amazonas. Atualmente, dependendo da época que ele adquire o bilhete aéreo, ele vem e retorna pagando um valor competitivo aos praticados para os demais destinos nacionais”.

Oreni Braga informou que a Amazonastur, juntamente coma Seplan e Sefaz, vem discutindo com as companhias aéreas a possibilidade de ligar Manaus a Foz de Iguaçu e a Porto Alegre, em voos com escala em Brasília ou em Cuiabá. “Esses voos possibilitarão aos turistas sul-americanos conhecerem o Amazonas, bem como os americanos que entram por Manaus conhecerem o Sul do Brasil. Dessa maneira, Manaus estará conectada com todo o País, pois é estratégico e fundamental essa logística para a Copa 2014”, completou a presidente.

Aeroporto de Foz do Iguaçu bate recorde passageiros

07/01/2011 - Panrotas

O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu (PR) bateu recorde de passageiros no ano passado - o número total foi de 1,1 milhão, 43% a mais do que em 2009.

A expectativa é que em 2011 mais de 1,3 milhão de passageiros embarquem e desembarquem no aeoporto em função, também, do início das operações da Lan (16 de janeiro) e da Azul (10 de março).

Pernambuco terá primeiro voo direto para Goiânia

07/01/2011 - Panrotas

A partir do dia 17, Recife terá um voo direto para Goiânia (GO). A rota será operada pela companhia Passaredo, com um jato Embraer ERJ 145 para 50 pessoas.

Esta nova frequência possibilitará aos pernambucanos conexões para Cuiabá (MT), Ji-Paraná (RO), Ribeirão Preto (SP), São Paulo/ Guarulhos (SP) e Uberlândia (MG).

Procura por aeroportos do interior aumenta 40%

07/01/2011 - José Maria Tomazela - O Estado de S.Paulo


Os 31 terminais paulistas receberam 1,7 milhão de passageiros em 2010, com maior movimento em cinco cidades

O caos aéreo em São Paulo faz aumentar a procura pelos aeroportos do interior. O movimento de passageiros nesses terminais cresceu 40% em 2010. O número de viajantes nos 31 aeroportos administrados pelo Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp) subiu de 1,2 milhão em 2009 para 1,7 milhão no ano passado. Já no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, o movimento de passageiros saltou de 3,3 milhões para 4,6 milhões no mesmo período, segundo dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

De acordo com o engenheiro Fábio Santana, gerente de logística de uma multinacional instalada em Sorocaba, a empresa trocou o Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, Região Metropolitana, pelo de Campinas para o embarque de cargas. “Para viagens domésticas do nosso pessoal também optamos pelo aeroporto do interior em razão da facilidade de acesso.” A pernambucana Elisângela de Lima Araújo também optou por Viracopos para retornar ao Recife na segunda-feira. “A fila era bem pequena e o embarque foi rápido.”

De 2009 para 2010, a migração de passageiros nos aeroportos do Daesp também fez aumentar o movimento de aeronaves de 399 mil para 423 mil e o volume de cargas de 2,6 mil para 4,3 mil.

Ociosidade. Em Viracopos, da Infraero, o movimento de aeronaves subiu de 49 mil para 67 mil e de cargas, de 195 mil para 220 mil toneladas. Para a geógrafa e pesquisadora da malha aeroviária Ana Paula Camila Pereira, da Universidade Estadual Paulista, a estrutura é boa, mas subutilizada. Aeroportos como os de Sorocaba, Piracicaba e Bauru operam com alta taxa de ociosidade.

O tráfego de passageiros está concentrado em cinco aeroportos, como o de Ribeirão Preto, com mais de 600 mil em 2010. O aeroporto de Jundiaí foi o estadual que mais recebeu aeronaves em 2010: 100 mil operações. Segundo o Plano Aeroviário do Estado de São Paulo, ele será adequado como aeroporto metropolitano auxiliar. O plano, apresentado à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), prevê o uso de dez aeroportos com demanda de voos regionais regulares. Outros 12 como complementares, quatro como turísticos e oito para atendimento local.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Alckmin diz que irá discutir ampliação de aeroportos com governo federal

06/01/2011 - G1 SP - Letícia Macedo

Governador de SP diz que Cumbica e Viracopos são prioridade.
Vice-presidente Michel Temer diz que haverá 'parceria' entre os governos.

Michel Temer
Michel Temer e Geraldo Alckmin se reuniram no
Palácio dos Bandeirantes (Foto: Letícia
Macedo/ G1)

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou, em encontro com o vice-presidente Michel Temer nesta quinta-feira (6), que irá discutir com o governo federal a ampliação dos aeroportos do estado. A declaração foi feita no Palácio dos Bandeirantes, na Zona Sul da capital paulista.

“Coloquei [como questão a ser discutida com o governo federal] a importância da ampliação dos aeroportos Cumbica e Viracopos e a disposição do estado [de São Paulo] de ajudar em questões de licença ambiental, procedimentos desapropriatórios, acesso, enfim, no que o estado puder ajudar”, afirmou o governador. Alckmin disse ter reiterado a Temer sua disposição de fazer parcerias e trabalhar junto com o governo federal.

“Ele disse que há quase 16 anos já se cogitou a ampliação dos aeroportos, mas que, até hoje, isso não se verificou. Penso que será um dos primeiros temas [a serem discutidos] e ele passará isso ao governo federal quando estiver com a presidente Dilma”, disse Michel Temer, depois do encontro.

A reunião teve tom amistoso. Temer, que é paulista, disse que a presidente Dilma Rousseff tem interesse em estabelecer “uma parceria do governo federal com o estado de São Paulo, colocando a União à disposição dos interesses do estado”. “Espero estabelecer relação de muita cordialidade”, declarou.